DESMASCARANDO UM MERDA SUPREMO

Ontem, na coluna “Fala, Bárbara”, aqui desta gazeta escrota, foi feita uma postagem com o título de Hienas e o STF.

Com o seu costumeiro brilhantismo, a nossa querida colunista fubânica deu mais uma de suas certeiras cacetadas.

Quem quiser rever, é só clicar aqui .

No vídeo, Bárbara cita o livro escrito pelo ex-ministro da Justiça e ex-Consultor Geral da República Saulo Ramos, intitulado Código da Vida.

No livro é transcrito um diálogo que Saulo Ramos teve com o atual Ministro do Supremo Esgoto Federal, Celso de Mello, o tolôte mais antigo daquele antro, o decano bostífero, o babaca que se indignou com um vídeo do Messias.

Um diálogo a propósito de um voto canalha, safado, desonesto, sujo, que Celso de Mello deu numa sessão do atual Supremo  Puteiro Federal, durante o governo Sarney.

Bárbara detalha a história no seu vídeo.

O diálogo termina com Celso de Mello perguntando a Saulo Ramos: “O senhor me entendeu?

E Saulo Ramos termina o diálogo com esta frase fulminante:

– Entendi. Entendi que você é um juiz de merda.

O livro tá aqui na minha estante.  Foi publicado pela Editora Planeta em 2007.

O diálogo acima citado está contido no capítulo 85, que começa na página 168.

Ao chamar Celso de Mello de “um juiz de merda”, Saulo Ramos antecipou o que pensa a banda decente do Brasil da atual composição do órgão máximo da justiça deste país.

Uma latrina com vários juízes de merda.

4 pensou em “DESMASCARANDO UM MERDA SUPREMO

  1. Há divergências.

    Consta que o ocorrido não seria possível, uma vez que Celso de Mello, sendo o segundo mais novo ministro em exercício, deveria ser o primeiro a votar e não o último.

    “Na vida real, Celso de Mello era o segundo mais novo ministro da corte. Portanto, um dos primeiros a votar. Seu voto foi enorme — desses que levam dias para preparar. Os arquivos da Folha não registram a notícia mencionada. E, por fim, o próprio Saulo relata, no mesmo livro, outros diálogos com Celso de Mello. Sete anos depois, no beija-mão do ministro em sua posse na presidência do STF, abraçou-o efusivo logo depois de Márcio Thomaz Bastos.”

    Essa tese é corroborada por notícias outras, como é o caso da seguinte:

    “O ministro Março Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), propôs no início deste mês uma emenda ao regimento interno da corte para alterar a ordem de votação nas sessões plenárias. Diferentemente dos demais tribunais superiores, no Supremo os votos são sempre colhidos do ministro mais novo na corte para o mais antigo. Segundo Março Aurélio, essa fórmula coloca muita pressão sobre os ministros mais novos, aumenta a incidência de pedidos de vista e, quando os votos dos mais antigos são proferidos – caso dele mesmo e do ministro Celso de Mello -, a decisão já tem maioria constituída.”

    Aí, a gente fica com uma, duas ou três pulgas atrás das duas orelhas…

    • ERRATA: “(…) uma vez que Celso de Mello, sendo o segundo mais novo ministro em exercício, deveria ser o segundo a votar e não o último”.

Deixe uma resposta