DEU NO JORNAL

Bens e valores da família do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foram desbloqueados pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

A decisão foi publicada na última sexta-feira (7).

Entre outras coisas, as defesas de Fernanda Richa, esposa de Beto Richa e ex-secretária estadual, e de André Richa, filho do casal, argumentaram no STF que a indisponibilidade no valor de R$ 166.353.357,41 já durava quase três anos, em “ofensa ao direito fundamental da duração razoável”.

O bloqueio, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), foi autorizado no início de 2019 pelo juiz federal Paulo Sergio Ribeiro, da 23ª Vara de Curitiba, no bojo da Operação Integração, que apura pagamento de propina no âmbito dos contratos do governo do Paraná com as concessionárias de rodovias que atuavam até novembro do ano passado no Anel de Integração.

* * *

Uma minxaria. Uma besteira.

Pouco mais de 166 milhões.

Um tiquinho insignificante pros padrões banânicos.

O fato é que o cumpanhero Boca-de-Priquito não fez nada de anormal.

Apenas seguiu a suprema rotina: acoitou a ladroagem.

Nessa notícia aí de cima, o que gostei mesmo foi da frase “ofensa ao direito fundamental da duração razoável”.

Tá arretada!

Apelo aos juristas fubânicos:

Isso tá escrito em algum código, alguma lei?

9 pensou em “COMPANHEIROS SUPREMAMENTE SOLIDÁRIOS

  1. só liberou porque mamou na grana suja surrupiada do erário.
    pergunta-se: vai dar recibo ou recebe só cash na mala?
    uma vergonha para os dois beneficiários.

  2. Só fica a pergunta que não quer calar: até quando seremos testemunhas mudas e manietadas dos crimes desses urubus de toga?
    Perversos, imundos ladrões ,ratos de porão, que cometem toda a sorte de crimes a seu bel prazer, nas nossas barbas, certos da impunidade!!
    Até quando, meu Deus??

Deixe uma resposta