RODRIGO CONSTANTINO

Durante o governo Bolsonaro, o Brasil se alinhou ao Ocidente, defendeu Israel, aproximou-se dos Estados Unidos e criticou moralmente a ditadura chinesa sem deixar isso prejudicar nosso comércio. Não obstante, o país era chamado de pária pela mídia, pois Macron criticava a política ambiental de olho em nossa Amazônia.

Era tudo narrativa ideológica e mascarando interesses obscuros, claro. O Brasil bolsonarista jamais foi um pária internacional de verdade. Já o Brasil lulista… em poucos meses de governo, ficamos de fora de um documento da ONU condenando os abusos da ditadura de Daniel Ortega na Nicarágua, em que mais de 50 países foram signatários. Era só o começo…

O presidente Lula culpa a Ucrânia pela guerra que quer solucionar numa mesa de bar. Vai à China e defende sair do dólar como moeda de lastro do comércio mundial, além de dar claros sinais de simpatia para com o regime comunista em meio a essa Guerra Fria renovada. O Washington Post, jornal de esquerda, chega a questionar se Lula é mesmo aliado ocidental, alegando que parece ter uma “agenda própria”. A ficha está caindo no mundo todo.

Os globalistas ocidentais não são flor que se cheire, mas certamente são menos nefastos do que os regimes tirânicos euro-asiáticos e do Oriente Médio. Lula sempre foi próximo do Irã dos aiatolás, e durante o primeiro governo foi companheiro de Ahmadinejad, aquele que pretendia “varrer Israel do mapa”. Agora aceitou receber dois navios de guerra iranianos, numa clara afronta ao povo judeu.

Nessa disputa geopolítica pelo poder global, Lula deixa cada vez mais claro que pretende colocar o Brasil ao lado dos piores regimes. Se temos inúmeras críticas aos Estados Unidos e ao Canadá, em especial sob tais governos medíocres de esquerda, tais países ainda representam o mundo livre, contra Rússia, Irã e China. O Brasil lulista flerta abertamente com a turma detrás da Cortina de Ferro.

Lula vai receber hoje Serguei Lavrov, chanceler russo que faz sua primeira viagem internacional desde o começo da guerra contra a Ucrânia. Para a velha imprensa, Brasil está “sob olhar desconfiado dos principais parceiros do Ocidente”. Eufemismo brabo para não dizer que nos tornamos um pária mundial.

Até o esquerdista global Caio Blinder, que fez o L, ficou incomodado: “Lavrov, o chanceler da ditadura Putin, inicia hoje no Brasil (pseudoneutro na guerra da Ucrânia) viagem pela América Latina. Para dar a medida da vergonha (para a Rússia e o Brasil), as outras escalas são a santíssima trindade das ditaduras na AL: Venezuela, Nicarágua e Cuba”. Ora bolas, mas não são os regimes apoiados desde sempre por Lula e seu PT?! Qual a surpresa do esquerdista, então?

O mesmo jornalista militante resumiu: “Lula não merece diminutivos por seu papel em política externa. Lula tem um papelão”. Mas tal papelão era totalmente previsível, e só tucanos cegos ou dissimulados não perceberam isso. A ameaça bolsonarista, por outro lado, era totalmente imaginária e exagerada, mas nunca um típico tucano desses vai dar o braço a torcer. Contra Trump e Bolsonaro eles querem qualquer coisa, mesmo quem cospe no legado ocidental e bajula regimes comunistas nefastos.

O mundo vive tempos estranhos e perigosos, pois as lideranças ocidentais são fracas e frouxas, priorizando agendas absurdas como ideologia de gênero ou “ameaças climáticas”. Os líderes tirânicos inimigos da liberdade aproveitam a avançam. Lula colocou o Brasil ao lado dessa gente podre. É uma vergonha, claro. Mas quando o pessoal tucano fez o L, isso era mais do que esperado. Não dá para se fazer de sonso agora…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *