ADONIS OLIVEIRA - LÍNGUA FERINA

O Brasil se aproxima celeremente da sua “Hora de Decisão”.

Hoje, por ironia do destino, somos uma das últimas barreiras que se colocam entre o mundo inteiro e as hordas da “Nova Ordem Mundial”. Nós, que sempre fomos periféricos em tudo o que acontecia de importante no mundo, de repente nos vimos alçados à posição de “Último Baluarte” do liberalismo e do conservadorismo no mundo. Somos aquela gota d´água que fará entornar todo o vasilhame. OU NÃO!

Tudo isso por causa de um bravo e modesto capitão, componente do baixo clero do congresso por diversos mandatos, e que nunca havia se destacado em quase nada. Apenas na defesa vigorosa e serena (às vezes nem tanto) de princípios que considera absolutamente inegociáveis: Deus, pátria e família. Bastou isso para a imensa maioria da sociedade brasileira se alinhar sob a sua liderança.

O mundo quase todo já sucumbiu ao canto da sereia propagado pelos arautos do “Paraiso na Terra”. Até o Papa, que por dever de ofício deveria estar mais preocupado com o paraíso celestial, sucumbiu à tentação. Tornou-se cúmplice e instrumento nas mãos desta rafaneia. O maldito “Hermano” está destruindo rapidamente a belíssima história de 2.000 anos da Igreja Católica.

Nossos inimigos são poderosíssimos. O volume de recursos de que dispõem, para tentar nos dobrar e dominar, é praticamente infinito! Sem mencionar o fato de que, por não acreditarem na justiça divina, não são tolhidos por escrúpulos morais de nenhuma ordem. Para eles, matar, roubar, mentir, enganar, fraudar, trair, e coisas que tais, são meras ferramentas para que consigam atingir os fins que desejam. Que o digam Eduardo Campos, Toninho do PT, Celso Daniel, Teori Zavask, e tantos outros que ousaram se colocar no caminho dessa claque demoníaca.

Acrescentem a esta situação, já por si preocupante, o fato de termos um judiciário totalmente infestado por canalhas alinhados a esta facção criminosa, muito especialmente uma justiça eleitoral sabidamente comprometida com a fraude e a total falta de transparência na apuração, haja vista o episódio do voto impresso, que vem se arrastando há anos, e estará completo o quadro preparatório para a nossa total desgraça.

Um espectro ronda o Brasil. Este espectro se chama URSAL – União das Repúblicas Socialistas da América Latina! A única forma que teríamos para impedir o avanço deste imenso tsunami de vulgaridade, selvageria, embrutecimento dos seres humanos, descarte de todos os valores mais sublimes que possibilitaram toda a evolução da civilização, seria cada um de nós ter uma boa metralhadora e dizermos em uníssono: NÃO PASSARÃO! NÃO NO BRASIL!

Infelizmente, fomos miseravelmente engabelados no plebiscito sobre o desarmamento. Os comunistas correm da ideia de verem os cidadãos armados como o Diabo corre da cruz. Sabem muito bem que um povo armado é impossível de ser reduzido à condição miserável em que eles gostariam de nos ver.

Assim, impedidos de ter armas para nos defender dessa caterva de canalhas, a única arma que nos resta é o voto. É BEM AÍ ONDE ESTÃO MIRANDO PARA DAR O GOLPE FINAL! Fraudar, fraudar…e fraudar mais ainda!

A única forma que antevejo para impedir de virmos a ser dominados por algum títere dessa canalha maldita, e que nos implantem a total inversão de valores que tentam de todas as maneiras nos empurrar goela abaixo, é fiscalizar RIGOROSAMENTE, cada uma das células de votação.

Temos de colocar um fiscal em cada uma das mesa para, ao final da votação, tirar uma foto do boletim de urna e mandar a foto, via zap, para uma central de apuração própria. Depois, comparar com o resultado do TSE.

Sem isso, ESTAMOS LASCADOS!!!!!

11 pensou em “ELEIÇÕES 2022 – A HORA DA VIRADA!

  1. Eita cabra arretado !

    Não sei porque você me lembra uma “pexera”.

    Fomos os dois hoje no 22.

    Tô logo aí embaixo de tu. (No bom sentido).

    Abraços mil de sua admiradora

  2. Adônis, para quem controla as urnas, a maneira mais fácil e segura de fraude é dentro da própria urna. Coloca-se um pedacinho de código que altera o resultado já na hora de imprimir o boletim e em seguida se auto-destrói. Difícil para alguém de fora, facílimo para alguém de dentro, ou seja, o pessoal que prepara e envia as urnas para as seções.

    Fraudar a totalização é mais arriscado, justamente porque existe um papel impresso. A totalização é auditável, a contagem interna da urna não é. A única forma de descobrir seria auditar algumas urnas no dia da eleição, mas quem faria isso? O mesmo órgão que fez a instalação, então…

    De resto, reafirmo uma frase que disse muito tempo atrás: O Brasil segue trocando um salvador da pátria por outro, e o critério para escolher o próximo salvador da pátria é que seja adversário do salvador da pátria anterior.

    Nós entregamos nossa vida e nossa liberdade na mão dos políticos, e agora esperamos que estes mesmos políticos vão resolver nossos problemas. Não vão. Quem poderia resolver nossos problemas seríamos nós mesmos, mas desde os tempos de Dom João VI já mostramos que isso é algo que nós não fazemos.

    • Caro Marcelo,

      Infelizmente a sua constatação a respeito da fraude interna na urna está repleta de razão.

      Eis aí a dica para serem feitas auditorias inesperadas nas urnas, em meio à votação, por observadores estrangeiros e isentos, que não tenham sido comprados ou corrompidos pela caterva vermelha.

      Vamos aguardar para ver qual será o passo que o comandante Bolsonaro dará nessa direção. Tenho certeza absoluta de que ele está plenamente ciente de todo este perigo. O exemplo de Trump esta aí para quem quiser ver e entender.

  3. A importância da existência do JBF é o de poder abri-lo no domingo ensolarado como o de hoje e toparmos com um texto magnífico como esse do Adônis Oliveira, e, dizer, com Millôr Fernandes: não estou triste porque sei que há vidas inteligentes aqui, e cabeças pensantes para expulsar, democraticamente nas urnas, os esquerdopatas.

    Valeu, Mestre!

  4. Se me permite implicar mais um pouco: vc chamou o Brasil de “Último Baluarte” do liberalismo e do conservadorismo. Discordo.

    Conservadores, muitos brasileiros são, ainda que de uma forma bem “brasileira”. Mas liberais, são pouquíssimos. Aliás, a grande maioria dos que se intitulam conservadores odeiam até mesmo a palavra liberalismo.

    Diante de qualquer má notícia (tipo um desmoronamento na represa de Furnas) a primeira reação do brasileiro é “o governo tem que fazer alguma coisa”. Diante de qualquer coisa que não goste, a primeira reação é “deviam fazer uma lei proibindo”.

    Desde os tempos de Fernando e Isabel na Espanha e Manuel o Venturoso em Portugal, nossa sociedade foi ensinada a ser obediente ao governo e ter medo da liberdade. De lá para cá isso só aumentou, ainda mais depois que o governo tomou conta do ensino e o transformou em uma máquina de doutrinar escravos voluntários.

    No Brasil, o conservadorismo vê o liberalismo como inimigo, ainda que na hora do aperto finja uma afinidade contra um inimigo comum, mais ou menos como o medo de Hitler fez Roosevelt virar amiguinho de Stalin.

  5. Professor. Professor!!!! Pegou pesado demais: “Último Baluarte do liberalismo e do conservadorismo no mundo”

    Conservador da verdadeira moral é o Oficial General da Marinha do Brasil, Presidente EXEMPLAR da Anvisa, Antônio Barra Torres. Esse deu uma aula de como enfrentar as mentiras e calunias que o inconsequente Capitão tenta colocar nas costas da Agência e do Oficial da Marinha. É assim que deveria fazer o falso conservador da moral e dos costumes, em relação as investigações sobre as rachadinhas da família Bolsonaro. Aquele que tinha como lema conhecereis a verdade e a verdade vos libertará, deveria adaptar as palavras do Contra-Almirante e declarar: Se existem informações que levantem o menor indício de corrupção sobre este brasileiro e sua família, não perca tempo nem prevarique. Determine imediata investigação policial sobre a minha pessoa aliás, sobre qualquer um dessa família, que com orgulho eu tenho o privilégio de integrar. Onde está a coragem desse covarde que se esconde atrás da faixa presidencial? Onde está a verdade que irá libertar o Brasil da ignorância, do atraso, da politica podre que Bolsonaro prometeu acabar? Não consegue explicar porque o miliciano Queiroz depositou 89 mil reais na conta Michele Bolsonaro. Não consegue explicar as homenagens prestadas a um criminoso condenado por assasinatos (no plural) o Capitão PM Adriano da Nóbrega. Faça como Barra Torres e permita que sejam feitas as investigações, é assim que um homem público deve fazer. Um verdadeiro conservador dos costumes e da moral encara a verdade.

    Liberal???? Ele nem sabe o que é liberalismo. Na verdade, muitos repetem sem saber.

    Estupidez, incompetência, mentiras, nepotismo, vagabundagem, desrespeito ao cidadão, são algumas das marcas desse desgoverno totalmente desmoralizado. Que desmoralizou todos que votaram nesse mentiroso (eu inclusive), e mais ainda os que continuam emprestando seus nomes para defender essa bagunça que se instalou no poder.

  6. Adônis, como o grandíssimo filho da puta sou, eis Sancho a discursar texto de outrem…

    Mas (preambulante mas), antes, creio ser necessário dizer que o termo anda a cair bonissímamente em muitos deste MUNDÃO varonil DESDE SEMPRE, principalmente na seara política… Senão, vejamos:

    Pequeno trecho do imenso Discurso do filho da puta, de Alberto Pimenta

    O pequeno filho da puta

    é sempre

    um pequeno filho da puta;

    mas não há filho da puta,

    por pequeno que seja,

    que não tenha

    a sua própria

    (…)
    .

    no entanto,

    o pequeno filho da puta

    tem orgulho

    em ser

    o pequeno filho da puta.

    todos os grandes

    filhos da puta

    são reproduções em

    ponto grande

    do pequeno

    filho da puta,

    (…)

    o pequeno filho da puta vê

    com bons olhos

    o engrandecimento

    do grande filho da puta:

    o pequeno filho da puta

    o pequeno senhor

    Sujeito Serviçal

    Simples Sobejo

    ou seja,

    o pequeno filho da puta.

    (…)

    é o grande filho da puta

    que dá ao pequeno

    tudo aquilo de que ele

    precisa para ser

    o pequeno filho da puta,

    diz o

    grande filho da puta.

    de resto,

    o grande filho da puta

    vê com bons olhos

    a multiplicação

    do pequeno filho da puta.

    Um abração de Sancho e até o próximo domingo, caríssimo Mestre da Contundência.

  7. Berto, o JBF é democrático, mas NÃO podemos PERMITIR “INFILTRADOS”,.tente discordar em um site esquerdista, “eles” te bloquearão na hora, não podemos permitir estes “Little big son of bitch” em “nossa” página. Concordo com Prof. Adonis, Cícero, Marcelo e Sancho, todo filho de puta, não passa de um filho de puta e sempre será um filho de puta e devoto do ladrão Lula.

  8. Pingback: TÃO DEMOCRÁTICO QUE TEM VAGA ATÉ PRA F.D.P. | JORNAL DA BESTA FUBANA

Deixe uma resposta