JOSÉ PAULO CAVALCANTI - PENSO, LOGO INSISTO

Lisboa. Mais conversas, hoje só com poetas, em livro que estou escrevendo (título da coluna).

ALMADA NEGREIROS, do grupo da revista Orpheu. E amigo de Fernando Pessoa (“Almada, você não imagina como lhe agradeço o fato de você existir”, está em anotação sem data). O episódio ocorreu em 1917. Dando-se que Almada, Santa-Rita Pintor e Amadeu de Sousa Cardoso conversavam quando vem cumprimentá-los o poeta saudosista (autor de Dizeres do povo), ligado ao movimento conservador Renascença Portuguesa, António Correia de Oliveira. E Almada, vestido num fato-macaco (macacão de operário), o saúda

– Bom dia, Oliveira de Correia António.

– Perdão, é António Correia de Oliveira.

– Isso é para o senhor que está daqui para ali, mas eu estou dali para aqui.

ANTONIO CARLOS SECCHIN, da ABL. Manuel Bandeira dizia que um poema de Racine, composto por 12 versos monossílabos, seria impossível de igualar: “Le jour n´est pas plus pur que le fond de mon coeur” (O dia não é mais puro que o fundo do meu coração). Secchin conseguiu essa proeza memorável com o enorme poema Luz

– Ao ver
o não
que sai
da dor
o som
da voz
já vai
no sim.
no tom
do céu
não vi
mais luz
do que
no sol
que há
em mim.

BARTYRA SOARES, da APL. O dramaturgo Aristóteles Soares (seu tio) foi expulso de um bar, em Catende (cidade com larga tradição açucareira, em Pernambuco). E decidiu continuar a serenata na rua, ele e seu violão, atrapalhando a madrugada. Num desafio ao delegado, que proibiu barulho. Acabou preso. E o tira

– Me acompanhe, cachaceiro.

– Em que tom?

Por conta dessa graçola, o seresteiro levou uma camada de pau, da polícia, e passou um mês sem poder cantar.

BOCAGE, poeta português. Foi mais um poeta preso pela Inquisição. E, como Pessoa, também escrevia por heterônimos – Lidio ou Elmano (anagrama de seu primeiro nome, Manoel) Sadino. Saía do Nicola, botequim de Lisboa onde se encontravam políticos e literatos, para ele “o último café do Rossio” (ainda hoje, fica em frente à Praça). Bem ao lado, no Chave de Ouro, deu-se mais tarde (em 10/05/1958) famosa conferência à imprensa. Em que o correspondente da France Press, Lindorfe Pinto Basto, perguntou “Se for eleito presidente da República, que fará?” com Salazar. E Humberto Delgado, o general sem medo, respondeu “obviamente demito-o”. Delgado acabaria assassinado pouco depois, em 13/02/1959, na fronteira de Badajoz, por um comissário da polícia de Salazar, mas essa é outra história. Voltando ao botequim. Amigos se fingem de bandidos e, simulando um assalto, perguntam

– Quem és tu?, de onde vens?, para onde vais?

– Sou o poeta Bocage
Venho do café Nicola
E irei pro outro mundo
Se disparar a pistola.

GENTIL PORTO, médico. Escreveu texto sobre nosso poeta de Evocação do Recife. Comentei

– Pena certeira
Bem brasileira
Um vivo, um morto
Manuel, bandeira
E Gentil, porto.

JAYME WANDERLEY, da Academia Norte-rio‒grandense de Letras. Um amigo bodegueiro de Tibau do Sul, incomodado com o tamanho na fila do pendura, pediu ideia para se proteger. E o poeta redigiu na hora versos que estão numa placa, pendurada no estabelecimento, até hoje.

– Para não haver transtorno
Aqui neste barracão
Só vendo fiado a corno
Filho da puta e ladrão.

JESSIER QUIRINO, poeta. Toda vez que vê avisos nos murais das igrejas, vai anotando. Segue relação que me mandou desses avisos paroquianos:

‒ Para todos os que têm filhos e não sabem, temos na paróquia uma área especial para crianças.

‒ O torneio de basquete das paróquias vai continuar com o jogo da próxima quarta-feira. Venham nos aplaudir, que vamos tentar derrotar o Cristo Rei!

‒ Na sexta-feira, às sete, os meninos do Oratório farão uma representação da obra Hamlet, de Shakespeare, no salão da igreja. Toda a comunidade está convidada para tomar parte nesta tragédia.

‒ Prezadas senhoras, não esqueçam a próxima venda para beneficência. É uma boa ocasião para se livrar das coisas inúteis que há na sua casa. Tragam seus maridos!

‒ Assunto da catequese de hoje: Jesus caminha sobre as águas. Assunto da catequese de amanhã: Em busca de Jesus.

‒ O coro dos maiores de sessenta anos vai ser suspenso durante o verão, com o agradecimento de toda a paróquia.

‒ O mês de novembro finalizará com uma missa cantada por todos os defuntos da paróquia.

‒ O preço do curso sobre Oração e Jejum não inclui as refeições.

‒ Por favor, coloquem suas esmolas no envelope, junto com os defuntos que desejem sejam lembrados.

JORGE DE SENA, poeta. Iniciou sua vida de exilado, por conta de Salazar, em São Paulo (depois foi morrer na Califórnia, Estados Unidos). E não gostava de certo Costa Pimpão (Álvaro Júlio da Costa), salazarista, historiador e crítico, professor nas universidades da Bahia e São Paulo, famoso pelas edições comentadas de Rimas e Os Lusíadas – ambas recebidas, em Portugal, com muitas reservas. Razão também das críticas de Sena, com esse Poema do Pimpão que acaba assim

Eis o temível canudo
Que mais irrita o Pimpão
Ter ideias, isso não!
Álvaro Júlio da Costa
De ter ideias não gosta.

MANUEL BANDEIRA da ABL. Em 20/09/1945, a Academia Brasileira de Letras aprovou o primeiro Acordo de Unificação Ortográfica para reduzir diferenças na língua entre Brasil e Portugal. Apesar da oposição feroz de Bandeira. Ao sair de uma reunião preparatória, jornalistas perguntaram

– Qual sua opinião sobre esse acordo?

– Por mim, tudo bem; que, para um poeta, a forma é fôrma (disse a palavra fechando o “o”, como se tivesse circunflexo).

Depois, completou

– Agora, escrevam isso aí sem o acento diferencial.

E foi embora, rindo.

MARCELO CARNEIRO LEÃO, empresário. Antes de morrer, me legou rascunhos de um Dicionário dos insultos pernambucanos. Em poemas. Exemplos. De autor ignorado, sobre o acadêmico Rui Ayres Belo e seu nariz achatado,

– Agita-se na Assembleia
Formidável polichinelo
Que à pretensão de ser Rui
Acrescenta a de ser Belo.

Ou o poeta Manuel Bandeira, que não perdoava seus desafetos na cidade e escreveu

Façam-me uma estátua incrível
De algum novo Donatello.
O mais equestre possível
Eu montado em Mário Melo!

O pintor José Cláudio vivia repetindo poema, Que fim levou Doroteia, louvando o órgão reprodutor de certo cortador de cana

– Usina, só Catende
Caminhão, 13 de maio
Mais seu Júlio no charuto
E Benvenuto no caraio.

A propósito de soneto do sociólogo francês Michel Simon-Brésil, sobre a saudade, comentou Tânia Carneiro Leão

– Michael Simon em verdade
É um gênio, todavia
Nem entende de saudade
Nem entende de poesia.

E bem que se poderia lembrar soneto de Artur Azevedo, Velha anedota, que encerra com um cidadão “frívolo, peralta e paspalhão desde fedelho” dizendo

‒ “Tertuliano, és um rapaz formoso!
És simpático, és rico, és talentoso!
Que mais no mundo te faz preciso?”

Penetrando na sala, o pai sisudo,
Que por trás da cortina ouvira tudo,
Severamente respondeu: ‒ Juízo!

Ou soneto escrito por Emílio de Menezes, O plenipotenciário da facúndia (da eloquência, pois), criticando seu colega na Academia Brasileira de Letras, o pernambucano Oliveira Lima. Começa dizendo

– De carne mole e pele bobalhona
Ante a própria vaidade se extasia
Sendo Oliveira, não dá azeitona
Sendo Lima, é quase melancia.

E finda com esse terceto horroroso

– Eis, em resumo, essa figura estranha:
Tem mil léguas quadradas de vaidade
Por milímetro cúbico de banha.

Como não quero brigar com meio Recife, quando chegar a hora, vou doar (com alguns acréscimos) para quem esteja disposto.

VINICIUS DE MORAES, diplomata e poeta. Às vésperas da Segunda Guerra, voltando de Oxford com a esposa (da época) Tati, precisou de ajuda em Portugal. Na Embaixada do Brasil, omissão total. A duras penas, conseguiu passagens com amigos que moravam por lá. Mas, antes de partir, deixou na mesa do embaixador Araújo Jorge esse bilhete

‒ Meu navio larga às seis
Muito obrigado por tudo
Que Vossa Excelência não fez.
Espero imenso não vê-lo.
Da próxima vez

5 pensou em “CONVERSAS DE ½ MINUTO (35) ‒ POETAS

  1. Sensacional todas elas . Mas Jessier Quirino é mais que demais com suas anotações nas paróquias . “Deus escreve certo por linhas tortas” foi devidamente atualizado.

  2. Dr.Jose Paulo Cavalcanti Filho, está sempre nos presenteando com a sua forma magistral de escrever.Penso, logo insisto. O senhor sabe tocar em nossos corações. Falou na Saudosa e maior Usina de Açúcar, do Brasil. A usina Catende, perto da minha amada Palmares. E lembrei e senti o cheiro do melaço das usinas da Mata Sul de Pernambuco. Valorizando os nossos grandes poetas. O senhor é uma grande alma. Abraço grande e lembraça a dona Maria Lectícia Cavalcanti.

  3. Só achei ruim que o grande Walter Portela faltou às homenagem prestadas ao Papa Berto. No Rio, ele vai. Mas ficar em Palmares, numa data tão importante, nada. Correu. E danado. Abraços lisboetas.

    • Dr. José Paulo, eu estava viajando, tomei conhecimento da palestra sobre as obras literária de Luiz Berto em Palmares, hoje. Foi uma palestra para o pessoal de Palmares, na biblioteca pública. O palestrante foi o poeta Luiz Alberto Machado. Segundo informação, foi excelente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *