RODRIGO CONSTANTINO

BRA100. CANOAS (BRASIL), 03/05/2024.- Fotografía aérea tomada con un dron tras el desbordamiento del río Jacuí este viernes, en la Praia de Paquetá, en el municipio de Canoas, en la región metropolitana de Porto Alegre (Brasil). En Porto Alegre, sin ninguna víctima fatal hasta ahora, la tragedia no es tan grave como en otros municipios de Río Grande do Sul, en donde las lluvias, según el último boletín de la Defensa Civil, dejan al menos 37 muertos, 74 heridos, 74 desaparecidos y 351.639 personas afectadas. EFE/ Isaac Fontana

Estrada inundada em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre (RS)

A blogueira petista Daniela Lima disse que há uma campanha mentirosa em curso pela extrema direita para difamar o Estado, em especial a atuação do governo federal na calamidade no sul. Para a militante esquerdista da Globo News, quem quer que tenha críticas ao papel estatal nos resgates só pode ser um bolsonarista ressentido “atacando as instituições”.

Fosse apenas a opinião bizarra de uma jornalista qualquer, tudo bem – ninguém ligaria muito. Mas sabemos que Daniela faz o papel de assessoria de imprensa do atual desgoverno, e que essa é a mentalidade vigente na equipe lulista. Tanto que o ministro Lewandowski aceitou a missão esdrúxula de perseguir críticos do governo, utilizando inclusive a Polícia Federal para tanto.

Agora até médicos gaúchos foram acionados pela PF por “disseminação de fake news” sobre as enchentes no Rio Grande do Sul. Ousou apontar para a incompetência estatal, para a negligência do governo, para falhas nas ações de entes públicos para ser alvo da Gestapo tupiniquim.

Quem melhor descreveu o que está em curso no país foi Flavio Gordon, em sua coluna na Gazeta do Povo. Diz o antropólogo: “Agravado pelo fato de ter sido tomado por socialistas, o Estado brasileiro hoje exija gratidão e subserviência. O Estado quer ser amado e venerado. Tem horror à crítica, à indiferença e ao meme”. Gordon acrescenta: “O Estado brasileiro não se contenta em ser mau. Nutre ódio pelos bons. O Estado ressente-se da caridade particular, e busca uma vingança contra os que praticam o bem”.

Que a Polícia Federal lulista se preste a esse papelão de perseguir críticos do governo é algo realmente lamentável, até porque a PF já foi uma instituição respeitada pelo povo. Ronald Reagan, o melhor presidente americano, tinha várias frases de efeito sobre a incompetência estatal – e isso falando dos Estados Unidos! “As palavras mais terríveis na língua inglesa são: eu sou do governo e estou aqui para ajudar”. Essa era a visão liberal de Reagan.

“O governo não é uma solução para o nosso problema, o governo é o problema”. “Se mais governo é a resposta, então a pergunta foi realmente estúpida”. “Ou você controlará seu governo, ou o governo o controlará”. “A liberdade individual depende de manter o governo sob controle”. “O governo é como um bebê. Um canal alimentar com grande apetite em uma extremidade e nenhum senso de responsabilidade no outro”. “O primeiro dever do governo é proteger as pessoas e não administrar suas vidas”.

Está de bom tamanho? Pois tem muito mais! Reagan desconfiava do governo por conta de seu mecanismo perverso de incentivos. Mas Reagan seria alvo da PF lulista hoje, se fosse um brasileiro indignado com a incompetência estatal na crise das enchentes. Os comunistas do PT saíram todos do armário. Ou você reverencia o estado ineficaz, autoritário e custoso, ou você será punido, quiçá mandado para um campo de reeducação até “aprender” a elogiar o Leviatã que te devora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *