DEU NO JORNAL

O professor de epidemiologia da Universidade Yale, Harvey Risch, disse na Fox News achar que a hidroxicloroquina poderia salvar de 75.000 a 100.000 vidas se o medicamento fosse amplamente utilizado para tratar a Covid.

Mas por aqui a imprensa antibolsonarista politizou o remédio.

* * *

Professor de epidemiologia da Universidade de Yale num é nada perto dos especialistas jornalisteiros da mídia banânica que, como diz a notícia aí de cima, “politizou o remédio” hidroxicloroquina.

Nosso prezado colunista anticloroquineiro Goiano resumiu tudo num comentário que fez ontem nesta gazeta escrota, cada dia mais escrota e surreal, por conta de tudo que aqui é postado.

Em seu comentário, Goiano citou – sem qualquer constrangimento e sem ficar com as bochechas vermelhas -, uma matéria da Folha de S.Paulo, redigida por Mônica Bergamo.

Acreditem: nosso estimado colunista citou mesmo Mônica Bergamo e a Folha!!!

Vou transcrever do jeitinho que ele postou no comentário dele aqui no JBF:

A Cloroquina, ainda não convenceu.

Notícia fresca, de hoje, 23 de julho de 2020:

Mas é preciso que alguém acredite que cura mesmo, porque caso contrário os bilhões de comprimidos que laboratórios militares produziram, certamente a mando do chefe do poder executivo, vão mofar.

E isto dito, tá tudo dito.

Para a tabacuda da colunista deste pasquim asqueroso em que veio a se tornar a Folha de S.Paulo – que abandonou todos os princípios do jornalismo imparcial e objetivo -, vale qualquer coisa pra fazer oposição.

Inclusive negar a realidade e desmentir os fatos, claros e evidentes.

Vale até mesmo desclassificar um remédio eficaz que cura e que salva vidas.

Que morram e que se danem todos os contaminados: o importante é provar que o presidente está errado.

Num é mesmo, Dona Mônica da cara lisa???

49 pensou em “ESTA É MESMO UMA GAZETA ESCROTA

  1. Prezado Berto,
    As opiniões emitidas sobre qualquer assunto, nacional ou internacional, sempre seguiram, e agora, mais do que nunca, seguem o balizamento ideológico da grande polarização atual do pais.
    E não está sendo diferente em relação ao cenário atual de pandemia.
    Os dois lados, da polarização, podem ser resumidos a seguir:

    Lado 1 – Aqueles que, com o farsante discurso de “defesa da vida”, torcem pelo sucesso da pandemia, para a derrubada do governo de plantão e para que o Brasil quebre:
    a) Veículos de comunicação: perderam verbas publicitárias milionárias;
    b) Legislativo e Judiciário: apavorados com os processos judiciais em curso, e a possibilidade de irem para a cadeia, além das mudanças estruturais que se avizinham, ameaçando suas regalias e status quo;
    c) Políticos oportunistas: independente da matriz ideológica, em plena campanha para 2022.
    d) Esquerda, de um modo geral: sem comentários.

    Lado 2 – Contrários ao lado 1.

    Segue o enterro.

    • Comentários brilhantes como o vosso iluminam nossa gazeta, caríssimo Rômulo. Hoje temos o discurso bolsonarístico e o da turma do contra (uma gigantesca malta que passa a impressão de viver 24 horas com uma única ideia na cabeça: derrubar o presidente)

      • Prezado Sancho,
        Você é uma pessoa do bem, de rara ternura.
        Consegue colocar suas posições sempre com muita tranquilidade, até mesmo para a gente maligna do lado 2.
        Já defini um propósito, aqui no JBF, que é o de denunciar a farsa do Lulo-petismo e o grande engodo do esquerdismo para a sociedade.
        Estamos juntos e, espero aprender um pouco da sua ternura.

    • Estimado Rômulo,

      sua estrutura binária de comentário segue um algoritmo cujo primor daria gosto de ver exibido num organograma.

      Que sempre comente assim. Fica claro pra mim até naquilo que sou inábil de entender sob outros formatos.

      Forte abraço.

      • Quanta honra, Nikolai.
        Leio sempre seus textos mas ainda não tinha me reportado diretamente a você.
        Somos vizinhos bem próximos, pois as capitais de nossos estados distam “apenas” 2000 km, em linha reta de vôo, horizontal, quase paralela ao equador.
        E com Santarém, capital do ex-quase-futuro estado do Tapajós, bem no meio do caminho.
        Muito bela, a nossa região.
        Vale a pena conhecer, para ver se, em aqui estando, deixam de falar tanta besteira sobre ela.
        Acho que teremos mais tempo para tratar dela, se os temas bem menos importantes (Lula, Maia, Alcool-Lumbre,STF….) nos deixarem.
        Keep calm, and….
        Keep writing !!!

  2. O Goiano citar a Mônica e Falha de São Paulo já é rotina. Fim do mundo vai ser a Mônica citar o Goiano no Jornal da Besta Fubana

    • Olha que “acontece de tudo” nessa gazeta malassombrada. Inclusive a tal deve ser nossas leitora assídua. Vai que ela surge com um “atendendo a pedidos…”

    • Mestre sanfoneiro,

      *quando imagino a entidade da “Fôia” citando a presepada legalista do JBF para corroborar algum fato*

  3. Querem nos fazer crer que a atual situação é apenas um flaxflu ideológico. Narrativa pobre que reduz o que acontece hoje no mundo a uma briga de torcida.

    Goiano não está só em suas análises sobre a Hidroxicloroquina, tem a ilustre companhia do colunista “isento” desta Gazeta Escrota, o Sr. Carlos Brickmann, que já apelidou o General do Exército 3 estrelas, Pazuello de General Cloroquina.

    Pazuello, que está ministro da Saúde e faz um grande trabalho de distribuição de insumos para a pandemia é elogiado por 17 dos 27 secretários de saúde (os 10 restantes estão preocupados com o Covidão) pela eficiência em suas ações.

    A hidroxicloroquina deveria ter sido protocolizada para o tratamento em casos iniciais da peste chinesa antes, porém a sanha de roubo foi maior e condenou muitas pessoas. Genocida é quem?

    • Os médicos se recusaram a botar a HCQ nos protocolos. Quem botou, para seguir as ordens do velhinho-propaganda da HCQ foi o General Cloroquina. O último estudo brasileiro, liderado pelo
      Einstein e Sírio, apontaram as falhas da HCQ. Mas nao faz mal; O velhinho-propaganda vai mostrar a panacéia mágica para as emas. E é bicado por elas.

      • “Os médicos se recusaram…” Quais médicos? Do Sírio e do A Einstein?

        A AMB e a Universidade Yale (não é pouca porcaria) dizem o contrário.

        Cabe a cada médico com consentimento de seu paciente decidir pelo uso ou não do medicamento e este deve estar à disposição para quem quiser usar.

        Se há tanta resistência dos “isentistas fundamentalistas” a um remédio que é usado há mais de 70 anos, que dirá aqueles 9.000 coitados que estão servindo de cobaia para uma vacina Ching Ling que nem os chineses quiseram usar?

        • João, se um dia, que o Senhor não o permita, o sr. ficar doente, por favor não vá nesses hospitais que o sr. despreza. Interne-se na Universidade Yale ou na
          AMB! Não se contente com pouco!

          • Sr. Carlos Brickmann, vamos aos fatos:

            Dr. Roberto Calil Filho, cardiologista chefe do Sírio Libanês, final de março, começo de abril teve a doença chinesa. Sabe como ele se tratou? Adivinhe?

            Dr. David Uip, médico infectologista, ex diretor do Incor, do Hospital Emílio Ribas, considerado um dos maiores especialista em doenças infecto contagiosas; na mesma época do Dr. Calil, pegou a doença e era então secretário de saúde do Dória. Adivinhe como ele se auto medicou?

            Dr. Uip teve que pedir afastamento logo depois. Dória não gostou do que ele fez.

            Um doce se v. falar que foi no coquetel de Hidroxicloroquina que eles buscaram ajuda.

            Eu acredito neles.

            • O David Uip não falou nada disso. É fake. E não saiu do Governo por divergência com o Dória. Ainda naõ se recuperou inteiramente do problema (ué, será que usou mesmo o remédio que o Bolsonaro quis dar para as emas?

              • Sr. Carlos, o Dr. Uip não falou nada disso o que? Que ele tomou Hidroxicloroquina? Tinha uma receita dele para ele mesmo.

                Ele não pediu afastamento logo em seguida?

                Não ficaria estranho se ele permanecesse depois de tomar um remédio que o seu chefe o Agripino Dória é contra?

                Bolsonaro quis dar hidroxicloroquina às emas do Alvorada? Os ambientalistas não o denunciaram por isso? A Greta não gritou da Suécia para acabar com o crime das emas?

  4. Estudo brasileiro afirma que a Hidroxicloroquina é ineficaz no tratamento do calango vírus… Blá, blá, blá… Desde quando estudos brasileiros são sérios?
    A Universidade Yale é uma instituição de ensino superior privada norte-americana, situada em New Haven, Connecticut. Fundada em 1701 sob o nome de Collegiate School, é a terceira mais antiga instituição de ensino superior dos Estados Unidos.
    Já formou inúmeros ganhadores de Prêmio Nobel, juízes da Suprema Corte e Presidentes dos Estados Unidos, incluindo William Howard Taft, Gerald Ford, George H. W. Bush, Bill Clinton e George W. Bush.
    As posses de Yale, que incluem 27,2 bilhões de dólares de fundos (o segundo maior entre todas as instituições acadêmicas) e mais de uma dúzia de bibliotecas que contêm 11 milhões de volumes escritos, suportam uma capacidade 5.200 estudantes a completar a licenciatura e 6.000 o mestrado. Das 70 licenciaturas oferecidas por Yale todas são orientadas de modo liberal e poucas são as de natureza pré-profissional (até os departamentos de engenharia encorajam e requerem que os alunos explorem disciplinas acadêmicas fora das engenharias). 20 por cento em Yale licencia-se em ciências, 35 em ciências sociais e 50 em artes e humanidades. Todos os professores mais experientes ensinam a licenciantes e mais de 75% dos 2.000 cursos disponíveis a estes captam menos de 20 alunos.
    A universidade disponibiliza cursos considerados distintos, como sobre clássicos escritos, teatro, arte, arquitetura, história, medicina e direito. No total, Yale tem mais de 3.200 profissionais empregados, entre os quais os com a designação de Sterling Professor são considerados de estatuto superior.
    O epidemiologista que disse que a Hidroxicloroquina é eficaz é de Yale!!! Entenderam?? Yale!!! Uma universidade que ganhou vários Prêmios Nobel; Aqui o que se tem é o Prêmio Ignóbil, com esses cretinos da mídia banânica, defecando bostices e sendo os protagonistas de uma irresponsabilidade ímpar e nunca jamais vista na história deste país.

    • Cardeal Maurino,

      isso merece um tratado em diversos idiomas para alcançar até os rincões mais obscuros dessa bola giratória molhada.

      Isso é mais do que uma súmula eclesiástica. É praticamente um rito de exorcismo contra entidades canhestras.

      Essa Yale é fuderosa mermo! Nem a pica de Polodoro causa tanto estrago nesses arrombados pseudo-letrados da Banânia.

      • Com certeza, meu nobre Nikolai!!! Não me esquecerei e daqui a pouco postarei para que a galáxia toda saiba a verdade!!!

    • Pois publique o besteirol, Marino, de preferência usando seu nome inteiro. Só dè uma corrigidinha: Oswaldo Cruz também vinha de Yale?

      • Sr. Carlos Brickmann, se Oswaldo Cruz estivesse vivo estaria usando o coquetel que inclui a Hidroxicloroquina assim como David Uip e Roberto Calil (o do Sírio) usaram e estaria salvando vidas.

        Oswaldo Cruz, assim como Carlos Chagas, Emílio Ribas, Vital Brazil foram pioneiros sanitaristas e ousaram buscar métodos para salvar vidas.

        Com certeza hoje eles não estaria presos a protocolos.

        Eles fariam os protocolos.

      • Não!!! O grande Oswaldo Cruz, não veio de Yale, mas certamente, se vivo fosse, faria tudo e qualquer coisa para salvar vidas humanas. E meu nome não é Marino. Outra: qual o interesse em que eu publique meu nome por inteiro? Não o conheço, você não faz parte do meu círculo de amizade…
        E mais: você pode lustrar as minhas botas com seu comentário, que me parece, que Vossa imbecilidade, não possui o mínimo de arrumação intracromossomial específica para criticar quem quer que seja.

  5. A seriedade do epidemiologista de Yale se nota na forma científica de sua afirmação. “Pode salvar de 70000 a 100000 vida ….”. Não disse que todos que tomam cloroquina vai sobreviver. Isto é ciência.. não o que a Mônica e o goiano afirmam que cloroquina não tem eficácia . Isto é jornalismo ideológico

      • Sr. Carlos, já começou o ataque “ad hominen”?

        Fale sobre o estudo de Yale Sr. Carlos, não se apequene.

        Tenho fé que o Sr. Pode mais que isso.

        • bom, se o dr. David Uip quisesse cometer suicídio em outros, não seria médico: seria talvez alguém que acha que o mundo nasceu para engraxar suas botas, não é mesmo? Vamos lá, falem de ataque ad hominem.

          • Sr. Carlos Brickmann,

            Não sei se o Sr. percebeu na sentença do seu xará entre o suicídio e a eutanásia tem um ou então esta última, a eutanásia pode ser praticada de modo próprio ou em outrem.

            Dr. Uip cometendo suicídio em outros? Não entendi a referência pois seu xará não teria cometido este deslise gramatical. Ainda que o tivesse feito eu comento apenas as ideias e não a forma de escrever..

      • Carlos vc ja foi de chumbo mais gordo , principalmente quando se preocupava com ideias e não com erros de ortografia. Ainda mais com uso deste corretor automático. . Quanto a universidade fui aluno de Unicamp , Unesp e UnB, mas não fiz letras.

  6. Na notícia da Globolixo está faltando um dado principal que consta do relatório. O estudo dos hospitais particulares foi feito em pacientes INTERNADOS, sendo que a pesquisa internacional fala que a hidroxicloroquina deve ser aplicada nos primeiros dias da contaminação e não em pacientes que a doença progrediu e acabou em internação.

  7. Latim (Idioma amado)
    Cucumis student curatio est inefficax in civitatibus quæ Hydroxychloroquine virum et virum … Blah, non mauris non mauris, mauris … Cucumis sunt studiis ubi Quia gravis?

    Norueguês
    Brasiliansk studie slår fast at Hydroxychloroquine er ineffektivt i behandlingen av virusviruset … Blah, bla, bla … Siden når er brasilianske studier alvorlige?

    Francês
    Une étude brésilienne affirme que l’hydroxychloroquine est inefficace dans le traitement du virus virus… Bla, bla, bla… Depuis quand les études brésiliennes sont-elles sérieuses?

    Sueco
    Brasiliansk studie säger att hydroxiklorokin är ineffektivt i behandlingen av virusviruset … Blah, bla, bla … sedan när är brasilianska studier allvarliga?

    Telugo
    వైరస్ వైరస్ చికిత్సలో హైడ్రాక్సీక్లోరోక్విన్ పనికిరాదని బ్రెజిలియన్ అధ్యయనం పేర్కొంది… బ్లా, బ్లా, బ్లా… బ్రెజిలియన్ అధ్యయనాలు ఎప్పుడు తీవ్రంగా ఉన్నాయి?

    Viliyaṁ hōvārḍ ṭāphṭ, jerālḍ phōrḍ, jārj hec. Ḍablyū. Buṣ, bil kliṇṭan mariyu jārj ḍablyu. Buṣlatō sahā anēka mandi nōbel bahumati vijētalu, suprīṅkōrṭu n’yāyamūrtulu mariyu yu’es adhyakṣulaku śikṣaṇa iccāru.

    Turcomano
    Braziliýada geçirilen barlagda gidroksihlorokiniň wirus wirusyny bejermekde netijesizdigi aýdylýar … Bla, bla, bla… Braziliýa barlaglary haçan bäri çynlakaý?

  8. Já nem quero saber se essa porra da cloroquina é eficaz ou não. Eu só quero ter o direito de tomá-la.E não quero nenhum esquerdista filha da puta me proibindo de tomar. Simples assim. Toma a porra da cloroquina, ivermectina ,azitromicina, gasolina etc quem quer. Quem não quer não toma. E vou dar um testemunho. Aqui em casa todos tomaram e estão tomando a ivermectina. Menos eu. Peguei o virus chines mas o maximo que ele me causou foram 5 dias de ausencia de olfato e paladar. Conclusão no meu caso: a ivermectina de algum modo funciona. Numa casa com 4 pessoas, 3 tomando ivermectina não foram infectados e 1 que não tomou acabou tomando no cu…de leve mas tomou.

    • Sr. jm, para os fundamentalistas do protocolo, seu caso não conta.

      Mandetta pediu para o Sr. Ficar em casa e ir para o hospital quando não estivesse conseguindo respirar mais e o Sr. não seguiu o protocolo.

      ₢ O Sr. deveria ser preso, onde já se viu? ₢

    • Quer tomar, tome. Pegue uma receita com seu médico e vai achá-la em qualquer farmácia. Mas não queira obrigar os outros a tomá=la.

      • Sr. Carlos Brickmann, recomendo que leia o meu comentário de ontem às 19:05 hs que está logo abaixo onde eu digo que estão confiscando a Hidroxicloroquina. Não existe nas farmácias nem nos atendimentos de saúde aqui em Ribeirão Preto, onde a doença está na fase vermelha. Aqui ocorre um genocídio aqui na cidade por obra do Joãozinho tranca rua.

  9. A esquerdalha maldita tem como meta a morte de mais de 150.000 brasileiros. Por isso toda essa canalhice contra um remédio que aplicado no início dos sintomas salva vidas, dispensa internação em UTI e uso de respiradores e hospitais de campanha superfaturados. São assassinos hipócritas, pois quando pegam a covid seguem direitinho o protocola da hidróxicloroquina, mas fazem de tudo para impedir que a população, principalmente pacientes do SUS, tenham acesso a esse tratamento. Até agora não vi nenhuma notícia de morte de político. Querem que morra bastante gente, que a economia se estraçalhe, Bolsonaro caia e volte o pt. Simples assim. Não é precisa desenhar.
    Nos EEUU acontece algo semelhante, com o objetivo explícito de impedir a reeleição do Trump.

  10. jm, e quem o proibe de tomar hidroxicloroquina? Pegue a receita do seu médico e vá à farmacia. DE gustibus et coloribus non disputandum.

    • Aqui no meu estado tem deputados e no meu município tem vereadores que tentaram entrar na justiça para que o governador e prefeito não distribuíssem a hidroxicloroquina, ivermectina e assemelhados. A desculpa foi a preocupação que os nobres politicos da esquerda estariam preocupados com o mal que esses medicamentos fariam a saúde do povo sem farmacia. E não preciso pegar mais nada. Já peguei a peste chinesa, cumpri quarentena, sobrevivi e estou barreira, E “de gustibus et coloribus non disputandum” pra voce tambem, seja lá o que for o significado disso.

    • Sr. Homemm-tijolo,

      desejo que nunca acabe com Covid-19. Do contrário, terá que seguir a risca de que o coquetel de Hidroxicloroquina, Azitromicina e Ivermectina são pior do que cicuta e deverá se entubar no primeiro espirro.

    • Sr. Carlos, o Sr.não está entendendo.

      Aqui na minha cidade, Ribeirão Preto, a doença explodiu, depois o “protocolo” estadual seguido indicou que não se deve dar o coquetel de Hidroxicloroquina para ninguém que não esteja com a doença confirmada, o que ocorre quando já se está entubado, e olhe lá.

      Nas farmácias não há o remédio por vontade do Sr. Joãozinho-tranca-rua (eu prefiro o general cloriquina).

      Aqui não se tem a liberdade de se tratar com o remédio, nem que se tenha receita.

  11. O stf já andou dizendo que médico funcionário público que receita remédio sem “comprovação científica” pode ser punido, dória falou que não iria respeitar protocolo de hidroxicloroquina caso o MS adotasse, governadores do Nordeste recolheram todo estoque das farmácias, fecharam farmácias que estavam manipulando, remédio que sempre foi vendido sem receita agora precisa de receita controlada como para psicotrópicos, bruno covas tomou se curou e não quer que a população tome, igual a ele muitos outros, e por aí vai… criaram e continuam criando todo tipo de dificuldade para uso do remédio. Querem mortes, muitas mortes. Exigem relatório do médico e consentimento do paciente para receitar. Deveria ser ao contrário. Quem não quer tomar deveria andar com uma declaração no bolso: “Sou petista, não quero correr o risco de me salvar do corona, por isso, caso pegue a doença não me deem hidroxicloroquina. Quero morrer para aumentar o número de mortes, jogarem a culpa no Bolsonaro e o lula, meu ídolo, voltar a governar este país”. Chega de arenga Carlos Brickmann.

    • Cardeal Maurino,

      ₢₢₢₢₢₢₢

      que melodia litúrgica!

      Suas missas têm que começar assim, pois me senti adentrando no Paraíso, de onde me sinto tão distante ao tomar conta do submundo e de almas sebosas.

      Chorei aqui de tão emocionado.

      ₢₢₢₢₢₢₢

  12. Eu acho incrível como todo estudante de medicina já tomou ché de boldo para curar ressaca, sem nenhuma comprovação científica, e, depois de formado, se alinha aos ideólogos-farmacêuticos-esquerdistas para exigir estudos que comprovem a eficácia da Hidroxicloroquina-Ivermectina-nitazoxanida e outros.
    A azitromicina foi utilizada contra a AIDS devido aos seus efeitos comprovados e, somente dez anos após salvar vidas foram realizados estudos comprobatórios.

    • A vá, Sr. Carlos esta é uma Gazeta muito Escrota.

      Foi uma bela homenagem, ficar de vitimismo e de mi mi mi não é o normal aqui.

      Boa noite!

      Ah, amanhã lerei sua coluna com muita atenção e farei os meus comentários dentro do que considero uma crítica saudável, concorde ou não com ela.

    • Uai, cadê a tradicional coluna de domingo do Sr. Carlos Brickmann?

      Estou muito triste por não poder ter um contra ponto ao à esquerda dos jornalistas A. Nunes, Fiúza, A. Garcia, Pugginna, J R. Guzzo, Cláudio Lessa, Bárbara.

      Meu domingo já não é mais o mesmo.

Deixe uma resposta para Carlos Brickmann Cancelar resposta