MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

Bolsonaristas estão em festa porque os ex-diretor da PF, Maurício Valeixo, disse que o presidente Bolsonaro “nunca interferiu diretamente na PF” nem recebeu informações sobre investigações em curso.

Óbvio que não. Afinal, se isso estivesse acontecendo, não haveria necessidade de trocar o diretor, não é?

Em seu depoimento, o próprio Sergio Moro disse que Bolsonaro tratou de eventuais demandas de relatórios de inteligência, pela primeira vez, na reunião do dia 22 de abril. Ele se demitiu dois dias depois, alegando justamente não aceitar esta situação.

Desde o primeiro dia da crise tenho repetido: se o presidente Bolsonaro declarasse, no primeiro dia da “crise”, o porquê da necessidade da troca do diretor da PF em um momento tão inoportuno, a crise não existiria.

De um lado, temos a mensagem de whatsapp que diz “PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas”, seguida de “Mais um motivo para a troca”. Não houve explicações sobre o assunto até agora.

De outro lado, os apoiadores do presidente repetem suas declarações de que trocar o diretor é um direito seu e está na lei.

De fato, está na lei. Assim como estão na lei todos as decisões do stf, do senado e da câmara, e que são, segundo os mesmos apoiadores, a causa de todos os problemas. Gilmar Mendes, Maia e Alcolumbre fazem o que fazem porque a lei lhes dá este direito.

Então, “está na lei” não é justificativa para fazer qualquer coisa que der na cabeça. A moralidade pede que os governantes mostrem coerência e embasamento em suas atitudes. Faz muito tempo que se usa para certos coisas que acontecem a expressão “é legal, mas é imoral”. Dada a repercussão que o assunto vem causando, seria bom que o presidente da república apresentasse argumentos mais sólidos do que simplesmente alegar “fiz porque quis, a lei me faculta”, até porque se trata de medida implantada via medida provisória (657/2014) pela ex-presidente Dilma.

Também não ajuda a versão divulgada de que Valeixo pediu para sair, ou saiu porque quis. Aliás, se fosse assim, uma simples carta de demissão, de praxe em situações como essa, resolveria toda a questão. Mas a verdade é mais confusa:

“Ontem numa videoconferência o senhor Valeixo se dirigiu a todos os seus 27 superintendentes e disse que desde janeiro vinha falando com o senhor Sergio Moro que iria deixar a Polícia Federal. Superintendentes são a prova disso.” (pronunciamento de Bolsonaro dia 24 de abril)

“Que na videoconferência realizada na quinta-feira, 23 de abril […] mencionou que não tinha apego pelo cargo, que se encontra e sempre esteve à disposição do Ministério da Justiça e do presidente […] mas não houve qualquer antecipação sobre a exoneração, e tampouco comunicou nesta reunião que iria pedir exoneração.” (depoimento de Valeixo)

“À noite, eu e o Dr. Valeixo conversamos por telefone e ele concordou com a exoneração a pedido. ” (pronunciamento do presidente no dia 24 de maio)

“Perguntado: ´O depoente confirma que após esse fato ameaçou pedir exoneração em conjunto com os demais Diretores?´ respondeu que foi uma manifestação pessoal em relação à sua função, mas que, no entanto, não houve nenhum movimento coordenado de entrega de funções;que essa manifestação pessoal se deu num momento de escalada da crise, em razão de urna declaração do Presidente da República que disse [em junho de 2019] que “Se eu não puder trocar o Superintendente do Rio de Janeiro, eu troco o Diretor Geral”. (depoimento de Maurício Valeixo)

Na minha opinião, “pedir para sair” é diferente de “ser pressionado para sair”, e “exonerado a pedido” não é quando se recebe um telefonema comunicando “você vai ser exonerado amanhã”, mas é só uma opinião minha.

Aliás, Sérgio Moro foi acusado de “só estar interessado” na nomeação para o STF. Se fosse verdade, porque ele jogaria no lixo a chance de ser indicado por causa da demissão de uma pessoa que queria ser demitida? Não consigo entender a lógica.

Outro detalhe sobre a troca:

“Que em duas oportunidades, uma presencialmente, outra pelo telefone, o Presidente da República teria dito ao depoente que gostaria de nomear ao cargo de Diretor Geral alguém [com] quem tivesse maior afinidade […]”

Sobre essa afinidade, também há alguma controvérsia:

Bolsonaro: “Ele [Ramagem] ficou novembro e dezembro quase que na minha casa. Dormia na casa vizinha, tomava café comigo e tirou fotografia com todo mundo. Foi no casamento de um filho meu. Tem nada a ver a amizade dele com meu filho.”

“Em seu depoimento, Ramagem afirmou que não tem “intimidade pessoal” nem “amizade com os filhos do presidente” — mas goza de “consideração, respeito e apreço” da família Bolsonaro.”

O resumo da história é que, na falta de boas explicações, o governo fica vulnerável diante de notícias como esta, de ontem, dia 12:

“O ministro Felix Fischer, do STJ, negou mais um recurso de Flávio Bolsonaro, que tentava pela 10ª vez parar as investigações no MP do Rio sobre rachadinhas em seu gabinete, quando era deputado estadual.”

Dirão os bolsonaristas: “Está vendo, é MP do Rio, não existe investigação nenhuma na Polícia Federal”.

Digo eu: E parece que o presidente está se empenhando para que nunca venha a existir.

37 pensou em “DEPOIMENTOS

  1. Um exame minucioso, porém simples e esclarecedor. As conclusões são lógicas e serenas. Um pitaco realmente valioso, deixando claro que é uma opinião. Bem ao contrário da histeria dos fiéis bolsonaristas, que estão cada vez mais iguais aos fiéis lulistas.

  2. Caro Marcelo, a meu ver apoiar no atual momento o governo Bolsonaro não me torna um bolsonarista.

    Para mim, bolsonarista é aquele que não vê defeitos do JB, ou seja, o tem como político de estimação, como é o caso dos petistas para com o Lula, que acreditam em qualquer mentira que ele diz.

    Já disse na área de comentário de sua coluna de ontem, que me considero um conservador de direita e este por definição é um cético; que duvida de tudo e de todos, porém segue um caminho onde a lógica indica como melhor caminho a seguir e no atual momento não vejo outra alternativa de poder melhor que a que o Governo JB está a praticar.

    Óbvio que, como não existe a “palavra final” nesta matéria, se você me apresentar um nome de um político, qualquer um, com uma política factível que rompa com o Sistema dominante, me apresente, pois estou disposto a ouvir.

    O que vejo, no entanto de sua parte, assim como das esquerdas em geral é que; uma vez não existirem crimes ou mal feitos passados contra o JB, estão lhe atribuindo crimes futuros, assim como no filme “Minority Report”. Porém felizmente para o JB tal crime ainda não existe no CP.

    A meu ver, Valeixo, Ramagem e o Delegado que era superintendente da PF – RJ foram corretos em seus depoimentos e honraram a instituição da PF.

    • João, já é tradição na política brasileira as pessoas reclamarem não do que alguém falou mas do que acham que falou.

      Moro acusou Bolsonaro de:
      – Trocar o diretor da PF sem apresentar um motivo plausível (fato até agora incontestado)
      – Fazer isso com a intenção declarada de, tendo um diretor com “afinidade”, interferir nas operações da PF (claro que não há como provar as intenções de alguém; pode-se no máximo provar que estas intenções foram declaradas)

      Só isso.

      Infelizmente, alguns fanáticos gritaram “Moro acusa Bolsonaro pelo naufrágio do Titanic” para poder no dia seguinte gritar “Moro não mostra provas da acusação”.

      Isso é o que mais me preocupa nesta história toda: estão debatendo sobre fatos que não existiram.

      Quanto à achar que Bolsonaro deve ser perdoado por qualquer erro que cometer porque a alternativa era pior, acho que é levar o pragmatismo longe demais. A eleição já passou. Não há perigo de Haddad assumir o poder porque alguém criticou Bolsonaro. Mas há perigo de Haddad ganhar as eleições em 2022 se Bolsonaro fizer um péssimo governo, e dar-lhe imunidade a críticas não me parece um bom caminho para melhorar.

      • Marcelo, se v. não percebeu ainda, lhe digo (e não é teoria da conspiração). Já dá para perceber no ar.

        Há um forte movimento que envolve mídia, parte do STF, grande parte do congresso, academia e empresários que perderam força; para derrubar JB do poder, e é agora. Só sendo ingênuo para crer nisso.

        Espere mais alguns diasa e vão estourar grandes revelações criminosas envolvendo as forças acima e a PF do RJ será de fundamental importância neste estouro.

        Nestes escândalos todos da lava jato, marielle, atentado, CBF, copa, olimpíada, a coisa sempre para quando chega na Globo e no RJ.

        Se não derrubarem JB logo, a coisa explode. Vai pegar ministros do STF, de outros tribunais, gente muito grande.

        Petrolão vai ser fichinha.

  3. O experiente e paciente Sérgio Moro comeu Bolsonaro pelas beiradas, feito canjica quente…

    P.S.: – Honra e princípios vêm de berço e Moro tem de sobra, quem duvida?!?!?!

    • Pelos depoimentos dados até o momento e pelas “provas” apresentadas, Moro ainda não chegou perto da borda do prato da canjica.

      Mas vamos esperar o “bombástico” vídeo.

    • Eu duvido!

      Não duvido que a honra e os princípios venham do berço. Duvido da honradez e dos princípios que o Sr. Sérgio Moro adotou em todo esse desgraçado caso de traição explícita.
      DesMOROnou a máscara desse senhor. Com suas atitudes mentirosas e fingidas, desnudou-se a sua real face.
      Bolsonaro não é nenhum anjo. Nenhum de nós é! Só que, diante da sanha assassina e sanguinolenta de sua matilha de inimigos ferozes, se Bolsonaro cagar em cima do birô da presidência, eu digo que é uma obra de arte, comparada às imensas e múltiplas patifarias de seus pretensos algozes.

      • Adônis, você pode gostar ou não da atitude do Moro (o gosto ainda é livre), mas como eu disse para o João logo acima, muitos fanáticos estão acusando Moro do que ele não fez.

        O general Braga Netto disse em seu depoimento:
        “Que, em resposta, o depoente e os demais ministros procuraram ‘acalmar o ex-ministro’, uma vez que este sinalizou sua saída do governo caso (Bolsonaro) concretizasse tal troca.”

        Traição ou “punhalada nas costas” não houve. Assim como Bolsonaro pode demitir quem ele quiser (e ele faz questão de enfatizar bastante isso), qualquer ministro pode pedir a conta quando achar que deve. Moro avisou que sairia se Bolsonaro demitisse Valeixo, e é preciso fechar os olhos com muita força para achar que não. Ou Bolsonaro decidiu pagar para ver (acho improvável) ou a intenção era exatamente essa: Forçar Moro a sair (na longa tradição brasileira de fritar ministros).

        Por último, se sua aversão à merda A é tão grande que você está disposto a comer a merda B e achar gostoso, é decisão sua.

        Eu sempre vou buscar alternativas melhores do que comer merda.

        • Caro Marcelo,
          Não se trata de comer merda de ninguém e tu sabes muito bem disso. Seu argumento foi grosseiro e falacioso. Eu nunca falei em comer merda.
          Quanto ao seu Moro, ele pode ir embora na hora que bem quiser e entender. Só que, fazendo showzinho midiático para lascar o presidente É TRAIRAGEM SIM. Ele cuspiu no prato em que comeu.
          Por mim, todo o excelente trabalho que ele realizou como juiz, desmoronou quando ele apresentou sua total falta de caráter ao sair chutando o balde.

  4. Moro não é mito, mas nesse episódio específico, simplesmente ele prefiriu optar pela verdade, nua e crua… ACERTOU EM CHEIO!!!

    P.S.: – Enquanto isso, hoje, um governo que tem na linha de frente figuras ilibadas como Roberto Jefferson, Ciro Nogueira e Valdemar da Costa Neto, logo, logo, vai parir uma montanha de lama… É SÓ UMA QUESTÃO DE TEMPO!!!

    • Sr. Altamir, concordo com seu excelente comentário.

      Outro fato interessante é assistir a colaboração dos eternos “bombeiros” dos governantes. No passado recente à época do mensalão, caixa 2 virou “valores não contabilizados”. Hoje, em plena era digital, teclados são acionados ora para ajudar na fritura de ministros, ora para mudar o roteiro de um fato consumado.

      Quanto ao ex. Ministro Moro, agiu muito bem em sequer permitir intromissão nas suas tarefas.

      Faltou sua coluna na última segunda-feira.

    • Caro Altamir,
      Também a mim não agrada a “adesão” dos políticos citados ao governo Bolsonaro.

      Só que… (Sempre tem um só que, ou por outro lado)

      Ou Bolsonaro cede os anéis a esses larápios, ou os abutres conseguirão formar maioria no congresso e passarão o impeachment. Simples assim!

      Aí, vai para o lixo da história toda a imensa vontade que temos de ver mudanças drásticas na forma como somos governados. Se formos fundamentalistas em nossos princípios, correremos o sério risco de dar com os burros n´água de vez.

      O nome desse tipo de movimento é Realpolitik. Dê uma lida na vida de Metternick, ou de Otto Von Bismarck, e o senhor entenderá o que isto significa.

      • Acho que seria bem mais proveitoso se Bolsonaro lesse sobre Metternick ou von Bismarck, para parar de se jogar de cabeça em todas as armadilhas que a oposição lhe prepara.

        Sempre que o Rodrigo Maia joga uma casca de banana na outra calçada, Bolsonaro atravessa a rua só para pisar nela.

        O primeiro ano do governo Bolsonaro teve umas vinte crises. Todas criadas pela oposição, sem dúvida. E todas ampliadas por Bolsonaro e sua incrível capacidade de falar o que não deve.

        Eu quero tanto quanto você que o governo Bolsonaro dê certo. Mas acho que não é declarando-o santo e infalível que vamos conseguir.

  5. Como é possível, um país democrático ter a coragem de querer destruir uma
    personalidade marcante e reconhecida internacionalmente como um exemplo
    de dignidade e proficiência jurídica , que já prestou ao país relevantes
    serviços , como por exemplo botar na cadeia o maior ladrão internacional de
    todos os tempos ?
    Querem destruir o seu passado, presente e futuro, mas não conseguirão, pois não estamos
    de olhos tapados nem estamos dormindo, e ao final a verdade será
    mostrada e julgada pelos justos que não compactuam com essa
    merdilância atual.
    Em resumo : Tudo porque os filhos corruptos precisam ser salvos
    pelo pai, honesto e com boas intenções, mas sem
    o menor senso de equidade e extrapola em todas
    as suas ações e pronunciamentos.
    Como diz o Altamir, É SÓ UMA QUESTÃO DE TEMPO

    Estou muito arrependido pelo meu voto, deveria ter votado em branco.

    • Caro matt, não é o país que está destruindo a carreira do Moro, é o próprio.

      Eu o considerava como um Herói vivo, porém mesmo sabendo que heróis matam (v. Mourão), eu entendo que eles não apunhalam pelas costas.

      Tudo de bom que Moro já fez não justifica suas atitudes desde que resolveu sair do governo atirando.

      Atribuir a intenção de cometer um crime a alguém é denunciação caluniosa. Foi o que Moro fez.

      Por mais bandidos que os zeros poderiam ser, o que se viu até agora dos depoimentos é que JB não moveu uma palha para interferir em nada ilegal.

      • João:

        – Leia minha resposta ao Adônis, logo acima. Dizer que Moro traiu Bolsonaro é mentira. O depoimento do Braga Netto mostra que Moro comunicou o que faria e que Bolsonaro estava ciente disso.

        – Intenção de cometer crime não é crime, portanto não existe calúnia. Além disso, é óbvio que não se podem apresentar provas da intenção de alguém, então é ridículo exigir que Moro “prove” as intenções de Bolsonaro.

        – Por outro lado, não somos, ainda, uma ditadura em que o presidente faz o que quer sem prestar contas ao povo. Repetindo o que disse no dia em que tudo aconteceu: bastaria Bolsonaro explicar porque era necessário trocar o diretor da PF, e tudo estaria resolvido. Como ele não explicou até agora, resta a teoria (que não se pode provar, mas se pode acreditar) que, como indicam alguns depoimentos, Bolsonaro queria alguém na PF que lhe permitisse fazer coisas indevidas.

        Por último: JB não moveu uma palha, mas moveu um diretor da PF.

        • Matrcelo,
          Não sejamos inocentes!
          O simples fato de Moro avisar que iria fazer uma patifaria no dia seguinte não o redime. Aliás, se eu fosse o presidente, aí mesmo é que EU o demitiria. Não esperava pela palhaçada do dia seguinte não.
          Trabalhei em inúmeras empresas. Na grande maioria delas, eu pedi demissão. Só que jamais saí enlameando a empresa que me acolheu. Se eu saí foi porque estava descontente. Só que isto é entre mim e a empresa. Mais ninguém, muito menos sair fazendo espalhafato para aparecer como bonzinho e se caçifar politicamente.
          Na minha modesta maneira de ver…MORO FOI UM CANALHA!

          • Em primeiro lugar, duvido que tenha sido no dia anterior. Todos os indícios são de que esta treta já vinha desde a metade do ano passado.

            Em segundo lugar, se avisou não é patifaria, a não ser dentro da sua convicção de que devemos ser coniventes com os erros dos outros. E repito que cargo público é diferente de empresa privada. Bolsonaro não paga o salário dos ministros do próprio bolso.

            Em terceiro lugar, eu também acho que Bolsonaro deveria ter demitido Moro. Mas ele preferiu fritá-lo, provavelmente por interesse político, porque iriam perguntar o porquê e ele não teria resposta.

            Nas inúmeras empresas em que você trabalhou, era comum o diretor passar por cima do gerente e demitir um subordinado? Em todas em que eu conheci, isso só acontece quando o diretor quer queimar o gerente.

            Na minha modesta maneira de ver, BOLSONARO FOI UM COVARDE.

  6. Eu não estou arrependido pelo meu voto. Estou chateado pelo Bolsonaro não ser tudo que pensei. Ao contrário do Adonis ainda não vejo tragédia com o impechement do Bolsonaro. Afinal não ficará no lugar dele um Temer da vida mas sim o gen. MOURAO em quem tb votei. E este o Bolsonaro não tem competência para tirar.
    Ps. Não defendo o impechement do Bolsonaro mas se acontecer não vai ser com apoio do povo

    • Gonzaga , concordo com a tua opinião o impedimento do Bolsonaro ( votei nele nos 2 turnos ) , mas acho que ainda não tentaram isso e nem tentarão , enquanto não passar a emenda que proibi o vice de assumir .

      • A idéia não é tirar o Bolsonaro, é ameaçar para ter moeda de troca. Fizeram isso duas vezes com o Temer, lembram? O Temer liberou vinte bilhões em verbas, se não estou enganado.

        O plano é chantagear o governo até 2022. Ameaçar um impeachment, ou uma investigação, receber cargos e verbas, engavetar a ameaça. Depois de um tempo, repete tudo de novo.

  7. A pandemia Bolsonaro VERSUS Moro é apenas uma GRIPIZINHA… A propósito o que diria Boris Casoy com o BANKER do centrão comendo no mesmo cocho dos três marginais filhos do Recruta Zero que comanda o Gabinete do Ódio, hein?!?!?!

    P.S.: – E para completar a farra do boi, os três generais depoentes do Bunda Suja Bolsonaro sofrem de amnésia coletiva ou então do mal de Alzheimer…

    • Altamir, lembrei de um “causo”.

      Anos atrás, na Espanha, o marido da Infanta Cristina (filha do Juan Carlos e irmã do Felipe, o rei atual) foi pego em um monte de falcatruas. Pela primeira vez na história da Espanha, um membro da família real – a Cristina – foi convocado a depor em um processo judicial. Só que no depoimento, tudo que a princesa respondeu sobre os trambiques do marido foi “Não sei”, “Não sabia”, “Não me lembro”, “Nunca vi”.

      No dia seguinte, um jornal satírico chamado “El Jueves” publicou uma manchete de página inteira: “Confirmado: A Infanta Cristina é tonta!”.

  8. Marcelo , é difícil ler comentários , onde cada um expõe a sua opinião sobre o embate Moro x Bolsonaro , mas que não conseguem retrucar , com argumentos , a nenhuma linha do seu texto .
    È óbvio , que neste espaço democrático cada um escreva o que quiser , mas eu esperava que pelo menos se ativessem ao exposto no texto .

    • Pois é, Airton, quando a racionalidade é vencida pela paixão, as opiniões são tratadas como fatos e os fatos são tratados como opiniões.

  9. Eu tive oportunidade de comentar a estranheza nessa posição de Moro. Parece aqueles casos quando um está tendo um caso com a mulher do outro. Muito mal explicado.
    Na minha opinião impeachment é a medida correta pra retirar o presidente, desde que observados os crimes previstos na CF. Por esse mesmo instrumento, Bolsonaro só podem ser investigado por crimes durante o mandato. O “antes” fica pra depois.

    Acho que o cara perde um tempo precioso destilando ignorância. Veja o caso da Globo. Leonel Brizola, se fosse presidente, teria cassado a concessão da Globo. O que ele fez? Depois de acirradas críticas por parte da Globo, Brizola entrou na justiça e, dois anos depois, ganhou a causa. Cid Moreira leu, durante 3 minutos a nota de direito de resposta. Foi humilhante.
    Bolsonaro deveria fazer o mesmo procedimento. A questão do porteiro do condomínio. A globo não submeteu à pauta e a matéria virou notícia no RJ e Jornal Nacional. Entrava na justiça exigindo direito de resposta, a ser lido por Bonner.

    Essa agressividade não resolve. Ele perde apoio até de quem votou nele.
    Na minha coluna eu falo que acredito que o 57 milhões de votos dele continuarão destinados a qualquer candidato que não seja de esquerda, como esses que estão aí. Hoje, li um nota de um professor, amigo, de Ciências Políticas, falando da resiliência de Bolsonaro. Agora, se vier impeachment, a vida segue e Mourão não pode ser acusado de golpista. E o sentimento que tenho é que com Mourão a política econômica não mudaria. Vamos ver

    • Prezado Sr. Maurício

      Não sei exatamente qual a sua estranheza na posição do ex. Ministro Moro mas, se foi sobre a entrevista que ele fez ao anunciar a saída do governo achei normal as explicações. Dizer que discordou da intromissão de um governante que lhe deu carta branca quando assumiu, aceitar que o governante se comunique diretamente com um superintendente da PF que faz parte de sua pasta e pior, colocar seu nome num documento sem sua permissão é no mínimo falta de respeito e não é isso que se espera de um governante.

      Aproveito para parabenizar o Sr. Marcelo que fez um excelente roteiro dos fatos ocorridos.

      Forte abraço a toda família Assuero.

    • Maurício, sem querer bancar o sabe-tudo, eu escrevi uma coluna (mais para irônica do que para séria) na metade do ano passado em que disse que Bolsonaro estava parecido com Collor. Modéstia a parte, estou achando que acertei.

      Bolsonaro, assim como Collor, chegou à presidência achando que podia tudo e que o povo o aplaudiria sempre. Ao invés de negociar, optou por trombar de frente com todos. Pouco a pouco, foi queimando amigos e acumulando inimigos. E seus arroubos, que ele parece achar que agradam a todos, só agradam aos seus seguidores fanáticos, os militaristas e os evangélicos fundamentalistas.

      Acho que não vai ter impeachment, a oposição não trocaria Bolsonaro por Mourão. Mudar a constituição, como alguns falam, para Mourão não assumir, acho que seria abusar da cara-de-pau. E precisamos saber como vamos estar quando essa coisa da quarentena acabar. Ainda vai ter emprego e empresa no Brasil, ou vamos todos viver da maquininha de fazer dinheiro do Banco Central?

      • Marcelo , não que eu creia num impedimento , mas acho que só tentarão , se puderem jogar o Mourão fora . Terão peito pra isso ? Duvido .
        Acho que o Bolsonaro poderia fazer mais , dialogando com aqueles que chegaram nesta legislatura e se tivesse deixado de socorrer os filhos . , Como já disse Augusto Nunes :” – Bolsonaro atravessa a rua para pisar em casca de banana ” .É só olhar as crises deste governo .Guzzo escreveu um texto sobre a última .

  10. Goste-se ou não da maior personalidade que o Brasil pariu nos primeiros 20 anos do Século XXI, é preciso que se diga que: enquanto nós temos o nosso eterno juiz que preza pela hombridade, altivez e bravura, há pessoas que defendem governos tanto barulhentos e arruaceiros quanto psicopatas por serem seres de comportamentos duvidosos que se ocupam a uma perseguição implacável a Moro, tentando transformá-lo numa figura negativa. É claro que jamais conseguirão destruí-lo, porque sua dignidade é maior do que esse escândalo fabricado aos pedaços pela chamada cambada de imprestáveis que muitos deles estão contaminados NÃO pelo covid-19, mas pela doença fanática da dissonância cognitiva chegando ao ponto de soltar loas, lorotas e intrujices a um dirigente com sintomas de psicopatia cavalar, seguido de sua prole, que nela há três filhos marginais de alta periculosidade. Pois bem!!! Nada vai apagar o que Moro fez em prol da luta contra a corrupção e de dirigentes malucos. Seu futuro, fora do governo está garantido. Não vai faltar partido dando legenda para ele concorrer nas eleições presidenciais. Não que o ministro seja um santo, porém os que o atacam estão cometendo, para dizer o mínimo uma ofensiva no espaço vazio da impunidade.

    P.S.: – Aliás, em curto espaço de tempo ele já foi procurado pelos dirigentes do PSL, Novo e Podemos. O correto seria ele fundar a sua própria agremiação partidária, que cairia muito bem se fosse denominado de PDD (Partido da Dignidade e Decência)…

    • Caro Altamir,
      Aquilo que tu acusas os outros de estar fazendo é exatamente a mesma atitude que tu estás tendo com o senhor Moro: fanática dissonância cognitiva seletiva.
      Nunca neguei o mérito daquilo que este senhor fez quando era juiz. Quem sou eu para dizer alguma coisa sobre tais processos, diante da minha monumental ignorância jurídica.
      O que eu estou dizendo é que, da mesma forma que eu sei bem dos desacertos desastrados e intempestivos de Bolsonaro, fruto da sua total inexperiência como diretor executivo de alguma coisa, também sei que o senhor Moro estava totalmente acostumado a uma situação em que a sua palavra era a lei. Quem discordasse, ele mandava prender imediatamente.
      Não é assim que funciona o governo. Faltou totalmente aos dois um mínimo de diplomacia e de flexibilidade. Ao final, o papel que vem sendo desempenhado por Moro está me parecendo absolutamente asqueroso.

  11. EIS O LINGUAJAR DO BUNDA SUJA BOLSONARO COM TODO O SEU MINISTÉRIO QUE DENTRE OS PRESENTES HAVIA 3 SENHORAS MINISTRAS: “A Polícia Federal não pode “FUDER” alguém da minha família”…

    P.S.: – Nada disso eu acho ASQUEROSO(?)…

  12. Excelente texto, meu caro Marcelo.
    O que me estranha muito é que, nos últimos meses, tenho percebido que os mesmos fubânicos que pechavam os fieis seguidores do ex presidiário lula de “esquerdopatas comunistas alienados”, estão agindo da mesmíssima forma que eles em relação ao presidente jb: apoiam-no cegamente independente das asneiras que ele comete, das merdas que ele e os outros três patetas presidentes filhos deles soltam pela boca “diurna e dioturnamente”, como dizia a estocadora de vento, utilizando dos mesmos argumentos contestatórios por qualquer opinião que vá de encontro às decisões do fuhrer.
    E por incrível que pareça, eles são até mais radicais, mais ameaçadores e não medem palavras, ou atos, para defenderem suas posições.
    É incrível como a idolatria leva o ser humano a perder o senso.
    Saímos da fossa e caímos no esgoto.
    Deu merda, que venha 2022!

Deixe uma resposta