MARCOS MAIRTON - CONTOS, CRÔNICAS E CORDEIS

Nos últimos dias do ano de 2022, tracei minhas metas para 2023. Normal. Milhões de pessoas fazem isso no mundo inteiro. Mas desta vez me impus uma meta que soou como um desafio: escrever pelo uma vez por semana para minha coluna no Jornal da Besta Fubana.

Talvez isso não pareça muita coisa para grandes jornalistas, daqueles que têm colunas diárias, ou mesmo semanais, em grandes jornais, mas para mim, que não tenho a atividade de colunista do JBF como atividade principal, é.

Deu-se, porém, que o primeiro dia de 2023 caiu em um domingo. E, talvez pela educação religiosa que recebi, talvez por tradição, talvez pela preguiça que o domingo me inspira, escrever em um domingo não seria fácil. E teve a festa de réveillon, que havia durado até às sete da manhã daquele dia 1/1/2023 (na verdade, esse foi o verdadeiro motivo de eu não querer nem olhar para a tela do computador naquele dia).

Foi na noite daquele domingo que me veio a ideia da “Crônica de Segunda-Feira”. Recostei-me para dormir, no domingo à noite, sem a menor ideia do que escreveria no dia seguinte, mas com uma certeza: antes da meia-noite da segunda-feira teria um texto escrito para o JBF.

E assim fiz. Quem leu deve ter observado que o assunto da crônica foi minha caminhada matinal pelas ruas de Copacabana, onde havia passado a virada do ano. É óbvio. Por um lado, já acordei pensando na crônica; por outro, não faltavam fontes de inspiração naquele lugar incrível.

Repeti a fórmula nas duas segundas-feiras seguintes e – bingo! – texto concluído e enviado ao nosso patrão Luiz Berto com sucesso! Noutras palavras, a ideia da crônica de segunda-feira parece ter dado certo.

Acontece que Berto, observador como é, não poderia deixar passar um detalhe. E perguntou, via WhatsApp: “Por que danado você tá enviando crônicas de segunda-feira na terça?”.

Agora, vocês sabem o que o Berto já sabia: envio a crônica na terça porque escrevo na segunda. Como eu tenho mania de deixar o texto descansando algumas horas, antes de revisar, faço a revisão na terça-feira, bem cedinho, e só então envio para publicação.

E ficou assim: a crônica de segunda-feira sempre sai na terça-feira.

Hoje, por exemplo, eu aproveitei que não tinha acontecido nada de extraordinário durante o dia para passar essas explicações para vocês.

Aliás, não tinha nada quase até o final do dia, porque quando eu dava aquela última olhada no celular antes de me preparar para dormir, deparei-me com a seguinte manchete, em um site do governo brasileiro: PARLAMENTARES ELEITES REÚNEM-SE PELA PRIMEIRA VEZ EM BRASÍLIA.

É isso mesmo que vocês leram: ELEITES!

Eu já tinha visto uns vídeos que mostravam a posse de membros do governo que se instalou no Brasil neste ano, e neles a pessoa que ia discursar cumprimentava a “TODAS, TODOS E TODES”. Alguns invertiam, certamente para dar mais ênfase, pondo o TODES antes do TODOS.

Mas achei que era iniciativa da pessoa que discursava. Uma vontade de chamar a atenção, parecer inclusivo ou, como se diz nas redes sociais, simplesmente “lacrar”. Não imaginei que a comunicação oficial um dia viesse a maltratar a língua portuguesa dessa forma.

Diante da tal “vontade de lacrar”, imaginei se não seria o caso de ignorar o fato. Fazer de conta que não vi.

Mas não foi possível. A palavra TODOS já tem para mim um significado, e sempre foi suficientemente inclusivo. Bastava se dirigir a TODOS para ficar claro que todas as pessoas presentes eram destinatárias da nossa voz.

Antes de me tornar uma pessoa “de humanas”, a coisa funcionava para mim como um corolário da teoria dos conjuntos. TODOS significava a totalidade dos elementos de um conjunto. Assim, TODOS eram todos os seres humanos, todas as pessoas, todas as laranjas de um cesto, todos os planetas do universo.

Agora vem essa gente preconceituosa separar todo mundo (ou talvez eles prefiram “tode munde”).

Quer saber? Ainda que a intenção de vocês fosse se expressar de forma mais inclusiva, vocês estariam atentando contra a nossa língua portuguesa, e, consequentemente, contra a nossa cultura, contra a nossa história.

Acontece que vocês não estão sendo inclusivos. Vocês fingem que estão incluindo, mas estão, na verdade, dividindo as pessoas, como se, no fim das contas, não fosse todo mundo gente.

Fico triste ao ver o governo brasileiro apoiar esse tipo de coisa.

Enquanto não me ameaçarem de prisão por respeitar a língua portuguesa, esta crônica está disponível à leitura de TODOS.

9 pensou em “CRÔNICA DE SEGUNDA-FEIRA: A SEGUNDA NA TERÇA E A MENTIRA DA LINGUAGEM NEUTRA

  1. Caro Marcos, usar linguagem neutra na escrita e nas falas oficiais é uma forma de dominação.

    Não há nada de inocente ou inclusivo nisso.

    Já tratam TODOS os conservadores como se fossem radicais e inumanos.

    Daí para a extinção e isolamento físico…

    • Também vejo assim, João Francisco.
      Mais uma frente de batalha na suposta luta entre opressores e oprimidos, estimulada por grupos que fingem empatia, mas pregam a intolerância.
      Começaram com o TODOS e TODAS, dando a entender que as mulheres, oprimidas pela predominância masculina, eram excluídas da comunicação. Hoje, vejo os comunicados da minha associação de classe referindo-se sempre a “associados e associadas”. Nos condomínios, qualquer aviso bobo começa com “condôminos e condôminas”.
      É como se isso representasse uma vitória das pessoas do sexo feminino sobre o “machismo estrutural”, que somente se referia às pessoas do sexo masculino. Um embuste!
      Diante dessa vitória – não das mulheres, mas do grupo que semeia a divisão – enfrentamos agora uma nova divisão, a das pessoas que não se reconhecem como homens ou mulheres. Tenho todo o respeito por essas pessoas, mas vejo que elas estão sendo usadas como massa de manobra.
      O pior de tudo isso é que está funcionando.

  2. E a derrocada deste país banânico está apenas começando. Em 24 dias de desgoverno, tudo o que há de pior está acontecendo.
    E nós é que iremos pagar por todos esses absurdos, ou seria, todes esses absurdes??

  3. Sua tristeza, Dr. Marcos Mairton, com esse “governo brasileiro”, se me permite. Não nos transmite o que representa este seu sentimento. Pois, isto que está aí não é governo e sim uma usurpação de poder. Tramada e urdida por mentes doentias e cruéis.
    Cujo roteiro maligno foi escrito durante quatro anos.

    Se o mundo se apresentava doente, com a implantação engendrada desse regime nefasto. Este país há 24 dias encontra-se internado na UTI.
    Aguardemos um milagre.

Deixe uma resposta