JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Os meados da década de 40, reforçados pelos anos 50 e o começo dos anos 60, foram os que mais formaram e qualificaram mão-de-obra no Brasil. Dois ícones qualitativos e pódios mais altos desejados por aqueles que, naqueles tempos pensavam apenas em constituir e construir família. Infelizmente, o modernismo e a tecnologia, num somatório, não se pode apostar em algo positivo.

Os pais que conseguiam vagas para matricular os filhos no SESI ou no SENAI, onde aprendiam e se especializavam verdadeiramente na profissão, se consideravam ganhadores de loteria. Era um prêmio à família, aprender Mecânica, Tornearia, Funilaria e muitas profissões que significavam verdadeiras cartas de alforria daqueles tempos.

Eu, só consegui ter uma profissão definida, na década de 80. Antes, fui de fabricante de sacos de papel para vender peixes, vendedor de cocadas, vendedor de “filhóis” e até Caixeiro de bodega – e foi ali que descobri que, 1 Kg só continha 850 gramas. Arre égua!

Aprendi “Dactilografia” e me aproximei de ser Auxiliar de Escritório. Dali, trabalhei como Teletipista na Western, onde aprendi transmitir e receber cabogramas – foi, também, quando pela primeira vez me tornei sindicalista. Foi ali, também, onde fiz a primeira grande besteira da minha vida, enveredando pelos caminhos da ideologia política. E isso me fez desistir de assumir uma aprovação num concurso para o Banco do Brasil – apenas por que o salário recebido na Western era melhor.

Foi essa lembrança, que me encaminhou para a matéria da coluna de hoje. “Antigas profissões”, que eram uma garantia contra o desemprego. Hoje, entendo eu, não há “desemprego”. O que há, realmente, é muita gente sem qualificação profissional. Todos querem ser Advogados ou todos “abrem” uma Farmácia.

No final da década de 60, já morando no Rio de Janeiro, conheci até algumas famosas agências de emprego. A TéD, era uma das mais prestigiadas e respeitadas, haja vista que, antes de encaminhar qualquer candidato a um emprego para a empresa com quem mantinha contrato, testava e até treinava o futuro empregado.

Agências de empregadas domésticas mantinham cadastros de “empregadas” e de “patrões”, incluindo referências de quem se candidatava. Esse item, hoje, é conhecido como “Diarista”.

Vamos ver profissões antigas que, se ainda não sumiram, estão a caminho:

O OURIVES

Ourives

Ourives é aquele que trabalha com ourivesaria (homem ou mulher – mas, é raro conhecer alguma mulher trabalhando nessa profissão) e ainda hoje existem profissionais em pequena escala. Profissão que existia há 2.500 anos antes de Cristo. Comprovação feita, segundo descobertas de peças trabalhadas com esmero, encontradas em sítios arqueológicos no mar Egeu.

A profissão de Ourives ainda é bastante comum, ainda que sem a mesma procura e valia de antigamente. A arte da ourivesaria é considerada uma das profissões mais antigas do mundo.

Atualmente, existem as chamadas “Casas de Ourives”, que costumam fazer consertos em joias ou ornamentos, em quase todas as cidades do mundo.
Mas, como tantas profissões, o “Ourives” está desaparecendo com o passar dos tempos.

O FERREIRO

Ferreiro

“O Ferreiro é uma pessoa que cria objetos de ferro ou aço forjando o metal, ou seja, através da utilização de ferramentas como fole, forja, bigorna, martelos, dobra e corta, e de outra forma moldá-la na sua forma não-líquida. Geralmente o metal é aquecido até que brilhe vermelho ou laranja, como parte do processo de forjamento. Ferreiros produzem coisas como portões de ferro forjado, grelhadores, grades, lustres, luminárias, mobiliário, esculturas, ferramentas, implementos agrícolas, religiosos e objectos decorativos, utensílios de cozinha, e armas.

Durante a Idade Média era comum a imagem do ferreiro da aldeia, responsável por praticamente toda a metalurgia do feudo ou povoado. Sendo que muitas vezes, nestes tempos, o ferreiro se tornara sinônimo de forjador de armas, já que era função dele fabricar as armas (espadas, lanças, machados, etc.) utilizados pelos soldados da época.

Com a revolução industrial, a partir do século XVII, o oficio de ferreiro foi gradualmente sendo substituído pelas indústrias metalúrgicas, sendo que a profissão sobrevive até hoje apenas em regiões menos desenvolvidas e/ou para a forja de objetos com finalidade principalmente decorativa.

Acredita-se que a profissão de ferreiro exista desde quando o homem aprendeu a manipular e moldar os metais (em torno de 2000 a.C.), sem grandes distinções até os tempos atuais.” (Fonte: Wikipédia)

Nos dias atuais, o Ferreiro quase não existe. É um trabalhador raro de ser encontrado, haja vista que, grande parte dos objetos da linha, são fabricados pela indústria pesada. A continuação da vida (que estou me negando a rotular de “evolução”), deixou um pouco de lado esse profissional. Antes, no começo deste século, portas, portões, basculantes, janelas, etc., estavam sendo fabricados pelo mesmo profissional, agora, estranhamente rebatizado de “Serralheiro” – o que acabou se tornando definitivo, com a chegada e o uso do alumínio em grande escala na confecção de muitos itens, antes fabricados exclusivamente com o ferro.

O MARCENEIRO (OU CARPINTEIRO)

Marceneiro ou Carpinteiro

Há quem afirme, que São José era Carpinteiro, prática que evoluiu e foi reconhecida como profissão. Na profissão, São José teria tentado iniciar Jesus Cristo, fabricando alguns utensílios domésticos. Foi então, que apareceu a Marcenaria, cujo profissional é rotulado de Marceneiro. São profissões próximas, dependentes, mas não iguais.

“A Marcenaria – O marceneiro trabalha exclusivamente na fabricação, conservação, reparação de móveis, além de outros objetos de decoração a base de madeira. Por isso, podemos dizer que o trabalho do marceneiro é mais artesanal e delicado se comparado a carpintaria.

O marceneiro para o desenvolvimento de seu trabalho utiliza de técnicas exclusivas e ainda conta com matéria-prima nobre e de qualidade, pois os móveis e enfeites devem ser feitos com madeiras de boa qualidade.

Vale lembrar que a marcenaria se derivou da carpintaria, adequando algumas técnicas para melhor desenvolvimento de seus produtos. O marceneiro durante muito tempo foi considerado um artesão de móveis, no entanto, hoje, com os avanços da tecnologia, seu trabalho foi reduzido devido a indústria moveleira que utiliza em suas fábricas, máquinas.

A Carpintaria – A carpintaria costuma trabalhar essencialmente com madeira maciça em seu estado natural, comum na construção civil e naval. Os carpinteiros, necessitam de conhecimentos geométricos e precisão técnica, precisam ter conhecimento dos diferentes tipos de materiais e técnicas a serem utilizadas naquele tipo de madeira. Está é uma das principais diferenças entre marceneiros e carpinteiros.

A carpintaria é uma das profissões mais antigas e abrange uma série de trabalhos, tais como: escadas, portas, soalhos, telhados e até obras de menor dimensão mais comum na construção naval.” (Fonte: Wikipédia)

O ESTIVADOR

Estivador

Passados dois ou mais séculos, muita coisa (e profissão) mudou de conceito. Passou a receber o apoio da tecnologia, e teve o reconhecimento dos legisladores, que criaram e aprovaram leis determinantes no exercício de cada profissão. O Estivador, no princípio, nada mais era que o reles “carregador de sacos, volumes de diferentes pesos, e, quase sempre, em situações desfavoráveis” para muitos.

Há quem afirme que, tudo dependia do “pouco estudo, muito mais do que da força física”, sem que também tivesse qualquer aproximação com a cor da pele – muitos estivadores, no passado, eram negros.

“Hoje, o Estivador é o técnico responsável pela colocação, retirada e/ou arrumação de cargas nos porões, ou sobre o convés de embarcações principais e auxiliares, autopropulsadas ou não. O Estivador é imprescindível para execução do transporte marítimo, ficando encarregado da movimentação e sinalização para o movimento de cargas e equipamentos a bordo.

Normalmente, confunde-se o Estivador com outras classes de operários do porto: o Estivador só trabalha a bordo, e nunca em terra. Quem fica sobre carretas ou vagões do lado de fora é o Arrumador de cargas; Quem opera as pranchetas e anotações é o Conferente; Quem opera os guindastes de terra, são os portuários (Estivador não opera guindaste, opera guincho, pois o guincho é acessório do veículo de transporte).

Hoje em dia, grande parte desta atividade está automatizada. Mesmo assim, é considerado um trabalho perigoso, insalubre e estressante, já que as condições de trabalho quase sempre não são boas, podendo ocasionar acidentes. Até a primeira metade do século XX, cabia aos estivadores a tarefa de embarcar a carga nos navios transportando parcelas dela nas costas, frequentemente embaladas em sacos de 60 quilos.” (Fonte: Wikipédia).

O CAÇADOR DE RATOS

Caçador de ratos

Como pode ser facilmente percebido pelos leitores, algumas informações sobre profissões antigas que continuam existindo ou não, foram compiladas na Wikipédia, fruto de pesquisa que acabou me atualizando, e levando a conhecer mais um pouco do desconhecido.

E, nessa “pesquisa”, consegui encontrar duas “profissões” que, hoje podem ser consideradas estranhas: o Caçador de ratos, e o Despertador humano.

O Caçador de ratos, que também os abatia, era empregado da gestão pública nos séculos passados, em lugares que não dispunham de saneamento básico nas principais ruas e logradouros. Como o mundo era outro, pouco ou quase sem contaminação, os ratos caçados e mortos, eram colocados livremente à venda. É os ratos mortos eram vendidos (e, creio eu, consumidos).

Dizer que a profissão foi extinta é desprezar os agentes antipraga, ou dedetizadores modernos. Em certos casos, são chamados exclusivamente para exterminar ratos, mas, no passado, era comum contratar os serviços de caçadores de roedores que, com seu equipamento e know-how, entravam em sótãos, porões, bueiros, sistemas de esgoto, atrás dos temíveis ratos. Durante a Primeira Grande Guerra, com a escassez de alimentos, os especialistas encontraram uma segunda fonte de renda, comercializar os ratos para serem comidos.

O Despertador humano, é uma antiga profissão, totalmente extinta. O trabalho consistia em despertar alguém mediante contrato. O contratante assinava um termo de serviço com o(a) contratado(a), indicando, além do horário, o endereço residencial. Para não incomodar a vizinhança, o que poderia caracterizar perturbação do silêncio e do descanso, o Despertador humano trabalhava com objeto que poderia ter o tamanho do alcance aumentado ou diminuído, conforme a necessidade de atendimento apenas ao contratante. O objeto era uma espécie de corneta.

6 pensou em “ÉRAMOS FELIZES – E SABÍAMOS DISSO!

  1. Enquanto os fubânicos carregam na estiva bertiana levíssimos sacos de palavras, o brilhante texto do inigualável ZéRamos merece três arre égua. Então, lá vamos nós: arre égua, arre égua e arre égua. Se soltarem o caçador de ratos em “certos lugares” da República, vai ser um Deus nos acuda…
    Grande domingo, gigante amigo sanchístico.

    • Sancho: obrigado pelos arre égua, todos do tamanho da pança! Em agradecimento, vou de quatro arre égua: arre égua, arre égua, arre égua e arre égua!

  2. Prezado Escritor José Ramos:

    Gostei imensamente do seu texto, pois me fez lembrar da figura do “cabeceiro” de antigamente, que hoje não existe mais.
    Em Nova-Cruz (RN), meu pai era dono de um armazém, que vendia em grosso e no varejo Tinha como empregado um “cabeceiro”, que fazia a entrega de mercadorias, como açúcar, café em grão, arroz, araruta etc., levando na cabeça, sacas de 60k. Esse homem fazia caminhadas, às vezes, distantes, para fazer as entregas. Meu pai e outros comerciantes se utilizavam, também, de cabeceiros avulsos, para essas entregas. Eles se aglomeravam perto dos armazéns, à espera dos biscates. E sustentavam suas famílias com esse dinheiro
    A modernidade prejudicou esse tipo de trabalho.

    Um grande abraço, querido amigo!

    Muita Saúde e Paz!

    • Violante: bom dia amiga. Também conheci esse tipo de trabalhador. No Ceará, isso era feito com água. Alguém que possuía jumento, vendia e entregava água. Cada carga continha três tonéis de madeira, carregados pelo jumento. A entrega era feita por encomenda prévia.

  3. Hoje temos o despertador desumano , e são vários :
    O vizinho que vende drogas a noite e volta gritando de manhã.
    Aquele reloginhos pequeninos que fazem um enorme barulho estridente.
    Os celulares , chatos quando deixamos acionados os domingos e feriados .
    O despertador da vivo , que temos que pagar na conta telefônica.
    Alguma vizinha quando vê um passarinho azul. Canta pra chuchu !
    E aquela vontade danada de mijar a noite toda. Essa é a pior. Não desperta , porque não deixa o infeliz dormir.
    Melhor parar por aqui. A propósito : Fui aluno do Senai onde entrei por concurso e fiz um curso de 3 anos de duração a meio século atrás. Discordo portanto das críticas ao sistema “S” feitas genericamente pelo excelente professor Adônis. Mas isto nada tem a ver com o texto acima .

    • Joaquim: mudou muita coisa, né? Mas, mudou porque permitimos. Fomos deixando, deixando e deixando, até deixar, literalmente. Eu faço parte da turma (pequena, hoje, sei disso) que tem certeza que o poder emana do povo. Dormir em berço esplêndido e caminhar sempre no caminho do politicamente correto nos empurra cada vez mais mundo para o buraco.

Deixe uma resposta