CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Berto:

Lendo o livro Código da Vida, de Saulo Ramos, encontrei essa pérola com o atual ministro Celso De Mello:

Saulo Ramos foi consultor-geral da República e ministro da Justiça no governo Sarney (1985-1990). Celso de Mello foi seu secretário na Consultoria Geral da República, nomeado ministro do STF por Sarney, por empenho de Saulo Ramos.

Quando o PMDB negou a legenda para Sarney disputar o Senado, o maranhense candidatou-se pelo Amapá. Houve impugnação e o caso acabou no Supremo Tribunal Federal.

No dia do julgamento do mérito, Sarney ganhou, mas o último a votar foi o ministro Celso de Mello, que votou pela cassação da candidatura.

Segundo o advogado, o ministro explicou que votou contra para desmentir a Folha de S. Paulo que, na véspera, citara o seu nome como um dos votos certos a favor do ex-presidente.

Eis o diálogo entre Saulo Ramos e Celso de Mello reproduzido no livro (pág. 170):

– Espere um pouco. Deixe-me ver se compreendi bem. Você votou contra o Sarney porque a Folha de São Paulo noticiou que você votaria a favor?

– Sim.

– E se o Sarney já não houvesse ganhado, quando chegou sua vez de votar, nesse caso, votaria a favor?

– Exatamente. O senhor entendeu?

– Entendi. Entendi que você é um juiz de merda!

Bati o telefone e nunca mais falei com ele”.

R. Meu caro amigo e colunista fubânico Carlito, a expressão “juiz de merda, usada por Saulo Ramos, resume de forma certeira e irretorquível quem é o urubu capa preta chamado Celso de Mello.

Não precisa dizer mais nada.

Na verdade, uma casa que é presidida por Toffoli – e que tem na atualidade, entre outros componentes, gente como Gilmar e Lewandowski -, ocupa, na escala de decência, uma qualificação que fica muitos graus abaixo de zero.

A expressão usada por Saulo Ramos, “juiz de merda“,  dita por um sujeito que sabe das coisas e que foi eternizada numa página de um excelente livro de memórias, enquadra perfeitamente bem não apenas Celso de Mello, mas também um monte de gente que tem assento naquela casa da Praça dos 3 Poderes. Que se tornou um antro bem distante e diferente dos tempos em que o STF era um tribunal sério, honrado e respeitável.

O livro citado por você, meu amigo Carlito, está aqui na minha estante.  Foi publicado pela Editora Planeta em 2007.

O jurista Saulo Ramos encantou-se em 2013, aos 84 anos de idade.

O diálogo que você transcreveu na sua mensagem está contido no capítulo 85, que começa na página 168.

Um grande abraço pra toda patota fubânica dessa paradisíaca Maceió!!!

5 pensou em “CARLITO LIMA – MACEIÓ-AL

    • Eu também sei Adonis …..

      Pergunto: Como organizar nossas forças para executar o plano de um Brasil mais forte, mais justo, mais igual e portanto melhor.

      Não podemos contar com o Jipe quebrado, nem com o cabo e o soldado que estão se cagando de medo.

      Me chama que eu vou ……………………….

Deixe uma resposta