MARCOS ANDRÉ - DADO & TRAÇADO

O hábito de apelidar pessoas, lugares ou coisas é tão antigo quanto a nossa espécie.

Nos acostumamos e “dar nomes” simbólicos para qualificar, caracterizar e denominar personalidades, entidades, situações, lugares, etc. De maneira que, na adjetivação eleita e optada, configure, evidencie, tipifique e associe o devido “o alvo”.

Podendo o termo escolhido, conforme a figura de linguagem adotada, vir a ser pejorativo ou enaltecedor e simpático.

Na mesma linha de raciocínio e designação temos o codinome, que é um símbolo ou palavra usada que enfatiza um termo para ocultar o nome verdadeiro de uma pessoa, entidade, plano, etc.; nome “codificado”, seria.

Apegando-se nessa popular prerrogativa, o povo faz uso de criativos e irreverentes alcunhas para designar aquele personagem que está, geralmente, desagradando de alguma forma naquele momento.

O próprio editor faz uso constante de alcunhas (possui uma lista considerável), ao se referir a figuras da nossa vida política (dos três poderes), ou das “personalidades” populares da sua terra natal, Palmares.

Vejamos alguns alcunhas marcantes de personagens da história da humanidade:

– BERMUDO, O GOTOSO – Primeiro rei da Galícia. Como sofria de gota (uma forma de artrite), foi apelidado de “Gotoso”;

– BOLESLAU, O BOCA TORTA – Governou a Polônia entre 1107 e 1138, ganhou esse apelido por ter a boca “levemente torta”;

– CARLOS, O CALVO – Carlos II governou a Frância Ocidental entre 840 e 877. usou-se, no presente caso, de pura ironia, por ele ser bastante cabeludo;

– CONSTANTINO, O COPRÔNIMO – (Koprônimo deriva de fezes). Seus inimigos, assim o apelidavam devido à lenda que dizia que ele defecou na pia batismal quando foi batizado;

– GUILFREDO, O CABELUDO – Conde entre 878 e 897. Pela imagem dele esculpida na Catedral de Barcelona, percebe-se a lógica do apelido;

– HAROLDO DENTE-AZUL – Foi rei da Dinamarca e Noruega de 958 até 986. Diz a lenda que ele teria um dente estragado, de cor escura, que se aproximava do azul;

– HAROLDO, O NOJENTO – Ele foi o primeiro rei da Noruega. Reza a lenda que ficou mais de 10 anos sem cortar e lavar o cabelo;

– HENRIQUE, O IMPOTENTE – Rei de Castela e de Leão de 1454/1474. Após 13 anos, divorciou-se da 1ª mulher, sob a alegação de impotência, por conta de uma maldição. As prostitutas locais negavam a informação. Casou novamente e teve uma filha (que as más línguas diziam não ser dele);

– JOÃO II, O FAZEDOR DE BEBÊS – Governante do Ducado de Cleves, na Alemanha. Como bem define o alcunha, foi pai de 63 filhos ilegítimos;

– JUSTINIANO, O DO NARIZ CORTADO- ustiniano II foi o último imperador bizantino da dinastia heracliana, governando de 685 a 695. Acusado de usar os fundos do reino para satisfazer seus gastos pessoais, foi alvo de uma revolta. Ele foi deposto e teve o nariz cortado. Mesmo assim, acabou voltando ao poder entre 705 a 711, quando enfrentou uma nova revolta e acabou decapitado;

– LULACO, O BOBO – Lulaco foi apelidado de “O Simples” ou “O Bobo”, mas mesmo assim se tornou rei da Escócia em 1057. Era considerado um governante fraco e foi assassinado menos de um ano após a sua coroação;

– UGOLINO, O CANIBAL – Nobre italiano do século 13. Sua história é contada na Divina Comédia, de Dante: acusado de traição, ele teria canibalizado os próprios filhos, que estavam presos junto com ele em uma torre. Séculos mais tarde, exames forenses constataram que ele não havia comido nenhum tipo de carne em seus últimos dias;

– VSESLAV, O LOBISOMEM – O príncipe bielorusso Vseslav de Polatsk viveu no início do século XI. Dizia-se que ele havia nascido por meio de um feitiço e que se transformava em lobo à noite.

O tema e a lista é infindável. Negócio para trocentas páginas.

ALCUNHAS SIMPÁTICOS

Alberto de Oliveira – Príncipe dos Poetas Brasileiros
Ana Cristina César – Escritora Maldita, Poeta Maldita
Aureliano Lessa – Bardo Fluminense
Bernardo Guimarães – Bardo Mineiro
Carlos Drummond de Andrade – Gauche, Urso Polar
Castro Alves – Poeta dos Escravos
Cruz e Sousa – Cisne Negro, Poeta Negro
Dalton Trevisan – Escritor Maldito, Escritor Misterioso
Filinto de Almeida – Fly
Glauco Mattoso – Poeta da Crueldade, Poeta Sinistro
Graciliano Ramos – Graça, Velho Graça
Gregorio de Matos Guerra – Boca do Inferno
Hilda Hilst– Grande Personagem
João Antonio – Escritor Maldito
João Cabral – Engenheiro das Palavras, Poeta Diplomata
Jorge Amado – Escritor Maldito
José de Alencar – Patriarca da Literatura Brasileira
José de Anchieta – Poeta Missionário
Ledo Ivo – Chulé de Apolo
Machado de Assis – Bruxo, Bruxo do Cosme Velho
Manuel Bandeira – Bardo, Poeta Menor
Mário de Andrade – Decano do Modernismo, Pai do Modernismo
Monteiro Lobato – Pai do Jeca Tatu
Nelson Rodrigues – Escritor Maldito
Olavo Bilac – Príncipe dos Poetas Brasileiros, Sapo-Boi
Oswald de Andrade – Calcanhar-de-Aquiles do Modernismo
Padre Antonio Vieira – Paiaçu (Pai Grande), Judas do Brasil
Raduan Nassar – Escritor Misterioso
Raquel de Queiroz – Rainha das Escritoras Brasileiras
Raul Bopp – Poeta Diplomata
Rui Barbosa – Águia de Haia
Vinicius De Moraes – Poeta Diplomata, Poetinha

Deixe uma resposta