CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

Imagem: Fotoseasch

Selecionei episódios interessantes que envolvem alguns dos meus amigos, nos quais apresento u’a maneira de sobreviver ao Isolamento Social, através de comunicação quase diária com a “velharia”.

Temos um grupo que independente de outros equipamentos, usam o telefone-fixo para conversar à vontade. Prosas de velhos, claro. Mas, tudo na base da zoeira.

O mais descarado, Luiz Carlos, chegou a comentar com minha senhora que não reparasse os seus telefonemas todos os dias, logo cedo, porque era seu hábito “fiscalizar” se todos os velhotes de sua laia estavam bem durante a quarentena. Imagine!…

Tendo ultrapassado os 70 anos de idade, eles procuram notícias, entre si. No caso, como está meu estado de “deteriorização física”. Da mesma forma procedo com eles, embora em dias alternados.

Por isso achei interessante aqui resumir alguns inícios de tais telefonemas e minhas respostas:

Luiz Carlos – Como você tem andado?

Com as pernas; queria que fosse plantando bananeira?

Marco Aurélio – Quem está falando?

É você, claro; eu estou ouvindo!…

Luiz Felipe – Quais são as noticias?

As que estão na mídia; não está lendo?

Sérgio Loureiro –  Não tenho tirado o pé de casa!

E antes, tirava um pé para andar?

Manoel Zé – Tô feito parturiente: de resguardo; e você?

Tô feito o marido; aguardando a quebra do resguardo.

Jair Trindade – Num tais sentindo alguma coisa ruim?

Medo de usar a rede porque não combina com velho.

Telêmaco – Como estais, Carlos Eduardo?

Tô sentado, escrevendo.

Almiro – Num tais misturando os dias da semana, não?

Tô. Agora todos os meus dias são feriados.

8 pensou em “CONTATOS NA QUARENTENA

    • Caro Jesus,Você é meu leitor de caderneta. Tenho visto que comentar coisas simples é a melhor forma de prospectar “perseguidores”, já que minha fama ainda não deu pra ter seguidores, como se diz modernamente. Obrigado pela gentileza de seu comentário. Melhorou meu Ibope.

  1. Fineza pura… Antônio Marinho, poeta egipsiense, tinha respostas curtas pra situações engraçadas. Conta- se que certa vez ele estava próximo a um colégio aqui em Recife e a meninada percebendo seu jeito matuto começou a dar a benção. “Benção tio”, dezenas repetiam um após o outro. Um cidadão observando perguntou: “desculpe, mas o senhor é tio de todos esses meninos?” Ele respondeu: “pode até ser. Eu tenho três irmãs putas aqui no Recife”.

    • Caro Maurício. Como é bom despertar estímulos para comentários. Você foi demais. Botou pra lascar. Estou pensando em começar a selecionar esse tipo de ping-pong com pessoas que fui conhecendo no decorrer dos meus 84 anos. Vou preparar munição e voltarei, como disse Getúlio. Muito grato por sua leitura e comentário.

  2. Tô de acordo. Vou pensar em provocar conversas nesta pandemia, com algumas fêmeas pra ver no que dá. Mesmo que não dê… Grato por seu comentário, amigo. Sobretudo, pela leitura do meu besteirol.

  3. Excelente crônica, Mestre Carlos Eduardo.

    Ninguém resiste ao bom humor, mesmo com essa pandemia chinesa forçando o contato social.

    escreva uma com as SENHORAS!

    Forte abraço do amigo.

  4. É um perigo, mas vou atender à estimulante sugestão. Grato por sua leitura e comentário, caro amigo.

Deixe uma resposta