MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

Quem acompanha os comentários das postagens do JBF já me conhece. Costumo dar meus pitacos com a alcunha de Ex-Microempresário, que é o que sou. Tendo recebido a generosa oferta do dono do pedaço para ter minha própria coluna, achei por bem começar me apresentando.

Sou formado em eletrônica e processamento de dados, e por obrigação profissional acompanhei o nascimento da internet no Brasil, em 1995. Logo descobri a infinita variedade de informação e de opiniões que ela comporta, e adquiri o hábito, quase vício, de vagar de site em site e de blog em blog (aliás o nome blog nem existia na época!) atrás de novidades. No início de 1996, deixei a área da informática para trabalhar com meu pai e minha irmã em um negócio da família, mas a ligação com a internet permaneceu.

Sempre fui tímido, e participava pouco dos debates. Certo dia, acompanhando uma conversa sobre política econômica, não resisti ao impulso de dar minha ideia, e assinei com o nome “Microempresário”, o que de certa forma explicava e embasava minha opinião. Gostei do nome e passei a usá-lo com regularidade.

Minha vida de empresário durou vinte anos, até que desavenças familiares somadas a um profundo desânimo com nossos governantes e com a forma como empreendedores são tratados neste país, me fizeram desistir. Em comum acordo com meus familiares, a empresa foi fechada, as instalações demolidas e o terreno vendido para uma construtora. E assim minha alcunha virou ex-microempresário.

Do que eu gosto? De aprender. Costumo dizer que para mim um dia feliz é o dia em que me deito à noite e, antes de dormir, me dou conta de que passei a saber algo que não sabia. Para citar uma amiga querida, uma pessoa que acha que não precisa aprender mais nada é alguém que já morreu e não sabe.

O que eu acho mais importante? A Liberdade. A liberdade é o que diferencia o ser humano dos demais animais, que só vivem de acordo com o que o instinto lhes dita. A força da humanidade depende da liberdade, ao permitir que cada pessoa seja única, com suas idéias, seus desejos, suas vontades, seus valores. Sempre fui admirador de todos que tem a coragem de pensar diferente da maioria, e sempre tive a certeza da necessidade de que pessoas tenham idéias diferentes umas das outras. Para citar de novo (faço citações uma atrás da outra, vão se acostumando), desta vez algo que li mas não sei quem escreveu: “Liberdade é liberdade. Não pode ser substituída por riqueza, conforto, paz, justiça ou consciência tranquila.”

Algo mais? Bem, para os curiosos, sou alto, gordo e tenho quatro graus de miopia. Estou com cinquenta e um anos, e casado há trinta e dois. Estudei em colégio Marista, o que não me impediu de ser ateu desde criancinha. Morei toda minha vida em Curitiba, onde nasci. E de hoje em diante, enquanto o dono do pedaço quiser, estarei aqui toda semana dando meus pitacos.

Deixe uma resposta