DEU NO JORNAL

Renato Sant’Ana

Os camaleões são répteis notáveis por mudarem de cor.

Em sua pele há células que contêm nanocristais flutuantes, os quais refletem a luz em comprimentos de onda e cores conforma a posição e o espaço entre si: à medida que os cristais se reorganizam, altera-se a cor do animal.

É incrível, mas eles trocam a cor de propósito, ocultando a identidade para enganar adversários e para despistar predadores. Também o fazem para conquistar: quando um camaleão pantera macho encontra uma fêmea, por exemplo, sua pele muda de verde para o amarelo.

É o maravilhoso espetáculo da natureza!

Nada de maravilhoso há, porém, quando em defesa do autointeresse, humanos agem como camaleões, enganando para conquistar a confiança alheia: o que á é cinismo, malandragem egoísta e trapaça vulgar.

E é sabido que, no dito “mundo da política”, o comportamento camaleônico está muito presente.

Convém que nos perguntemos por quê.

Um dos mais repulsivos exemplos é o dos militantes de ideologias materialistas, que se fazem passar por cristãos.

Lula propôs ao PT, como estratégia de retomar o poder, criar “núcleos evangélicos”, ideia que lhe surgiu durante os 580 dias em que esteve preso por corrupção e teve tempo para ver pastores evangélicos na TV.

Foi em tom de deboche, falando a uma tal TV do Trabalhador, que Lula disse querer “entrar nessa”. E que até tem “jeitão de pastor”.

Neste 2020, o cinismo está solto.

Em sua coluna, Cláudio Humberto registra: “Campanhas do PT Brasil afora, evitam usar a tradicional simbologia partidária, como a estrela petista. Jilmar Tatto, em São Paulo, não evitou a cor vermelha, mas trocou a estrela por um coração”.

A comunista Manuela D’Ávila, candidata à prefeitura de Porto Alegre, além de adotar um discurso que esconde suas crenças materialistas e seu combate ao cristianismo, mudou a forma de se vestir para ficar parecida com uma recatada mulher evangélica – puro marketing eleitoreiro.

Em 2018, Fernando Haddad e Manuela, em campanha eleitoral, foram a uma igreja católica, ouviram missa e fingiram rezar.

Mas talvez a melhor síntese da reptiliana ética da esquerda esteja na fala do então deputado petista Wadih Damous, em 2018, ao referir-se ao ministro Gilmar Mendes (STF): “O Gilmar, hoje, é nosso aliado”.

Como disse Lula, a esquerda “faz alianças de ocasião e fala só o que as pessoas querem ouvir”.

É o fenômeno do mimetismo, pelo qual, para enganar adversários, certos animais, como camaleões (e alguns animais políticos), tomam a cor e a configuração dos objetos ou de outros seres do meio em que vivem.

Pois o mimetismo é o truque do momento na política. E só o é porque são muitas as pessoas de boa inclinação moral que se deixam iludir pelas aparências, gente que ignora a máxima de Schopenhauer:

“Quem espera que o diabo ande pelo mundo com chifres, será sempre sua presa”.

1 pensou em “CAMALEÕES E A ARTE DE ENGANAR

Deixe uma resposta