A PALAVRA DO EDITOR

Jessier Quirino, um amigo muito dileto e colaborador desta gazeta escrota (hoje é dia de sua coluna…), é um dos maiores contadores de causos e acontecências, matutas e urbanas, que existe na atualidade.

Seu talento pra escrever é tão grande quando o talento para fazer apresentações, lotar teatros e encantar plateias em todo o Brasil.

Por diversas ocasiões, em encontros, entrevistas e programas, eu sempre ressaltei o fato de que Jessier tem um imã pra atrair presepadas e presenciar ocorrências inusitadas.

E tudo serve de combustível e matéria pros seus escritos, narrações e declamações.

Pois ontem, quarta-feira, ele me ligou pra contar mais um desmantelo que havia presenciado em sua terra, a movimentada e sempre buliçosa Itabaiana.

Jessier mora na rua principal, que ele costuma chamar de “Champs-Élysées de Itabaiana”.

Um recanto de mundo pra lá de movimento e onde se assucede de tudo.

Do outro lado da rua, bem em frente à sua casa, tem um bar que está sempre cheio, e onde tive o prazer de tomar umas bicadas anos atrás, quando ainda não estava nessa miserável abstinência compulsória.

Era de madrugada, duas horas da manhã, e o bate-boca começou.

Jessier, que passa a madrugada escrevendo, gravando e produzindo, abriu a janela e ficou apreciando: xingamentos, palavrões, bufetes e cadeiras avuando nos ares.

Um quebra-pau da peste!

Tudo começou quando uma sapatona foi usar o banheiro feminino e uma outra freguesa disse que ela não podia entrar: aquele banheiro era só pra fêmeas e ela, a sapatona, deveria usar o banheiro dos machos.

No que a sapatona respondeu gritando:

– Pois eu também sou mulher e tenho buceta.

E a primeira respondeu:

– Buceta quem tem sou eu!!!

E aí o pau cantou.

Foi tapa que só porra, gente correndo e o cacete comendo no centro.

Jessier resumiu a história numa mensagem que me mandou pelo zap:

“Foi cadeira avoada, moto-vai, moto-vem, puxincói, pega pra lá e pra cá; entra no carro; grito de ataque de kung-fu; com pouco mais as bucetas se soltavam do arrocha e novo cu-de-boi se formava. Juntou anão de bicicleta grande. E polícia que bom neco.”

Quem quiser ver a notícia dada pela imprensa local, com direito a um pequeno vídeo, clique na imagem abaixo:

5 pensou em “BACURINHAS EM FÚRIA

  1. Na página do jornal “PBhoje” também tem a seguinte manchete:

    “Garota de programa é morta a tiro por amiga”

    Lembrei-me do grupo Les Luthiers, que disse, muito tempo atrás:

    “Se aquele que se diz teu amigo crava uma faca em tuas costas, deves desconfiar dessa amizade.”

  2. Rapaz… A tapa vadiou de cum força, vum!!!
    O tabefe comeu no centro!!!

    Na Casa De Sinhá
    Benito Di Paula

    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá

    Eu cheguei meio atrasado
    O samba já tinha começado
    Lá na casa de Sinhá
    Se eu cheguei, eu sou chegado
    Cidadão colou no meio
    Dançando e pediu um iê-iê-iê
    Sinhá não gostou do pedido
    Pôs o pau para comer – e o pau comeu!

    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá
    O pau comeu lá na casa de Sinhá

Deixe uma resposta para maurinojunior Cancelar resposta