CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

AIRTON BELNUOVO – SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

Amigo , boa noite

O Dória gosta tanto de mulher , que pra dar “um selinho” na dele, tem que usar máscara.

R. Esse baitola das calcinhas apertadas não tem o menor senso de ridículo.

Consegue se superar a cada nova encenação.

E um porra desse quilate é governador do estado mais rico da federação…

Coisas de Banânia mesmo.

Hoje vi um levantamento do Paraná Pesquisas, um instituto sério e isento, informando que esse xibungo é reprovado por 60% dos paulistas.

Ou seja, resta 40% que ainda não mandou esse cabra safado tomar no olho do furico.

Um percentual incrivelmente alto.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NACINHA – CUIABÁ-MT

Caro editor e amigos leitores,

Não foi por velocidade.

Bolsonaro foi multado por excesso de popularidade.

A motoceata foi um sucesso espetacular, registrado no Guinness como recorde mundial.

Mas a resposta da motoceata veio rápido.

Os petistas fizeram a burroata, conforme está na foto.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ADONIS OLIVEIRA – RECIFE-PE

CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Prezado Senhor Jair Messias Bolsonaro, Presidente da República Federativa do Brasil

Caro Presidente,

Sirvo-me desta modesta mensagem a fim de implorar ao senhor, homem amplamente reconhecido como tendo altíssimo princípio de justiça e que personifica os mais elevados princípios da caridade pregada pelo Nosso Senhor, Jesus Cristo, que se digne emitir um firme posicionamento, em nome da Presidência da República, contra a imensa injustiça que está prestes a se consolidar no processo em andamento no Supremo Tribunal Federal, relativo à revisão da vida toda, como é conhecida a ação que pode aumentar o valor do benefício de um grupo de aposentados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Com o placar empatado, o STF suspendeu a votação, nesta sexta-feira (11), por causa de um pedido de vistas do ministro Alexandre de Moraes, o último a votar. Votaram a favor dos aposentados o relator, Marco Aurélio Mello, e os ministros Cármen Lúcia, Rosa Weber, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski. Os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Nunes Marques votaram contra. Ficaram de dar a decisão final no próximo dia 17 de junho, quinta-feira próxima.

A revisão da vida toda beneficiaria os aposentados que atendem as seguintes condições: começaram a contribuir com o INSS até 26 de novembro de 1999; aposentaram-se entre 27 de novembro de 1999 e 13 de novembro de 2019; e receberam o primeiro benefício da aposentadoria há menos de dez anos.

Esta questão surgiu por causa da reforma da Previdência de 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Na época, o governo criou duas novas regras para o cálculo da aposentadoria. Para quem já era segurado do INSS até 26 de novembro de 1999: o cálculo do valor do benefício consideraria 80% das maiores contribuições feitas A PARTIR DE julho de 1994. Para quem começou a contribuir a partir de 27 de novembro de 1999: o cálculo do valor do benefício consideraria 80% das contribuições mais altas desde o início dos recolhimentos.

A consequência desta norma injusta é que, para todos aqueles que, como eu, tinham pago as maiores contribuições ao INSS antes de julho de 1994, esses valores mais altos não entraram no cálculo do benefício. Foi desta forma que, apesar de ter contribuído sobre VINTE SALÁRIOS MÍNIMOS durante quase toda a minha vida, fui reduzido, após uma batalha judicial de alguns anos contra o INSS, a uma aposentadoria que não chega aos R$ 3.500,00 (Três Mil e Quinhentos Reais) mensais, valor que mal cobre as minhas necessidades mais básicas.

Este julgamento do STF analisa um recurso do INSS contra decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que FOI FAVORÁVEL AOS APOSENTADOS, e que tem também parecer favorável da P.G.R.

O ministro Nunes Marques, foi o primeiro a votar contra os aposentados. Ele justificou o voto citando um dado da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia, que estima em R$ 46,4 bilhões o impacto da revisão para os cofres públicos em um período de dez anos. Que fosse de UM BILHÃO! NÃO INTERESSA! O que há é um direito líquido e certo, pelo mais simples princípio de JUSTIÇA. Paguei durante décadas e meu patrimônio (O fundo de aposentadoria) está sendo expropriado indebitamente. Ele decidiu pelo aspecto econômico, e baseado em estimativas amplamente exageradas, e não pelos princípios do direito.

Fico me perguntando porque será que esta preocupação com os cofres públicos só acomete aos ministros do Supremo quando se trata de se apropriar indebitamente de direitos líquidos e certos de pobres aposentados, e nunca quando aumentam os próprios altíssimos rendimentos e vantagens, com impactos em cascata em toda a caríssima estrutura de um judiciário que nos custa algo em torno de 1,2 % do PIB, quando dezenas de países similares limitam seus gastos a 0,1 ou 0,2 % do seu Produto Interno.

Outrossim, a estimativa apresentada é questionada pelo Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário. O método de cálculo adotado não foi apresentado no processo. Seria necessário que todos os aposentados tivessem direito para que se chegasse a esse valor. O voto do ministro, e dos que o seguiram, está totalmente alinhado com a defesa do INSS, que prima sempre em negar todas as demandas dos solicitantes, encaminhando-os todos para longas e desgastantes batalhas judiciais, como foi o meu caso, mesmo sabendo-se perdidos.

O receio de um possível gasto também não se sustenta, pois, segundo advogados especialistas em Direito Tributário, a quantidade de beneficiados deverá ser muito restrita. “Via de regra, um trabalhador começa recebendo salários menores e, no final da sua vida de trabalho, é que está com salários mais altos. Então a parcela da população [beneficiada] é bem menor, uma exceção”, afirma Renata Severo, advogada especialista em direito previdenciário do Vilhena Silva Advogados. Outro ponto que diminui a quantidade de segurados que teriam direito à revisão da vida toda é o período de decadência, que é de dez anos contados a partir do saque da primeira aposentadoria. Muita gente, que talvez tivesse esse direito, nem pode mais pedir a revisão porque já se passaram esses dez anos.

O parecer do Ministério da Economia diz que, se o INSS for derrotado no STF, haverá considerável aumento dos atendimentos nas agências, já que caberá ao segurado comprovar as contribuições pagas antes do Plano Real. Esta alegação também é falsa pois, como já estarão aposentados, todas aquelas contribuições devem já ter sido computadas.

Por todas estas razões acima expostas, venho muito humildemente solicitar ao nosso bravo presidente que se posicione frontalmente contra mais esta imensa injustiça que está prestes a ser pratica pelo nosso STF. Caso estas previsões sombrias venham a se concretizar, através de um voto contrário do Ministro Alexandre de Morais, rogaria ao Senhor Presidente que emitisse uma Medida Provisória assegurando este direito que, por uma questão da mais absoluta e primária justiça, É NOSSO!

Que Deus o proteja e lhe dê forças para continuar na sua luta, que também é nossa, pois bem sei quanto esta deve ser extenuante.

Atenciosamente,

Recife, 14 de junho de 2021

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LENA FERRAZ – SÃO PAULO-SP

Senhor Editor:

Com a motociata deste sábado Bolsonaro mexeu com a economia de São Paulo,

Ativou o comércio, encheu hotéis, restaurantes, esgotou a locação de motos e conseguiu doação de toneladas de alimentos.

Para grande desespero de Doria Calça Apertada,  aquele governador que até hoje tudo que fez foi para prejudicar o paulistano.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOÃO ARAÚJO – MUNIQUE – ALEMANHA

Mestre Berto,

Gostaria de desejar a todos navegantes desta Gazeta Apaixonada um Feliz Dia dos Namorados.

Envio um poema-canção de minha autoria mais Adalberto Cavalcanti e que tive a honra de ser gravada na voz do grande Expedito Baracho e da Cláudia Beija.

E para os leitores que quiserem acessar o link de inscrição no meu canal é só clicar aqui

Obrigado, muita saúde, um forte abraço a todos e até a próxima.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CÍCERO TAVARES – RECIFE-PE

Mestre Luiz Berto,

Ontem aconteceu uma cena inusitada no mundo das celebridades globobestas.

A atriz Fernanda Torres, diferentemente das pessoas comuns do Brasil, se recusou a tomar a vacina AstraZeneca.

Segundo ela: receio de efeitos colaterais. Preferindo aguardar para ser imunizada pela vacina da Pfizer, jogando na lata do lixo o protocolo de agendamento.

A despeito de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter assegurado que os imunizantes da AstraZeneca terem sido testados eficazes em todas as variantes do novo coronavírus, Fernandinha, como é carinhosamente chamada nos bastidores da Globolixo, saiu em busca de algum hospital ou posto do SUS no bairro do Leblon, onde tivesse aplicando a Pfizer.

Zé de Maria, freteiro de coco de Carpina (PE) é que tem razão: a esquerda brasileira é um caso patológico de síndrome de gambá: se alguém der um peido, fica todo mundo “desestocando” o odor para não cheirar a catinga.

R. Já que você falou em peido, vamos mandar um pra ela.

Peida, meu velho

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

BARBARA M. GARCIA – LIMEIRA-SP

Meus amigos:

O STF se reunirá em sessão de emergência para decidir se o feijão vai por cima ou por baixo do arroz.

O Pedido partiu do Psol, que afirma ser um ato de racismo o arroz por cima.

Em debate no Roda Vida da TV Cultura, com a presença de Freixo, Karol Konka, Felipe Neto e Lumena, mediado por Vera Magalhães, debatedores afirmaram que arroz por cima é reflexo e sintoma do sistema colonial e patriarcal, até hoje existente no país, e que colocar o feijão por cima é um ato político contra o racismo.

A decisão do STF que se dará na sessão de emergência, abrirá precedente para futuro questionamento quanto aos vestidos de noiva, se podem ou não podem ser de cores diferentes da branca.

Essas decisões irão abalar a estrutura e o tecido social do Brasil, ressignificando condutas que tanto prejuízo trazem e trouxeram às minorias durante séculos, concluíram os debatedores.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARLITO LIMA – MACEIÓ-AL

Caro Berto

Na coluna semanal que assino HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA do Jornal da Besta Fubana, um oásis de bom jornalismo entre a imprensa mórbida e mentirosa desse Brasil, escrevi sobre o santeiro DEODATO, um dos maiores escultores nordestinos

E fui cobrado por leitores de fotos da obra do artista que morreu há dois ou três anos.

Solicito ao editor chefe a publicação de poucas fotos de Deodato e sua vasta obra.

Agradeço a gentileza.