JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

Possivelmente eu não seja sequer desse planeta.

Às vezes não quero acreditar que faço parte dessa humanidade tão carente de bom senso. Tanto quanto de solidariedade.

Mas não tenho a presunção de me dizer um espírito evoluído, ou coisa semelhante, na petulância de me achar melhor que outrem.

Apenas não alimento o ideal humano egocentrista se achando melhor que uma flor, ou maior no valor de um inseto; por exemplos.

O mundo parece balançar entre a incerteza da racionalidade e a piegas demonstração de ser emocional.

Quando na verdade tudo é simplesmente um completar de dias em busca do penúltimo estágio da matéria visível: o pó.

A altura e o cumprimento das coisas, das pessoas e até dos sentimentos dizem muita coisa. Mas não falam tudo.

“Um copo” com um bom vinho ao lado de alguém falando sobre arte, independente da sala e da hora, traz mais satisfação que uma subida na Torre Eifell. Pode acreditar que sim.

Daí, se o vinho não está numa taça? Pouca importância tem.

O toque no paladar da bebida e a boa conversa não necessitarão das etiquetas convencionais na apreciação do momento. Tampouco no sabor da companhia.

São essas elucubrações fazendo eu me sentir sendo um ET, pois não vejo a necessidade humana do aparecimento social em suas superficialidades.

Porque a marca da camisa deve ser mais importante que o lugar onde eu irei, ou mais cuidada que as pessoas do encontro?

Devo arrumar a minha alma, vestindo-a com as etiquetas das melhores virtudes e curtir a melhor viagem: segurar na mão de quem eu amo.

Se eu fechar os olhos nesse instante, poderei me ver onde eu quiser estar. Até ao lado de Deus!

E até o tempo será vencido.

8 pensou em “ELUCUBRAÇÕES

  1. Escreves: Possivelmente eu não seja sequer desse planeta.
    Afirmo: poetas são universais, pois vagam por estrelas e constelações. Poetas trazem n’alma a poeira do firmamento, meu NÃO terráqueo amigo.

  2. Num dia invernoso como este, Jesus de Ritinha nos vem com mais essas…

    Puras e inebriantes elocubrações poéticas.

    Por sinal, bastante suspeitas,viu mestre?
    … nesse inverno…isolamento compulsório e um bom vinho(ou seus semelhante)

    Nas nuvens viaja o poeta
    Salpicando poemas ao léu
    Versos pelo chão se coleta
    Outros tantos flutuam no céu…

    • Tantos céus existem, quanto for possível contá-los através dos poetas.
      Em algum deles cada um de nós deseja viver a eternidade.
      Obrigado, Marcos, por sua atenção.

  3. Um tratado filosófico. Tem uma música que diz “poetas vivem só nos corações, são anjos, são pessoas, são Drummonds…”. Esse vivem só é de solidão ou de lugar? O texto de Jesus mostra essa dualidade.

  4. Pois é, Maurício, tantas coisas boas para vivermos…
    A simplicidade ao nosso lado, e tanta gente buscando a felicidade no glamour de fotos em lugares sofisticados, quando na verdade ela se encontra, tão simples, no tocar da mão de quem a gente ama.
    Obrigado por sua atenção, amigo.

Deixe uma resposta para Sancho Pança Cancelar resposta