CHOSE DE LOQUE

– Eu não consigo entender: Tu és gay e dizes que votaste no Jair Messias Bolsonaro e que o apoias, sendo que ele disse que “o filho começa a ficar assim meio gayzinho, leva um coro, ele muda o comportamento dele.” E Completou afirmando: “ Olha, eu vejo muita gente por aí dizendo: ainda bem que eu levei umas palmadas, meu pai me ensinou a ser homem.“ Achas certo esse modo dele quanto aos pederastas?

Resposta do amigo baitola:

– Ele não é homofóbico, ele só não gosta de viado e todo o mundo tem o direito de gostar ou não gostar do que quiser. Estamos em uma democracia.

– Mas naquele programa da tv, o CQC, quando perguntaram o que ele faria se tivesse um filho homossexual ele respondeu que isso nem passava pela cabeça dele porque seus filhos tiveram uma boa educação, ele foi um pai presente e portanto não corria esse risco. Pergunto: Ele não estaria afirmando que só quem teve uma má educação e não teve pais atuantes é que poderia vir a ser viado? E não estaria implícito na afirmativa dele que ter um filho gay é um perigo?

– Sim, ele disse isso, mas não deve ter sido isso exatamente o que ele quis dizer. Além do mais, o que importava nas eleições era tirar o PT do poder.

– Mas, veja só, tu és assumido e deves te lembrar que quando o Supremo Tribunal Federal, em 2011, liberou a união homoafetiva, isto é, entre duas pessoas do mesmo sexo, ele disse que virou bagunça e que os próximos passos seriam a adoção de crianças por casais homossexual e a legalização da pedofilia. Tu não achas que ele não só revelou o seu atraso em relação às causas históricas dos homossexuais, como também os equiparou a criminosos, sabendo-se que pedofilia é crime?

A resposta veio após alguns momentos de reflexão:

– Ora, não importa os pensamentos particulares de cada um, o que interessa é que ele veio para combater a corrupção.

– Bem, talvez não estejas bem contigo mesmo, talvez sejas um santo ou, quem sabe, uma pessoa de um grande altruísmo (estou tentando compreender), porque eu, se fosse bicha, jamais votaria no sujeito que, além dessas e outras, em entrevista à revista Playboy, afirmou que “seria incapaz” de amar um filho homossexual.

– Pois é, mas estou com ele assim mesmo, pois o que quero é um bom presidente, não um presidente politicamente correto.

– Porém, espera um pouco, deixa eu acalmar a minha perplexidade: Jair Messias Bolsonaro disse, também, que ter um filho homossexual seria a morte para ele. E disse mais: que preferiria que seu filho morresse num acidente do que lhe aparecesse “com um bigodudo”. Ainda assim continuas não só admirando como apoiando esse cara?

Desta vez houve uma pausa maior para que viesse a resposta:

– Às vezes precisamos abrir mão dos nossos próprios princípios e interesses em favor da coletividade…

– Mas uma pessoa com esses pensamentos tão atrasados a respeito dos homossexuais, o que é o caso do nosso presidente da república Jair Messias Bolsonaro, te parece apto a governar bem um País, nos moldes exigidos pelo Século 21? Não se trata só de combate à corrupção e de alternância do poder, falamos também das questões éticas e morais. mas, já que falamos também de economia, ele acredita que as loucas a prejudicam, pois te recordas, certamente, de ele ter dito que ter um casal gay como vizinho desvaloriza o teu imóvel.

– Pois é, mas a questão é que ele respeita as bibas. Tanto que ele mesmo afirmou isso dizendo: – Tenho que respeitar, mas, gostar, eu não gosto. É como eu falei, querido, ele não tem de gostar, só tem de respeitar.

E garantiu:

-Quer saber? Não enche! 2021 vem aí, vamos com ele de novo para ter um macho de verdade lá em cima! Lacrei!

E foi assim que muitos frescos, bichas, veados, boiolas, invertidos, pederastas, entendidos, efeminados, baitolas, e também lésbicas, sapatões, sapatinhos e demais componenes dos grupos LGBT justificaram seu voto em Jair Messias Bolsonaro e a continuação de seu apoio nas próximas eleições presidenciais.

Chose de loque.

30 pensou em “CHOSE DE LOQUE

  1. Goiano,

    Pelo menos em uma coisa o seu alter-ego, digo amigo, esta certo, não precisamos gostar de ninguém , mas temos que respeitar todos, independente de raça, religião, cor, sexo, gênero, time de futebol, cidade, estado , pais.

  2. No fundo ele falou coisas que muita gente pensa e não tem coragem de externar! Isso, porém não justifica o destrambelhamento do homem! Já defendi a ideia que o Bolsonaro deveria ter sempre ao seu lado um “assessor cala a boca”: Quando ele descambasse a falar besteira, o assessor diria baixinho: – Cala a boca que vai dar merda…. O presidente, mais do que ninguém deveria usar a máxima do Millor Fernandes: “Livre pensar, é só pensar…”

    • Não adianta apenas calar a boca de Jair Messias Bolsonaro, meu caro Sérgio, porque ele é o que é e já disse o sábio que o homem é o que pensa.
      E se muita gente pensa como ele, apenas não tinha corag em de externar, agora tem; e tem coragem não só de externar, como de fazer: é o que estamos presenciando em nossa triste sociedade que retoma a moral vitoriana, conhecida como um conjunto de valores que englobe restrição sexual e um código rigoroso social de conduta pública
      Creio que é preciso arejar nossas ideias para que não precisemos ter medo de externá-las. Quero dizer: não é possível manter as ideias retrogradas que temos a respeito das condutas morais, sob pena de regredirmos ao atraso.

  3. E antes que me acusem de homofóbico, quem me conhece sabe que não sou! Sou democrático e, desde que não prejudique o próximo, cada um que faça o que der na telha…

    • Sérgio, essa é a máxima da democracia e da boa vizinhança, não é mesmo? “O meu direito vai até onde começa o direito do outro”.
      Lembrei-me de Diadorim, de Maria Deodorina, do Guimarães Rosa, lá se vão sessenta e quatro anos, mais ou menos.

  4. A oposição está desnorteada. “Chose de loque”?
    Já que te mostras entendido no tema, comedor de piqui, diz aí:
    Pelotas é ou não um polo exportador de viados?

    • Meu caro Canindé, a brincadeira de Lula pode ter sido, realmente, politicamente incorreta, mas está longe, há anos-luz, das declarações de Jair Messias Bolsonaro, que, elas sim, passam ao largo de piadinhas, mas revelam o pensamento, a filosofia, a ideologia do homem que diz (e que não entrou não texto que apresentei, porque deixei algumas coisas de fora para não enojar demais os leitores) que “noventa por cento desses meninos adotados por um casal gay vão ser homossexuais e vão ser gatoros de programa, com toda a certeza”.
      Jair Messias Bolsonaro não tem só a certeza de que os filhos de casais homossexuais viverão a fatalidade de virem a ser viados, na quase totalidade. Ele ainda assegura, com toda a certeza, que os homossexuais são garotos de programa.
      Eu te garanto que é por essas (e outras) que me espanta, muito, que um gay, uma lésbica, e quaisquer membros da comunidade LGBT, sejam admiradores da peça. Seria algum fenômeno ainda não catalogado, parecido com a Síndrome de Estocolmo?

  5. Goiano,
    Tu queres dar esse teu cu magro e, encabulado, ficas enrolando com essas conversas de viado.
    Dá logo essa porra e para de encher o saco!

    P.S. Viado nenhum nunca precisou de “autorização” do STF para dar a bunda. Quer dar essa merda? Então RASSSSSSSSGA!

    P.S.2 Eu também acho a viadagem uma aberração da natureza e uma abominação com as leis naturais e de Deus. Nem por isso, deixo de respeitar a todos e de ter grandes amigos gays. ATENÇÃO: GAYS! Não bichas loyucas desvairadas, histéricas (se é que isso pé possível, já que não possuem útero) e nazistas ou petistas, o que é quase a mesma coisa.

  6. Adônis, tu, votares em Jair Messias Bolsonaro e voltares a votar nele em 2021 para que reassuma a presidência em 2022 não me espanta, absolutamente nada: pensas como ele e, certamente, não és índio, nem preto, nem viado, muito menos mulher. O que me espanta, e me detive neste artigo ao fenômeno de viados e lésbicas votarem no Jair Messias Bolsonaro, é que grupos abominados por ele consigam deixar de lado esse aspecto mais do que atrasado de sua personalidade e mesmo assim terem dado e continuarem a dar apoio ao indigitado. É algo como sapo votar em cobra. No teu caso específico, tudo certo.

      • Gonzaga, pode parar de se coçar e em vez de comentar minhas coisas podes comentar coisas do teu presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, que, além das ideias e pensamentos transcritos no texto e complementados em alguns comentários acima, disse, também, que:
        “Não existe homofobia no Brasil. A maioria dos que morrem, 90% dos homossexuais que morrem, morre em locais de consumo de drogas, em local de prostituição, ou executado pelo próprio parceiro” (2013). Mas não foi só isso, ele falou por nós também, em entrevista à minissérie documentário Out there, exibida pela emissora britânica BBC, que “a sociedade brasileira não gosta de homossexual”. “Nós não perseguimos. […] Não gostar não é a mesma coisa que odiar. Você não gosta dos talibãs.” Gay assumido, Fry descreveu o encontro como “um dos mais estranhos e sinistros” de sua vida.
        Entende, Gonzaga? Tu não gostas de homossexual. Tu até não persegues, assim como Adônis, que, como Jair Messias Bolsonaro, tem um magote de amigos viadões, mas não gosta deles.

        • Caro Goiano,
          Você não entendeu direito!
          Tenho amigos, alunos colegas,…(O que mais tem hoje é viado saindo do armário) E GOSTO IMENSAMENTE DELES.
          O que eu não gosto, não concorde, apesar de aceitar numa boa, é que esta deformação da libido seja encarada como sendo a coisa MAIS NORMAL DO MUNDO.
          NÃO É, NUNCA FOI E NUNCA SERÁ!
          Quer se atracar com outro macho e ficar brincando de luta de espada? Tudo bem! Só não venham me dizer que é “UM CASAL”.
          NÃO É!
          É, no máximo, uma dupla…Uma parelha, um par, ou qualquer outro termo que os adeptos do politicamente correto venham a inventar, já que gostam tanto de inovar na linguística.
          Um casal, meu caro amigo, é MACHO E FÊMEA. E ponto final.

          • Caro Adônis, não vou me reportar à Grécia antiga nem à Roma dos Césares, assim como não pretendo argumentar com a viadagem entre os animais para dizer que o homossexualismo é um fenômeno natural,ou normal,do ser humano, porque esse tipo de imersão deveria prolongar ad infnitum as especulações a respeito do assunto.
            A questão é que os homossexuais estão aí e avaliando ambos os sexos podem representar, no Brasil, mais de vinte milhões de pessoas, algo como o dobro da população de São Paulo.
            Porém, o ponto que quero pôr em relevo é o que diz respeito a “casais” e o que isso representou em melhoria das relações sociais dos homossexuais.
            Dois eventos principais determinaram a diminuição da promiscuidade entre os grupos LGBT: um deles foi a própria aceitação social do homossexualismo e das ligações de homossexuais como casais; o outro foi o advento da AIDS, que fez com que a parceiragem fixa fosse preferida, como meio de maior segurança para a saúde.
            Com isso, homossexuais que desconheciam os benefícios de uma relação estável a descobriram, o que estabeleceu um novo sistema delaços afetivos.
            Enfim, a acentuada promiscuidade anterior deu lugar ao estabelecimento de casais, de modo que uma situação instável e socialmente pouco conveniente foi em grande parte substituída por outra mais estável, como o casamento, e social e moralmente mais adequada, sob o ponto de vista dos heterossexuais.
            Isso parece indicar que houve um progresso afetando toda a sociedade, uma vez que a diminuição da promiscuidade representou um avanço moral – o que deveria, até mesmo, influir na diminuição quantitativa do homossexualismo, em razão do fato de que ao se estabelecerem em grupos de pares fixos a chamada promiscuidade deixaria de ampliar as experiências além dos pares formados.
            Acho difícil que as pessoas criadas “no nosso tempo” sejam capazes de aceitar facilmente o fenômeno do “casamento” entre homossexuais (que antes de 2011 existia, mas “por baixo dos panos”), porém acredito que se pensarmos nesses termos, digo, das vantagens que essas uniões trouxeram, essa aceitação encontra algum apoio e deve progredir para uma maior compreensão, aceitação e, até, convivência em termos de normalidade.
            Além disso, se Tadeu, se Zébedeu e se até o conde que é conde D’eu, porque é que você não dá?!

  7. Peça para eles desenharem para ver se você consegue entender. Porque, nem mesmo se desenharem para mim,.eu consigo entender como alguém ainda admira e idolatra o Lula,

    • Chatonildo, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Esse teu comentário usa de um argumento falacioso, no qual estaria implícito que se eu não entendo como certos viados, apesar de tudo, votaram e continuarão votando em Jair Messias Bolsonaro, assim como tu não entendes porque alguém votou e continuará votando no Lula, está certo viados terem votado e continuarem votando no Jair Messias Bolsonaro
      Mas esse raciocínio, meu caro, é tortuoso e falsificador.

      • O que eu disse é que se você não entende porque os gays votarem no Bolsonaro podes pedir para eles desenharem para ver se entendes. Eu já pedi várias vezes para desenharem para ver se eu entendo porque ainda existe gente que admira e idolatra Lula. Apesar de tudo continuo não entendendo, talvez se aparecer um desenhista que consiga desenhar de modo que eu e mais uns cinquenta e tantos milhões de brasileiros consigam entender isso deveriam dar o Oscar de desenho (animado) para ele.

        • Pois, Chatonildo, inda hoje Berto publicou que mais de quarenta por cento do eleitorado fecha com Lula. Somos muitos. Isso devia incomodar a renitência de vocês em não entender o fenômeno. Isso quer dizer . Bote aí por volta de sessenta milhões de eleitores que têm a visão de que Lula foi um excelente presidente da república. E pergunte-se por que Joaquim Barbosa, aquele que não sei se te lembras, já esteve com cotação semelhante.Talvez compreendas, a partir daí, o fenômeno. Imagino que se tivesse havido as eleições naquela época serias eleitor deJoaquim Barbosa, como hoje votarias em Sérgio Moro, caso fosse ele e não Bolsonaro o candidato.

  8. +++
    Deixa eu ver se entendi, para o petista o problema não é ser homossexual, mas ter votado no Bolsonaro.
    Ocorre que votar no Bolsonaro não é estigma e homossexualidade muito menos.
    Faz parte.
    +++
    É uma questão abrangida pelo sentido de ser.
    +++
    Iniciei, finalmente, a leitura do livro Ser e Tempo, de Heidegger.
    Estou lendo de cinco em cinco páginas.
    Um livro difícil.
    Ainda estou na parte em que a tradutora explica porque traduziu Dasein por “presença”.
    Acredite, já se vão mais de vinte páginas só nisso.
    Frases compridas e aparentemente tautológicas para dizer que Da-sein, que quer dizer ser-aí em alemão, deve ser entendido como o ser no seu estar no tempo, na atualidade e concretude da sua existência, ou seja, sua “presença” no átimo do contínuo espaço-tempo.
    +
    Saca só o que Márcia de Sá Cavalcante Schuback (a tradudora) escreveu*.
    “Nessa determinação substancial de ser simplesmente dado, entende-se ser desde a palpabilidade de um presente sem presença alguma, de um presente estranhamento, absolutizado na objetividade indiferente, impessoal da representação objetivante”.
    Que frase da porra! Como diria o nobre editor Berto.
    E o livro está cheio delas.
    Ler um livro desses é uma ginástica mental.
    +++
    Bem, o de que as pessoas correm e o que elas temem é justamente o confronto com essa realidade de “nada” ser além de uma “presença” finita no tempo.
    Assim, enquanto se achincalham, evitam tomar consciência deste tempo sem tempo no qual existem, da sua finitude e da vã esperança de algo seja além da passageira e insignificante cintilação de vida e consciência no infinito do cosmo.
    Ah! mas ele é isto ela é aquilo…
    Certo. Tudo bem… mas… e você, pobre homem, o que vem a ser?
    +
    *Heidegger, Martin, Ser e Tempo, 10a edição, editora Vozes e Universitária São Francisco, páginas 25 e 26.
    +++

  9. Saniasin, não chega a ser um problema o homossexual votar no Jair Messias Bolsonaro, assim como não foi dado como problema o ser homossexual: o homossexual também vota em quem quer e ninguém tem nada com isso.
    É apenas estranho.
    Eu acharia estranho, por exemplo, se o Lula declarasse que votará em Moro caso ele se candidate.
    Quanto ao Heidegger, talvez um dia tenha coragem de ler – nos tempos de universidade tive um pequeno contato que serviu para compreender que não era capaz de entender. Quem sabe agora…

    • JNeto, o Supremo Tribunal Federal determinou em sessão de13 de junho de 2019 que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passe a ser considerada um crime. De modo que o assunto é uma besteiragem séria e sujeita às penas da lei.

  10. antes tarde que mais tarde, por isso que era uma casa muito engraçada, não tinha teto e quando atingia o teto, dobrava o teto. ah! o sonho não acabou. tem um monte deles, tem também maria mole. e o mais importante de tudo na vida: ….ih, se me esqueci.

  11. aqui está um colunista , que é um idiota orgulhoso que observa e opina sobre todos os asuntos,mas que negligencia o conhecimento de si mesmo.fique então sabendo que , quem se conhece bem é vil aõs seus propiõs olhos .se liga e seja mais humilde.

  12. Bem, tinha mais, estava esperando os comentários, mas eles mixaram, então vai lá mais alguma coisa saída da mente obtusa de Jair Messias Bolsonaro a respeito do homossexualismo:
    “O cara vem pedir dinheiro para mim para ajudar os aidéticos. A maioria é por compartilhamento de seringa ou homossexualismo. Não vou ajudar porra nenhuma! Vou ajudar o garoto que é decente”.
    Ou seja, como diz Adônis a respeito dos seus amigos gays, viado não é decente. Mas vota em Jair Messias Bolsonaro, porra.

Deixe uma resposta