PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Meu pai perdi no tempo e ganho em sonho.
Se a noite me atribui poder de fuga,
sinto logo meu pai e nele ponho
o olhar, lendo-lhe a face, ruga a ruga.

Está morto, que importa? Inda madruga
e seu rosto, nem triste nem risonho,
é o rosto, antigo, o mesmo. E não enxuga
suor algum, na calma de meu sonho.

Oh meu pai arquiteto e fazendeiro!
Faz casas de silêncio, e suas roças
de cinza estão maduras, orvalhadas

por um rio que corre o tempo inteiro,
e corre além do tempo, enquanto as nossas
murcham num sopro fontes represadas.

Carlos Drummond de Andrade, Itabira-MG (1902-1987)

3 pensou em “ENCONTRO – Carlos Drummond de Andrade

  1. Cario Colega Pedro Malta

    Fiquei estupefacto, como se dizia antigamente, ao ver que você publicou diversos poemas de Francisca Julia, minha última biografada na coluna “Memorial” e mais ainda ao saber que publicou também poemas de Gilka Machado, uma das próximas biografadas. Estou pensando em consultá-lo antes de biografar algum(a) poeta para fazer o devido link encaminhando os leitores para a poesia.

  2. Caríssimo Brito,

    Seu comentário/proposta muito me honra e , apesar da avançada idade, espero poder ajudá-lo nesse seu valioso trabalho.
    Fraterno abraço

Deixe uma resposta