RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

CONJECTURAS

Parturiunt montes, nascetur ridiculus mus”, e a montanha pariu um ridículo rato. Põe ridículo nisto! Corro o risco de chover no molhado, mas não vou me abster de opinar. Ademais não creio que a montanha tenha parido apenas um rato, foram muitos, ridículos, sujos, pestilentos e perigosos. Ratos de toga, ratos de terno e gravata, ratos com microfones, redações, jalecos e poder.

Nesta quarentena que já está virando doble quarentena, mais para uma octatena, eu acabei ficando mais quieto. Não porque esteja trabalhando muito ou esteja muito ocupado. Apesar de que, registre-se, tenho trabalhado, de forma remota e, também presencialmente, em meu laboratório com minhas pesquisas e no Campus ajudando na fabricação de álcool gel. Pelo bem de minha sanidade tenho conseguido manter um ritmo de trabalho diário de cerca de 8 horas, embora o trabalho remoto se mostre mais desgastante.

Mas tenho sentido um cansaço muito grande, cansaço de ter que viver e conviver com tanta safadeza e burrice.

Então procuro ficar quieto refletindo. Engulo sapos, mas não brigo (muito) pois se expressar minhas opiniões no meio acadêmico, onde vivo e trabalho, serei crucificado, em praça pública. Mas é duro, difícil ver pessoas destruindo nossas esperanças com pseudociências, falsos cientistas oportunistas, políticos falsos fazendo politicagem, usando da desgraça para roubar e atingir seus objetivos escusos.

A única coisa que me gratifica neste momento é saber que meu voto não foi perdido, ainda temos um líder que se preocupa com Brasil. Falem o que quiserem de Bolsonaro, mas o que eu vi na fadada reunião ministerial foi um líder, um presidente preocupado com seu povo, preocupado em cumprir suas promessas de campanha.

E, apesar dos palavrões, quem não os fala, ainda mais em privado? Deixem de ser demagogos! Gostei muito do vídeo.

Lula aquela candura pudica nunca falou palavrões? Dilma era só finesse quando mandou o brigadeiro que pilotava o avião presidencial se foder em meio a uma turbulência. Ou quando o motorista cansado de suas grosseiras abandonou-a no carro oficial, tendo que o volante ser assumido por um segurança. Segundo aqueles que frequentam os bastidores e as latrinas do poder, em Brasília, apenas Sarney não era afeito dos palavrões.

E daí se Bolsonaro fala palavrões, eu também falo prá caralho e quer saber votei para ter um Presidente que se preocupe com o povo, que cumpra suas promessas de campanha e não roube. Isto ficou muito claro no vídeo de ‘propaganda’ liberado pelo STF e nos atos de Bolsonaro até o momento.

Ah! Mas eu não gosto das suas promessas de campanha. Problema é seu. Não votou nele porque não gosta dos promessa de campanha é seu direito. E ele se elegeu apesar de não ter o seu voto? Democracia é isso meu caro, a maioria vence, o resto é ‘mimimi’ de perdedor. Fodam-se!

Mas tenho de registrar que fiquei perplexo com afastamento de Sérgio Moro. Sobretudo porque se afastava do governo um homem símbolo, aquele que se tornara ícone do combate a corrupção. O cara que enjaulara o ‘Nove Dedos’.

Tinha-lhe uma grande consideração. Quando Sérgio Moro se afasta do governo Bolsonaro cria-se um dilema entre todos aqueles que admiravam aos dois, aqueles que lutam por um Brasil melhor, por um Brasil decente. A forma como se deu o fato mostrava que um dos dois estava mentindo, não importa qual, um dos dois estava mentindo. E eu me decepcionaria. Mas sobrevieram os fatos.

Primeiro votei em Bolsonaro, por ele mesmo, pelo que ele representava e, ressalte-se, apesar dele mesmo. Não votei em Moro, ele não era candidato, se o fosse teria meu voto, naquele momento.

Depois vieram os fatos ‘incontestáveis’ da grande imprensa e a iminente queda de Bolsonaro. Mas os fatos e a realidade são teimosos e que vejo?

Sérgio Moro aquele que sofreu implacável ataque da grande imprensa, da Globo, Veja et caterva. Aquele que sob ataque, mentiras e crimes foi crucificado e teve ao seu lado Bolsonaro, seu Governo e o povo. Agora era só sorrisos, herói do Jornal Nacional, destaque do Fantástico. Continuando assim quando voltar o futebol vai pedir música nos gols.

Antes a imprensa antes, a Rede Globo, o crucificavam e, hoje esse mesmo Sérgio Moro é o queridinho da Globo e da imprensa que se opõem a Bolsonaro. Há algo de podre no reino da Dinamarca!

Mas, quem mudou? A imprensa, Bolsonaro ou Sérgio Moro? Nenhum. A imprensa brasileira, com raras exceções, continua composta por um bando de filhos-da-puta, antidemocráticos e oportunistas. Bolsonaro, continua o mesmo da Campanha, para desespero de seus detratores. O tal vídeo mostrou isto. E Moro? Moro mostrou seu despreparo e falta de caráter. Ou, pelo menos, uma ingenuidade política descomunal.

Está, ele Moro, usando ou sendo usado pela mídia? Tanto faz comportam-se como parasitas da sociedade e da boa vontade dos brasileiros. Mas acho que Moro será triturado pela grande mídia e depois cuspido fora. Me decepcionei com Moro? Sim, porque esperava muito mais dele. O que acho que aconteceu? Lhes digo, uma sucessão de erros.

O que ocorreu desde o princípio foi um grande emaranhado de expectativas erradas. Quem votou em Bolsonaro na grande maioria gostava de Moro e ficou feliz quando Bolsonaro, bravateiro, disse que o convidaria para Ministro. Acredito que Bolsonaro convidou-o exatamente como uma bravata, achando que Moro seria inteligente o suficiente de não aceitar. Que aguardaria sua nomeação para o STF.

Mas Moro, provavelmente, já se sentia tolhido, sem mais ter para onde crescer na Justiça Federal e aceitou Ministério. Embora não quisesse a segurança pública, queria apenas a vitrine da justiça, acabou levando os dois. Deu sequência a um bom trabalho começado por Alexandre de Moraes.

Mas Moro estava deslocado, não concordava com as pautas de Governo. Lembrando que estas pautas foram promessas de campanha de Bolsonaro, ele sabia para onde ia o trem quando embarcou. E aprendeu política nas mais pura essência, pelo método Brasília, levando rasteiras.

O vídeo mostra a indignação com a cobrança, devida e justa que levou. Ficou magoado? Pede para sair ou vai a merda.

O STF já tinha subido no telhado e, hoje, afirmo, que bom para o Brasil. Por quê? Porque Moro foi um Juiz rígido, duro com o crime e assim seria ou será no STF. Mas é também afeito ao ativismo judicial. O que é extremamente prejudicial para o Brasil. Moro se aproxima do Ministro Barroso, na rigidez e no ativismo. E, hoje, ativismo judicial é o que menos precisamos. Basta vero que o STF vem fazendo, legislando e administrando sem voto e sem ter de prestar contas a ninguém.

De resto tudo que Moro falou e apresentou, mostrou apenas alguém ressentido e com aspirações políticas imensas e um ego e vaidade maiores ainda. Por mais honesto que seja não precisamos de um boçal egocêntrico no Palácio do Planalto, ou como queira, não precisamos de mais um. Mas Moro ao alinhar-se com aqueles que o detrataram. Ao cuspir naqueles que o ajudaram. Ao expor pessoas de sua intimidade, como a Deputada Bia Kicks. E, principalmente ao comprometer o Governo com acusações pífias e que não se comprovaram, só mostrou uma face do seu caráter que definitivamente não me agrada.

Para finalizar, acho que Moro apostou que o PGR, Aras, iria arquivar o caso, sem investigar, para ajudar Bolsonaro e manter a estabilidade na crise. Por isso falou o que falou, ficaria palavra contra palavra, e que cada um imaginasse o que quisesse no tal vídeo que citou. Mas o PGR entendeu por bem mostrar a verdade e foi a fundo. E, o Decano ao, desesperadamente, tentar criar um caso, liberou o vídeo. Bom aí está, basta assistir, clareza meridiana.

Bolsonaro é o que é. Sem máscaras, no público e no privado. E Moro ficou só na retórica, sem provas e ou comprovações do disse. Ou era um juizinho de merda, que não sabia o que eram provas robustas ou é apenas mais um mentiroso oportunistas.

Por isso vou repetir o que muitos já disseram, ao final de tudo, ao fim e ao cabo, a montanha pariu um mísero rato. Um rato miserável que juntou-se a rataria fétida que empesta os poderes em Brasília e, que atualmente tem mostrado a cara no Tribunal.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

HERÓIS ESQUECIDOS

Nestes tempos de confinamento, mais do que nunca precisamos de líderes, de exemplos e, até de heróis. Mas o Brasil e os brasileiros tem memória curta e nossa escola formadora de militância faz questão de fazer-nos esquecer de nossos heróis e, tenta de todas as formas nos impor heróis que não resistem ao mínimo crivo do bom-senso.

Nossos professores de história tentam colocar na cabeça dos jovens que heróis foram Dilma (a Anta), Lula (o ladrão) ou Marighela (o assassino e terrorista). Esquecemo-nos daqueles que anonimamente dão e deram suas vidas pelo Brasil e brasileiros.

As centenas de policiais que morrem nas mãos de bandidos diuturnamente em nossas ruas. Policiais que são assassinados no cumprimento do dever de proteger-nos e não recebem um lamento, um pio sequer dos defensores dos direitos humanos. Isto quando não são acusados de ser isto ou aquilo pelos defensores de bandidos. E, são tantos outros: bombeiros, caminhoneiros, trabalhadores, médicos, professores, heróis cotidianos, solenemente ignorados pela mídia, por políticos e pela ‘Entidades Defensoras de Direitos Humanos’.

Tivemos nesta semana algumas efemérides dignas de nota: o Dia do Exército, 19 de abril, que deu o que falar. Não sei como alguém em sã consciência observa um Presidente indo ao encontro do povo, discursando que dele (o povo) emana o poder, que não há acordo com o estabilishment (pau neles) e consegue acusá-lo de ditador ou golpista. Só na mente criativa de nossa pseudo-imprensa. Dia 21 de abril tivemos Tiradentes, mártir de nossa independência, data a muito esquecida em importância, lembrada apenas por ser feriado, algo sem relevância nos tempos de COVID.

Mas tivemos em 17 de abril a data em que se comemora a Tomada de Montese pelos Pracinhas da FEB (Força Expedicionária Brasileira), na Itália, durante a Segunda Grande Guerra. Heróis de verdade lutando pela pátria. E, neste dia, o Pracinha Ten. Ermando Armelindo Piveta se recuperou do tal COVID-19, mortal segundo nossa imprensa. O Pracinha de 99 anos nos mostrou, de novo, que o bicho não é tão feio quanto pintam e que, se quisermos vamos derrota-lo, sem precisar desta corja de oportunistas. E, mais, curou-se com Hidroxiquinona. Querem mais?

Lembrei-me do Ten. João, pracinha da FEB, com 100 anos de idade, que vive em Pelotas e que está sempre presente, em qualquer cerimônia que exalte os valores da pátria, da família e do dever. Gosto muito de conversar com ele, lúcido, experiente e bom de papo, transforma qualquer conversa numa aula inigualável. As vezes levo meu filho para conversar com o Ten. João, aprender com quem tem, realmente o que ensinar.

Ademais o Ten. João lutou na Itália ao lado de meu saudoso avô João Sainz Ovalle. Meu avô, espanhol de origem, brasileiro de registro, lutou com a FEB na Itália. Arriscou sua vida pela minha, pela nossa liberdade. É destes heróis, esquecidos da grande população, que estou falando.

A tomada de Montese levou alguns dias para ocorrer, os brasileiros atacaram e tentaram subir e tomar a cidade entre 14 e 17 de abril. Muitos brasileiros deram ali suas vidas, em prol da liberdade, na luta contra o Nazi-fascismo (que embora enlouqueçam os esquerdopatas eram sim Regimes de Esquerda). Dentre estes heróis se destaca a histótia de 3 soldados mineiros.

Durante a tomada de Montese, estes três brasileiros saíram em patrulha pela região. Seus nomes eram Geraldo Baêta da Cruz, de 28 anos, vindo de Entre Rios de Minas, Geraldo Rodrigues de Souza, 26 anos, natural de Rio Preto na Zona da Mata, e Arlindo Lúcio da Silva, de 25 anos, proveniente de São João del Rey.

Era 14 de abril de 1945 quando os três pracinhas se depararam inesperadamente com uma companhia inteira do Exército alemão. Os alemães estavam em aproximadamente 100 homens, completamente armados, e ordenaram aos brasileiros que se rendessem. Em meio à sangrenta batalha pela tomada de Montese, que durou quatro dias, os brasileiros optaram honradamente por não se render, e lutaram com bravura até a munição acabar e serem, após horas de combate, mortos pelos alemães. A coragem dos brasileiros foi tamanha que o comandante nazista mandou enterrá-los e posicionou sobre a cova uma placa com o escrito “Drei Brasilianische Helden”, “Três Heróis Brasileiros“.

Em um país como os EUA seriam heróis conhecidos e mostrados como exemplos nas Escolas. No Brasil foram esquecidos e, acredito que a maioria dos professores de história brasileiros sequer ouviu falar dos 3 heróis mineiros e, se ouviu não deu bola, nada que não venha de Marx lhes importa.

Mas por incrível que o pareça há uma música, Rock Heavy Metal (eu curto) de uma Banda Sueca chamada SABATON, que conta a história e homenageia os 3 brasileiros (vejam os suecos conhecem nossa história, nós não). A música se chama SMOKING SNAKES (Cobras Fumantes, em alusão ao símbolo da FEB). Abaixo coloco o link para um vídeo com a música.

Um detalhe que pode passar desapercebido no final do vídeo. Aparecem um soldado alemão e um oficial alemão reprendendo o soldado por ter enterrado os brasileiros. É uma ficção pois os alemães contaram depois de rendidos que foram os oficiais alemães, reconhecendo o heroísmo dos brasileiros que mandaram sepultá-los. Mas no vídeo o oficial ao final prende o soldado e o ameaça de Corte Marcial dizendo você é igual a eles. O soldado responde, em português, ‘não sou não, eles são heróis’.

O fato de um soldado alemão falar português é outra passagem de nossa história que desconhecemos. Centenas de jovens, filhos e netos de imigrantes alemães forma estudar e trabalhar na Alemanha pouco antes da guerra. E lá quando do início do confronto foram incorporados, à força ou voluntariamente, as tropas do Reich. Outros tantos brasileiros foram enviados por suas famílias para lutar pela Alemanha antes do Brasil entrar na guerra.

Tínhamos brasileiros lutando do lado alemão também. Certos ou errados eram brasileiros, é nossa história, temos de conhece-la. Muitos voltaram para casa depois da guerra e aqui viveram até sua morte. Perto da casa de meu avô vivia um destes soldados, o conheci através de meu avô. Eram amigos apesar de terem lutados em lados opostos na guerra.

Mas nada, nada mesmo, macula o heroísmo dos três mineiros: Geraldo Baêta da Cruz, Geraldo Rodrigues de Souza e Arlindo Lúcio da Silva. Hoje, mais que nunca precisamos de seus exemplos.

Precisamos de Líderes e de Heróis!

Espero que curtam a música no vídeo abaixo.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

NÚMEROS, ESTATÍSTICAS, PANDEMIA E PÂNICO

Refletir, pensar, analisar, enfim, raciocinar, são atributos exclusivos da raça humana. E, embora, tenhamos esta ‘exclusividade’, não são ações que praticamos regularmente. Alguns por falta de tempo, outros por falta de hábito e, a grande maioria, por falta de capacidade.

Àqueles que, como eu, fazem uso, mesmo que esporádico, destas faculdades devem ficar extremamente incomodados com a atual situação do dito ‘confinamento’ e, com o atropelo midiático e governamental aos nossos direitos constitucionais e fundamentais mais básicos.

Nestes tempos propensos à reflexão e ao ócio criativo é muito difícil não ficar enraivecido com o surgimento destes protoditadores (por nós eleitos, diga-se de passagem) travestidos de bons moços, defensores dos interesses do povo. Claro que os interesses ‘do povo’ são somente aqueles do povo ‘deles’, os políticos, a mídia e a esquerdopatia travestida novamente de defensora dos oprimidos.

Nenhum dos números e argumentos utilizados sobrevive a uma análise crítica e racional, vejamos.

Números e estatísticas

Se analisarmos tudo o que a mídia tem posto, veremos, em uma análise rápida, que todas as previsões de contaminados e mortes, especialmente no Brasil, são extremamente infladas.

Não condizem, se fizermos a análise matemática, nem aos números percentuais daqueles países mais atingidos pelo COVID, como a Itália.

Se considerarmos as previsões, o pico, que seria em meados de abril, depois seria em maio e agora será em junho ou quiçá em agosto, ‘eita’ viruzinho indeciso! Mas, considerando a previsão, teremos mais ou menos alguns milhões de mortes (já estão abrindo covas) e uns 300 milhões de infectados (embora tenhamos 220 milhões de habitantes). Devem ser infectados todos aqueles que o Lula tirou da pobreza, todos os 300 milhões de brasileiros (segundo dados do Desgoverno Dilma Roussef).

É, mas minha cidade, com 400 mil habitantes, teve 9 contaminados até agora, todos recuperados ou em recuperação.

Mas para a mídia o que há é terror, as previsões, são de que não há nenhuma esperança. É isto que tentam nos fazer engolir, estatísticas e previsões tipo ‘Datafolha’, com uma margem de erro de 200 milhões de pessoas, para mais ou para menos.

Números

Se olharmos números oficiais, de agentes do Governo, da Europa ou EUA vamos ver o seguinte o percentual de contaminados, de mortes, de mortes por faixa etária é mais ou menos o mesmo e constante. Mais ainda, não há diferença estatística significativa entre a contaminação com ou sem isolamento social. Os números são quase os mesmos.

Basta ver os números da Suécia comparados ao resto da Europa. Organismos e pesquisadores sérios, já vem constatando, embora não tenham espaço para divulgar isto, que o confinamento e isolamento não são efetivos ou significantes. Ou seja, embora retarde um pouquinho o pico de contágio, ao fim e ao cabo não vai afetar o número de contaminados e/ou mortos.

Pior na Itália o confinamento agravou as mortes de idosos e na Itália e França se observou uma enorme diferença de mortalidade entre os contaminados que foram hospitalizados e os que ficaram em casa, morreram muito mais pessoas nos hospitais.

Então por que ficar preso em casa? Por que o confinamento? Pelos números mostrados até agora não há motivo plausível, apenas a vontade de alguns.

Continue lendo

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

RAZÃO, BOM-SENSO, PÂNICO E PANDEMIA

Parece-me, nestes dias de quase confinamento total, que o mundo parou, dado este fato alguns deveriam aproveitar e descer, pois já passaram do ponto.

E, é claro no Brasil tudo é superlativo, de panelaços, mídia pregando 24 horas o caos, a acusações de Presidente genocida. Em que pese as reportagens da Globo dizendo que são contra o Governo tenho visto manifestações de os matizes e com todos os propósitos.

Hoje houve um panelaço, durante o pronunciamento de Bolsonaro. Segundo alguns convocados por “influenciadores” a atitude do Presidente quanto ao enfrentamento do Coronavírus e, aproveitando para protestar contra o Çontra-golpe de 1964’. Putz tem gente que não era nascida à época, mas ainda vive em 1964, saco! Por outro lado, dizem que o panelaço é contra o isolamento e que foi convocado pelo próprio Bolsonaro.

Pior é que houve os dois. O que eu ouvi em minha sacada: panelas, gritos e buzinas. Pessoas gritando ‘Mito’, ‘Deixem a gente trabalhar’ e ‘Eduardo (Governador do Estado, que é daqui de Pelotas) vendido’ e, outros tantos gritando: ‘Genocida’, ‘Fique em casa’, ‘Fora Bolsonaro’. Claro que a maioria dos gritos foi de expressões bem-educadas, tipo: cala a boca, corno, fdp, cala a boca fdp, vagabundo, petista, fascista, etc.

O que eu acho? Com toda sua loucura Bolsonaro tem sido uma das pessoas mais sensatas nesta loucura. Ele tem razão quando diz que não precisamos de isolamento horizontal, que o país não pode parar, que a economia não aguenta.

Sabem por que acho isto? Porque eu busco me informar, leio dados de todos os lados, ouço opiniões e converso com médicos amigos e conhecidos.

O que ouço? Que a pandemia não está tão grave. Que se propagou assim por causa do carnaval e do futebol. Sim, já tínhamos casos antes do carnaval, mas a mídia e os patrocinadores não podiam perder o faturamento. E que político ia arcar com o ônus de cancelar o carnaval? Nenhum! Aqui no RS boa aprte dos casos tem relação com pessoas que foram ao GRENAL da Libertadores, aquela vergonha que terminou em peleja.

Depois, tocaram o horror e resolveram parar o país. Daí esquecemos a roubalheira, deixamos o Congresso continuar roubando, voltamos a acreditar na Globo, esquecemos que o safado do Lula está solto (e bem quietinho) e se, der de quebra, derrubamos o Bolsonaro. Se não der esculhambamos seus avanços na economia, depois esquecemos rápido do vírus e pomos a culpa no Liberalismo econômico, vai que cola!

E a esquerda radical, mais OAB, querem ainda soltar os presos, soltar todos os vagabundos. Por mim que morram, teríamos um país mais seguro e economizaríamos dinheiro.

Mas esquecem que o lockdown pode quebrar o país. E tenham certeza a quebradura econômica geral vai matar mais gente que o coronavírus.

Mas e o vírus e as mortes? Não há espaço na mídia militante a profissionais que falem ou pensem diferente do que eles querem. A tal repórter, Monalisa, ex-globo, cortou no ar o infectologista que dizia que o vírus não se propaga bem no calor, na temperatura média de quase todo o Brasil. Ninguém dá atenção a quase um terço dos especialistas em epidemiologia que dizem que é melhor encarar o vírus direto, aumentando rapidamente a imunização da população.

Ninguém houve os médicos que falam dos riscos do isolamento ou de que 85% dos brasileiros não apresenta nenhum dos fatores de risco, portanto passará ileso pelo vírus.

Se não ouvem médicos quiçá ouvirão economistas, empresários e trabalhadores. Meu amigo é muito fácil para quem pode fazer home office, ou quem tem o seu garantido no final do mês ficar em casa. Muito mais fácil para repórteres e mídia que não pararam de trabalhar, circulam por tudo e sem máscara, vivendo e lucrando com o caos, mandar que você fique em casa. Aliás você escutou algum caso de jornalista infectado? Será que são imunes e resistentes tais como ratos e baratas, aos quais cada vez mais se assemelham.

E os influencers, pseudo-celebridades que lucram em casa? Políticos oportunistas que visam apenas a próxima eleição, como o Doria, Whitzel e Dino? Para estes tudo bem! Maravilha! E, ainda de quebra vão mandar a responsabilidade fiscal pro espaço e rolar a dívida de seus estados.

Aliás outro aparte, quero ver o confinamento do Sr. Whitzel quando a grana do tráfico começar a diminuir, que ver ele segura os traficantes e o morro. Adeus isolamento.

Mas e você meu amigo ambulante, celetista, vendedor, taxista ou que trabalha no UBER, que você fará quando faltar comida, dinheiro, emprego? Gritar? Grite agora vá pra briga! Ou você é que vai sofrer as consequências depois.

Eu anteontem, fui a praia do laranjal, com meu filho, arejar um pouco, área aberta, com vento e ar puro, algumas (bastante) pessoas tiveram a mesma ideia. Então os bombeiros foram cumprir a ordem do Governador e mandar-nos tirar os carros do estacionamento na beira do calçadão. O bombeiro veio com a conversa do decreto do Governador, disse-lhe que o Decreto era ilegal e que havia outro do Presidente, ele não gostou de ser ‘interrompido’ acabamos batendo boca. Perguntei se poderia estacionar do outro lado da via, ele disse que ali podia, mas que recomendava… Respondi que guardasse suas recomendações e estacionei do outro lado. Eu e todos que ali estavam, estacionamos, atravessamos a rua e voltamos para onde estávamos. Logo em seguida chegaram mais e mais carros voltando a encher a beira da praia, estava frio, ninguém desceu dos carros, risco de contágio zero.

A ação do estado foi inútil, ninguém tira a liberdade do povo se o povo não a entregar voluntariamente. Resista! Pequenos atos cotidianos vão trazer a razão destes imbecis oportunistas que colocamos no governo.

Ontem para não variar fui participar da carreata contra o isolamento, éramos poucos, cerca de 60 carros, mas me orgulho do barulho que fizemos.

Quanto a Bolsonaro, reafirmo, com toda sua loucura e falta de trato é uma liderança e uma voz de razão nesta histeria. Votei nele e votarei de novo só por sua atitude nesta crise.

LUTEMOS amigos, façamos a Resistência Civil !

Ah! E não esqueçamos depois do Coronavírus controlado temos que acabar com a maior praga destes pagos. Aquela que Lula jurou que ia acabar, mas depois associou-se e vive simbioticamente com ele junto com toda esquerda chique e caviar, com Psolistas, artistas, revolucionários do Leblon e outros vagabundos. Temos que acabar com o redeGlobovírus!

E, ‘Bora’acabar com este confinamento que já estou me sentindo um petista (Deus me livre): em casa, sem trabalhar e querendo que o Governo me dê tudo.

Só não cheguei ao ponto de demência de gritar Lula Livre.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

RODRIGO DE QUÊ?…ESSA É PARA O GOIANO

Bom já fazia um tempinho que não escrevia para o JBF, motivo? Preguiça intelectual. Mas O Berto como patrão compreensivo, cobrava o serviço, mas não me dispensou.

No final de semana pari uma coluna e pronto fui contestado por um ‘textão’ do Goiano. Parado em casa, sem muito mais para fazer (ou melhor com preguiça de fazer) entrei num debate infindável com o nosso colunista.

Acabei escrevendo mais do que escrevi durante meses para o JBF. Escrita inútil pois, ambos os debatentes, embora prolixos, não arredam pé de suas convicções. Nem eu, muito menos o Goiano.

No meio do debate nosso Scrittore di Sinistra (Escritor da Esquerda) questionou-me o nome, meu nome, como se fosse saído de um folhetim de romances capa e espada. Respondi-lhe que nem tanto, mas que havia algo sim, em meu nome. Expliquei que tratava-se de um pseudônimo e que a explicação estava lá nas primeiras postagens, perdidas de priscas eras do antigo JBF. Disse-me curioso ou doidim (sic) para saber a história.

Pois aí vai meu Caro Goiano, em deferência ao nosso ceguinho, quase um Velhinho de Taubaté, que acredita en la sinistra, o porquê de meu nome.

Nos idos da era do PT no poder, mais ou menos 2008, um grupo de servidores públicos, entre eles militares e professores universitários resolveu fazer um blog para expor a crescente indignação com as coisas e rumos da política.

Criamos o blog Livrepensador (tudo junto) muito acessado e lido por dois leitores e meio (eu, minha mãe e meu filho que é o meio por ser criança). O blog nasceu para que todos nós do grupo escrevêssemos o que pensávamos. Só que era preciso um nome, um pseudônimo que evitasse nossa exposição e execração pública.

Não riam, o risco é real e atual, embora menor hoje. Não para os militares, mas para nós professores universitários. A máfia acadêmica não aceita opiniões divergentes e crucifica qualquer que se oponha ao onipresente ideário de esquerda.

Bom o pseudônimo veio de um personagem que faz parte de 3 ou 4 livros que escrevi e nunca publiquei, nem deverei publicar, pois não quero impor a ninguém o desprazer de ler obras tão mal escritas. Este nome ou personagem é o herói ou anti-herói de todas as obras: de soldado a caudilho, de professor a profeta.

Escolhido o nome foi posta uma advertência no blog sobre os autores, a reproduzirei no final.

Com o tempo, e foi rápido, fiquei sozinho, meus colegas não queriam escrever e queriam que eu transcrevesse seus pensamentos. Acabei sozinho com o blog. Um dia conheci o JBF e o louco do Berto publicou um de meus textos e mais um. Virei colunista da Besta e aqui estou. Mantive o pseudônimo (o Berto sabe meu nome) e quando nosso editor pediu uma foto de meu ‘fucinho’ pra coluna não quis mandar a bunda cabeluda que ilustrava o blog, mandei uma linda foto de meu dedo do meio. Com o tempo já no novo JBF acabei usando uma foto decente e a bela cara que ilustra a Coluna sou eu mesmo.

Hoje meus textos são publicados na Besta e depois, só depois, no Blog.

E o nome? O nome saiu de uma homenagem a El Cid Campeador ou Dom Rodrigo Diaz de Bivar, herói Castelhano e muito importante na unificação da Espanha. Diz a lenda que venceu sua última batalha sobre os mouros já morto, amarrado sobre seu cavalo Babieca, os inimigos fugiram de medo. Sou de origem espanhola e morei algum tempo na Espanha, durante meu doutoramento. Vive em Léon, belíssima cidade do norte da Espanha. Morei perto da casa onde nasceu Dona Jimena, esposa de El Cid.

Daí podes deduzir de onde saiu o de Léon. Mas cabe dizer que em minha cidade natal, Pelotas – RS, de Léon, é um sobrenome comum, pela proximidade com o Uruguai.

Gosto tanto do nome Rodrigo que este é o nome de meu filho. Embora, por sua mãe ser missioneira (nascida na Região da Missões) pensarem que é devido a outro herói, desta vez da ficção, o Capitão Rodrigo Cambará, herói que divide as atenções com Ana Terra no clássico o Tempo e o Vento de Érico Verissimo. Capitão Rodrigo foi tão importante que mereceu um livro só para ele: ‘Um Certo Capitão Rodrigo’. Os amigos de meu filho o chamam de Capitão pelo nome e raízes missioneiras.

O Buenaventura tem relação comigo, não que eu seja bem-aventurado, mas por ser, eu, um aventureiro, alma indômita ou inquieta, como dizem. Então Buenaventura quer desejar-me uma boa aventura ou caminhada.

Este sou Eu, caro Goiano, Rodrigo Buenaventura de Léon. Meu pseudônimo ou como me conhecem aqueles que me dão a honra de lerem meus textos e, assim seguirei sendo conhecido.

Berto sabe meu verdadeiro nome, mas também sabe guardar segredo.

Agora Goiano!!! Goiano é nome? Ou origem? Braga Horta pode ser sobrenome, mas Goiano??? Só Rodrigo de Léon que romanceou seu nome?

Espero ter satisfeito tua curiosidade e de quebra a dos demais leitores.

Clique aqui e acesse o blog (lembrando que publico tudo primeiro na Besta).

E transcrevo o dito explicativo do Blog Livre Pensador.

LIVRE PENSADOR

Todas as ideias e conceitos publicados neste Blog refletem os pensamentos daqueles que inspiram o “Ghost Writer” Rodrigo Buenaventura de Léon. Os personagens aqui retratados são pura obra ficcional, ou não. Qualquer semelhança com personagens reais é mera coincidência e qualquer coincidência é mera semelhança.

Abraços.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

COROCAVÍRUS

Pronto! Saí de minha reclusão. O Berto vinha me cobrando uma coluna, mas eu estava recluso, em terapia, após retornar de minha jornada ao mundo da lua tinha resolvido partir para o autoexílio. Não tem como conviver com o ‘povo’ das universidades nesta época. É muita idiotice concentrada em espaço exíguo (uma Universidade Pública), então fui para o exílio.

Mas o tal vírus, Coronavírus ou Covid-19, como queiram, me fez voltar a escrever. E, de arrancada prefiro batizá-lo de COROCAVÍRUS. Porque simplesmente estamos nos comportando como corocas, velhos corocas, no sentido dicionarizado: velhos caducos, incapazes de um raciocínio maduro e lógico. E qualquer um que for contra a maré de desespero e pânico será crucificado, literalmente.

Já diziam os antigos que um homem, uma pessoa por mais ignorante e despreparada que seja é, no final inteligente, pois na média consegue tomar as decisões mais acertadas para sua sobrevivência. Mas a multidão, a multidão, mesmo que composta na totalidade por doutas e letradas pessoas, sempre será burra. O pânico nos faz agir como gado, seguindo o rumo que nos impõe a maioria da tropilha, muitas vezes tocada a gritos e chicote.

Ora, o Corocavírus é um vírus gripal com rápida disseminação e um índice de mortalidade baixo fora dos grupos de risco e, mesmo nestes grupos mata menos que a dengue ou o H1N1. Queiramos ou não teremos um grande número de infectados, não há como fugir disto, a maioria nem saberá que teve ou sentirá uma leve gripe. E, sim teremos casos graves e mortes.

É como a história do chifre: muita gente tem, muitos mais ainda terão e muitos nem saberão que tiveram. Mas atitudes sensatas parecem não ter lugar no pânico e no caos. Só posso dizer quem alguém está lucrando muito com isto.

Não sou adepto de teorias da conspiração, mas dá o que pensar que toda a vez que a China entra em recessão aparece um vírus de doença global (H1N1, SARS, etc.) e lá é o primeiro lugar que surge, sempre concentrado em uma região e de onde, miraculosamente não saí. Ah, não esqueçam os hospitais e providências de emergência em tempo recorde que os chineses montam. Pena que quando ocorrem outros desastres naturais, terremotos por exemplo, eles não consigam esta eficiência. Dá prá pelo menos pensar.

Mas e a Itália, a Itália foi ‘burra’, desprecavida e além de ter um grande percentual de população idosa vem sendo assolada por crises. Não sei afirmar o quanto de primeiro mundo é o atual sistema de saúde italiano.

No Brasil cabe destacar o trabalho e a lucidez do Ministro Mandetta. Que novamente demonstra que escolhas técnicas são o caminho para o executivo federal. Não podemos esquecer o quanto Bolsonaro foi criticado ao escolher Mandetta para o Ministério. Mas já pensaram no ‘Governo Haddad’que seria o Ministro? Provavelmente estaríamos sendo socorridos pela avançada Cuba e seus médicos escravizados a peso de ouro, com remédios miraculosos. Segundo a esquerda foi Cuba que criou a ’vacina’ que curou a epidemia chinesa. Vacina que cura? Eu hein! E também estaríamos financiando a assistência na Venezuela.

Ocorre que o Governo Federal agiu certo e no tempo certo. Há que se prevenir e alargar o tempo de expansão do vírus para evitar uma sobrecarga do combalido SUS, mas não podemos parar o país por uma gripe forte. Fome e desemprego matam e matarão mais que o COVID-19. Foi isso que Bolsonaro e o Governo Federal tentaram mostrar. Mas forma atropelados pela mídia, sempre ela. Não tem quem resista a 18 horas diárias de reportagens sobre o Coronavírus. Parece que a pandemia foi uma tábua de salvação, temporária eu espero, para a mídia tradicional e corrupta brasileira.

Daí meu amigo, qualquer que assista ao bombardeio vai entrar em pânico ou ficar atordoado e seguir a multidão. Seguem a eles os políticos e os oportunistas.
Desde o fabricante de álcool gel que quer lucrar, ao político que quer o impeachment de Bolsonaro por crime de responsabilidade ao ‘tentar’, segundo eles, transmitir a doença.

Prefeitos e Governadores querendo aparecer e vislumbrando reeleição e quiçá o Planalto (é só olhar quem dentre os governadores age com bom senso e quem está radicalizando, para identificar os candidatos já anunciados), inventando normas e leis que não são de sua competência e, sim de Bolsonaro.

Querem tirar nosso direito de ir e vir, querem para o país, mas não pela contaminação, mas porque quebrar o Brasil é sua única chance de elegerem-se e voltar tudo ao que sempre foi.

Daí juízes de primeira instância, juizinhos de m…, como dizem, fechando estradas e fábricas (em SC um juiz do trabalho mandou dois frigoríficos pararem de trabalhar) e, mais e mais juízes vão decidir um monte de m… a seu bel prazer ou de acordo com suas convicções ideológicas. E foda-se o país. Esquecem que temos de comer, que precisamos de emprego, remédios e comida. Cadê os Supremos do STF para chamarem para si a responsabilidade e darem a diretriz a justiça brasileira neste momento? Cadê?

Não esqueçam que ainda teremos muito pano pra manga, judicialmente falando, depois da crise. Patrões que despediram ou derma férias coletivas a empregados serão condenados em primeira instância Brasil a fora, até que se unifiquem as decisões nos Tribunais Superiores. Por que não antecipar o problema? Basta o STF querer.

Depois virá a imprensa e a oposição já estou vendo as manchetes, sem obviamente citar o Cornoavírus: maior valor do dólar, bolsas operam no menor índice, maior índice de desemprego da história, PIBinho, etc. Tudo culpa do Governo.

Logo aparecerão alguns Globais afirmando que o Coronavírus veio para o Brasil na Comitiva de Bolsonaro que foi aos EUA.

Está faltando bom senso e talvez uma mão firme. O Presidente é Bolsonaro e sua equipe é muito competente, terão de puxar as rédeas e assumir a situação de guerra minimizando as perdas. Mas o país não pode parar e mais o Brasil não pode ficar nas mãos de oportunistas como Maia, Dória, Withzel, petistas e etc.

A coisa vai ficar feia, mas só não está pior porque o Governo Temer e o primeiro ano de Bolsonaro arrumaram algumas coisas. Mas perde o país pois este ano o Congresso não vai decidir ou fazer qualquer coisa mais, o que talvez seja interessante para o Brasil, já que o Congresso em geral quando age é para foder o país.

De resto fica o que vou lhes dizer e lembrar mais a frente é que a fome, o desemprego e a quebradeira na economia ceifarão as vidas e as esperanças de centenas de milhares, quiçá milhões, de homens e mulheres mundo afora.

O vírus levará alguns milhares, talvez uma centena de milhar de vidas, é muito? Sim é muito. Mas será pouco ante as vidas arruinadas pelo pânico e burradas perpetrados por aqueles que deveriam nos guiar e usam a pandemia para seus fins e ambições. E neste ponto a grande mídia, especialmente a grande mídia brasileira está abusando.

Juízo, cuidado, precaução, mas não pânico. Eu não admito, nem vou admitir que um idiota com mandato tire meu direito constitucional de ir e vir.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

AIATOLADAS

E o Trump para desespero ou alegria de seus opositores bombardeou e matou (assassinou segundo a lógica esquerdopata) um dos maiores assassinos da atualidade. Grande merda! O tal do General Suleimani já foi tarde, muito tarde. Que o digam os milhares que morreram ou foram torturados pelas mãos ou ordens deste facínora.

Mas o Trump pode provocar a terceira guerra mundial com este ato! Qual nada o Trump está, ainda, consertando as cagadas do Obama.

É, sim, as cagadas homéricas do prêmio Nobel da paz e queridinho das esquerdas, Barack Obama, que junto com a Hilary Clinton, sua secretaria de estado, quase colocaram o mundo ocidental em xeque e, ainda ganharam prêmios, reconhecimento e admiração das antas mundo a fora.

Se vocês não lembram a política externa do Obama e da Hilary consistiu em gordas mesadas e propinas para o Anão Tarado da Coréia e para os Aiatolás Atômicos Iranianos, contando que eles não brincassem mais de explodir o mundo com bombas atômicas. É óbvio que eles não pararam com a brincadeira e papai Obama, como bom pai moderno, fez cara feia, conversou, ‘dialogou’, mas manteve a mesada e necas de castigo. Tudo que ‘crianças’ arteiras gostam, permissividade. Propinas, mesadas e os brinquedinhos nucleares a toda. E a patetada do Nobel premiou seu Barack. Palmas.

De resto a política externa de seu Obama fez renascer o Talibã, criou a Primavera Árabe e o Estado Islâmico. Mergulhou o norte da África no Caos e ainda armou a oposição ao carniceiro Bashar Al Assad na Síria.

O que isto resultou? Guerra, mortes, terrorismo em alta e imigração em massa para a Europa, que quase quebrou ante os milhares de imigrantes. Os governos europeus quase sucumbiram ao discurso bonzinho e politicamente correto da população europeia (cada vez mais medíocre e burra) e a dura realidade da imigração de desesperados, terroristas e radicais.

Aliás a Europa está regredindo cada vez mais com sua população enlouquecida pelo discurso do politicamente correto e pela militância das esquerdas. Se esquecem dos milhões que morreram e se sacrificaram para que os europeus tenham os índices sociais e de civilidade de hoje. Também se esqueceram dos milhões que eles mataram e escravizaram e de tudo que destruíram para ter a prosperidade de hoje. Os Europeus vão acabar morrendo afogados na própria mediocridade, mas este é outro papo.

Interessa-me o atual conflito, que nada mais foi que um ‘sacode’ nos Aiatolás e, só isso. Não vai ter guerra, não vai ter confronto. Por quê? Porque não interessa à Rússia, à China ou aos EUA.

Trump e Putin (outro ditador e carniceiro) estão reestabelecendo na marra o equilíbrio de forças mundial. Putin tomou (e ninguém das esquerdas reclamou) Trump ficou quieto. Putin corrigiu a burrada de Obama na Síria, Trump parou de financiar os rebeldes e a coisa se acomodou. Cessaram as hordas de imigrantes para a Europa. E os governantes europeus bem quietinhos, claro o sapato apertou no pé deles.

Ainda tentaram usar a opinião pública com fotos montadas e ‘fake news’ como aquela do garotinho todo sujo em uma ambulância e outras notícias nem tão fakes como os bombardeios com armas químicas nas cidades rebeldes. Aí se fez um coro para Trump reagir, mostrar força contra a brutalidade. Ele fez política, avisou que ia retalhar e onde, esperou uma semana (para que fizessem a retirada) e pronto bombardeou a base vazia. Ninguém pode dizer que ele não fez nada.

Por outro lado, os EUA, junto com turcos, curdos e iraquianos acabaram com o Estado Islâmico. Ficou o problema dos curdos, mas estes vão ser acomodados (massacrados) pelos turcos tão logo os EUA saiam da região. E os EUA deram uma acomodada geral nos Talibãs.

Agora no Irã ele matou um assassino, facínora, operação cirúrgica, exatamente como aquela em que o Obama matou o Osama, Bin Laden, mas neste caso ninguém o acusou de assassinato.

E agora é isto que vai acontecer os Iranianos farão alguns ataques inócuos e dirão que foi feita a vingança e vão negociar pois o que os Aiatolás gostam é de dinheiro. O mesmo que aconteceu com o Anão Coreano. O Trump engrossou, ele esperneou e depois baixou a bola e foi negociar. De vez em quando faz alguma pirraça para ganhar um pouco mais, mas papai Trump é durão e louco, não cede e todo mundo sabe o que ele pode fazer se contrariado.

Aliás acho que a morte do Suleimani foi bom para todos. Os EUA arranjaram um motivo para fincar pé no Oriente Médio, os Iraquianos um motivo para se afastarem da influência do Irã, os Aiatolás um inimigo externo (que vai ajuda-los a canalizar a energia dos milhares de descontentes com o regime iraniano que vinham se rebelando toda hora).

Aliás é de estranhar que agora Suleimani virou herói, pois até a pouco ele vinha massacrando o próprio povo para destruir os rebeldes. A morte do assassino herói é motivo de união dos iranianos. Agora é fazer uns ataques inócuos, dizer que vingaram-se com rios de sangue, afinal a imprensa no Irã é controlada a mão-de-ferro pelo Governo e partir para negociar com o Tio Sam e de bolinha bem baixa. Afrontar os EUA seria uma burrice sem tamanho e o fim do regime dos Aiatolás. Isto seria muito bom para o mundo e principalmente para o povo do Irã, mas os Aiatolás não são burros a este ponto.

O que é legal desta história é ver esquerdista fazendo malabarismos para defender o Regime iraniano. Feminista defendendo um país que não respeita mulheres. LGBT discursando a favor de um país que enforca gays em julgamentos sumários. Maconheiro defendendo um governo que fuzila traficantes (o que não deixa de ser uma ótima ideia) e que enforca viciados (algo que poderíamos avaliar também).

Resumo da ópera Trump cacifou a coisa e pôs ordem no galinheiro, mandou pro quinto dos infernos um assassino psicopata e ainda ficou mais próximo de ganhar, como se diz por aqui, as eleições com a cola em pé. O sentimento nacionalista americano é forte e uma guerra faz com que ele aflore. Somado com a bobagem do impeachment fakeque os democratas tentaram fazer Trump voa em céu de brigadeiro.

E 2020 começou auspicioso. Que o Deus ilumine nossos caminhos e ajude os pobres sul-americanos e outras pobres almas sofredoras submetidas a ditaduras e a facínoras mundo afora.

Nosso Senhor poderia mandar passagens para a Casa do Capeta para alguns de nossos caudilhos, neste promissor 2020, Maduro e Raúl Castro por exemplo seriam belas aquisições para o Tinhoso. Poderia passar por aqui e levar alguns petistas para as profundezas (já houve previsões que o diabo está precisando de um ladrão mentiroso de noves dedos no inferno, talvez se concretizem). Depois fazer a limpa na Argentina e no Vaticano onde reina um ‘hermano’ que serve ao deus vermelho.

Caso o Todo Poderoso não queira nos brindar com esta benção aceitamos de bom grado uns mísseis teleguiados enviados pelo Trump.

Que venha 2020, auspicioso, com o passamento de mais facínoras, terroristas, ladrões e ditadores, o inferno tem muito lugar para eles.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

MUSAS E SUAS (AS)INSPIRAÇÕES

A humanidade caminha, evolui e involui através de suas ideias e da forma ou formas que utiliza para colocar estas ideias em prática. Mas com o passar dos tempos sempre surgem aqueles que inspiram ideias, ideais, ações e revoluções. Genericamente são conhecidos como líderes, heróis de um povo e as musas inspiradoras.

As musas são figuras femininas ou masculinas, etéreas ou reais que inspiram o homem no trilhar de seus caminhos. Não inspiram só artistas e escritores, mas estão presentes em todos os atos humanos.

O ano de 2019 foi pródigo em lutas, em mitos, em inimigos reais e principalmente imaginários. Mas principalmente foi um ano que se destacou na propaganda enganosa, não só no Brasil, mas no mundo inteiro. A dita ‘imprensa livre’, mentiu, forjou manchetes e desinformou como nunca, atacando o emergente pensamento liberal conservador e defendendo os ideais atrasados da esquerda corrupta e alienada.

No âmbito do marxismo cultural emergente, o neo-socialista não combate mais o capital e o capitalismo, até porque deste provou e gostou. Também percebeu que terá mais a lucrar numa sociedade plenamente capitalista do que numa explorada e esgotada ‘democracia (?)’socialista/comunista.

Parceira de primeira hora, a grande imprensa passou a defender os ideais do neo marxismo: meio ambiente, LGBTFXPQP (e não sei mais o que), minorias (não importa qual), neo feminismo, direitos humanos (especialmente para humanos não muito direitos), direitos dos animais, veganismo e qualquer outra bobagem que aparecer. E buscam nas redes sociais e na mídia a soldo impor suas ideias e costumes. Inspiradores, formadores de opinião e, é claro, as musas são uma ferramenta poderosa neste mister.

E, é claro, a imprensa e a esquerda elegeram sua musa. A pirralha sueca Greta Thunberg. Uma menina birrenta e mal educada que faz pirraça defendendo ‘belas ideias’ que não levam a nada. A menina que matando aulas (típico de uma intelectual esquerdista) virou autoridade naquilo que ela não estudou, não compreende e não sabe. Alçaram a pirralha a personalidade do ano. Servindo de exemplo a estudantes do mundo inteiro de que não precisamos estudar ou entender sobre algo para falar, gritar e virar celebridade.

Me recordo daquele presidente orgulhoso de não ter estudado, com seu primeiro diploma na mão, para desgovernar e roubar uma nação por anos a fio. E que ainda recebeu, nas Universidades mundo a fora, títulos e homenagens. Falta de visão ou burrice crônica daqueles acadêmicos que homenageiam e se ajoelham perante um ladrão que desdenha de tudo aquilo que eles (os intelectuais) pensam que são. Mas deixemos prá lá, este caso agora é um caso de polícia e quiçá de justiça divina.

Mas a menina Greta virou musa, com sua careta pirracenta, com seus maus modos e com seus gritos. Mentindo, mentindo sim, pois fala daquilo que sabe não saber e, mente, como mentiu nas fotos que postou de uma viagem de trem na Alemanha. Fotos desmentidas pela própria companhia de trens que mostrou que a musa ecologista só viaja de primeira classe. Típico de todo esquerdista, que adora uma mamata e um luxo, desde que não tenha de pagar. Defendendo a viagem no trem elétrico que não solta fumaça, no país onde a energia elétrica é produzida pela queima do ultrapoluente carvão (linhito), provavelmente a pegada de carbono (emissão de gases) foi muito maior do que a de um avião coisa que a menina Greta ojeriza.

Mas se a esquerda tem a musa que é sua cara, a direita europeia também viu nascer, em 2019, uma musa. A jurista Eva Vlaardingerbroek, holandesa com 23 anos formada em filosofia do direito e doutoranda em direito. A jovem holandesa, oriunda de família de classe média e conservadora (seu avô era Pastor), estudou e estuda muito e tem muito a dizer sobre todas estas bobagens politicamente corretas que tentam nos colocar goela abaixo todos os dias. Fiquei impressionado com o discurso de Eva.

Mas não vou ficar falando ou comentando este ou aquele discurso, deixo que os leitores observem abaixo a cara das Musas, da Esquerda e da Direita Europeia. E, logo após, apresento um vídeo com um breve discurso da jovem e inspiradora Eva.

Que tenhamos todos um Grande e Produtivo 2020, com muita saúde, paz e progresso. E, que as belas Musas do pensamento livre embalem nossos sonhos e acalentem nossos ideais.

Feliz 2020!

* * *

Greta, a musa das esquerdas – Eva, a musa da direita

* * *

Veja o vídeo do discurso de Eva Vlaardingerbroek para um auditório lotado. Uma galega dos olhos azuis, inteligente, estudiosa e que com um discurso forte e contagiante.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

20 DE SETEMBRO E A FESTA DOS DERROTADOS

Sou gaúcho e me orgulho de ter nascido por aqui no sul do Brasil, não pelo fato dos gaúchos serem melhores ou piores, mas sim pelo fato de que ser gaúcho torna-me brasileiro e, isto sim, infla meu ego. Com erros e acertos, mandos e desmandos este é meu chão, minha pátria, rica de cultura, diversa em sua diversidade, genial e criativa no jeito alegre e simples de seu povo.

Maltratada sim, ainda mais depois de anos de poder do ideologismo marxista, corrupto e corruptor, dos desmandos daqueles que nos governavam até pouco tempo e de outros que nos governaram antes. Saturada do putrefato projeto ideológico bolivariano que contrasta com tudo aquilo de bom que no Brasil e suas gentes tem e valorizam. Mas enfim sabemos que expurgados estes outros virão e a nós sempre ficará o orgulho de nossa Pátria una e diversa, o Brasil.

Hoje 20 de setembro comemoramos a dia do gaúcho, erroneamente celebrado como o dia de nossa ‘independência’. Independência de que, lhes pergunto? Do Brasil, perdemos, mas perdemos o que? De quem? Afinal os Revolucionários farroupilhas não almejavam a ‘independência’, queriam apenas subsídios, uma mamata, uma mãozinha do Governo Central. E como não havia BNDES ou Bancos de fomento, acabaram pegando em armas, a ideia era só ganhar uns ‘pilas’, como se diz por aqui.

Mas a coisa desandou e acabaram proclamando uma República, meio troncha, que durou até o acerto do preço de todo mundo. Claro que tudo se acelerou com a iminência da Guerra de Rosas e da Guerra do Paraguai. Acertado o preço acabou a República e foram-se os heróis para outra Guerra.

Mas ficou o orgulho, orgulho de ser gaúchos, orgulho de nossa Pátria Pampeana, seja lá o que isso significa. Acho o orgulho uma coisa legal, é bonito ver-nos cantando o hino e a gauderiada desfilando (embora o cheiro de bosta de cavalo perdure por dias depois). Mas acima de tudo é orgulho da Terra, da Terra Gaúcha e, principalmente, da Terra brasileira. E podemos ter orgulho sim, mas com o devido cuidado.

Afinal se esta Terra orgulhosamente viu nascer homens e mulheres de brio e valor. Terra do General Osório, do General Neto, do Almirante Tamandaré, da belíssima Miss Universo Yolanda Pereira (aliás pelotense como eu), de Érico Veríssimo, de Pedro Simon e de outros tantos.

Por outro lado esta terra também pariu Ditadores, de Getúlio Vargas à Médici, populistas de esquerda como Brizolla e Olívio Dutra, inutilidades como Tarso Genro e Manuela D’ávila, pseudo-intelectuais como Luiz Fernando Veríssimo (que já foi um grande escritor, mas morreu no dia em que matou a Velhinha de Taubaté). Pior esta terra acolheu e viu crescer Dilma Roussef.

Aqui o PT cresceu, Governou Porto Alegre, Desgovernou o Estado (por dois longos mandatos) e fez muita merda, com o apoio de muitos gaúchos. Mas nos regeneramos, aqui começou o apoio a Bolsonaro, aqui escorraçamos Lula e aqui deitamos o relho na PTzada. Acho que ainda temos salvação.

Há que falar um pouco da famosa Revolução, comemorada no dia da invasão de Porto Alegre, feita por Bento Manoel Ribeiro e não por Bento Gonçalves. Aliás uma patacoada, os homens de Bento Manoel nas proximidades da ponte da Azenha se assustaram com um barulho, deram uns tiros para cima e os guardas imperiais fugiram, aliás fugiu o presidente da província e junto todo o Governo, foram de navio para Rio Grande. E os revoltosos entraram na cidade vazia. Tempos depois a cidade foi retomada pelo mesmo Bento Manoel (que virou de lado) e nunca mais deixou o lado imperial, aliás ficou conhecida como ‘Mui Leal e Valerosa’. Isto ocorreu em 20 de setembro de 1835, por isso a data é celebrada como feriado.

Mas a República Rio-grandense só foi proclamada em 11 de setembro de 1836, nos Campos da Batalha de Seival, cerca de 400 km de Porto Alegre, pelo general Neto (Bento Gonçalves estava preso na Capital Imperial). A Revolução farroupilha e a posterior Guerra dos Farrapos se concentrou no sudeste do estado, região próxima de Pelotas e Bagé. Em ¾ do estado não houve batalhas ou incorporação da República, aliás estas áreas apesar de apoiarem um lado ou outro ao sabor das alianças permaneceram pacíficas e leais ao império.

O escritor e professor Peninha, no seu canal de youtube ‘Não vai cair no ENEM’ tem um excelente vídoe sobre a Revolução Farroupilha.

A zoeira e as escaramuças duraram 10 anos, mas quando o Barão (futuro Duque) de Caxias desceu para o sul resolveu tudo rapidamente. Algumas batalhas, o acerto do preço e o massacre dos Lanceiros Negros Farroupilhas, traídos pelos Comandantes Farrapos (eram um estorvo à paz) no evento conhecido como a traição dos Porongos, resolveram a questão. Feita a paz os militares Farroupilhas forma lutar em outras guerras, contra Oribe e Rosas e depois na Guerra do Paraguai. Mas o orgulho e a lenda, criada nos anos 1930, ficaram, fincaram raízes e prosperaram.

Tem seu lado bom, mas muitas vezes é pernicioso, pois cria no Estado, no povo uma sensação de superioridade, um achar ser melhor que o resto do Brasil. E esta sensação nos levou a um buraco difícil de sair. Ao nos considerarmos melhores ou diferentes do resto Brasil, não percebemos que estávamos atolando no banhado do orgulho e hoje muitos querem culpar os outros o Governo central (que tem suas culpas e não é nenhuma virgem vestal, mas não pode ser responsabilizado pelas nossas cagadas).

Hoje reflito que o culto exacerbado ao ‘orgulho farroupilha’ está devolvendo seus amargos frutos, parece-me que algumas pessoas do Sul vivem num universo à parte, onde sentem-se superiores aos demais brasileiros. Orgulhosos de seu passado de derrota (pois, repito, para quem não sabe os Farroupilhas foram derrotados, do primeiro ao quinto) encarnam um Napoleão, ou melhor, um Bento Gonçalves de hospício e vagam por estes pagos repetindo mentiras históricas como fatos heroicos.

Esquecem-se dos motivos (dinheiro e poder) da Revolução, das derrotas que foram maioria, da incompetência e da indisciplina dos líderes farroupilhas, da falta de valores e ideais que podem ser claramente vislumbradas na ‘Traição de Porongos’, onde os farroupilhas entregaram à morte os lanceiros negros, garantindo assim que suas fazendas poderiam continuar explorando a mão-de-obra escrava. É muita incoerência o fruto deste culto insano que leva pessoas a crerem-se melhores que as outras.

Felizmente esta sandice é de poucos, pois a maioria dos Sulistas não encampou a ideia de mártires derrotados pela perfídia e prefere trabalhar em prol da Pátria brasileira. Deixemos então de cultuar a derrota e abracemos a nossa Pátria vitoriosa.

Viva o Brasil! Viva o Brasil do Sul, do Norte, do Sudeste, Centro-oeste e Nordeste. Viva o Brasil do sertão a floresta, do pantanal ao pampa. E Vivam os brasileiros de qualquer origem.

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

MARCHA DA BRASILIDADE VERSUS MARCHA DOS IMBECIS

Estou de volta de meu período sabático na Lua. Não esgotei ainda os Diários que escrevi durante minha convivência com os lunáticos. São registros históricos importantes. Amanhã e durante as próximas semanas vou enviar para o departamento de besteiras do JBF publicar as opiniões e visões desde a Lua sobre tudo que ocorreu nestes dias (da Amazônia em chamas aos milhares de idiotas queimando a rosca, do dragão de São Jorge a Mademoiselle Macron).

Mas hoje estou na Terra, voltei para Pelotas para acompanhar a Semana da Pátria em Pelotas. Como pai orgulhoso fui ver, in loco, meu pequeno rebento desfilando na Avenida pela primeira vez como Lobinho (escoteiro) e pude sentir a mesma emoção que havia sentido, quando fardado de escoteiro, a 33 anos, pisei naquela avenida vestindo o mesmo uniforme.

Meu filho vestiu sua farda com o mesmo garbo e orgulho de ser brasileiro que eu sempre tive quando a vesti. E, sabem o que vi me surpreendeu, centenas milhares de pessoas vestidas de verde e amarelo, orgulhosas de sua Pátria.

Pelo noticiário esperava ver as ruas “negras”, cheias de pessoas de preto em protesto contra isto ou aquilo, contra o Governo, contra a tal da ‘ditadura”. Qual o quê? O povo livremente foi as ruas celebrar seu país, sua Pátria e porque não, seu Governo, eleito democraticamente. Nem sinal da ditadura propalada na mídia. Nem sinal de protestos, nem sinal de revolta, apenas cidadãos, trabalhadores, celebrando seu amor à Pátria.

De preto só os Maçons, dedicados homenageando o Patriarca José Bonifácio, cuja estátua recuperaram após ter sido quebrada por vândalos.

Vi o Exército, Marinha, Bombeiros e Brigada Militar (no Rio Grande do Sul não temos PM, aqui é a garbosa Brigada Militar)) desfilarem sob aplausos do povo.

Vi as escolas públicas de volta a Avenida, segundo o pessoal da Liga de Defesa as escolas públicas não vinham desfilando nos últimos anos (mais precisamente nos últimos 13 anos).

Vi o Colégio Tiradentes (Colégio Militar da Brigada) desfilar com centenas de jovens uniformizados, marchando garbosa e ordeiramente. Vi Bombeiros Voluntários, Associações de ex-combatentes, de ex-Boina Azuis, de Ex-Policiais do Exército (Ex-Cachorrões, como são carinhosamente conhecidos) e até de ex-soldados do exército.

Tá e daí? Isto não é normal em 7 de Setembro? Não, não era até a pouco. Estas associações em que algumas centenas de pessoas desfilaram apenas na minha cidade, acredito que também existam outras espalhadas pelo país, não são órgãos oficiais. São pessoas simples, do povo, civis que se orgulham de ter servido as forças armadas, de terem sido policiais do exército ou de fazer trabalho voluntário junto com os bombeiros.

Estas pessoas foram desfilar voluntariamente, compraram suas fardas ou roupas, treinaram e estiveram na avenida, marchando atrás dos militares. É sentimento cívico, puro, sem receber ‘pixulecos’ ou sanduíche de mortadela. Apenas cidadãos orgulhosos de sua pátria. Isto tinha quase sumido nos anos de inferno petista.

E logo após, vieram eles, orgulhosos e altivos, Lobinhos, Escoteiros e Chefes. Marchando pela sua Pátria. Meu filho, Lobinho orgulhoso, Primo de sua Matilha, carregando seu Bastão Totem. Isto me fez ver que ainda temos esperança. Pessoas, voluntários, dedicados a formação de nossos jovens, a dar-lhes o exemplo. E, principalmente, jovens altivos, preparando-se para serem líderes de um grande país no futuro próximo.

Tudo isto sob os aplausos do povo, do povão, daquele que as esquerdas achavam que lhes pertencia. Hoje tive certeza que as nossas ruas são nossas de novo. Que nossa bandeira jamais será vermelha. Que nosso orgulho é verde e amarelo. E que ‘eles’ não vão voltar, não permitiremos.

Depois do desfile dos brasileiros estava prevista uma tal de Marcha dos Excluídos, só não sei excluídos de que. Está mais para uma Marcha dos Imbecis. O pior é concluir que boa parte destes ‘imbecis’ da Marcha estão nas nossas Universidades Públicas, onde atendem por ‘Professores’ ou ‘Intelectuais’, ou nas redações de jornais e da mídia ‘isenta’.

Acham que estou exagerando? Acessem as páginas dos Sindicatos de Professores e Servidores de Universidades Federais ou de Institutos Federais el lá estará a Convocação para a tal marcha. A UNE e o PSOL (e toda a corja da esquerda) pediram que os brasileiros vestissem preto em luto pela Amazônia ou sei lá o que. E, é claro o sempre presente ‘Lula Ladrão Livre’.

Por aqui esta Marcha ocorre faz alguns anos. Inclusive, os Imbecis excluídos, tentaram marchar na Semana Farroupilha. Para quem não sabe no RS a Chama Simbólica não é extinta em 7 de setembro, ela é conduzida para um CTG, onde fica até 14 de setembro quando inicia a Semana Farroupilha.

Diferentemente do dia 7 de setembro quando os excluídos tem seu ‘direito’ de protestar garantido pelos militares (que eles tanto odeiam) na Semana Farroupilha a guarda do altar e os desfiles ficam a Cargo do MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho) e os gaudérios não consentem protestos, putaria ou qualquer bagunça no dia 20. Toda vez que Excluídos/Imbecis tentam ‘marchar’ o pau come. É lindo de se ver, a gauchada baixa o porrete e nossos Imbecis são recebidos a relho, laço, palancada de cavalo e facão três listas no lombo.

Mas voltando para hoje, 7 de setembro, choveu a madrugada toda, torrencialmente, até as sete horas da manhã, quando a chuva parou e o tem firmou. Até o meio-dia não choveu, os militares, as crianças e os escoteiros desfilaram, o MTG recebeu a Chama e encerrou-se os festejos. O povo foi para casa. Deus, o Grande Arquiteto, garantiu a festa patriótica.

Eis que, meio dia e trinta os tais excluídos e imbecis, meia dúzia de gatos pingados, com uma caixa de som fornecida pelo Sindicato dos Professores da Universidade Federal (eu disse onde ‘moravam’ os imbecis), vestidos de preto e vermelho com suas faixas e cantilenas, preparavam-se para sair em ‘protesto’. Mas o Grande Arquiteto, na sua infinita sabedoria, despejou um toró, uma tromba d’água digna de Noé e dispersou a turba.

Enfim, um dia memorável, de homenagem e orgulho da Pátria e com um banho na corja esquedopata. Sugiro, novamente, que se mudem para Cuba ou para Venezuela, vão ver que lá além de água vai chover bala e porrada se quiserem protestar.

ORGULHO DE SER BRASILEIRO! ORGULHO DE MEU FILHO! ORGULHO DE MINHA PÁTRIA!

Até Deus veio prestigiar nossas homenagens à Pátria Amada.

BRASIL ACIMA DE TUDO!