ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A FLORA NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Aprendi que uma flor
Só fica formosa e bela
Se tiver um colibri
Roubando a essência dela
Nem ela é virgem com ele
Nem ele é ave sem ela.

Ivanildo Vila Nova

Nosso melão tem na casca
As cores do sol nascente
As rugas do nosso rosto
Riscadas pelo sol quente
E na carne dele o gosto
Do doce da nossa gente.

Antônio Francisco

Depois que a chuva caiu,
Ficou verde o arrebol,
A babugem cobre o chão;
Parece um verde lençol,
Cicatrizando as feridas
Das queimaduras do sol.

Sebastião Dias (1950 – 2023)

Depois que o feijão enrama,
A roça vira um pomar;
O pé de milho parece
Um soldado militar;
A espiga é a pistola;
Só falta a mão pra pegar.

Ismael Pereira

A floresta bebe lágrimas
Dos olhos do firmamento
Já minha angústia declama
Um verso pra o sentimento
No balanço de uma rede
Ouvindo a canção do vento.

Rubens do Valle

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

CENAS E TIPOS NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

As cantorias de viola são riquíssimas em cenas e tipos. Geraldo Amâncio cantava com João Furiba (1918-2019) em Lavras da Mangabeira, Ceará. Homenageava seu avô, Manuel Amâncio, que também foi cantador, com a velha bandeja ao centro da sala para quem quisesse contribuir com os repentistas. Na presença da figura do seu venerável avô, iniciou dizendo:

Para meu avô paterno
Fico feliz quando canto…

Nisso chega um chapeado, carregador que exibe uma chapa com um número no chapéu, e coloca uma soma em dinheiro muito superior à que um ricaço do salão acabara de depositar. Geraldo Amâncio se vira para o chapeado e completa a sua sextilha, mudando completamente o rumo da proposta inicial voltada para o avô:

… A paga do chapeado
Agora, causou-me espanto:
Quem tem tanto, deu tão pouco,
Quem tem tão pouco deu tanto!

A falta de escola no sertão, a pobreza das pessoas e a falta de oportunidade de trabalho constituem a paisagem de onde saem os tipos que se popularizam no folclore. É também de Geraldo Amâncio esta criativa estrofe que fez numa cantoria com seu colega de ofício Severino Feitosa:

Quem nasce onde eu nasci
E se cria sem escola,
Andando com pés descalços
Ou currulepe de sola,
Ou cresce pra ser vaqueiro
Ou cantador de viola.

As cenas de humildade criadas e vividas pelo próprio repentista são lições de vida que nos dão todos esses tipos sertanejos. Lourival Batista (1915-1992) inicia uma cantoria dizendo que Manoel Xudu (1932-1985) era “Cascavel dos dos versos”, por isso estava pronto para se defender do “seu veneno”. Xudu aproveita a deixa e se justifica com estes versos antológicos:

Pra você sou tão pequeno
Como semente de fumo,
Mas devido à confiança
Junto de você me aprumo;
E, embora meio imprensado,
De todo jeito me arrumo.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES DE FERNANDO SABINO

“Se lhe posso dar um conselho, é este: não tente apanhar o fruto verde para que ele não apodreça na sua mão.”

“O importante não é dizer, é saber. Certas coisas não se dizem, porque dizendo, deixam de ser ditas pelo não-dizer, que diz muito mais.”

“A gente sofre muito: o que é preciso é sofrer bem, com discernimento, com classe, com serenidade de quem já é iniciado no sofrimento. Não para tirar dele uma compensação, mas um reflexo.”

“Há pessoas que têm o dom de inspirar-me uma fulminante simpatia à primeira vista – quase sempre, aliás, injustificada.”

“Vou escrever alguma coisa que não sei o que seja, justamente para ficar sabendo. E que só eu posso me dizer, mais ninguém.”

“Quando eu era menino, os mais velhos perguntavam: o que você quer ser quando crescer? Hoje não perguntam mais. Se perguntassem, eu diria que quero ser menino.”

“Já me disseram que sou bom de chegada e ruim de saída. Devo reconhecer que é verdade. Mas a culpa não é minha.”

“Não posso responsabilizar ninguém pelo destino que me dei. Como único responsável só eu posso modificá-lo. E vou modificar.”

“Tudo que sentia era saudade da sua presença. Chegava tarde da noite, encontrava a casa às escuras. Era obrigado a atravessar silenciosamente a sala e subir para o quarto, resistindo à tentação de bater à sua porta sob o pretexto de saber se por caso ela ainda estaria acordada.”

“Sou sempre alegre – daquela alegria interior dos fronteiriços da debilidade mental e que, portanto, têm ainda uma oportunidade de salvação.”

“Estava, por assim dizer, num instante de transição em que a existência parece pairar em suspenso entre dois vazios ou entre dois mistérios que se completam.”

“A cada manhã eu quero renascer, eu quero refazer tudo, desaprender tudo, recomeçar a aprender tudo de novo. Eu queria olhar o mundo com os olhos lavados de pureza e de inocência como um menino.”

“A verdadeira inspiração é aquela que nos impele a escrever sobre o que não sabemos, justamente para ficar sabendo.”

“Façamos da interrupção um caminho novo. Da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sonho uma ponte, da procura um encontro!”

“… o diabo desta vida é que entre cem caminhos, temos de escolher apenas um e viver com a nostalgia dos outros noventa e nove. Pois bem: a literatura é como se você tivesse de renuciar a todos os cem.”

“Brigamos com os outros porque são exatamente aquilo que gostaríamos ser e não somos.”

“Os homens se dividem em duas espécies: os que têm medo de viajar de avião e os que fingem que não têm.” Por isso existem momentos

“O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

“Entregar-se na carência é correr o risco de se doar sem correspondências, acreditar em miragens quando estás ao deserto, é amar sem existir amor, agarrar o irreal e acordar com terra na boca.”

“Fazer uma análise e situação da vida outra pessoa e aconselhá-lo (a), é fácil. Difícil mesmo é analisar-se de formas justas, aconselhar-se, seguir seus próprios conceitos e intuitos.”

“- Você quer conhecer o segredo de ser um menino feliz para o resto da sua vida?

– Quero – respondi.

O segredo se resumia em três palavras, que ele pronunciou com intensidade, mãos nos meus ombros e olhos nos meus olhos:

– Pense nos outros.”

Fernando Sabino (1923-2004) foi um escritor, jornalista e editor brasileiro. Recebeu diversos prêmios, entre eles, Prêmio Jabuti pelo livro “O Grande Mentecapto” e o prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras. Foi condecorado com a Ordem do Rio Branco, no grau de Grã-Cruz, pelo governo brasileiro. Seu maior sucesso, o romance “O Encontro Marcado”, foi publicado em 1956. Fernando Sabino faz parte da terceira fase do modernismo brasileiro (ou pós-modernismo). Suas obras apresentam o anticonvencionalismo dessa geração, além de questões existenciais e diálogo interior.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

POESIA PURA DOS POETAS DO SERTÃO

Se de faca ou de punhais
Um crime de um filho ocorre,
Uma mãe agoniada
Pra casa da outra ocorre
Que a mãe do filho que mata
Conforta a mãe do que morre.

Ivanildo Vila Nova

No sertão que eu fui criado
Quando a manhã principia,
No trapézio do espaço
Uma nuvem rodopia
E o sol destranca os ferrolhos
Das portas brancas do dia.

Geraldo Amâncio

Se o pranto é irmão do riso
Nascido do mesmo amor
Tanto me faz estar rindo
Como sentindo uma dor
Que o sofrimento é da vida
Como o perfume é da flor.

Job Patriota (1929-1992)

O meu verso vai cortando
O sertão abrasador
E chega à mesma hora
Que o caboclo agricultor
Abre a camisa e se abana
Pra esfriar o calor.

Moacir Laurentino

Eu canto de noite a dia
Com acerto ou desacerto,
O verso nunca sai frouxo
E nem precisa de aperto
Pra cantar o universo,
Que a máquina de fazer verso
Nunca pediu um conserto.

Zé Cardoso

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES ANÔNIMAS INTELIGENTES

“Não importa onde você parou. Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante: acreditar em você de novo.”

“O principal segredo da felicidade é parar de se vitimizar e tomar as rédeas da sua própria existência. Pare de pensar que é uma vítima das circunstâncias e torne-se responsável pelo seu destino, obrigue-se a ser feliz!”

“A coragem é sempre maior quando misturada com mansidão, a capacidade intelectual é mais admirada quando brilha no cenário da modesta autodesconfiança, e nunca a alma humana pareceu tão forte como quando renuncia a vingança e ousa perdoar qualquer lesão.”

“Aqueles que sofrem muito são como os que aprenderam muitas línguas: compreendem a todos e se fazem compreender por todos.”

“Muitas vezes procuramos alegria pelas ruas, avenidas, nos outros, e de repente, descobrimos que ela está dentro de nós.”

“O tempo é nosso grande mestre, que ameniza nossas dores, cuida das nossas feridas e cura as cicatrizes, da incompreensão do desamor, da falsidade, das derrotas temporárias, dos que se aproximam de nós apenas em benefício próprio. Só o tempo mostra os verdadeiros amigos.”

“Não tenha medo de tentar. Errou? Excelente! Ótima oportunidade para aprender a lição, amadurecer e seguir em frente.”

“Nem sempre quem cala consente. Às vezes, só é mais inteligente evitar uma discussão com aquele que não se propõe a ouvir.”

“Há quem acredite que a felicidade acontece apenas para as pessoas que têm sorte, mas eu discordo. Acredito que a felicidade vem para quem a busca, para quem luta por ela e crê estar no caminho de se tornar um merecedor.”

“Para que haja qualquer mudança, é preciso dar o primeiro passo, e esse vai ser o mais difícil de todos eles, porém depois o caminho segue.”

“Aceitar que a vida não é feita só de acertos e vitórias é fundamental. Há muito aprendizado nos erros, e o segredo está em assumi-los, observá-los e mudar o que precisa, quantas vezes for necessários.”

“Seríamos mais felizes se não precisássemos viver numa sociedade onde numa parte, seres sentem tanta dor e na outra parte, finge-se que a dor alheia não nos afeta.”

“Na escola, primeiro te ensinam uma lição e depois aplicam uma prova. Na vida, primeiro aplicam uma prova, e depois você aprende a lição.”

“Uma pequena mudança de pensamentos, atitudes, pode ser a tão esperada chave daquela porta que você tanto sonha em abrir.”

“Se pudéssemos ter consciência do quanto nossa vida é passageira, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes.”

“A alegria não está em uma conquista ou em um objetivo: a alegria está em ser satisfeito com aquilo que você já tem. Valorize sua vida e seja grato!”

“Somatização é tudo aquilo que você não diz, e a mente não suportando a pressão do conteúdo armazenado, manifesta em forma de doença. É a doença que vem da emoção.”

“O que é a vida senão a arte de nascer, crescer, colocar ou não frutos nesta Terra, costurar a colcha dos dias com retalhos de sonhos e realidades procurando viver a cada segundo como se fosse o último!”

“Quanto mais maduros, menos ofendidos ficamos. Quanto mais satisfeitos, menos comparações fazemos. Quanto mais amados, menos afirmações precisamos.”

“Entre os erros do passado e a incerteza sobre o futuro, o presente nos escapa. A habilidade de lembrar o passado e a capacidade de projetar o futuro pode se tornar uma faca de dois gumes que usamos, mais ou menos inconscientemente e com muita pouca habilidade. para transformar um bom presente em uma realidade miserável.”

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUNS POEMAS BREVES

TRIBUTO À ELZA SOARES

Elza Soares partiu
Na vida, uma guerreira
Na canção, talentosa
Venceu toda barreira
Foi corajosa na dor
Conquistando o amor
Da nação brasileira.

USAR BEM O TEMPO

Use todos os dias
Para algo aprender,
Utilize esse tempo
Quando quiser ascender,
Quem age dessa forma
Com certeza vai vencer!

PRINCÍPIO DA DESCRENÇA

Assunto novo compare
Igual a uma semente
Possível de germinar
No solo da sua mente
Você pode questionar
E, também, não aceitar
O mote é experimente!

INSPIRAÇÃO

O dia ao amanhecer
É fonte de energia
Faço belas estrofes
Rimando com harmonia
Versos quase perfeitos
Lembrando uma sinfonia.

AJUDAR AO PRÓXIMO

É preciso despertar
Fazendo assistência
Auxilie quem precisa
Ganhe experiência
Ajude na superação
Pratique uma boa ação
Acima de divergência.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUMAS DAS MELHORES FRASES DE CLARICE LISPECTOR

“Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo.”

“Por que é que as coisas um instante antes de acontecerem parecem já ter acontecido? É uma questão de simultaneidade de tempo.”

“Eu queria escrever luxuoso. Usar palavras que rebrilhassem molhadas e fossem peregrinas. Às vezes solenes em púrpura, às vezes abismais esmeraldas, às vezes leves na mais fina macia seda rendilhada.”

“Não me corrija. A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim. E, se você me acha esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar.”

“Criava as mais falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade. A felicidade sempre iria ser clandestina para mim.”

“Agarrava-se a um fiapo de consciência e repetia mentalmente sem cessar: eu sou, eu sou, eu sou. Quem era, é que não sabia. Fora buscar no próprio profundo e negro âmago de si mesma o sopro de vida que Deus nos dá.”

“Estou cansada. Meu cansaço vem muito porque sou uma pessoa extremamente ocupada: tomo conta do mundo.”

“Sim, minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.”

“Estou tentando entender. Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi. Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.”

“O bom é que a verdade chega a nós como um sentido secreto das coisas. Nós terminamos adivinhando, confusos, a perfeição.”

“Eu amo a minha cruz, a que doloridamente carrego. É o mínimo que posso fazer de minha vida: comiseravelmente o sacríficio da noite.”

“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para frente.”

“É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo.”

“Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.”

“Vivemos exclusivamente no presente pois sempre e eternamente é o dia de hoje e o de amanhã será um hoje, a eternidade é o estado das coisas neste momento.”

“Se você se sente infeliz agora, tome alguma providência agora, pois na sequência dos agoras é que você existe.”

“Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada… Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro…”

“Acho que devemos fazer coisa proibida – senão sufocamos. Mas sem sentimento de culpa e sim como aviso de que somos livres.”

“Sou um ser concomitante: reina em mim o tempo passado, o presente e o futuro, o tempo que lateja no tique-taque dos relógios.”

“Apesar de sentir raiva diante das injustiças e dores do mundo, talvez esse sentimento seja útil como uma forma de enfrentar a realidade e tomar uma ação para mudança. Ou seja: nem todo sentimento ruim é totalmente ruim, podemos usá-lo a nosso favor.”

Clarice Lispector (1901-1964) foi uma premiada escritora e jornalista nascida na Ucrânia e naturalizada brasileira – e declarava quanto a sua brasilidade, ser pernambucana – autora de romances, crônicas e ensaios. A talentosa Clarice é considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX. Sua obra está repleta de cenas cotidianas simples e tramas psicológicas, demonstrando profundo conhecimento da alma humana. Clarice Lispector é um marco em nosso Modernismo e suas obras continuam entre as mais lidas no país. A autora, vale lembrar, figura como uma das primeiras escritoras a ganhar notoriedade nacional, ao lado de grandes nomes: com Rachel de Queirós e Cecília Meireles, tendo, portanto, também um papel fundamental para desconstruir preconceitos e ampliar o horizonte para tantas outras mulheres na literatura.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A RELIGIÃO NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

A neve desce tão fria
Por Alpes e Pirineus;
Vem beijar o chão dos ricos
E o casebre dos plebeus;
Pedaço de gelo eterno,
Do frigorífico de Deus!

Ivanildo Vila Nova

Eu sei que Deus não recebe
Quem tem as culpas demais;
Quem bateu num inocente
E deu ponta pé nos pais,
Se chegar perto do céu
São Pedro empurra pra trás.

Sebastião da Silva

Admiro muito o padre
Que seu conselho tem luz
Toda sua pregação
Nasce nos braços da cruz
Massa de trigo em mão dele
Vira corpo de Jesus.

Manoel Xudu (1932-1985)

Descobri por mim mesmo
Que a tristeza vem da dor
Carinho vem da ternura
A paixão vem do amor
A verdade vem de Cristo
E os versos, do cantador.

Maximino Bezerra

Jesus, a maior ciência
E a mais verdadeira história
O justo mais perseguido
A luz de toda memória
Enquanto eu puder falar
Hei de cantar tua glória.

Zé da Viola

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES DE MANOEL DE BARROS, O POETA QUE REVOLUCIONOU A LINGUAGEM

“Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos.”

“No fim da tarde, nossa mãe aparecia no fundo do quintal: meus filhos, o dia já envelheceu, entrem pra dentro.”

“Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós.”

“Gorjeio é mais bonito do que canto porque nele se inclui a sedução. É quando a pássara está enamorada que ele gorjeia.”

“Tudo aquilo que nos leva a coisa nenhuma e que você não pode vender no mercado como, por exemplo, o coração verde dos pássaros, serve para poesia.”

“Poderoso não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre
as insignificâncias (do mundo e as nossas)
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.”

“Tentei descobrir na alma alguma coisa mais profunda do que não saber nada sobre as coisas profundas. Consegui não descobrir.”

“Pois minha imaginação não tem estrada. E eu não gosto mesmo de estrada. Gosto do desvio e do desver.”

“Senhor, ajudai-nos a construir a nossa casa
Com janelas de aurora e árvores no quintal-
Árvores que na primavera fiquem cobertas de flores
E ao crepúsculo fiquem cinzentas
como a roupa dos pescadores.”

“Sou muito egoísta e narcisista. Meu mundo sou eu em carne e letras. Sou o que produzo e o que não consigo produzir. Sofro um pouco nessa parte de não poder produzirr.”

“Meditei sobre as borboletas. (…) Vi que elas podem pousar nas flores e nas pedras, sem magoar as próprias asas.”

“Cristo foi um dos grandes poetas do mundo – tanto que já passaram 20 séculos por cima de suas palavras e elas são vivas e reviçadas todos os dias.”

“Agora eu penso uma garça branca de brejo ser mais linda que uma nave espacial. Peço desculpas por cometer essa verdade.”

“Cresci brincando no chão, entre formigas. De uma infância livre e sem comparamentos. Eu tinha mais comunhão com as coisas do que comparação.”

“Sei que meus desenhos verbais nada significam. Nada. Mas se o nada desaparecer a poesia acaba. Eu sei. Sobre o nada eu tenho profundidades.”

“Poesia é um lugar onde a gente ainda pode fazer com que um absurdo seja sensatez.”

“Me exibo através de ficar sob as cinzas. Sou sempre uma pose falsa tirada no escuro. Me exibo de costas. Eu faço o nada aparecer.”

“Eu sou minha imaginação e meu lápis. Quando o lápis acerta um erro, ele percebe e grita por uma borracha. Visto que eu seja atrasado por não usar computador.”

“[É preciso] desinventar os objetos. O pente, por exemplo. É preciso dar ao pente funções de não pentear. Até que ele fique a disposição de ser uma begônia. Ou uma gravanha. Usar algumas palavras que ainda não tenham idioma.”

“Sei que fazer o inconvexo aclara as loucuras. Sou formado em desencontros. A sensatez me absurda. Os delírios verbais me terapeutam.”

“No descomeço era o verbo.
Só depois veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá, onde a criança diz:
Eu escuto a cor dos passarinhos.”

Toda a poesia e simplicidade de Manoel de Barros é tema de exposição em São  Paulo | Blog Leiturinha

Manoel Wenceslau Leite de Barros (1916 – 2014) foi um poeta brasileiro do século XX, pertencente, cronologicamente à geração 45, porém formalmente ao pós-modernismo brasileiro, localizando-se mais próximo das vanguardas europeias do início do século, da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswaldo de Andrade. O poeta mato-grossense Manoel de Barros buscava conjugar em sua obra elementos regionais com aflições existenciais e um surrealismo bastante particular. Sua formação era cosmopolita. Graduado em Direito e familiarizado com a moderna poesia francesa, chegou a viver no Rio de Janeiro, mas acabou se recolhendo a uma fazenda no pantanal.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

VIVER É FÁCIL

É tão fácil viver bem, entretanto complicamos com intensidade nossa vida. Devemos simplificar ao máximo o nosso dia a dia. Não devemos ter a pressa que aniquila o verso. Há necessidade de sermos calmos e assim evitar a contaminação pelo vírus do imediatismo. Ter paciência porque tudo tem o seu tempo certo para acontecer, lembrando que ninguém pode colher sem plantar.

Vamos semear a paz, que começa em nós, por onde passarmos. É mais importante atos públicos e passeatas. Amparar aqueles que, temporiaramente, estão sofrendo dores físicas, morais ou psíquicas. Uma palavra amiga é sempre bem-vinda para amenizar a dor.

Ser solidário com as vítimas de injustiças. Dar injeção de ânimo e esperança a fim de que não percam a fé em dias melhores. Praticar a caridade não só material, mas, principalmente, ter disposição de ouvir. Falar só o necessário para contribuir com a dor do próximo e calar quando o silêncio for o melhor para quem está sendo assistido.Ter respeito pelo ser humano qualquer que seja a posição social, raça, religião e não discriminar ninguém pela opção sexual.

Irradiar otimismo e ser uma pessoa com bom humor têm o propósito de contribuirmos para aliviar a tristeza e o desânimo daqueles que estão melancólicos, tristes ou deprimidos. Um comportamento antiético pode ferir a integridade das pessoas, alguns exemplos desses comportamentos são mentir, difamar ou inflamar informações sobre alguém, então, repetiremos os versos desse poema de Mário Quintana (1906-1994):

POEMINHA DO CONTRA

Todos esses que aí estão
Atravacando meu caminho,
Eles passarão…

Eu passarinho!