DEU NO JORNAL

Rodrigo Constantino

“O presidente Bolsonaro resolveu fazer uma brincadeira na “live” desta terça-feira e disse: quem for de direita toma cloroquina, quem for de esquerda toma tubaína. A fala foi motivo de bastante celeuma, e o site O Antagonista chegou a pedir a “interdição” do presidente:

Cada um reage de uma maneira diferente em meio a uma crise. Sabemos que muitos têm feito brincadeiras nas redes sociais para descontrair o ambiente ou tentar afastar o medo.

Bolsonaro sempre teve como seu trunfo a transparência e a espontaneidade – até demais, alegam alguns. Ele estava defendendo, uma vez mais, o uso da hidroxocloroquina apesar de ausência de estudos mais robustos, por ter um risco baixo.

Se daqui a dois anos comprovarem que não funcionava muito, tudo bem; mas e se comprovarem que era mesmo eficaz? Essa foi a justificativa, bastante razoável, para defender um medicamento que está na praça há décadas e com baixo risco, tanto que o Jornal Nacional afirmou que grávidas podiam tomar durante a zika:

A hidroxicloroquina finalmente estará no protocolo oficial do governo em fase precoce de sintomas, como deveria ser, em minha opinião. Médicos na linha de frente da batalha contra a pandemia tomam, e o presidente Donald Trump está tomando de forma profilática, ou seja, preventiva. O risco é reduzido, os benefícios podem ser reais.

Dito isso, claro que seria melhor ter um presidente com maior seriedade e empatia pelas vítimas num momento desses, em que o Brasil contabiliza quase 20 mil óbitos na pandemia. Como liderança máxima da política, seria muito melhor se evitasse certas brincadeiras infelizes, que servem apenas para politizar ainda mais algo que deveria ser apenas científico, como um remédio. Essa politização, porém, tem ocorrido por parte da imprensa, como podemos ver novamente no site Antagonista:

Enquanto isso, o ex-presidente Lula fala sério sobre as “vantagens” da pandemia. Ele disse, com todas as letras: “Ainda bem que a natureza criou esse monstro”. O bandido se referia ao fato de que, na crise, até liberais reconhecem a importância do estado. Eis sua abjeta fala, digna de um sociopata:

A esquerda radical sempre usou crises para avançar com seu nefasto projeto socialista. O uso de metáforas de guerra não é coincidência: a “guerra contra a pobreza” ou a “guerra contra as desigualdades” justificam todo tipo de centralização de poder no estado, sua meta principal. Nunca desperdiçariam uma pandemia!

O que Lula confessa é o que muito esquerdista pensa, mas não admite. Nos Estados Unidos, os democratas mais radicais estão em polvorosa tentando usar a pandemia como pretexto para uma “mudança de paradigma”, ou seja, de sistema econômico. Acham que a crise é uma ótima oportunidade para transformar o país numa espécie de província chinesa!

Quem ataca o “neoliberalismo” na pandemia está atacando um espantalho. Todos os liberais reconhecem que, nesse momento, o aumento de gasto público se justifica. Paulo Guedes é liberal e está fazendo exatamente isso. Mas será crucial retornar aos trilhos da austeridade quando o pior passar. E aqui que mora a diferença: a esquerda quer o estado gigante e irresponsável sempre, como se o estado de emergência fosse permanente. Isso seria a falência do sistema econômico!

Eis o resumo da ópera: temos um presidente um tanto escrachado que não respeita a liturgia do cargo, que faz piada em hora errada e que não demonstra empatia dentro do que o politicamente correto espera, com sua visão estética de mundo, mas que vem agindo para preservar as liberdades e os empregos dos brasileiros; e temos um ex-presidente corrupto que enxerga benefícios ideológicos numa pandemia, mas que é poupado por boa parte da mídia e da intelectualidade nacional.

E ainda vemos “liberais” arrependidos do voto em Bolsonaro, como se preferissem um poste de Lula no poder!

29 pensou em “BOLSONARO DEFENDE ALGO CERTO BRINCANDO, E LULA DEFENDE ALGO MONSTRUOSO FALANDO SÉRIO

  1. Entre um ladrão e um maluco difícil dizer quem tem menos razão. A liturgia do cargo nunca esteve tão abalada nos últimos meses como abalados ficaram os cofres da nação nos últimos 16 anos. Falta-nos sorte, falta-nos estadista.

  2. Pois eu prefiro mil vezes o presidente “maluco”, autêntico, espontâneo, que dá caneladas, faz piadas de tiozão e não tem medo de encarar o povão; ao que fala sério quando diz que uma tragédia humanitária e econômica mundial provocada pela China comunista é boa dede que atinja o adversário político.

    E parabéns, Berto. Belíssimo texto.

      • Desculpe, que eu não tinha visto o Autor,

        Tá reparado o erro.

        Mas fique de parabéns também por ter escolhido o texto.

    • “Pompa”,”circunstância” e “liturgia do cargo”. O tal Sancho Pança, como o tal João Francisco preferem mil vezes o presidente “maluco”, autêntico, espontâneo, que dá caneladas, faz piadas de tiozão, não tem medo de encarar o povão e certamente não entende porra nenhuma de liturgia do cargo…
      O sujeito que votou em Bolsonaro deve estar preocupadíssimo com as críticas ao modo pão com manteiga no balcão do boteco, que encarna o atual presidente… Quer saber? Desce para o Pança um pingado bem quentinho e uma dose caprichada de álcool em gel, que hoje eu quero me embebedar!!!!!

  3. Acho o comentário de Xico um decreto a volta da racionalidade. Quero dizer, apenas, que Lula tem usado esse linguajar não é de hoje:
    1) Pelotas exportadora de veados;
    2) As mulheres de grelo duro;
    3) É melhor político corrupto do um funcionário concursado;
    4) A equipe econômica está parecendo um bando de contadores;
    Apenas pra citar algumas. Lula bordou desculpa e tudo bem porque Lula pediu desculpas. Lula roubou o país, e tudo bem porque Lula não sabia que o país estava sendo roubado.

  4. ……….Entre um ladrão e um maluco difícil dizer quem tem menos razão… O COMENTARISTA ACIMA ACERTOU NA MOSCA!!! SENÃO VEJAMOS:

    Há duas facções que andam infernizando a vida do cidadão comum: de um lado, a comunistada ladrona que tenta preservar, a todo custo, a imagem de um bandido de estimação e se empanturrar de nortadela; do outro, uma manada avacalhada que tem como ídolo um arruaceiro bunda suja e se farta de ruminar capim e palma forrageira.

    P.S.: – Juntando tanto a comunistada quanto à manada não sobra uma colher de cinzas…

  5. Prezado Altamir,
    Acho que o colega pisou na bola, e feio!

    Chamar essa imensa multidão, composta por dezenas de milhões de brasileiros, que votaram em Bolsonaro por quererem ver nosso país livre das hordas de sindicalistas e comunistas ladrões, de ” manada avacalhada que tem como ídolo um arruaceiro bunda suja e se farta de ruminar capim e palma forrageira”, sinceramente, foi um pouco além da conta.

    Menas! Como diria o filólogo Lula.

    Se o senhor repetir essa gracinha, e mesmo discordando de algumas atitudes do nosso Presidente da República, serei forçado a repostar-lhe em termos menos respeitosos e de igual calibre dos que o senhor usou..

    • “Pompa”,”circunstância” e “liturgia do cargo”. O tal Sancho Pança, como o tal João Francisco e sem deixar dúvidas, o Adônis, preferem mil vezes o presidente “maluco”, autêntico, espontâneo, que dá caneladas, faz piadas de tiozão, não tem medo de encarar o povão e certamente não entende porra nenhuma de liturgia do cargo…
      O sujeito que votou em Bolsonaro deve estar preocupadíssimo com as críticas ao modo pão com manteiga no balcão do boteco, que encarna o atual presidente… Quer saber? Desce para o Pança um pingado bem quentinho e uma dose caprichada de álcool em gel, que hoje eu quero me embebedar!!!!!

      • Por ter os neurônios chamuscados pelo óleo quente que quase me matou hoje (exagero seu, señor Pança) COPIO descaradamente o Adônis: Chamar essa imensa multidão, composta por dezenas de milhões de brasileiros, que votaram em Bolsonaro por quererem ver nosso país livre das hordas de sindicalistas e comunistas ladrões, de ” manada avacalhada que tem como ídolo um arruaceiro bunda suja e se farta de ruminar capim e palma forrageira”, sinceramente, foi um pouco além da conta.

        • 500 dias sem 1 centavo de corrupção, nem roubo, nem furto – e – apesar do Nhonho, do Alcolumbre, do STF, et caterva atrapalhando e pondo toda sorte de obstáculos.

          E ainda há os que acham pouco?!?

          Vão, então, passar lixa de ferro no anel do fiofó – para que ele esteja brilhando, na esperança de voltarem a tomar no cu, que é o que Vcs merecem e querem.

          E não se esqueçam – enquanto Vcs. dão o rabo – de se cobrirem com a liturgia do cargo, com o politicamente correto e outras “delicatessens” e frescuras que são o que Vcs. merecem – bando de ofendidas borboletas deslumbradas.

    • Quanta delicadeza ! Digo por mim: seu Altamir, manada é o caralho. O único com chifres aqui me parece o senhor. O senhor por caso votou no Andrade ? Então tá explicado. O senhor votou nulo ou branco ? Então, enfie o galho dentro e não dê pitaco, pois não tem o direito algum e espere mais dois anos para bostejar e por fim, vá tomá no cú.

  6. EXISTE MANADA QUE É MAIS SOFISTICADA E SE RECUSA A RUMINAR CAPIM E PALMA FORRAGEIRA. OS CHAMADOS P.O.(PURO DE ORIGEM) PREFEREM FENO…

    • Meu caro, vou perguntar novamente: recebeu uma mensagem que mandei pra você sobre a sua coluna? A coluna que você não mandou nas duas da últimas segundas-feiras, dias 11 e 18 de maio? Estou perguntando por aqui, no espaço dos comentários onde você se encontra, porque pelo e-mail não tive seu retorno. Fico no aguardo. E agradeço antecipadamente a sua gentileza, pois tenho certeza que irá me dar resposta.

  7. Entre louco e ladrão prefiro sempre um louco. Porque olhando de perto ninguém e normal. Nem o Bizerra.
    O louco do JB só queria fazer rima como os artistas fazem e até foi politicamente correto pq se fosse eu rimaria cloroquina com cocaína.

  8. Prezado Luiz Berto,

    Você me pegou de surpresa. Pegando a sua deixa eu também resolvi sair de férias. Só que, sua férias foi mais curta e ligeirinha que só coice de preá…
    Portanto, de onde eu me encontro, hoje, não tenho como enviar as mensagens.

    P.S.: – A partir do começo de junho terei uma satisfação esporrante em voltar as postagens no SEGUNDA SEM LEI e escrever nas brilhantes páginas eletrônicas do JBF, atividade que tanto prezo e me sinto honrado em participar desse grupo de primeiro nível.

    Saudações fubânicas,

    • Ufa!!! Que alívio. Excelente notícia, meu caro. Sua coluna é um dos pontos altos desta gazeta escrota. Eu e os leitores sentimos muito sua falta. Gratíssimo pelo retorno. Abraços e muito sucesso.

      • Também fiquei muito feliz em saber que o nosso
        estimado amigo e colunista estará de volta no
        mês de Junho.
        Sinto muito por ter perdido duas semanas sem a
        sua preciosa coluna,. que para mim como cinemaníaco
        foi tão infeliz como essa estuporada quarentena
        imposta ao povo.
        A propósito: Não estou vendo ou sentindo uma reação
        à altura com relação a declaração do finado \Lula.
        Se fosse feita pelo Bozo, já estaríamos sob impeachment
        rápido e feroz, com direito a carnificina nas ruas de todo Brasil.

  9. Para constar:

    Não me arrependo de ter votado em Bolsonaro. Nas circunstâncias, era o certo a fazer.

    Porém, entretanto, todavia, entrementes e contudo, o fato de ter votado nele não me obriga a considerá-lo perfeito e infalível, e tampouco me tira o direito de criticá-lo.

    Infelizmente o Brasil amargará por muito tempo o azar de ter enfrentado um desafio como a pandemia de covid sem uma liderança à altura deste desafio.

    • Caro Marcelo,

      A tal liderança que tanto cobram do PR o STF junto com o congresso retirou toda.

      Na atual situação da pandemia o Governo Federal, dentro das limitações impostas tem feito muito até.

  10. Prezado Luiz Berto,

    Eu faço como aquele personagem filho do Chico Anísio: nem tanto mestre… nem tanto… Mas desde já fico lisonjeado pelas suas palavras.

    Abraços,

  11. Discordo. Erros do STF e do Congresso (são muitos) não justificam erros do presidente (também são muitos). E liderança não se tira. Ou se tem ou não se tem.

    Meu velho pai costuma dizer “prá mau fodedor até os bagos atrapalham”.

  12. Porra!
    É muita discussão por pouco.
    O Antagonista é ligado a empresas de aplicações financeiras em bolsa. Pronto.
    O tal de Diogo Mainardi no mínimo ou é “menina” ou é covarde, pois de longe quer dar pitacos e com certeza não tem coragem suficiente para vir aqui e dar as suas opiniões.

    O que fiz?
    Fui um dos primeiros a “assinar” quando do lançamento a participação na Cruzoé e no Antagonista.

    Faz 03 semanas que liguei prá essa merda e cancelei as duas assinaturas.

    Me perguntaram o motivo do cancelamento:
    Já que perguntaram eu disse: Esse acesso tornou-se um site de fuxicos.
    e o Antagonista um site de Fuxico de Puteiro.

    Economizei…..

  13. Caro Berto,

    O artigo está primoroso, mas acho um desperdício comentar qualquer notícia que tenha sido publicada na Gazeta do “Boulos de Veneza”.
    Como já revelado e novamente informado acima por Waldir A. Gobbi Augusto, o Boulos de Veneza é um invasor do espaço jornalístico para atender às ordens do seu patrão. A credibilidade é zero.
    Se alguém ainda está dando uma “olhadinha” na Folha da Empiricus está compromentendo seriamente o seu estado mental nesse momento terrível de pandemia, isolamento e quarentena.

Deixe uma resposta