ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A felicidade é um momento de satisfação, onde a pessoa se sente completamente realizada, nesse espaço de tempo não existe nenhum tipo de sofrimento. Ela é formada por uma diversidade de emoções e sentimentos, que pode ser por um motivo específico, como um sonho realizado, ou até mesmo o caso de indivíduos que são conhecidos por serem sempre felizes e de bom humor, em que não é necessário nenhum motivo especial para eles atingirem esse bem-estar.

Ser feliz é um anseio do ser humano que o acompanha durante toda a vida. A procura do autoconhecimento ajuda na transformação de desejos em vontade e da vontade em um projeto de vida de resultado proveitoso. Aprendendo a ser responsável pelas próprias opções, assumindo o sofrimento dos equívocos e insucessos e o gosto das conquistas e vitórias.

Muitas pessoas confundem felicidade com uma boa situação financeira, possuir bens e ter uma vida confortável. Ledo engano! Se o dinheiro trouxesse felicidade, todas as pessoas de alto poder aquisitivo seriam felizes. O ideal é entender que o dinheiro pode nos trazer comodidade e nos livrar de privações. Ele pode nos proporcionar experiências intelectuais e culturais, como viagens, por exemplo, mas a felicidade genuína vem de coisas essenciais. Dinheiro é importante, mas não primordial. Sem ele podemos passar por problemas, mas ele por si só, não é suficiente. É importante investir em nós, nas nossas relações pessoais, em nossa saúde física, mental e social, entendendo o que nos faz bem.

Recorro ao admirável mundo do repente para finalizar essas considerações de forma poética. O talentoso poeta, cantador e cordelista Silvino Pirauá de Lima (1848-1913), chamado de “enciclopédico” pelos seus conterrâneos, sintetizou o desapego aos bens materiais com estes versos criativos e ricos de sabedoria:

Tanta riqueza inserida
Por tanta gente orgulhosa,
Se julgando poderosa
No curto espaço da vida;
Oh! Que ideia perdida.
Oh! Que mente tão errada,
Dessa gente que enlevada
Nessa fingida grandeza.
Junta montões de riqueza,
E tudo vem a ser nada.

7 pensou em “BREVE REFLEXÃO SOBRE FELICIDADE

  1. A felicidade é um assunto que tenho lido ultimamente. O artigo aborda com muita habilidade a diferença entre possuir riqueza com o fato de ser feliz. A felicidade é determinada mais pelo estado mental da pessoa do que por acontecimentos externos. Quanto maior o nível de serenidade da mente, maior será nossa paz de espírito e maior nossa capacidade de levar uma vida feliz e prazerosa. Saliento que felicidade plena é do coração, é própria da vida, está sempre presente e não precisa ser criada ou conquistada. A felicidade plena pode somente ser vivida no momento presente, no aqui e agora.

    • Vitorino,

      É gratificante receber um comentário complementando de forma brilhante a breve reflexão sobre felicidade. A maior das pessoas anseia por uma vida na qual as alegrias momentâneas de êxtase possam, de alguma forma, se tornar permanentes. Atingir o estado de alegria e felicidade é o objetivo último e a condição de vida mais elevada. Entretanto. êxtase ou alegria não se encontram em algum lugar no depois, mas sim onde estamos agora. Alegria que germina de nossa prática da fé em nós mesmos, da fé na vida e do modo como a administramos e no sentido mais profundo de vida que visualizamos para nós através de nossas crenças.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  2. Estou de acordo com o bem escrito artigo sobre ser feliz. Entretanto, por já ter tido um episódio de depressão faço uma ponderação sobre a cobrança que as pessoas fazem pela felicidade. Vivemos uma época em que ser feliz é uma obrigação – as pessoas tristes são indesejadas, vistas como fracassadas completas. A doença do momento é a depressão. Ela é o mal de uma sociedade que decidiu ser feliz a todo preço. Muitos de nós estão fazendo força demais para demonstrar felicidade aos outros – e sofrendo por dentro por causa disso. Felicidade está virando um peso: uma fonte terrível de ansiedade.

  3. Neide,

    Parabéns pela coragem de compartilhar seu episódio de depressão. Concordo que os pacientes sofrem preconceito pela doença, e têm ques se esforçar para esconde-la. Aproveito a ocasião para fazer uma pondederação sobre depressão.
    A depressão é um distúrbio cujas características vão muito além da tristeza. O indivíduo sente-se infeliz na maior parte do tempo, mesmo sem causa aparente. Começam a surgir sentimentos de apatia, indiferença, desesperança, falta de perspectivas ou prazer pela vida. A depressão é doença séria e, se tratada no início, terá uma cura rápida.
    Envio uma estrofe do repentista Job Patriota (1929-1992) demonstrando sabedoria quando, em versos compreensíveis, explicou de forma clara, objetiva e didática a necessidade do homem conviver com os sentimentos de tristeza e alegria:

    Dor, tristeza e alegria
    É tudo do mesmo tanto
    Felicidade completa
    Só conheço em quem é santo
    Pois em cada gole de riso
    Há cem mil gotas de pranto.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  4. Parabéns pelo excelente texto, prezado Aristeu!

    A felicidade é um estado de espírito…é um “estado de graça”… ; é a sensação de contentamento e bem-estar.
    Achei lindos e muito verdadeiros os versos do talentoso poeta, cantador e cordelista Silvino Pirauá de Lima (1848-1913), sobre a felicidade.

    Realmente, “em cada gole de riso, há cem mil gotas de pranto”.

    Grande abraço!

    Feliz feriadão, com muita saúde e Paz!

    Violante

  5. Violante,

    Muito obrigado por seu comentário com observações importantes e pertinentes sobre a felicidade. Esse assunto pode experimentado em três níveis: Felicidade na sociedade e no meio ambiente, Felicidade da mente e Felicidade da alma. A verdadeira felicidade é quando você encontra estabilidade interior, conforto íntimo e quando você sabe que está conectado a algo muito maior do que você pode imaginar. A verdadeira felicidade é quando você sabe que existe algum poder em você que é inabalável – o poder Divino.
    Aproveito a oportunidade para compartilhar um poema de Clarice Lispector (1920 – 1977), um dos maiores nomes da literatura brasileira do Século XX, com a prezada amiga:

    PESSOAS FELIZES

    As pessoas mais felizes não
    têm as melhores coisas.
    Elas sabem fazer o melhor das
    oportunidades que aparecem
    em seus caminhos.
    A felicidade aparece para
    aqueles que choram.
    Para aqueles que se machucam.
    Para aqueles que buscam
    e tentam sempre.

    Um início de semana pleno de paz, saúde e alegria

    Aristeu

  6. Obrigada, amigo Aristeu, por compartilhar comigo esse belo poema da poetisa Clarice Lispector (1920 – 1977), considerada um dos maiores nomes da literatura brasileira do Século XX.
    Grande abraço e uma ótima semana!

    Violante

Deixe uma resposta