ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

Empatia é a capacidade psicológica de tentar compreender sentimentos e emoções alheias. Uma característica forte de quem sente empatia é a competência de se colocar no lugar do outro, principalmente, quando vivencia acontecimentos dificultosos. Ela está intimamente ligada ao altruísmo, amor e interesse pelo próximo, e a vontade de ajudar e agir seguindo princípios morais.

A empatia é diferente da simpatia. A simpatia é comumente confundida com carisma. As pessoas dizem que alguém é simpático quando tem uma aparência agradável, sabe se comunicar e tem um belo sorriso. Ser simpático é uma forma de se relacionar com o próximo. É uma capacidade que está ligada ao encontro, ao primeiro momento, um nível inicial de percebemos os sentimentos de outros indivíduos. Empatia não é uma emoção, por conseguinte, não se pode “sentir empatia” – uma formulação encontrada inadequadamente em vários artigos sobre o assunto. Ela é uma habilidade socioemocional de reconhecer, compreender e reproduzir emoções de outrem.

Encontrei um exemplo de empatia pesquisando o admirável universo do repente. Certa vez, cantavam Valdir Teles (1955-2020) com João Paraibano (1952-2014) quando um cego entrou no recinto da cantoria. Valdir Teles, imediatamente, fez uma criativa sextilha dizendo em versos da capacidade de se colocar no lugar do outro:

Eu não critico nem cego
Que vive a perambular;
Posso perder minha vista
E a dele recuperar;
Eu ir para o lugar dele
E ele vir para o meu lugar.

11 pensou em “EMPATIA

    • Adelmo Nobre,

      Grato por seu estimulante comentário. Aproveito a oportunidade para fazer um brevíssimo comentário sobre a habilidade de se imaginar no lugar de outra pessoa ou ainda a compreensão dos sentimentos, desejos, ideias e ações de outro indivíduo. Indivíduos empáticos têm uma curiosidade insaciável sobre estranhos. Eles conversam com a pessoa sentada ao lado deles no ônibus e mantém aquela curiosidade natural que todos tínhamos quando crianças, mas que a vida costuma eliminar. A curiosidade amplia nossa empatia ao conversarmos com pessoas fora do nosso círculo social habitual, encontrando assim vidas e visões de mundo diferentes das nossas.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  1. Tive a surpresa agradável de ver uma sextilha definir com precisão o que significa empatia. Uma coisa que pouco se diz sobre empatia é que ela não é necessariamente vinculada ao gostar. Você não precisa ser amigo daquela pessoa para tentar se colocar no lugar dele. Na verdade, pode até desgostar da pessoa. Mas as suas ações, quando tocadas pela empatia, levarão a uma boa convivência. Já fechar os olhos para os sentimentos do outro, porque ele simplesmente não é como você, afeta negativamente toda a sua vida. Daí saem as brigas, mal-estar, irritação. Já, escolher compreender o outro pode levar ao começo de uma amizade, ou pelo menos de uma relação de respeito e compreensão.

    • Vitorino,

      Muito obrigado por seu comentário complementar o meu artigo. Entendo que pessoas muito sensíveis têm um forte grau de empatia, e quanto mais empática a pessoa for, mais agirá como tal, mesmo que não demonstre abertamente.
      A partir da empatia se originam atitudes compassivas, parcerias, comunidades, ações humanitárias, projetos solidários, criações artísticas, ações filantrópicas, que expressam o sentimento pelo que o outro sente, independente da espécie. Esse assunto tem muitos desdobramentos.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  2. Quando criança comi muita empatia. Sempre que alguém aniversariava, a meninada pedia à tia Glorinha para fazer sua famosa empada, tão gostosa e tão pedida que,para economizar palavras virou empaTIA.

  3. Admirável texto, Aristeu.

    Empatia assim como a apatia não se explicam facilmente.

    Existem pessoas que de cara a gente já se identifica com ela, assim como existe pessoa que a gente não tolera, mesmo não tendo feito nada contra a gente.

    Creio ser uma sensação muito espiritual, que até a ciência jamais vai conseguir explicar.

  4. Cícero Tavares,

    Agradeço seu valioso comentário. Concordo que dificilmente se tenha uma definição correta sobre empatia e apatia. Temos várias hipóteses que muitas vezes são contestadas por dados novos da psicologia e da neurociência.
    Para um dos psicólogos mais conceituados da história, a empatia é muito mais do que um sentimento, ela é um processo. Carl Rogers, um dos precursores da abordagem humanista da psicologia, defendia que o modo empático é complexo, pois exige “penetrar no mundo perceptivo de outra pessoa e se sentir em casa”. A profundidade dessa aptidão, defendida há décadas pelo estudioso norte-americano, foi reforçada em dois estudos científicos realizados recentemente. Em um deles, pesquisadores observaram que a empatia é, muitas vezes, inconscientemente evitada por causa do esforço mental que exige do indivíduo. Já uma segunda análise, mostra que a ação empática de poucos pode “espalhar” esse sentimento em grupos. Para especialistas, os novos dados podem ajudar em estratégias que ajudem a impulsionar esse tipo de atitude altruísta na sociedade.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  5. Parabéns pela importante postagem, prezado Colunista Aristeu Bezerra.

    Empatia é a capacidade psicológica de se colocar no lugar do outro, e, por meio dessa habilidade, sentir a mesma emoção. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente o outro indivíduo.

    A empatia é muito importante na relação médico/ paciente, para que se estabeleça a confiança e o tratamento se humanize..

    A empatia implica, por exemplo, em sentir a dor ou o prazer do outro como ele o sente e perceber suas causas como ele as percebe, porém sem perder nunca de vista que se trata da dor ou do prazer do outro. Se esta condição de “como se” está presente, nos encontramos diante de um caso de identificação.
    A empatia é uma qualidade que não se encontra em todas as pessoas. É um dom.

    Grande abraço!
    Muita Saúde e Paz!

    Violante Pimentel Natal RN

  6. Violante,

    Agradeço ao seu texto esclarecedor que informa de maneira didática o que significa a empatia. O seu comentário enriqueceu o meu artigo expandindo de forma brilhante o meu ponto de vista. Faço um brevíssimo comentário pela sua generosidade de compartilhar sua apreciação sobre o assunto.
    Vivemos numa sociedade em que o egoísmo predomina, é difícil encontrar pessoas que realmente possuem a capacidade de colocar-se no lugar do outro. Pessoas que vão além da simpatia, que é importante, mas não supre de modo algum a falta da empatia. Quando estamos tristes, não precisamos apenas de alguém que só saiba contar piadas e nos queira convidar para passear. Precisamos de alguém que entenda a nossa dor, que respeite o nosso luto e demonstre que, apesar de incômoda, aquela é uma situação que faz parte da vida e que devemos enfrentá-la, por mais difícil que seja.

    Saudações fraternas,

    Aristeu.

  7. Você tem razão, Aristeu. A empatia é a capacidade psicológica que alguém tem de se colocar no lugar do outro, em qualquer momento. Por isso, os momentos tristes de alguém devem ser respeitados..
    Uma ótima semana!

    Violante
    .

Deixe uma resposta