MAGNOVALDO SANTOS - EXCRESCÊNCIAS

Meu curso ginasial, incluindo a “Admissão ao Ginásio” (sou daquela época), foi feito na Escola Agrícola Gustavo Dutra em São Vicente, a 90 quilômetros de Cuiabá, hoje Instituto Federal de Mato Grosso, entre 1955 e 1959.

Um de meus colegas se chamava Silvio, e era conhecido por Carreupa, apelido de origem incerta e não sabida, mas que tampouco o desagradava.

Carreupa era proprietário de 237 neurônios no total, o bastante para aprender os ensinamentos escolares em nível suficiente para passar de ano. Índio grosso, era, entretanto, um amigão sempre disposto a ajudar, sorridente, nunca reclamava de nada e mantinha um espírito alegre e positivo.

Quando terminou o curso ginasial resolveu seguir seus estudos e foi encaminhado, como todos nós de São Vicente, ao Colégio Agrícola Nilo Peçanha em Pinheiral, Estado do Rio (hoje Instituto Federal do Rio de Janeiro), igualmente sob a administração do Ministério da Agricultura.

Fui aluno desse Colégio Agrícola de 1960 a 1962, onde tive um dos períodos mais felizes de minha juventude.

Pinheiral fica junto aos trilhos da antiga Estrada de Ferro Central do Brasil, entre Volta Redonda e Barra do Piraí, não sendo ponto de parada da maioria dos trens de passageiros com destino ao Rio de Janeiro. Somente uns poucos trens de subúrbio com destino a Japeri paravam em Pinheiral. Não havia serviço regular de ônibus naquela época. A estação de trem de Pinheiral foi desativada há muitos anos atrás.

A antiga estação de trem de Pinheiral, RJ

Meu querido amigo Carreupa veio de Cuiabá a São Paulo de ônibus e de ônibus continuou até Volta Redonda, quando foi informado que teria que tomar um trem para Pinheiral. E agora, como se faz para tomar um trem? Como é isso?

Com as informações obtidas, comprou uma passagem de trem até Pinheiral e ficou na plataforma apropriada esperando a próxima composição.

Acontece que o próximo a estacionar na plataforma foi um trem de minério de ferro que havia acabado de desembarcar sua carga na Usina Siderúrgica da CSN em Volta Redonda e estava voltando para Minas Gerais. Teve que parar na estação por alguns minutos esperando luz verde para seguir na rota.

Carreupa viu o trem parado e não titubeou. Achou que esse era o seu trem. Jogou sua mala no vagão de minério parado à sua frente e pulou para dentro dele em seguida.

Ora, se há alguma coisa neste mundo que está cheia de pó de ferro é um vagão de minério do mesmo. E o nosso Carreupa, oitavado num canto do vagão, recebeu toda a carga de pó de minério no rosto, braços, cabelos, roupa, sapatos, mala e em tudo o mais que fazia parte de sua figura. Com o trem em movimento e dentro de um vagão aberto, o vento se encarregou de impregnar esse pó em todos os milímetros quadrados do Carreupa e de seus pertences.

Na próxima parada da composição Carreupa leu a placa com o nome da estação: “PINHEIRAL”.

– Oba, é aqui que eu desço.

Pegou sua mala, pulou do vagão e ei-lo chegando em Pinheiral mais preto que bunda de nigeriano, coberto de uma camada de 3 milímetros de pó de minério de ferro, somente com o sorriso branco estampado na negra figura, e reclamando do serviço:

– Esse troço só pode ser obra do cão. Não existe viagem mais miserável no mundo do que nesse tal de trem. Deus me livre de viajar nessa porcaria de novo!

Deixe uma resposta