CARLITO LIMA - HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA

Caro Prefeito eleito de Maceió, João Henrique Caldas:

Machado de Assis em seu célebre romance apresenta a Teoria de Quincas Borba na frase que ficou famosa “Ao vencedor as Batatas”. Essa frase indica que apenas as disputas, as guerras (e as eleições) levam um grupo à vitória, e nesse caso o vencedor é simbolizado com o ganho das batatas, ou seja, aquele que mais apto venceu a concorrência do meio. Significa que pela disputa da Prefeitura de Maceió, as batatas, a “batata quente” está em suas mãos. Foi uma vitória de repercussão nacional por ter vencido o candidato apoiado pelo governador Renan Filho e o pai, senador Renan Calheiros. Eu votei no meu querido amigo, Alfredo Gaspar, um homem honrado, e continuo cidadão de Maceió, por isso quero desejar uma excelente administração à frente de minha cidade, essa linda.

“A democracia é o mais complicado dos regimes políticos, mas não há nenhum sistema melhor que ela”, dizia o nobre inglês, herói da 2ª Guerra Mundial, Winston Churchill. No início da República Brasileira, os eleitos tinham força de donos do Estado, quase ditadores. Felizmente a democracia evoluiu às duras penas, hoje no Brasil o sentimento de pertencimento do cidadão é latente, o amor à cidade não é privilégio.

Trocando em miúdes, quero dizer que o senhor foi eleito para administrar Maceió, é quem vai definir as prioridades e escolher seus auxiliares dentro dos compromissos políticos, assim é a democracia. Os compromissos com o povo durante a campanha eleitoral são tão importantes quanto os compromissos com quem o apoiou. E o senhor é prefeito de toda a cidade e de todos os cidadãos, mesmo os que não votaram na sua chapa (com um vice do quilate de Ronaldo Lessa), continuam cidadãos e proprietários da cidade que a partir de 1º de janeiro o senhor governará.

E como cidadão maceioense, o maior título que obtive na vida quando nasci no bairro histórico de Jaraguá, tomando banho de mar na praia da Avenida, por essas mal traçadas linhas vou iniciar minhas reinvindicações para melhorar a qualidade de vida do povo.

Hoje a Europa vive praticamente do Turismo, é a maior força econômica do mundo. E nossa belíssima cidade tem a vocação do turismo; já existe uma política econômica e bom trabalho nesse setor, mas há muito que fazer. Por exemplo, o turismo cultural, as agências de receptivos fixam-se apenas nas praias, encantando os turistas com a cor do mar. Não existe o turismo cultural, embora tenhamos dentro da cidade um Corredor Histórico, um roteiro pronto para ser explorado: Iniciando no Espaço Pierre Chalita, logo depois o bairro histórico de Jaraguá com a Praça Dois Leões, a Igreja Nossa Senhora Mãe do Povo onde num passado distante houve uma chacina dentro da Igreja com mais de 20 mortos, essa história ficou abafada para população.

Ainda em Jaraguá está o belo prédio do Arquivo Público, o IPHAN, o Museu de Imagem e Som (MISA), a Associação Comercial e vários prédios antigos barrocos. Continuando o corredor descortina a centenária Avenida da Paz (1920-2020) com o coreto, o Memorial da República e mais adiante o Museu de Folclore Théo Brandão. Entrando em direção ao Centro a Praça Sinimbu temos a casa do poeta Jorge de Lima e o Espaço Cultural da UFAL. Subindo a ladeira encontramos a Praça Dom Pedro II, a Assembleia Legislativa, a Biblioteca Estadual e a Catedral. Seguindo a Rua do Sol logo se vê o maravilhoso Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, o museu de nossa história. Adiante a Praça dos Martírios. Igreja dos Martírios, O Museu Pierre Chalita e o Museu do Palácio Floriano Peixoto (MUFA).

Terminaríamos o passeio histórico na Praça Deodoro onde fica a Academia Alagoana de Letras, o belo prédio do Tribunal de Justiça e o centenário Teatro Deodoro, onde haveria um show de nosso folclore. Fica a sugestão, ideia do Douglas Apratto. Mas para que o turismo aconteça profissionalmente é preciso um trabalho de saneamento acabando com as línguas sujas das praias e despoluindo a praia da Avenida da Paz, a mais bonita praia do Brasil. Robusteça a economia com o turismo, Prefeito, será a redenção econômica da cidade, que todos tenham usufruto dessa economia. Paro aqui, minha coluna tem pouco espaço. Um abraço no João Caldas, amigo de velhas datas. Muita coisa a ser feita nessa cidade, olhe para os pobres e calce as sandálias da humildade, são as batatas quentes do vencedor.

4 pensou em “CARTA A JHC

  1. Amigo Carlito Lima, esse seu artigo está primoroso e é um exemplo a ser seguido por qualquer pessoa, com domicilio eleitoral em Maceió. Principalmente aquelas que detêm algum tipo de liderança. O prefeito eleito, seja ele quem for, tem que ser cobrado para estabelecer políticas e ações que venham em benefício da comunidade, ainda que ele tenha alguma dívida com eventuais apoiadores de sua campanha. E essa cobrança tem que ser diuturna, permanente.

  2. Deus permita que o jovem prefeito eleito em Maceió possa ouvir e aproveitar a voz da experiência que, somente o tempo pode trazer;

Deixe uma resposta para Paulo Terracota Cancelar resposta