AUGUSTO NUNES

MORAL É ISSO AÍ

Lula acusa o governo Bolsonaro de ser pior que o governo Lula

“O Brasil tem hoje o governo mais desmoralizado do planeta terra. Quem vai querer investir aqui? A gente precisa ter uma conversa muito séria sobre os rumos desse país. Eu não abdico de provar pra sociedade que o Brasil tem jeito”.

Lula, no Twitter, afirmando que o governo Bolsonaro é o “mais desmoralizado do planeta terra”, ainda sem explicar como pode ser classificado o governo de alguém condenado a 17 anos de cadeia por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

AUGUSTO NUNES

NEURÔNIO ESTATIZADO

Dilma explica por que acha ruim o que é bom para o Brasil

“Esta riqueza será entregue a empresas privadas, inclusive estrangeiras. Um crime contra a soberania e o povo brasileiro. Ação criminosa e perversa, pois a água está sendo essencial no enfrentamento do (sic) covid-19, e será fundamental contra qualquer vírus que no futuro ameace a gente. A água não pode ter dono”.

Dilma Rousseff, em entrevista ao site do PT, explicando que o saneamento básico deve continuar nas mãos do Estado para que o Estado continue sem fazer nada pelo saneamento básico, como aconteceu durante os 13 anos em que o Brasil foi governado por Lula e Dilma Rousseff.

* * *

POSTE SABIDO

Haddad promove a instrumento de defesa da democracia o que foi rebaixado a “golpe” quando aplicado a Dilma Rousseff

“Esse senhor que ocupa a presidência da República, ele ofende a saúde pública, ofende as instituições democráticas de uma forma tal que está completamente tipificado (sic) como crime de responsabilidade, previsto na Constituição (…). Nesse momento ele se encontra acuado, Queiroz está preso e ameaça delatar todo o clã Bolsonaro. Mas se essa figura se recupera, não tenham dúvida de que ele não poupará esforços no sentido de afrontar a democracia brasileira”.

Fernando Haddad, sem ocupação conhecida desde o fiasco das urnas de 2018, explicando que o mesmíssimo impeachment que foi “golpe” quando aplicado a Dilma é apenas um instrumento de defesa da democracia se o alvo for Jair Bolsonaro.

AUGUSTO NUNES

SOLUÇÃO ESCLARECEDORA

Maria do Rosário explica por que o PT torce contra o Brasil

“Lamentável aprovação da privatização do saneamento básico no Brasil. A votação ñ se justifica na pandemia pois ñ contribui p/melhorar a situação de saúde no imediato e pode mesmo agravá-la no futuro. O+importante recurso natural p/a vida, a água potável, ñ pode é uma mercadoria”.

Maria do Rosário, deputada federal pelo PT gaúcho, conhecida pelo codinome Solução no Departamento de Propinas da Odebrecht, no Twitter, deixando mais uma vez evidente que os parlamentares petistas não têm a menor vergonha na cara. 

AUGUSTO NUNES

TIRO NA TESTA

Jaques Wagner lamenta a falta de investimentos em saneamento básico durante os governos petistas

“Me solidarizo com a boa fé dos senadores e senadoras que votaram a favor do marco do saneamento. A história mostrará que foram iludidos. Sem investimento público, não haverá água e saneamento para os mais pobres, como nós provamos nos governos do PT na Bahia e no Brasil”.

Jaques Wagner, senador do PT da Bahia, conhecido pelo codinome Polo no Departamento de Propinas da Odebrecht, no Twitter, reconhecendo que não houve investimento público – nem privado – em “água e saneamento para os mais pobres” durante os governos do PT na Bahia e no Brasil.

AUGUSTO NUNES

A FANTASIA DO MONTANHA

Deputado petista explica que, segundo a democracia companheira, 58 milhões de brasileiros são bem menos importantes que meia dúzia de militantes antifas

“A resistência é imensa, é a voz do povo Brasileiro!”.

Paulo Pimenta, deputado federal pelo PT do Rio Grande do Sul, conhecido pelo codinome Montanha no Departamento de Propinas da Odebrecht, ao fantasiar-se de militante Antifas para participar dos protestos deste fim de semana em Brasília, explicando que os 58 milhões de brasileiros que votaram em Jair Bolsonaro são insignificantes diante da meia dúzia de gatos pingados que representam uma “resistência imensa” e são a “voz do povo brasileiro”.

AUGUSTO NUNES

CRIME SEM SOLUÇÃO

Maria do Rosário finge esquecer o Sombra que ainda paira sobre o assassinato de Celso Daniel

“A ligação do mandato dos Bolsonaros com organizações criminosas parece ser assim: o comando é de grupos, os Bolsos eram uns relações públicas, fachada política. Disfarce ótimo pq gritam contra bandidos, mas estão junto c/ bandidoes. Só tem 1coisa: essa gente mata antes q delata”.

Maria do Rosário, deputada federal pelo PT gaúcho, conhecida pelo codinome Solução no Departamento de Propinas da Odebrecht, no Twitter, esquecendo que há quase 20 anos os brasileiros continuam querendo saber quem mandou matar o prefeito petista Celso Daniel.

AUGUSTO NUNES

O ARQUIPÉLAGO DAS 11 TOGAS

Quem propõe o fechamento do Supremo Tribunal Federal merece o desprezo dos genuínos democratas. Quem critica a opinião ou o comportamento de qualquer ministro exerce o direito à liberdade de expressão. Nenhum dos 11 indivíduos que compõem o STF é o Supremo. Quem tenta confundir-se com a instituição de que faz parte quer apenas livrar-se de legítimas manifestações de descontentamento.

Nos últimos dias, a reação provocada por supostas ameaças à democracia em geral e ao STF em particular confirmou que a corte virou faz tempo um arquipélago formado por 11 togas que se julgam onipotentes, oniscientes e onipresentes. Intrometem-se em tudo, tudo regulamentam em decisões monocráticas e não prestam contas a ninguém. Como ministros do Supremo só podem ser julgados por ministros do Supremo, estão todos condenados à perpétua impunidade.

No mundo civilizado, quem fala Corte Suprema é o presidente. No Brasil, até recentemente falavam o presidente ou o decano. Desta vez, falaram o presidente Dias Toffoli, o decano Celso de Mello, o vice-presidente Luiz Fux e, por enquanto, os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Cármen Lúcia. Gilmar Mendes não precisa de pretexto para permanecer no palco interpretando o papel de juiz dos juízes.

Todos repetiram que a democracia brasileira está em perigo: um surto de autoritarismo ameaça o país. Faz sentido. Pelo andar da carruagem, parte do time da toga anda sonhando com a ditadura do Supremo. Nos anos 60, incomodado com a intromissão dos militares na esfera de atuação do STF, o presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, pronunciou uma boa frase: “Japona não é toga”. É hora de alguém lembrar aos ministros que toga não é japona.

AUGUSTO NUNES

A VELHA IMPRENSA NÃO TEM ESPAÇO PARA NOTÍCIA BOA

O jornalismo de velório é filhote da pandemia

Efeito colateral da pandemia de coronavírus, o jornalismo de velório tornou-se epidêmico. Seis exemplos colhidos nas edições desta quarta-feira, 10 de junho:

1. O número de óbitos diários na cidade de São Paulo, maior epicentro da pandemia de coronavirus, vem caíndo há uma semana. A Folha preferiu destacar o ligeiro aumento de mortes no interior paulista;

2. Nos últimos sete dias, o vírus chinês perdeu força em todos os grandes focos de covid-19. O Estadão preferiu destacar o restabelecimento da quarentena em alguns municípios;

3. Nos países europeus, a curva dos óbitos é desenhada pelo número de mortes ocorridas a cada 24 horas. A Folha e o Estadão preferem contabilizar as notificações, que frequentemente somam mortes consumadas na véspera às ocorridas vários dias antes;

4. No latifúndio de papel reservado à pandemia cabem todas as notícias, desde que não sejam boas. Recordes negativos são manchete obrigatória. Pelo andar da carruagem, o fim da pandemia não vai conseguir mais que cinco centímetros numa página interna;

5. O aumento no número de testes eleva necessariamente o total de novos infectados. Os dois jornais debitam a dança das cifras exclusivamente ao abrandamento da quarentena;

6. Se o isolamento social é a solução para tudo, a Folha e o Estadão precisam explicar por que a curva de óbitos continuou ascendente desde a chegada do coronavírus.

A anemia da imprensa escrita é debitada por seus comandantes na conta da expansão das mídias digitais. Tal álibi os dispensa de calcular a multidão de leitores que debandaram para manter distância da desinformação terrorista.

AUGUSTO NUNES

MEMÓRIA DE VAMPIRO

Senador petista finge esquecer como agiram os governos do PT

“Com o centrão dando as cartas no governo Bolsonaro, colocando indicados de cima a baixo na Esplanada e em todo o Brasil, as denúncias de corrupção pipocam e se juntam às irregularidades dos bolsonaristas”.

Humberto Costa, senador do PT de Pernambuco, conhecido pelo codinome Drácula no Departamento de Propinas da Odebrecht, fingindo esquecer que a mesma frase pôde ser dita durante 13 anos da seguinte forma: “Com o centrão dando as cartas nos governos de Lula e Dilma, colocando indicados de cima a baixo na Esplanada e em todo o Brasil, as denúncias de corrupção pipocam e se juntam às irregularidades dos petistas”.

AUGUSTO NUNES

EX-PRESIDIÁRIO EXIGENTE

Lula tenta explicar por que não vai assinar manifesto nenhum a favor de nada

“Tem muita gente de bem que assinou. E tem muita gente que é responsável pelo Bolsonaro. O PT tem que discutir com muita profundidade, para a gente não entrar numa coisa em que outra vez a elite sai por cima da carne seca, e o povo trabalhador não sai na fotografia”.

Lula, sem explicar se deve ser enquadrado como ‘elite’, ‘povo trabalhador’ ou população carcerária fora do cárcere.