A PALAVRA DO EDITOR

Em todos os pronunciamentos dos candidatos à presidência da Câmara dos Deputados, ouvi falar em “busca do entendimento”. Enquanto ouvia, lembrei-me de Churchill: “Quanto mais longe você conseguir olhar para trás, mais longe enxergará para frente”. E se o estudo da História para muito me tem servido, há bom lugar nesse conhecimento para a convicção de que com certos adversários não há conciliação possível. Novamente, nas palavras de Churchill: “Um apaziguador é alguém que alimenta um crocodilo esperando ser o último dos devorados”. Foi ele, pessoalmente, liderando seu povo, que livrou a humanidade do nazifascismo.

O que estou afirmando não é grito de guerra, mas fé inexorável na democracia, na livre escolha dos povos, na autonomia das nações, na liberdade e nos princípios e valores que a vida me mostrou terem validade comprovada. Quero, portanto, que, no regime democrático, esses valores sejam prevalentes, não sejam derrotados por adversários que transitam pelas páginas da história como os cavalos de Átila.

O discurso do entendimento serve como luva às mãos dos derrotados de 2018. Entre nós, seria o retorno ao ambiente político que vigeu durante mais de duas décadas no Brasil sem encontrar resistência. É fazer de conta que nada aconteceu. Para usar a expressão hoje na moda, é “passar pano”, mas em lixo nuclear! Qual a vantagem de fazê-lo para “conciliar” com quem, fora do poder, faz oposição contando caixinhas de chiclete e latinhas de leite condensado? Valha-me Deus!

Não pode haver entendimento entre tão diferentes visões de mundo, de pessoa humana, de liberdade, de sociedade, de valores, de princípios, de Estado, de funções de poder. Pergunto: não passaram ao controle dos ministérios da verdade (profetizados por George Orwell) e criados pelas Big Techs, as redes sociais que democratizavam a comunicação? Não notamos qualquer semelhança entre as orientações da Netflix e da Globo? Estamos satisfeitos com o que está sendo produzido, aqui, pelo sistema de ensino em geral e pelas nossas universidades em particular? Mil vezes não.

Portanto, a disputa política é disputa necessária, indispensável. Não por acaso, ocorre em todas as democracias do Ocidente. Recentemente foi assim nos Estados Unidos. Com diferentes qualidades de conteúdo, vem sendo assim em países como Itália, Espanha, Áustria, Portugal, Polônia, Hungria, República Tcheca, Finlândia, Letônia, Eslováquia, Bulgária. E Suécia, e Alemanha, e Chile. É uma percepção das democracias ocidentais.

Quem vê suas liberdades ameaçadas, suas opiniões censuradas no que já foi um espaço de liberdade, sua cultura sendo deliberadamente destruída, não cede poder para um entendimento impossível. No Brasil, isso representa o retorno ao período anterior a 2014, quando perdíamos por W.O.. Sequer comparecíamos à disputa.

Por fim, veja o que está acontecendo com a evasão para novas redes sociais que se anunciam como espaços de liberdade. Também isso é sinal dessa divisão que tem longa data e validade, cujo reflexo, em regime democrático, conduz à vitória eleitoral de um ou de outro lado. Pode ser que um dia, olhando para trás, aprendendo com o passado, vendo o mal feito e o bem conquistado, possamos, como Churchill, enxergar para frente. E formarmos consensos razoáveis. Divisão, contudo, sobre algo, ou em relação a alguém, sempre haverá.

3 pensou em “BUSCAR ENTENDIMENTO? SOBRE O QUÊ? COM QUEM?

  1. Puggina sempre perfeito ba suas análise , principalnente quando enriquece com as lições da história que a esquerda teima em cancelar.
    E sobre acordo com a esquerda so mesmo o duelo com um AR15 na mão como já propus aqui.

  2. Não tem diálogo com aquele que propõe seu extermínio. Lula se regozijava em 2010 que naquela eleição não havia ninguém de direita. Fazia de tudo para extinguir o DEM, que na época enxergava como sendo partido de direita (não era).

    Imaginem agora com o Bolsonaro no poder? Não deixam nem ele formar um partido, que não teria tempo de TV nem fundo partidário.

    Então não me venham os isentões criticarem a polaridade direita – esquerda.

  3. Prezado Senhor Percival,

    Considero seu artigo simplesmente MAGISTRAL. ABSOLUTAMENTE PERFEITO!

    é AQUELE TIPO DE ARTIGO QUE NÓS LEMOS E DIZEMOS: GOSTARIA MUITO DE TER ESCRITO ISSO.

    Venho ressaltando há já muito tempo que os regimes liberais enfrentam um paradoxo cruel. TEMOS DE SER INEXORÁVEIS COM AQUELES QUE QUEREM NOS DESTRUIR A LIBERDADE!!!

    Você tem liberdade para fazer absolutamente tudo o que quiser da sua vida. MENOS ENCHER O SACO DE QUEM ESTÁ AO SEU LADO, OU TENTAR TOLHER-LHE ESTA MESMA LIBERDADE.

    A pena para este tipo de crime deveria ser a fôrca ou a guilhotina. Simples assim.

Deixe uma resposta