21 pensou em “CONVERSANDO MIOLO-DE-FOSSA

  1. Mas Berto, diga cá, você obrigou toda a família não só a acompanhar o programa, como mandar recado para provar. Eita que tu é danado mesmo.

  2. Meu caro João Francisco, eu sou mentiroso profissional.

    Ficcionista só sabe mentir, inventar histórias.

    Mas juro que não combinei nada com a família. Foi coincidência mesmo.

    Mulher, cunhada, sogro e sogra foram citados porque foram os primeiros e enviar mensagem pra rádio.

    O entrevistador, depois que acabou tudo, me disse que havia uma quantidade enorme de mensagens de ouvintes.

    E, segundo ele, a maioria, centenas de mensagens, só tinha escrito isto: “Kkkkkkkkkkkkkkkkk”.

    Aliás, eu vou até fazer contato com a rádio pra saber se todas as mensagens estão lá, arquivadas.

    Aí a gente volta a conversar sobre isto.

    Abraços, seu fuxiqueiro insinuador!!!!

  3. Luiz Berto…Parabéns…excelente entrevista…nota dez…Teu conhecimento Nordestino impressiona….abraços

  4. A entrevista foi ótima.
    Os jovens deixaram nosso Editor muito a vontade pra contar histórias muito interessantes e engraçadas de sua trajetória literária.

  5. Berto: Só ouvi a entrevista às 23:30 da noite!

    Achei genial, principalmente belo bom humor do nobre editor, nosso orgulho nordestino, brasileiro, mundial, e a descontração dos meninos, ótimos profissionais!

    Parabéns!

  6. Luiz Berto meu amigo., que prazer enorme tive com a sua entrevista. Fiquei surpreso com as coincidências sobre as coisas que disseste e que foram vividas por ti e que são muito semelhantes as coisas vividas por mim. Por exemplo , como já lhe disse algumas vezes, também sou um devorador de livros, também sou grande apreciador do seu conterrâneo Ariano Suassuna, cuja obra e genialidade já comparei com a sua obra. Por coincidência você cita que viu neve pela primeira vez na cidade de Toronto, eu também, e foi uma festa inesquecível.
    Gostei demais do trecho da sua palestra quando você fala sobre São Benedito, aquele que foi preso e expulso por frequentar a zona de meretricio. Piada genial, que daria um outro livro semelhante ao seu genial romance da Besta Fubana.
    Gostei demais. Dei muitas risadas durante todo o programa, e seria capaz de assisti-lo por mais umas duas ou três horas com muito prazer.
    Não é puxa saquismo não, mas posso afirmar que assistir você falando com tanta genialidade e improviso as suas palavras e costumes nordestinos e com essa verve toda especial, foi para mim prazer tão grande como se eu estivesse ouvindo uma sinfonia ou a ópera a Flauta Mágica de Mozart.

    Desculpe pelo longo texto, mas eu tinha que mandar para você uma nota da apreciação que a sua palestra me proporcionou. Obrigado meu caro, somos
    quase da mesma idade, você sabe, por isso mesmo entendi a fundo tudo que você
    tentou nos transmitir com tanta inteligência , como se tivesse criando um texto de Cordel.

    Em tempo: Como faço para adquirir o seu livro de São Benedito.?
    Abraços do leitor e comentarista d.matt.

  7. Meu Bondoso Papa Berto, vc é um caba da peste mermo. Arrasou na entrevista da Rádio Paulo Freire. Ri muito com suas presepadas. Até a garotinha lá do áudio morria de ri com suas piadas. Valeu. Conheci essa Rádio qdo a UFPE começava a se instalar na Cidade \universitária, lá pelos idos da década de 70. Parabéns pela excelente entrevista.

  8. Além de tudo que disseram há também uma coisa séria que Berto disse: “Quem não lê é cego”
    Vou chapar isso na cara de todo corno que não lê. Quero aproveitar para dizer ao caro Berto que acabo de receber “O Romance da Besta Fubana” e já mergulhei na leitura. Abraços.

  9. Sou filho de italianos, moro em Goiás, mas meu coração é nordestino. Depois deste programa fiquei certo disso. Parabéns, adorei.

  10. Luiz Berto,
    Uma das coisas boas que aconteceram na minha vida, ano passado, foi te conhecer pessoalmente. Já te conhecia, e à tua família, com quem é impossível não simpatizar, através do JBF. Fiquei agradavelmente surpreso em você me convidar para visitá-lo no seu próprio apartamento.Eu achava que você talvez propusesse um encontro num lugar público, um restaurante, um barzinho, ou coisa que o valha. Mas não, você me chamou para sua própria casa, contanto que eu respeitasse sua soneca depois do almoço. Prá mim foi um encontro maravilhoso, primeiro por você praticar sua hospitalidade nordestina, digna de todos os elogios. Depois por me proporcionar conversar, ainda que de modo fugaz, por telefone, com um dois melhores poetas nordestinos da atualidade, de quem sou admirador: Jessier Quirino. Fomos, minha esposa e eu, brindados pela gentileza de nos conduzir, ao fim da visita, até o nosso hotel, longe prá dedeu de sua residência. Conheci seu belo apartamento, a redação do JBF (que leio diuturnamente e noturnamente, como diria uma certa “presidenta”).Fiz meu périplo nordestino, visitando Pernambuco, Paraíba e Alagoas, de onde sou oriundo, apesar de ser pernambucano de Garanhuns e voltei para meu aconchego em Santa Catarina. Vi e escutei tua entrevista à Rádio Paulo Freire e gostei muito.

    • Meu amigo, agora eu chega fiquei leso com a sua generosidade. Tô na maior felicidade aqui.

      Muito obrigado mesmo do fundo do coração.

      Você e sua esposa formam um casal maravilhosa.

      Apareçam sempre que quiserem. Nossa casa está às ordens.

      Um grande abraço para o casal amigo.

      • Berto,
        Agradeço suas gentis palavras e o seu convite. Que retribuo. Se por acaso quiser sentir um friozinho mais arretado do que o de Garanhuns, venha passar uns dias aqui conosco. Será muito bem vindo. Um forte abraço e meus respeitos à D. Aline e ao pequeno João.

  11. Um programa sensacional!!! Você deu um verdadeiro show de cultura e simpatia! Adorei!!! Uma entrevista maravilhosa!!! Chorei de rir com a “Prisão de São Benedito”!!!kkkk Parabéns, querido Editor e Escritor Luiz Berto!!! É um orgulho para mim, fazer parte dos seus colunistas, no Jornal da Besta Fubana! Um grande abraço!

  12. Caro Luiz Berto, assisti sua entrevista e fiquei encantado e morrendo de rir com suas histórias, do mesmo modo que um dos apresentadores e a mocinha do outro lado do vidro do estúdio. Você é um cabra bom demais, falando e escrevendo. O Romance da Besta Fubana é um dos melhores livros que já li em minha vida.
    Um abraço a toda a equipe do Jornal da Besta Fubana, incluindo a Chupicleide!
    Roberto Custódio – Vila Sônia – São Paulo

    • Caro Roberto Custódio: muito obrigado mesmo.

      Sua mensagem alegrou minha noite de quinta-feira.

      Um leitor dizer que gostou de um livro, é a maior felicidade para um escritor.

      Pode deixar que vou transmitir seu abraço pra Chupicleide!!!

Deixe uma resposta para Sergio Cancelar resposta