DEU NO JORNAL

Rodrigo Constantino

Poderíamos falar de coisas mais sérias. Poderíamos falar das reformas que precisam ser aprovadas nesse ano. Poderíamos falar dos novos projetos para segurança do ministro Moro. Mas sabemos como as “tretas” rendem na era das redes sociais. Então vamos a elas.

Pedro Bial “causou” ao dizer o óbvio, pois o óbvio não pode mais ser dito em certos meios. O apresentador da Globo provocou “polêmica” ao afirmar que o “documentário” de Petra Costa, “Democracia em Vertigem”, “é uma ficção alucinante” e que ele deu muita risada ao ver o filme.

“Achei muito engraçado o filme. É um non sequitur atrás do outro”, disse, referindo-se à falácia lógica de que a conclusão não se segue da premissa. Bial criticou ainda a narração de Petra, “miada, insuportável”, já que ela fica “choramingando o filme inteiro”. Impossível negar.

E concluiu com uma análise psicológica da autora bem interessante: “É um filme de uma menina dizendo para a mamãe dela que fez tudo direitinho, que ela está ali cumprindo as ordens e a inspiração da mamãe, somos de esquerda, somos bons, nós não fizemos nada, não temos que fazer autocrítica. Foram os maus do mercado, essa gente feia, homens brancos, que nos machucaram e nos tiraram do poder, porque o PT sempre foi maravilhoso e o Lula é incrível”.

Novamente, impossível discordar. O esquerdismo caviar dessa elite culpada é um claro sintoma de infantilismo patológico, de gente que se mostrou incapaz de amadurecer na vida. Chamar de documentário tanta mentira maniqueísta é forçar demais a barra, por mais que a ideia de imparcialidade plena tenha sido abandonada faz tempo.

E por falar em parcialidade… o petista Zé de Abreu voltou a ofender colegas por questões ideológicas. o ator recebeu críticas à esquerda e à direita, na semana passada, ao criticar a atriz Regina Duarte por aceitar o convite de Jair Bolsonaro para ocupar a Secretaria Especial da Cultura.

Em uma postagem no Twitter, ele afirmou que iria “desmascarar” a atriz: “Lembra de quantos gays lhe tiraram rugas? Coloriram seus cabelos brancos? Criaram figurinos para esconder suas banhas?”. Abreu foi acusado de ser machista e misógino.

Em áudios enviados à coluna, ele afirma que recebeu o apoio de várias mulheres em seu perfil na rede social. Diz que não dá para respeitar quem apoia Bolsonaro nem considerar ser humano um fascista. “Fascista não tem sexo”, afirma. “Vagina não transforma uma mulher em um ser humano.” “Eu não vou parar. Eu sou radical mesmo e estou num caminho sem volta”, diz.

Não é fofo? Bolsonaro já elogiou Ustra, então basta: quem for para seu governo é um fascista! Quem diz isso? O mesmo que apoia o ex-presidente que babava ovo do tirano Fidel Castro, do assassino Che Guevara, do ditador Nicolás Maduro, entre tantos outros. O duplo padrão dessa turma é assustador.

E a hipocrisia é do movimento feminista também. Da mesma forma que as feministas radicais ficaram em silêncio quando a atriz Susan Sarandon disse que não era para votar com a “vagina”, ao defender apoio ao comunista Bernie Sanders no lugar de Hillary Clinton, vão novamente ficar quietas agora. Afinal, Zé de Abreu é “um dos seus”, é um extremista de esquerda, e é disso que se trata o movimento feminista em sua terceira geração.

Pedro Bial é um cara inteligente, mas infelizmente costuma ser patrulhado na emissora “progressista” em que trabalha, e provavelmente não faria uma análise tão realista (“dura”) sobre o “documentário” em seu programa. Zé de Abreu é da casa, pode cuspir em mulher, pode xingar qualquer um que não seja comunista, pode atacar até colega de trabalho, que continuará com seu feudo garantido.

Há uma espiral de silêncio no meio, e um salvo-conduto para esquerdistas. Não por acaso artistas pediram para Regina Duarte apagar a mensagem com seus pares que deram apoio à sua ida para a Secretaria da Cultura. A turma sabe onde o calo aperta. E em que pese todo discurso descolado, o que importa no final do dia é o tilintar da moeda na conta. Falta coragem, a virtude mais importante de todas!

Deixe uma resposta