CARLITO LIMA - HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA

Professor de talento e vocação como Tobias é raro. Dedica sua vida ao magistério, ensina em colégios e faculdades. Um dos professores mais antigos da Universidade. Ainda não se aposentou por amar a nobre profissão, seus cabelos grisalhos dão-lhe respeitabilidade, como ele gosta.

Austero, não admite falta ou atraso de alunos, em sua matéria só passa quem souber, no seu entender o professor tem a responsabilidade de mostrar a importância da disciplina durante a vida profissional. Tobias jamais aceitou as prevaricações descaradas de certos professores em aventuras com alunas, como é o costume de alguns colegas.

Acontece que o demônio aparece sem deixar perceber. Muitas vezes o capeta surge travestido em uma mulher bonita, ele é treloso e sabe das fraquezas humanas. O satanás incorporou-se em Dalila, aluna bonita, cabelos pretos, longos, olhos grandes, amendoados, sobrancelhas cerradas, pele macia, uma perdição. Ela parece não ser desse mundo, é galáctica, como dizem os homens de olho nela.

Há algum tempo Tobias notou estranho o comportamento de Dalila, usando vestidos sensuais em demasia, passou a tirar dúvidas das aulas com o professor no final da aula. Tobias se prontificava, entretanto, sentia-se incomodado com a proximidade e o perfume da aluna. Ele ficava com o sangue fervilhando quando a aluna se achegava mais perto vestindo saia curta, exibindo as belas pernas com uma borboleta tatuada na batata esquerda. Aquela tatuagem deixava Tobias emocionado. A diabinha sentiu a fraqueza do professor, durante as aulas sentava-se na primeira fila, abria as pernas com classe e sensualidade. Ela mostrava a calcinha exclusivamente para ele.

Dalila perturbou o professor durão, ela não saía de sua cabeça, em casa pensava nas pernas abertas e a calcinha branca. E a tatuagem? À noite sonhava com um enxame de borboletas voando ao seu redor

Certa tarde, após a aula, a jovem pediu para tirar uma dúvida. Ele explicou, tirou a dúvida da moça. Aproveitou que estavam sozinhos e falou que havia um assunto importante. Foi direto ao assunto.

– “Dalila, você sempre foi uma moça comportada, discreta; de um tempo para cá tenho notado mudança em seu comportamento, principalmente seus vestidos curtos, suas calças justas, não sou contra, sou um liberal na política e no viver, não me intrometo com a vida dos outros, acontece que sua nova maneira de proceder me tira a atenção. Quero lhe pedir dois favores: que se vista mais composta e assista as minhas aulas nas últimas bancas. Faça-me esse favor!”

Tobias falou rápido esperando alguma resposta da aluna, contudo, ficou sem ação ao ver Dalila levantar-se, caminhar até a porta da sala de aula, trancá-la à chave, retornar sorrindo, ato contínuo abriu o zíper ao lado da saia, deixando-a cair. Tobias não resistiu quando a moça o abraçou, deitaram-se por trás do birô. Amaram-se como dois animais, ali na sagrada sala de aulas.

Ao terminar ele sentiu-se culpado, vexado. A aluna cochichou em seu ouvido: “Quero mais amanhã, sei que você não trabalha nas quartas-feiras, lhe espero na Avenida da Paz, em frente ao coreto às três horas. OK?”.

Ele emudeceu olhando Dalila se afastar, abrir a porta, e desaparecer. O comportado professor passou o resto do dia e a noite pensando naquele pecado. Quando o diabo atenta, difícil se controlar. Na tarde seguinte, em frente ao coreto, estava Dalila mais bela que nunca. Levou-a ao motel, ficou louco com a aluna na cama.

Passaram a se amar quando podiam durante a semana. Aos sábados e domingos descanso, ele casado, ela ajudava ao pai no restaurante. Até que certa manhã, depois de três meses e meio de amor ardente e bom consumo de viagra, Tobias ficou surpreso quando sua Deusa, a diaba, entrou na sala de aula com roupa composta, mal cumprimentou o professor. Assim continuou pelo resto da semana.

Em um momento propício, Tobias tomou coragem, pediu um particular. Perguntou o motivo daquela mudança, daquele distanciamento, ele estava louco de paixão, querendo amor. Dalila respondeu com tranquilidade, sem algum remorso.

-“Não me leve a mal, eu desejava experimentar um amor maduro. Posso dizer que gostei de tudo, Tobias. Acontece que vou me casar em fevereiro, precisava dessa experiência. Meu futuro marido é mais jovem, bonito, rico. É um primo tem uma enorme fazenda em Monteiro, lá na Paraíba. Só conversa sobre boi e cavalo. É extremamente conservador, diz que fazer sexo anal e oral com a esposa é falta de respeito. Foi quando eu tive a ideia de antes de casar fazer uma experiência, uma aventura descompromissada com alguém que entendesse do assunto. Escolhi bem, agradeço suas experientes carícias. Seus dedos, suas mãos, seus lábios, marcaram todo meu corpo, momentos deliciosos e inesquecíveis, entretanto, pretendo ser fiel a meu marido, não vou repetir. Obrigada por tudo, professor, o senhor foi maravilhoso”

No dia da formatura Tobias recebeu um formal aperto de mão e um piscar de olho maroto de Dalila, como agradecesse as aulas particulares do professor.

Deixe uma resposta