DEU NO TWITTER

5 pensou em “É DIFÍCIL PARA UM JORNALISTEIRO OPERAR A CALCULADORA

  1. Se fizessem esta devassa na vida do Lulla e sua família (a muda e os 5 filhos), não sobraria um.

    O bom é que isso vai dar moral para o Bolsonaro dizer que vive de acordo com seus rendimentos. A prova eles darão. Apesar de todos os vazamentos de dados sigilosos de todos os filhos e de quem vive ao seu redor, nada encontraram.

    • A devassa, VINDA de vários lugares acontece 24 horas ao dia, abrangendo familiares próximos ou distantes e amigos, “amigos” e quem se acha amigo da família. E isso acontece muito antes de saberem que o tal Jair iria concorrer em 2018, pois o cara sempre incomodou a quem conservador ou liberal NÃO É.

      Estando os cáculos corretos, como renda familiar, é uma merreca, inserindo tal família naquele grupo que teria dificuldade até para ter conta Prime no Bradesco.

      • A coisa é tão louca que acharam até MAR (sim, acharam um oceano) em Resende.
        Eis:
        (…) e uma casa de frente para o mar em Resende (RJ), avaliada em R$ 1 milhão em 2009, omitida por ele na campanha de 2010.

        https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-09-28/bolsonaro-omitiu-bens.html

        Eu, que em Resende morei sei que a região, prodiga em cachoeiras, Parque Nacional adentro, é cortada pelo Rio Paraíba do Sul e quando os nativos querem MAR vão até Angra dos Reis-RJ, litoral Norte de Sampa (Praia do Bonete, Ilhabela, Praia de Castelhanos, Ilhabela, Praia de Itamambuca, Ubatuba, Praia de Puruba, Ubatuba, Maresias, São Sebastião, Praia de Camburi, São Sebastião, Praia de Juquehy, São Sebastião e Praia do Félix, Ubatuba)) ou Rio deJaneiro.

        Ah, o Paulo Terracota, que muito conhece de Resende a adjacências não me deixará “mentir sozinho”.

        • É vero Sancho, Resende foi agraciada com muitas coisas bonitas ,mas, infelizmente de mar sobrou só as MAR´- Vadas pingas, Fontanezi e Capelinha, né não ? kkkkkkkkkkk

          • Fontanezzi e Capelinha? Dá até água na boca… E agora fostes longe, mergulhando em minha juventude, como “reco” no BCSv/AMAN. Nas saídas em busca de aconchego e beijos, ia em busca da antiga e rara aguardente de cana lá no “Bambuzinho” – Sancho iniciou-se nas coisas cabarelísticas e pingaísticas à base da então “cara” para meu modesto bolso CANA ” FONTANEZZI”, produzida em Bulhões pela família FONTANEZZI e que meu amigo Bambu, barman do local escondia sob sete chaves e só fornecia para seleta clientela. Se não me falha a memória em garrafa de 900 ml.

            Quanto à Capelinha – cachaça Capelinha que tomava nos butecos na subida Resende-Mauá (Capelinha). Mas (gostosíssimo mas) sempre fui fã da Fontanezzi

Deixe uma resposta