ADONIS OLIVEIRA - LÍNGUA FERINA

Mestre Aristóteles, enraivecido com a multidão de picaretas que se especializou em provar que o preto era branco (já existiam petistas naquela época), a fim de manipular a seu bel prazer a multidão de ruminantes que participava das votações na ágora ateniense, os famosos SOFISTAS, não cansava de dar o seguinte conselho: DEFINAM SEUS TERMOS! Isso porque uma das manobras escusas mais comuns nessa corja é utilizar palavras com mais de um sentido, sempre querendo significar outra coisa. Apropriam-se indevidamente, do seu outro significado.

Vou dar um exemplo bem simples para clarear!

Quando eu era adolescente, o grande barato das esquerdas era esbravejar que desejavam “O AMOR LIVRE”. Seguiam candidamente a receita preconizada por Herbert Marcuse, em sua obra EROS E CIVILIZAÇÃO, onde propunha a famosa “Revolução Sexual”. Esta obra, nada mais era que um manual de operacionalização das proposições de Engels, na sua obra FORMAÇÃO DA FAMÍLIA, DA PROPRIEDADE PRIVADA E DO ESTADO, onde este destroçava com a ideia de família tradicional. Propunha isto a fim de transferir a doutrinação das crianças para o aparelho do estado, de forma a poder criar os prosélitos perfeitos da revolução. Proposição esta que as nossas esquerdas nojentas adoram. Vejam que, o que queriam dizer mesmo era: SEXO LIVRE! Era todo mundo fazendo sexo com todo mundo, sempre que quisessem e o quanto quisessem. Suruba total!

A amor sempre foi totalmente livre. Quem nunca foi “livre”, que dizer: DESBRAGADA, foi a sexualidade.

O detalhe mais interessante desta estória de terror é o seu final. À medida que as mulheres desceram do pedestal e passaram a “caçar” parceiros sexuais mais agressivamente até do que os homens, a consequência, como seria de se esperar, e fácil de prever, foi a criação de gerações de bastardos, criados pelas avós e educados sem a referência moral dos pais para guia-los e orientá-los ao longo da vida. Esta lacuna, já em si extremamente perniciosa, coadjuvada com o bombardeio de uma ideologia que preconiza o total relativismo dos papeis sexuais a serem desempenhados por cada sexo (EU FALEI SEXO, E NÃO GÊNERO!), gerou um nó cego na cabeça das novas gerações. Mulher “feminista” passou a ser a sapatão que tem raiva de homem, e coisa a ser considerada altamente meritória. Em contrapartida, já o “machista”, o homem que tem comportamento de homem, passou a ser encarado pior que “O Bandido da Luz Vermelha”! Os machos da passaram a ser melífluos, suaves e delicados. Extremamente preocupados com os desenhos a fazer na barba e com as próximas tatuagens que farão, abriram a cabeça para toda uma série de novas possibilidades sexuais: Bissexual, gay, trans, travesti, não binário, homo, e só o diabo sabe o que mais inventarão. Para mim, tudo isto pode ser resumido em uma simples palavra: VEADO!

Outra consequência da grande suruba revolucionária foi o recrudescimento das D.S.T já tradicionais, além do surgimento de outras com potencial destrutivo infinitamente maior, tal como a AIDS. Esta, aliás, diretamente ligada à proliferação do homossexualismo masculino em seu início.
Observem que AMOR e SEXO são duas coisas totalmente distintas. Se analisar bem, uma não tem absolutamente nada a ver com a outra. Quem explicou bem direitinho essa grande diferença foi a genial roqueira Rita Lee.

AMOR e SEXO – Rita Lee

Hoje, mesmo com a total avacalhação da ideia de uma relação tradicional entre um homem e uma mulher para, juntos, constituírem uma família e criarem os filhos, o velho sexo tradicional, entre um homem e uma mulher, continua liderando nas paradas do sucesso. A voz da natureza fala mais alto que qualquer ideologia escrota. O que está ocorrendo muito é o que os juristas chamam de “Alienação Parental”. Os autores da proeza de gerarem um pimpolho, empedernidos em monumental egoísmo, recusam-se a dar prosseguimento à gestação e, muito menos, a dar-se o trabalho de criar e educá-lo. Assim, com preguiça até para se utilizar dos inúmeros meios de contracepção atualmente disponíveis, partem sem nenhum remorso para o assassinato de seus próprios filhos, estando estes ainda no ventre da mãe. Desconheço prova maior de total selvageria e desumanidade.

Outra falácia monumental que tem sido impingida à nossa população é a estória da famigerada “IGUALDADE”.

Ao longo das últimas décadas, temos sido bombardeados constantemente com a cantilena de que “O Brasil é um dos países com maiores desigualdades de renda do mundo”. Ou que o nosso índice de GINI é um dos piores do mundo. Ou que temos que distribuir “melhor” a renda entre a população.

Eu já estou totalmente de saco cheio dessa conversa demagógica e manipulativa.

Eu não quero “UM PAÍS MAIS IGUAL”, como apregoam aos quatro ventos os arautos dos esquerdinhas, assim como toda uma multidão de prosélitos desta seita amaldiçoada. Especialmente se, para termos mais igualdade, tivermos que pagar salários nababescos a burocratas que irão distribuir migalhas financiadas pelos impostos pesadíssimos que nós, os otários, pagamos ao sermos extorquidos pelos mesmos canalhas demagogos. Eu sou EU! E não quero ser “mais igual” a ninguém! A última coisa que eu desejo na vida é diluir a minha individualidade em um coletivismo mediocrizante e imbecilizante. Se eles querem tanto esta igualdade, pois que vão ser iguais aos miseráveis da Venezuela ou de Cuba. De minha parte, o país que eu quero é:

1. Um país que tenha bem menos gente com cara de pau, mamando desbragadamente nas gordas tetas governamentais para não fazer porra nenhuma, ou mesmo atrapalhando quem quer fazer! Isto quando não estão roubando descaradamente e desbragadamente! MALDITOS!!! MIL VEZES MALDITOS!!!

2. Um país que essa seita maldita de demagogos e vigaristas não tenha o direito de surrupiar os rendimentos das pessoas honestas e trabalhadoras para seu deleite e que, ao serem pegos com a mão na botija, votando e implementando privilégios para si mesmos e para seus colegas de ladroagem, sejam devidamente degolados. BRASILEIROS!!! ACORDEM!!!

3. Um país em que, se você quiser ficar sem trabalhar e morrer de fome. FIQUE! É DIREITO SEU! Só não venha depois querer ser sustentado por aqueles que trabalham, ou sair espalhando seus bastardinhos pelo mundo e querendo que os demais sustentem e eduquem. MORRA!!! E morra logo. Faça-nos este favor. Se depois, eu quiser ajudar à sua viúva, ou mesmo adotar alguns dos seus bastardinhos, por uma simples questão de caridade cristã, é DECISÃO E PROBLEMA MEU!

4. Um país em que aqueles que se prevalecerem da confiança recebida da população para roubar e se dar bem, (juízes, deputados, prefeitos, secretários, reitores, funcionários públicos, etc…) sejam devidamente ESQUARTEJADOS, bem lentamente e em praça pública, num domingo à tarde.

5. Um país em que os contratados pelo serviço público (poucos, muito poucos, de preferência) recebam um salário e obedeçam a condições EXATAMENTE semelhantes ao que receberiam na iniciativa privada, sem privilégio algum e ainda com a responsabilidade adicional de, ao serem pegos em maracutaias, por esta ter sido feita com recursos públicos, serem sumariamente esquartejados. SE NÃO QUISER ESTA RESPONSABILIDADE, PROCURE UM EMPREGO NA INICIATIVA PRIVADA!

Quando é agora, aparece mais um jornalista canalha deblaterando contra o valoroso ministro Guedes e o acusando de tentar implantar o que ele (o jornalista ruminante), sem apresentar nenhum número, nem muito menos fazer qualquer conta, chamou de “Terraplanismo Econômico”. Com essa defecada verbal, tentou igualar o “Melhor Ministro de Economia do Mundo” a aquela manada de ruminantes, simplesmente porque o ministro acredita que a melhor forma de aposentadoria é cada um poupar seu próprio fundo de pensão, sem que o governo se meta para roubar a metade e dividir entre os seus apaniguados, ou dar de esmola algumas migalhas a fim e se viabilizar eleitoralmente. Eu creio que mesmo a imbecilidade tem limites. Acredito que seja um caso de canalhice mesmo.

Fazem já algumas décadas em que eu acompanho de perto tudo o que acontece na casta governamental deste país desgraçado. É sempre de pior a pior, que nem a cantiga da perua. Já existem dinastias de ladravazes que vão na terceira ou na quarta geração, sempre mamando desbragadamente nas tetas públicas. Vamos acabar com a farra?

É só não votar em ninguém que tenha tido qualquer mandato anterior, ou que tenha algum parente próximo que seja político. Muito simples!

Vejam se esse magote de filhos de uma puta gonorrenta aceitam a ideia de CANDIDATURA AVULSA. Se aceitarem, o primeiro a se candidatar a qualquer merda serei eu. Até para Presidente da República. A minha plataforma eleitoral todo mundo já sabe. Nunca escondi de ninguém. MATOU? MORRE! ROUBOU? CORTA A MÃO! OU SERÁ ESQUARTEJADO VIVO, SE FOR FUNCIONÁRIO PÚBLICO.

17 pensou em “FALÁCIAS E DESIGUALDADES

  1. Não entendi o uso da alienação parental. No contexto jurídico, até onde entendi, ocorre quando o filho é educado pra sentir ódio de um dos cônjuges. O cara se separa e a mães da criança passa a incutir ideias que leve o filho a odiar o pai. Tem ações como viagens, presentes, etc pra afastar mais ainda o filho do pai

    • Prezado Maurício,

      Desculpe-me a minha total e voluntária ignorância jurídica!

      Costumo dizer que existem duas profissões que eu jamais seguiria: Médico, pois não suporto ver sangue, e advogado, pois não suporto mentiras.

      Quando usei a expressão “Alienação Parental” não foi com nenhum sentido jurídico que lhe queiram atribuir. Quero dizer simplesmente “Quem pariu e não cuidou”. Quem fabricou uma criança e largou no mundo.

      Por favor, entendam minha frase desta forma. Não tive nenhuma intenção de usar qualquer conotação jurídica.

  2. Escreve Adônis o magnífico: CANDIDATURA AVULSA. Se aceitarem, o primeiro a se candidatar a qualquer merda serei eu. Até para Presidente da República.

    Perguntinha básica de Sancho: o cargo de vice em sua chapa ainda está vaga? Quais os pré-requisitos para ocupá-la? É que estive pensando, matutando e… gostaria de candidatar-me.

  3. Sr. Adônis, vulgo Apolo greco-fubânico,

    em um mundo ideal, se decidir se candidatar a algum cargo federal, terás o voto do Hades greco-fubânico, Nikolai Hel.

    Porém, se não cumprires a promessa de mandar todas essas almas sebosas pra minha morada, por tamanho estelionato eleitoral eu o punirei com o Lingchi por toda a eternidade.

    Não se engana o deus do submundo nordestino a troco de nada.

  4. Antes do presidente pré-eleito Adonis de Oliveira tomar posse vou construir uma fábrica de próteses para atender grande parte do funcionalismo público Te cuida William Henry Gates III , Forbes aqui vou eu !.
    Ainda mais agora com covid , onde tudo é protocolado digitalmente e nada é resolvido.
    É o cúmulo : a pessoa tem que baixar um tutorial imenso para poder preencher um formulário que também deve ser baixado. Atendente pessoal cadê ?. Ai se vê , em casos de greve ,uma porcentagem de pessoal tem que trabalhar . Polícia , hospitais , funerárias , refinarias , trabalhadores de verdade do serviço público etc , não podem parar por serem serviços essenciais , mas funcionário público que passa a vida sentado , fica em casa recebendo sem produzir. Se ficam coçando o saco o dia todo por não serem de serviços essenciais , então porque não são demitidos ?

  5. adonis..acredito ser mais velho que vc. ja cheguei a 67 anos de vida ,esta merda toda que denuncia não vai mudar, porque desde a proclamacão da republica ,tudo continua igual e não vai mudar, eu desisti de entristecer vendo tudo isto. então um conselho … faça como eu , vai pescar e viva o tempo que resta de vida , alegrando o seu coração na beira de um rio com uma cerveja gelada no isopor. tenho feito isto com amigos meus , e olha é muito bom, porque cada dia que passa é um a menos pra se viver .um abraço e desejo tudo de bom pra vc.

    • Señor Francisco Pereira,
      Cubanos, venezuelanos, argentinos, bolivianos e nicaraguenses, só para não ir muito longe, pensavam o mesmo que o señor e deixaram o ajedrez político correr solto e se apossaram do tabuleiro uns políticos maravilhosos, que colocaram os citados países no top 10 das potências mundiais. Boa pescaria para o señor…

      Recorro a Vladimir Vladimirovitch Maiakovski: “Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim…”

      • senhor sancho pança , o que mudou nestes paises ?, me diz , o que mudou? as coisas mudam quando se tem poder e armas na mão . o resto é papo furado . indignação, e revolta não muda nada , neste momento estou saindo para pescar , e espero mesmo que se lasque o resto. to de saco cheio com tudo. quero nen saber de direita ou esquerda , vão tudo a merda , eu vivo com uma aposentadoria de 1 salario minimo, minha sorte é que a esposa recebe mais 1 . então não tenho tempo e saco, pra olhar pra estas merdas toda . leio esta gazeta porque , aqui está um bando de colunistas de alto gabarito ,inclusive vc. mas meu tempo agora , é mais na beira do rio,. e foda se o resto.

  6. Se Adônis for candidato a presidente e ganhar, gostaria de lhe pedir um grande favor: Ressuscitar a Lei de Talião, adaptando-a à realidade brasileira.

    Primeiro decisão moralizadora: privatizar todas as empresas federais, estatais, estaduais municipais, autarquias, fundações, museus… tudo que não for de serventia para o povo…

    Segundo, criar, via iniciativa do poder executivo e remetê-lo ao Congresso Nacional, o maior e mais corrupto puteiro do mundo, uma lei mais pesada do que a de Hamurábi: confiscar todos os bens de todos os agentes públicos que forem pegos roubando o Erário, aplica-lhes a pena de prisão perpétua e pô-los como escravo para trabalhar para o povo sem receber nada como acontece nos Estados Unidos.

  7. Fica a dica: a cidade de Brasília está, neste exato instante, com o povo nas ruas e unido em um mar verde-amarelo. Por que será? Não seria melhor eles irem pescar, ao invés de tentar ajudar o grande Brasil a ser uma gigantesca nação? Este dia ensolarado é convidativo para…

  8. Prezado Adônis,
    Aprecio seus textos, muito bons por sinal. Se me permita, vou tentar corrigir apenas um singelo erro de grafia no seu texto, na minha concepção: eu sou do interior de Minas Gerais, Montes Claros, Norte de Minas, e sempre fui botequeiro. Na minha terra tem grandes filósofos e intelectuais de boteco, que não deixam nada a desejar, se comparados com Ermeraldo Boca-de-Fossa, grande filósofo e intelectual de Palmares, terra de Berto. Pois bem. Sempre tive dúvida quando a grafia da palavra veado, quando referida aos baitolas, gays, homossexuais e congêneres. Pois num é que um desses filósofos/intelectuais, que eu não me recordo quem foi, tirou a minha dúvida, de vez. Segundo ele, quando nos referirmos aos pederastras (palavra já em desuso), devemos grafar co “i”, ou seja, VIADO, isto porque, na concepção dele, é nada mais nada menos do que o encurtamento da palavra DESVIADO. Encurtamento. Não abreviatura. Se você achar que sim, corrija, por favor. Eu tô na dele. Um grande abraço.

    • Caro Confrade,

      Mas não que tu estás com a razão!

      Obrigado pela gentil forma de me fazer ver meu erro. A desculpa é que não sou muito versado nesses assuntos de baitolas e assemelhados. ahahahaha.

Deixe uma resposta