ATRAVESSANDO AS PAREDES

Lá pelos mil novecentos e quarenta e três, Marcel Aymé escreveu um conto que tem sido considerado o precursor do realismo fantástico.

Trata-se de O Passa-Paredes, ambientado em Paris, que conta a história de um cabra safado que adquiriu a capacidade de atravessar estruturas sólidas e que, nessa condição, passou por dentro de portas, paredes e cofres-fortes, assaltou um banco e tornou-se figura central do noticiário jornalístico da época.

Não li o livro, ainda, me contaram que ele teve um probleminha e perdeu os poderes justamente no meio da passagem por uma parede, ficando preso ali, meio dentro, meio fora.

Talvez estivesse vindo ou indo de seus encontros amorosos, pois consta que as mulheres suspiravam por ele, por recebê-lo em seus aposentos pudicos da bèlle époque.

Pensei que isso fosse só lenda, quando, descendo as sinuosas ruas de Montmartre, encontro a parede onde o cara ficou atravessado!

Sim, lá está ele! Como tenho bom coração, achei que poderia tirá-lo de lá, segurei-lhe a mão e puxei, mas… nada! Ele está preso e bem preso à parede.

Abandonei-o lá, meio para dentro, meio para fora, penalizado com sua situação.

Alguns dias depois, recebi a notícia de que uma mulher desvendou o segredo dele, de passar por dentro das paredes – uma palavra especial, ou alguma poção poderosa? – e que sofreu o mesmo destino: ficou agarrada pelo meio.

As autoridades afirmam que ela também fez uns assaltos e que fugia pelo caminho inverso ao do passa-paredes anterior.

E concluíram que por algum motivo, aquela parede, aquela única parede onde os dois ficaram presos, tem a capacidade de desfazer o encanto.

Porém, diferentemente do Passa-Paredes original, essa mulher deixou escrita a fórmula para adquirir o poder de atravessar as paredes: estava em um papel preso debaixo do seu pé, que vi e retirei.

Dizia assim : L’amour traverse le mur.

É falar a frase e enfiar o pé na parede.

Experimentei, deu certo. Já atravessei várias em Paris.

Brasil, me aguarde!

Só espero não ficar também agarrado pelo meio dentro de uns tijolaços aí quando eu for ver o Lula.

32 pensou em “ATRAVESSANDO AS PAREDES

  1. Goiano

    Excelente sua estória. É pura literatura da boa. Mas, não venha achando que vai precisar atravessar paredes de prisão pra ver seu amigo Lula.
    Pelo visto,e o que sucede por aqui, talvez ele esteja em seu “Sítio de los Fubangos” (não confundir com o sítio dos fubânicos), em São Bernardo, livre pra receber seus fiéis amigos e seguidores.

    Esta é a boa noticia para alguns e ruim para muitos, que lhe envio, junto com os votos de uma boa viagem

    abs
    Brito

    • Abraço,Brito, grato pelas alvíssaras! Eu prefiro mesmo passar pelas portas, esse negócio de atravessar paredes requer um certo esforço e tem o perigo de ficar agarrado, igual o cara de Paris…

  2. Atravessar as paredes em Paris requer um certo malabarismo virtual de photoshop.

    Porém encontrar lixos expostos e ratos em meio aos parques próximos à torre Eifel é moleza.

    Na primeira foto tem um ratão tentando tirar a mão de bronze presa à parede

  3. Lá no Jardin do Trocadéro o que tem de rato não é brincadeira, mas não é pequenininho igual esse que tá puxando o cara não, eles são maiores! Encontrei até o Ratotouille lá!

  4. Goiano, aproveite seus dias ai na França para tomar bons vinhos, esqueça o cabrunco de Guaranhuns que, certamente, será solto por mais uma patuscado do STF. Que falta faz um presidente como Floriano Peixoto.

  5. Goiano,
    O PT é muito melhor que esse cara daí da França: ROUBOU E DEPENOU TODOS OS BANCOS, EMPRESAS ESTATAIS, FUNDOS DE PENSÃO, MULTINACIONAIS INTERESSADAS EM LEGISLAÇÃO “PRÊT A PORTER”, FUNDOS DE APOSENTADORIA DOS TRABALHADORES, ETC.ETC.ETC. e não precisou atravessar parede nenhuma,
    Só precisou das urnas bolivarianas.

    • Tô contigo, Adônis, o PT fez muita porcaria para garantir a manutenção no poder, entrou no jogo da política cachorra, mas o fato é que mesmo tendo feito a cachorrada que fez ainda é o partido com melhores realizações e propostas deste nosso imenso, maravilhoso e gostoso Brasil. Continuo pondo minhas fichas nele.

  6. “Hay ciertas cosas por las que merece la pena vivir: Groucho Marx, JBF (do Berto), Don Quijote de la Mancha: Edición anotada (Spanish Edition), de Miguel de Cervantes Saavedra, la novena sinfonía (de Beethoven), del «Himno a la alegría»,, la grabación de Louis Armstrong de Head Potato Blues y la obra de Woody Allen”.

  7. Goiano retratando a história do molusco que roubou o país . Ainda tenho dúvidas quanto as esperanças dos seguidores . Melhor esperar para voltar .

  8. Não consegui enxergar nenhum viés ideológico ou alguma citação velada.
    É que a dislexia não deixa.
    Aqui tive que instalar cerca elétrica e alarme monitorado, pois o país que a companheirada deixou ainda está muito inseguro.
    Casas a venda que não vendem, comércio reagindo as injeções de dinheiro do FGTS e a crédito podre.
    A economia em anomia!
    Mas, depois que o pior passar, e apesar de vocês, dias melhores virão.

    • Saniasin, não enfiei viés ideológico nem citação velada, só no fim, para dar um tcham, é que eu mencionei o Lula, se não o pessoal fica frustrado.
      A segurança, véi, não sei onde você mora, está prejudicada para todos os lados: na minha casa ainda durmo de porta aberta, se quiser e se está um calor da peste, mas não há garantia; na cidade já tentaram a saidinha de banco comigo, sou meio macaco velho, o que não me garante estar isento de me lascarem – já escapei de algumas inclusive no Rio. A economia em anomalia melhorará um dia disse a minha tia em sua fantasia. Dias melhores certamente virão, se o fenômeno da bipolaridade não falhar, ainda que Bolsonaro faça essa política econômica tendente à estagnação. Fé em Deus e pé na tábua.

  9. Caro Goiano

    Quando voltar às terras tupiniquins, fique tranquilo se precisar atravessar paredes para visitar o hóspede de Curitiba.

    Se ficar preso, o Gilmar Boca de Tabaca te solta rapidinho…

  10. Goiano é um doido com juízo!

    Endeusar Lula, com a percepção de um psicólogo jurídico, e não reconhecê-lo bandido, destruidor dum sonho de uma grande nação, é como fazer parte do grupo de tarado de Carpina que, em prisca era, comia as jumentas e quando os pais desconfiavam e os acochavam, diziam que era por necessidade biológica, e não reconheciam no ato zoofilia! Kkkkkk!

    Grande Goiano!

    • Não endeuso Lula, dou-lhe o exato valor que ele tem reconhecido internacionalmente, de grande estadista, O Cabra!
      Existe a possibilidade de ele ser inocentado, permanecer solto, lépido e fagueiro, e concorrer |às próximas eleições. Aí, véi, não terá para mais ninguém e teremos um novo governo voltado para o povão, porque o povão merece.

  11. Além da interessante e documentada fábula parisiense, o que mais me fez retornar ao passado foi o “acochavam” que o Cícero nos trouxe do século e milênio passados. Infelizmente não temos ninguém pra dar um acocho (ou arrocho) nos caros e caras do stf e no eleito que parece esquecido de tudo que prometeu no período pré-eleitoral.
    Vôte!

    • Zemaria, o que esperavam do eleito era o que estava nas cabecinhas dos eleitores bloqueadas pelo antipetismo e que os fez eleger um rinoceronte numa sala de cristais. É inacreditável que as pessoas não vissem que um cara que nunca produziu nada de importante em trinta anos de vida pública e que mostrava sua face tão ruim jamais poderia atender aos anseios do eleitorado preenchendo promessas vazias e acenando para o retrocesso que ele insiste em tentar fazer. Lamentável. Quatro anos jogados no lixo.

  12. Caro Goiano.
    Você é um cronista muito inteligente e tem um
    papo muito agradável.
    Sua cronica é bastante interessante, gostei muito, até que
    chegou na última palavra.
    Tinha mesmo que estragar tudo e citar Don Preso XIII ?

  13. prezado d.matt, nós, os petistas safados, cachorros e canalhas, quando não estragamos na entrada borramos na saída rsrsrs.
    Eu nem ia citar o crápula do nosso amado presidente Lula, mas não resisti e achei que atenderia aos instintos bestiais dos leitores.

  14. Atenção moçada,
    Para os que não sabem, Beethoven era uma bichona enrustida. Como não comia ninguém, já que era feio pra cacete, tinha sífilis hereditária e, para completar, era pobre, fazia umas musiquinhas bonitinhas.
    Fodaço mesmo era Mozart. Esse sim era do bagaço. Gênio em ligação direta com as mais altas esferas da espiritualidade.
    Enquanto o “Plantador de beterrabas” levava 3 a 4 anos para compor uma sinfonia, Mozart compôs a 40 e a 41 em uma semana fria de fevereiro em que estava só em casa e sem ter o que fazer. As composições saiam em um jato só. Ele ejaculava as sinfonias divinas.
    Chupa Beethoven!!!

  15. Okapa, Mozart era o bicho. Acho, mesmo, que muito de Bethoven apresenta influência da obra de Mozart. Mas creio que o fato de Bethoven ter tido sífilis, ter ficado surdo e ser pobre significa tanto para a sua obra musical quanto o fato de Mozart ter baixa estatura, ser magro e pálido, a varíola deixado marcas em seu rosto e ele não ter atrativos físicos.
    Endeusar Bolsonaro não quer dizer que Lula não tenha feito grandes obras.
    Opa! Desculpem, estou misturando as coisas.
    O que quero dizer é que Mozart era O Bicho, o que não significa que Bethoven não fosse O Cara!
    A Pastoral do Bethoven é uma das coisas mais emocionantes que se podem ouvir de música neste mundo, especialmente se a sinfonia for acompanhada da descrição do que a música representa.

Deixe uma resposta para Beni Tavares Cancelar resposta