DEU NO JORNAL

* * *

Falou nessa viadagem de “apologia ao trabalho infantil”, me lembrei dos felizes e risonhos tempos quando eu, menino, trabalhava vendendo caixas de fósforo na feira de Palmares.

Eu e a molecada todinha da minha rua.

A feira semanal era aos domingos.

O pregão era esse:

– Uma é dois e três é cinco!!!

Uma caixa de fósforos Marca Olho a gente vendia por dois cruzeiros.

Mas se o matuto comprasse três, pagava apenas cinco cruzeiros.

Da venda de fósforos, evoluí para a venda de mercadorias diversas numa banca.

Mercadorias que eu pegava em consignação na bodega do meu pai e prestava contas a ele no final do dia.

Sempre sobrava um dinheiro pra pagar a entrada do Cine Apolo ou tomar caldo de cana no pavilhão de Seu Tertuliano.

Um trabalho que embasou minha formação e que me fez um cidadão de bem para batalhar e vencer na vida.

Aí, hoje em dia, eu escuto uma porra duma notícia dessas e fico completamente emputecido com as canetadas desses burocratas sentados atrás de uma mesa e que passam o dia caçando alguma coisa útil pra fazer.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Esse nosso país é mesmo uma terra surrealista povoada de otoridades fazendo pose de sérias.

Quando tomei conhecimento do que este “procurador” fez com o honrado, honesto e bondoso comerciante, me deu uma vontade da porra de vomitar.

Eu fui eu que virei “procurador”: tive que sair correndo pra procurar meu pinico.

É de lascar!!!

16 pensou em “É DE LASCAR !!!!

  1. Menino Sancho quebrava pedra, transformando em pedrisco. Por cada lata ganhava uma grana que ajudava a comprar material escolar, kichute para o futebol e roupa de missa dominical. Sancho era bom de martelada em pedra bruta. A mão era puro calo. E a força no braço adquirida no quebra-pedra me fez conduzir qualquer caminhão caixa seca estrada afora.

    • Só braço forte para cruzar as marchas no velho “Fenemꔓcaixa seca”, sem sincronização, fazendo com que as marchas tivessem que ser trocadas “no tempo” correto em longas jornadas.

      De onde vem a expressão “cruzar as marchas”? Isso se deve ao fato de que, em muitos casos, os caminhoneiros precisavam usar as duas mãos para as trocas, chegando a “cruzar os braços”.

  2. Pois é…….., eu “trabalhava” dando aula particular de aritmética e assim sobrava um dinheirinho para comprar minhas bolas de gude, minhas figurinhas para bafinha e meus piões…..
    Nunca deixei de estudar por isso…….

    Em vez de este idiota ir analisar as condições do menino……. não, isto dá trabalho e os parasitas do funcionalismo publico preferem fazer uma cagada dessas pois é muito mais fácil……

    PQP…… eita gentinha de merda

  3. Eu, graças a Deus nunca precisei trabalhar, mas não me sinto melhor do que ninguém que tenha trabalhado desde criança em uma condição que lhe permita estudar também.

    Já vi oficina mecânica ser fechada, porque o dono dela dava oportunidade para meninos de 14 anos aprenderem e ganharem seu dinheiro.

    O MPT foi lá, fechou a oficina, o dono e mais dois empregados ficaram sem nada.

    O garoto de 14 anos foi para as ruas e ficou à mercê dos traficantes.

    Esta é a atuação social da esquerda.

  4. Eu tb nunca precisei trabalhar. Mas ajudava meu pai nos fins de semana que fazia bico com carrinho de algodão doce para proporcionar meus estudos. Imagine, sem salário….meu pai hj estaria preso

  5. Esse advogado é uma raridade, pois a casta judiciária nesse país é a verdadeira burguesia no sentido mais pútrido do termo. A autêntica elite tirana que se engaja em judicializar e demonizar calcado em imbecilidades ideológicas.

    Onde já se viu entender que dar um relógio a uma criança e a ela ensinar o valor do trabalho é fazer apologia ao trabalho escravo infantil? Até porque trabalho escravo é condenável independente de idade! Queria ver se esses filhos da puta deixam de comprar da China tudo aquilo que foi feito com trabalho escravo infantil sob a batuta de um regime totalitário?

    Pra esses boçais, toda criança é frágil e retardada. Não pode aprender o valor do trabalho como meio de se conquistar aquilo que se deseja… Chiam até com a ideia de criança estudar em tempo integral. Esses venais e suas ideias são os principais responsáveis por criar uma verdadeira massa de vagabundos que hoje permeiam as universidades, tecendo loas ao Socialismo usando das benesses mais opulentas do Capitalismo.

    Como disse um comentador acima, tiram a criança do rigor do estudo, ou da necessidade do trabalho para ajudar os pais, para então ser cooptada pelo narcotráfico.

    A tônica do Judiciário brasileiro atual é ser filho da puta.

Deixe uma resposta