DEU NO JORNAL

Seis procuradores do grupo de trabalho da Lava Jato na procuradoria-geral da República (PGR) pediram demissão coletiva na noite desta quarta-feira (4).

O grupo se mobilizou contra atos a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Raquel Branquinho, Maria Clara Noleto, Luana Vargas, Hebert Mesquita, Victor Riccely e Alessandro Oliveira enviaram uma mensagem informando sobre demissão coletiva dos cargos que exerciam na Lava Jato no Rio de Janeiro e em Curitiba.

No texto, o grupo diz que há “grave incompatibilidade” com uma manifestação de Dodge quando enviou o depoimento de Léo Pinheiro para ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta delação o ex-presidente da OAS cita o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e o irmão do presidente do STF, José Ticiano Dias Toffoli, que já foi prefeito da cidade paulista de Marília.

Dodge se manifestou para suprimir exatamente os trechos onde os dois são citados.

Em fevereiro foi publicado na imprensa que o ex-presidente da OAS havia delatado o pagamento de propina ao José Ticiano Dias Toffoli, ex-prefeito de Marília (SP).

Dias Toffoli e Rodrigo Maia: beneficiados pela canetada salvadora de Raquel Dodge

* * *

Você intenderam tudo, num é?

A branquela buxexuda tirou da reta os cus de corruptos de altíssimo escalão.

E provocou a demissão coletiva de seis procuradores que não dão tréguas a ladrões do dinheiro público.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Vamos botar pra tocar uma musiquinha em homenagem a essa canalha que tenta, desesperadamente, acabar com a Lata Jato e jogar no lixo os seus fabulosos resultados contra a corrupção e pelo bem do Brasil.

Deixe uma resposta