RODRIGO CONSTANTINO

Bolsonaro abriu sua fala alfinetando a mídia militante e afirmando que mostraria o Brasil real, ocultado pela imprensa. Lembrou que o governo atual segue sem escândalo de corrupção, ao contrário do que acontecia antes.

Brasil mudou, disse o presidente, deixando o socialismo para trás. Investimentos pesados em infraestrutura, com forte participação privada, têm permitido avanços sustentáveis e a redução do custo Brasil. Avanços na área de saneamento básico, com concessão ao setor privado, vão melhorar a vida de milhões de brasileiros. Temos um grande mercado consumidor, respeito a contratos, o que atrai investidores.

O Brasil, com utilização de apenas 8% do território usado para agricultura, alimenta quase 1 bilhão de pessoas no mundo. Preservamos dois terços de nossas florestas e biomas em geral. A meta de neutralidade de carbono foi antecipada. Mais de 80% da nossa energia vem de fontes renováveis.

Em seguida, Bolsonaro cobrou a parte da Europa no acordo, já que até hoje não recebemos pelos créditos de carbono, e temos bilhões a receber.

Bolsonaro defendeu a família tradicional como pilar fundamental da civilização e destacou a liberdade de culto como valor inegociável. Minorias, como índios, são protegidos em nosso país e 14% do território nacional pertence a reservas indígenas, que desejam produzir agricultura também.

Brasil tem tradição de ajuda humanitária e recebe refugiados. Bolsonaro ofereceu abrigo aos cristãos afegãos e disse: “Reitero o nosso repúdio ao terrorismo em qualquer uma de suas formas. Apoiamos uma reforma do Conselho de Segurança da ONU, onde buscamos um assento permanente.”

Sobre a pandemia, Bolsonaro destacou a importância tanto da saúde como da economia: “Sempre defendi foco simultâneo no combate ao vírus e ao desemprego”. O governo ofereceu auxílio emergencial para os mais pobres, com situação agravada por decisões de prefeitos e governadores de fechar comércio.

Bolsonaro também defendeu a liberdade: “Apoiamos a vacinação, contudo, nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário”. O presidente defendeu a liberdade médica para tratamento imediato e alertou: a história e a ciência vão julgar responsabilidade de todos.

Em resumo, Bolsonaro fez um discurso sóbrio e em defesa das liberdades, além de rebater as narrativas falsas de que o Brasil é o patinho feio do mundo em termos ambientais. Se a ONU, um convescote da esquerda mundial, volta sua atenção para o “aquecimento global”, então é sinal de que a pandemia está mesmo chegando ao fim e eles precisam resgatar a outra pauta de alarmismo para justificar um governo global de cima para baixo.

Vale, por fim, um comentário sobre a cobertura de nossa imprensa. Milhões foram às ruas a favor do presidente, e isso foi chamado de “atos antidemocráticos”. Mas meia dúzia de gatos pingados em Nova York com faixas virou manchete: presidente é alvo de protestos no exterior. Nossa imprensa morreu. Só tem militância esquerdista, sem qualquer compromisso com a realidade.

3 pensou em “DISCURSO SÓBRIO E RESPONSÁVEL

  1. Quero ver ranger de dentes em 2022 com a recondução de nosso presidente ao poder para mais 4 anos, se a grana fácil da nação chegassem as redações como antes, as manchetes enaltecendo o país e seu líder seria de fazer inveja.

  2. Bolsonaro deu o recado na ONU e foi aplaudido!

    Eduardo Soares
    @Eduardo_o_velho
    ·
    18 h
    Está surgindo um movimento dos eleitores do Bolsonaro, para que todos usem camiseta amarela quando forem votar. Com isso, ficará visível a superioridade numérica, que a mídia está tentando esconder. Ficará muito difícil usar a fraude nas urnas, as TV’s serão obrigadas a mostrar!

    • O STF/STE vai proibir. Democraticamente ninguém vai poder usar amarelo na eleição do ano que vem. Quem desobedecer vai ser preso e arrebentado (PF, PM, PC e GM), democraticamente. Vermelho pode.

Deixe uma resposta