CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Papa Berto,

Nada mais justo do que esse colunista do JBF prestar essa singela homenagem ao maior gênio da MPB, Chico Buarque, pela catilogência de saber fundir romance, músicas e letras dentro de um universo harmônico que só os grandes gênios universais possuem o dom de fazê-lo.

Por ter sido contemplado com o Prêmio Camões de Literatura pelo conjunto de sua obra, sendo escolhido por unanimidade pela 31.º edições do Júri, o que inclui, além dos romances “Leite Derramado”, “Benjamin”, “Budapeste”, suas letras de música e peças.

Prêmio esse só concebido, em 2016, a outro romancista genial, Raduan Nassun, autor de novelas, contos e o clássico “Lavoura Arcaica”, seu primeiro e único romance, que narra história do jovem André no meio rural arcaico que resolve abandonar a namorada para ir morar numa cidade pequena, fugindo da vida asfixiante da lavoura.

Por tudo que representa para o Brasil, como maior letrista da MPB, poeta, dramaturgo e excelente romancista, merece os encômios desse colunista.

Parabéns, Chico Buarque, por nos honrar mais uma vez com essas construções antológicas.

R. Pronto, meu caro colunista fubânico.

Tá publicado.

A opinião deste Editor sobre esta premiação foi dada na postagem “Até aqui cheguei“.

Deixe uma resposta