DEU NO TWITTER

* * *

A propósito:

Não deixe de participar da nova Enquete do Instituto Data Besta.

Doria tá lá.

Vá aí do lado e exerça sua cidadania fubânica.

Dê o seu pitaco.

9 pensou em “CANALHA, MENTIROSO E FELA-DA-PUTA

  1. Pelo texto abaixo, parece que o Mandetta não concorda muito com o que disse o governador de SP:
    “A prescrição médica no Brasil, a caneta e o CRM do médico, está na mão dele. Se ele quiser comunicar o paciente dele, ‘olha, não tenho nenhuma evidência, acho que poderia usar esse medicamento, com tal risco, pode ter isso, e se ele se responsabilizar individualmente, não tem óbice nenhum”, completou o ministro em entrevista à imprensa nesta terça-feira (7) em Brasília.

    Agora, para matar (ops, desculpem o termo em tempos tão sombrios) a charada, que perguntem ao Mandetta se é verdade o que afirma Dória.

  2. Para quem não viu, a entrevista/conferencia entre;
    – Hélio Beltrão – Engenheiro, economista e Presidente do Instituto Mises do Brasil;
    – Dr. Paollo Zanotto, Prof/Dr. em microbiologia e Virologia da USP;
    – Dr. Pedro Batista Jr., Presidente da operadora de saúde Prevent Senior
    pode até acreditar neste FDP do Dória e do seu capacho David Uip.

    Para quem não viu a entrevista de Datena com David Uip, e a pergunta direta se o medicamento citado foi usado na sua cura, então já concluiu que ambos, Doria como chefe e David como cúmplice são dois grandíssimos filhos da puta.

    Me orgulho de pertencer a Prevent Center..

    A Prevent Senior, liderada pelo Dr. Pedro, foi quem desenvolveu o protocolo de uso do medicamento, nos estágios iniciais ( 2 a 3 dias do aparecimento dos sintomas), até pela necessidade de salvar a vida da mãe dos sócios fundadores, acometida pela COVID e já com 77 anos de idade.

    Levado a Brasilia, negado seu uso por Mandetta, foram obrigados a levar Bolsonaro todos os documentos e resultados conseguidos já no ambito ambulatorial, e na fase hospitalar, com a recuperação de mais de 200 idosos com mais de 65 anos.

    Por isso a confusão política entre Mandetta ( outro político FDP) e Bolsonaro.

    Mentiroso, incompetente, ciumento do resultado obtido por alguém da iniciativa privada, provando que apesar dos bilhões injetados na Saúde, estão sendo desperdiçados pelos parasitas incompetentes do funcionalismo público e seus privilégios imorais e indecentes.

    Ministro da Saúde que está se cagando e andando para a vida do povão, seja na mantenção da saúde, seja na destruição da economia e de futuras vidas……

    Deveriam ser presos, processados e lançados no fundo de uma cela…..

    Que vergonha……, que nojo destes políticos, demagofos, mentirosos e fundamentalmente incompetentes

    • Mandetta precisa dizer o nome dos lobistas da cloroquina, taokei?

      Do blog do Moisés Mendes:

      OS MÉDICOS MISTERIOSOS QUE CERCAM MANDETTA

      Por Moisés Mendes 8 abr, 2020

      O jornalista Kiko Nogueira, do DCM, fez a pergunta que a grande imprensa não quer fazer: quem eram os dois médicos que entraram no Palácio do Planalto e tentaram convencer Luiz Henrique Mandetta a assinar, sob pressão, um protocolo que poderia liberar por decreto o uso massivo da hidroxicloroquina no tratamento de infectados pelo coronavírus?

      Essa pergunta anda solta por aí há dois dias. Mandetta contou que, depois da tensa reunião de segunda-feira com Bolsonaro, em que os generais decidiram que ele não seria ser demitido, foi chamado para uma sala.

      Lá estavam dois médicos (e quem mais?), um anestesiologista e uma imunologista. Vieram com a conversa do protocolo. Mandetta, que prefere aguardar resultados mais conclusivos dos experimentos para liberar o uso em massa do remédio, negou-se a continuar a conversa.

      Como os médicos foram parar dentro do Palácio do Planalto? Como se atrevem a chamar um ministro para uma sala, na tentativa de fazer com que assinasse um protocolo? Foram mandados por Bolsonaro? Pelos filhos de Bolsonaro? Quem os levou à sala?

      Mandetta deveria dizer quem são os médicos, já que fez a confissão e decidiu avisar seus assessores para que espalhassem a sua resistência à pressão de dois profissionais que parece conhecer.

      Médicos que assumiram a defesa pública do remédio têm frequentado a imprensa. São nomes que se repetem. A mais insistente é a imunologista Nise Yamaguchi. Ela estava na reunião?

      Em nome da transparência, num momento tumultuado, o ministro precisa dizer quem faz lobby em nome da ciência. E quem faz lobby em nome da empresa de um amigo de Bolsonaro que fabrica o medicamento usado contra malária e lúpus.

      Também precisam esclarecer quais são os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde para uso do remédio na rede pública. As informações de ontem são de que aos poucos Mandetta começa a ceder à pressão dos lobistas e dos fabricantes da droga, que mobiliza interesses explícitos de Trump e de muita gente que ainda não mostrou a cara.

      O jornalismo investigativo deve essa reportagem: quem são e que ligação têm com os Bolsonaros os lobistas pelo uso da hidroxicloroquina, o ouro da Serra Pelada da pandemia?

      https://www.blogdomoisesmendes.com.br/os-medicos-misteriosos-que-cercam-mandetta/

      • Pelo que entendi, a Nise e Dr. Pedro ( ou seu representante) para mostrar os protocolos de diagnóstico, tratamento ambulatorial e tratamento hospitalar. Mandeta como um outri politico FDP se negou a “entender” o processo e negou seu uso.
        Os verdadeiros médicos tiveram que levar diretamente a Bolsonaro o processo, que solicitou a ajuda de outros especialistas para confirmar as tendencias internacionais com o uso do medicamento no inicio dos sintomas.
        Apesar de 80 % de seus beneficiarios ter mais de 65 anos e comorbidades a taxa de mortalidade é de 12 % contra a taxa internacional de 15 % nesta faixa. Óbvio que o virus é bastante agressivo e ainda nao bem conhecido merece um constante trabalho de analise e ajuste nos procedimentos.
        Nada justifica a posicao canalha de Doriana e seu cumplice David Uip, negando o uso do remedio e agora, depois dos inegaveis resultados, se apresentarem como os pais de solucao que vem salvando vidas de nossos velhinhos.
        Sao uns calhordas e cada vez mais se afumdam na canalhice da demagogia, mentiras e cafajestices……
        Doriana e Uip estao cagando e andando para a vida do povao…… sao pulhas da pior qualidade só comparados a Lulla, Dillma, Maia, David e alguns canalhas do STF….
        Grandes FDPs

        • O presidente dos EUA tem insistido no uso da cloroquina, mesmo que não haja estudos que comprovem a eficácia do medicamento no tratamento do novo coronavírus.

          Por que será, caríssimos fubânicos patriotas?

          Em reportagem publicada na última segunda-feira (6), o New York Times parece ter descoberto um possível motivo: alguns sócios de Trump e o próprio presidente dos EUA teriam interesses financeiros na ‘cuestão’, já que os maiores acionistas da Sanofi, empresa que detém a patente da Cloroquina, incluem uma empresa administrada por Ken Fisher, um dos principais doadores para republicanos, incluindo Trump.

          Trump é sócio de empresa que fabrica cloroquina, diz New York Times: https://www.nytimes.com/2020/04/06/us/politics/coronavirus-trump-malaria-drug.html

          • No ano passado, Trump disse que suas três famílias tem investimentos em um fundo mútuo da Dodge & Cox, cuja maior participação era na Sanofi. Além disso, segundo o NY Times, vários fabricantes de medicamentos genéricos estão se preparando para produzir pílulas de hidroxicloroquina, incluindo a Amneal Pharmaceuticals, cujo co-fundador, Chirag Patel, é membro de um clube de golfe de Trump em Nova Jersey, onde já foram vistos jogando ao menos duas vezes desde que Trump se tornou presidente.

            Outro investidor da Sanofi e da Mylan, também uma empresa farmacêutica, é a Invesco, o fundo anteriormente administrado por Wilbur Ross, o secretário de Comércio de Trump. Ross disse em comunicado na segunda-feira (6) que “não estava ciente de que a Invesco tem investimentos em empresas que produzem ‘o medicamento’, nem tenho qualquer envolvimento na decisão de explorar isso como um tratamento”.

  3. Mandeta, Dória, Nhonho, Rede Goebels e congêneres queriam que o remédio para o corona fosse o Tamiflu, da Roche, que custa mais de 100 vezes que a Cloroquina + Azitromicina e não tem a mesma eficiência.

    Remédio barato, porreta e que foi defendido desde o início pelo JB.

    Ah, bater carteira é uma das especialidades do Dória.

Deixe uma resposta