DEU NO JORNAL

* * *

O fato se assucedeu-se anteontem, domingo, em São Paulo, a acolhedora Terra da Garoa.

Quando vi esse lindo e artístico acoitamento dado pela GloboNews aos intrépidos que carregavam uma bandeira nessa imagem aí de cima, pensei logo em fazer uma consulta ao nosso estimado confrade Ceguinho Teimoso, valoroso militante zisquerdista.

Pensei em fazer uma consulta pra ele me tirar uma dúvida.

Ceguinho, como já sabemos, explica tudo e de tudo tem ciência.

É o seguinte:

O jornalisteiro redator da GloboNews escreveu na legenda que o protesto era “em defesa da democracia“, como vocês podem ver na foto.

Já a patriótica bandeira nas mãos dos manifestantes (que seja essa a palavra…), trazia a inscrição “em defesa da ditadura proletárias” (assim mesmo no plural e com ponto de exclamação…)

Afinal: democracia ou ditadura?

Hein???

Como sabem as pessoas que raciocinam e não sofrem das vistas, democracia e ditadura são duas entidades mutuamente excludentes.

Ou uma, ou outra.

Mas aí, quando vi a postagem abaixo, desisti de fazer a consulta a Ceguinho Teimoso.

Vendo a autora da twitada tudo ficou explicado.

Olhem só:

A gerenta do estabelecimento de propriedade de Lula –  aquele covil que se disfarça na sigla partidária de PT -, estava lá na avenida.

No meio da turba, gozando (êpa!!!) de boa disposição e com a pata superior esquerda devidamente alevantada e de punho fechado, arrochado que só um furico levando pajaraca.

A atual administradora do bando, que tem o codinome de Amante na lista de propinas da Odebrecht, me explicou tudo.

Não precisei de consultar Ceguinho.

Pra esses tabacudos, “ditadura proletária” e “democracia” são feito suvaco e axila: a mesma coisa.

Cuba é o mais perfeito exemplo de país democrático, conforme a ideia que eles carregam na fossa que trazem entre as duas orelhas.

Enfim, tava tudo explicado.

Não precisei apelar pro Ceguinho.

O criminoso acoitamento praticado pelo noticiário da Globolixo está perfeitamente coerente com as diretrizes bostosas e esgotíferas que norteiam a extrema imprensa oposicionista desse país nos dias atuais.

5 pensou em “DITADURA DEMOCRÁTICA

  1. Enfim, tudo explicado.
    É assim que funciona a coisa no JBF.
    O editor-chefe comenta o fato assim que assucedeu-se, pergunta para ceguinho, que dormita em algum canto da Basílica de Paris…cida do Norte.
    Aí a secretária do JBF aparece na paulista e dá a resposta.
    Eita gazeta fubânica, ligeira e informativa.
    .

  2. O comunismo se apropria da palavra democracia mais do que crente diz aleluia e glória a Deus.

    A Alemanha comunista era a República Democrática da Alemanha, a Coréia do Norte é a Democrática, China comunista – Democrática e popular; e assim vai.

    Pelo menos o cartaz do POR (Partido Operário Revolucionário) é honesto: “em defesa da revolução e ditadura proletárias!” Proletárias são a revolução e a ditadura.

    Isso não é defesa da democracia e sim da revolução do proletariado.

    Eles estão parados há mais de um século atrás.

  3. A questão sobre a palavra “democracia”: o termo precisa ser compreendido segundo o ponto de vista de quem o usa. Para os comunistas, “ditadura do proletariado” significa que estando os proletários no poder (pelo menos 70% da população, no Brasil), isto é, a classe trabalhadora, e sendo “o povo” a classe trabalhadora, sua ditadura significa “o povo no poder”, e o povo no poder significa democracia, palavra que quer dizer, do grego, demo = povo e Kracia = governo. Conclusão: governo do povo.
    O conceito de “democracia” passa por vários sentidos na História, tendo sido assumido pela ocidental sociedade moderna que, para que ela se dê, o mecanismo é a eleição de representantes da população, através do voto, de seus dirigentes – mais ou menos diretamente, conforme o sistema adotado, seja a democracia monárquica, a democracia parlamentar, seja a nossa brasileira de hoje.
    Na nossa, até outro dia (1932) as mulheres não votavam.
    Só em 1988 é que os de 16 anos de idade adquiriram o direito de votar.
    Consta, pelo entendimento brasileiro de democracia, que nela estão implícitos, além do voto, a liberdade de expressão, individual e de imprensa, o que não acontecia no regime endeusado por Jair Messias Bolsonaro, tal seja a ditadura militar de 1964 a 1985.
    Quanto à foto, que aterroriza os leitores do Jornal Besta Fubana, trata-se de um pequeno grupo portando uma bandeira de um partido inexistente, o Partido Operário Revolucionário, cujo o qual consta tenha sido uma organização revolucionária brasileira criada em 1953 como uma seção da IV Internacional Comunista, dissidência criada por Leon Trotsky da III Internacional, mas não se trata, na atualidade, de um partido político.
    O que existe, com pouco mais de quatro mil membros e talvez com um vereador eleito, é o Partido da Causa Operária (fundado por dissidentes do PT) que, embora de extrema-esquerda, não pode, como nenhum outro pode, pleitear a tomada do poder por revolução, ou luta armada, o que talvez seguidores de Jair Messias Bolsonaro estejam doidos para fazer.
    Para concluir, Gleisi Hofmann, na segunda foto, nada tem a ver com o inexistente Partido Operário Revolucionário; e o gesto de punhos fechados é símbolo de solidariedade e apoio (todos já deviam saber disto, porra).

    • Esse negócio de democracia NUNCA EXISTIU, NUNCA VAI EXISTIR, e no dia que existir, VAI SER UMA GRANDE MERDA!

      Esse negócio de botar um monte de jumentos batizados para dar pitacos em coisas que não entendem É UMA MERDA.

      PÃO E CIRCO, para esses bandos de macacos amestrados.

      A teoria do PT é que, se colocarmos uma quantidade suficientemente grande de anencéfalos para dar pitaco, vai sair uma solução maravilhosa. NÃO VAI!!!
      Só vai sair ideias de jericos!

      O governo ideal, desde Aristóteles que se sabe disso, tem de ser de uma ARISTOCRACIA! Gente com ARISTÉ. VIRTUDE!

      Continuem elegendo os palhaços mais atraentes e vejam a merda que vai continuar dando.

      DITADURA JÁ!!!!!

      E os miquinhos amestrados, enfiem a língua no cu e obedeçam a seus mestres.

Deixe uma resposta