JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Lágrimas espontâneas e sinceras – de alegria ou tristeza

Prevenir é melhor que remediar. Assim, ensinado que fui por uma mulher (minha Avó) e trazido ao mundo por outra mulher (minha Mãe), alucinado por mulher, na cama, fazendo sexo, ou em qualquer outra atividade – nunca comemorei nem entendo por que de termos um “Dia Internacional da Mulher”. Para mim, sem frescuras, todo dia é dia da mulher.

Mas, também sei – e é essa minha opinião! – há mulheres que sequer deveriam existir. São problemas, sim. E problemas de difíceis soluções que vieram ao mundo apenas para atazanar, inclusive a si próprias. Para essas, tem que ter um dia especial, sim: o Halloween!

Agora, também sem frescuras, há uma situação maravilhosa: essas mulheres difíceis, problemáticas (ainda que sem necessidade de serem atingidas ou provocadas), são em número significativamente menor. E é isso que é bom!

Neste instante, entretanto, o que queremos mesmo é falar sobre o “Dia Internacional da Mulher” – neste momento com comemorações e enfoques diferentes, por conta dessa pandemia que nos prende a tudo e a todos, e nos impossibilita do aconchego da convivência.

Acácia Imperial (Cassia fistula), popularmente conhecida como “Acácia chorona”

Como escrevemos parágrafos acima, “todo dia é dia da mulher”, para os que gostam da fruta, e para os que respeitam como parceira forte na construção familiar.

Não cerramos fileira ao lado dos que defendem essa coisa do “empoderamento” feminino, haja vista que nossos antepassados nos ensinaram valores que até hoje respeitamos, tipo: “uma casa sem mulher, não é uma casa e jamais será um lar”.

A mulher precisa trabalhar? Tem o direito de construir sua independência?

Claro que tem todos esses direitos. Mas, não haverá como separar as coisas e haverá sempre uma cobrança, ou uma jornada que vai além do trabalho profissional.

A sociedade chamada moderna, nos últimos anos vem conseguindo impor valores diferenciados (e quem não aceita-los, será rotulado de machista), mudando o dia-a-dia de muitas casas, com a mulher saindo para o trabalho e, em alguns casos, assumindo o protagonismo, com fatia maior na assunção das despesas financeiras. Nada de errado nisso.

Queiram ou não, isso tem causado diversos problemas para as famílias. Às vezes, exigindo jornada tripla para garantir o “comando” da família, ou a pecha da desestruturação familiar por conta do “abandono dos filhos” na condução comportamental e educativa. Uma babá, uma governanta, uma cuidadora jamais conseguirá substituir a mãe.

Mas, sentimentalmente falando, a mulher, por sua participação no mundo, faz jus a todas as homenagens – e ainda poderiam ser acrescentadas outras.

Mulher é um ser especial. Quando quer ser especial. E é um ser diferente, quando quer atrapalhar a vida de outrem – jogando fora todos os bons valores.

Eu, particularmente estou no “segundo casamento” (sou divorciado do primeiro – de onde nasceram duas filhas, ambas adultas e independentes. Residem em Fortaleza, com a mãe) – e isso pode significar o quanto gosto da parceria da mulher.

Sou radical. Acho que um casal é formado por um homem e uma mulher. As demais escolhas, para mim, nada mais são que um acinte à religiosidade – e todos que pensam diferente pagarão por isso, no dia da prestação de contas. Mesmo assim, por saber que cada um responderá por si, a escolha de cada um nada me diz respeito.

A mulher é especial. A mulher chora. A mulher não é apenas uma rosa. A mulher é uma cachoeira de acácias distribuindo beleza, vida, perfume e sensibilidade. A mulher é uma acácia chorona.

Lágrimas femininas na semeadura do amor

Bobagem grande, imaginar que a mulher é uma chorona. A mulher é o ser mais forte que Deus colocou na Terra – deu-lhe não apenas a capacidade de ser o principal meio de geração da vida, com um “ninho” que suporta adversidades, traumas e é de uma estrutura muito frágil, apesar da capacidade ímpar de reconstrução e recuperação. É da mulher, o dom divino da geração da vida.

Como diz o compositor Ivan Lins na letra do seu sucesso que rende homenagem às mulheres:

“Essa firmeza nos teus gestos delicados
Essa certeza desse olhar lacrimejado
Haja virtude, haja fé, haja saúde
Pra te manter tão decidida assim
Que segurança pra dobrar tanta arrogância
Que petulância de ainda crer numa esperança
Quem é o guia que ilumina os teus dias?
E que te faz tão meiga e forte assim
Coragem, coragem, coragem, mulher
Coragem, coragem, coragem, mulher
Como te atreves a mostrar tanta decência?
De onde vem tanta ternura e paciência?
Qual teu segredo, teu mistério, teu bruxedo
Pra te manter em pé até o fim?
Coragem, coragem, coragem, mulher
Coragem, coragem, coragem, mulher”

Acácia branca (Moringa oleífera) importante na Fitoterapia

A intenção foi essa, sim. Juntar a mulher e a sua disponibilidade a qualquer momento (se for mãe, então, o filho ou a filha – não apenas serão protegidos em qualquer circunstância, como poderão contar com ela, inclusive com a disponibilidade da própria vida) compará-la com as acácias, de quaisquer cor, perfume ou utilidade.

As acácias são, por rigor, qualquer mãe.

Amarela, branca, roxa, rosa ou vermelha – e as mães, nova, meia idade ou velha, estarão sempre disponíveis.

Se me fiz entender, por isso que, todo dia é dia da mulher!

Acácia vermelha (Sesbania punicea) de todas é a mais rara

8 pensou em “AS HEROÍNAS E AS CHORONAS – HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

  1. Acaciano Zé,

    A mulher é o ser mais forte que Deus colocou na Terra… Impossível contestar se olharmos as que nos rodearam e rodeiam por todas nossa existência. A JUBA de nenhum leão jamais amedrontou leoas em defesas da cria.

    Tanto é que na colméia humana são elas as rainhas, no formigueiro quem manda é a bunduda rainha saúva.

    E nós, os touros? Fortes, vigorosos, temidos e COM um par de CHIFRES.

    Esses dias disso, dia daquilo são pura baboseira e esperteza do comércio para faturar.

    Desde São Bernardo do Campo, no ABC paulista, na região CHUVESTE, afiando os chifres, encaminho a ti um imenso abraço.

    E aproveito a data para mandar um beijo especial para Mercedita, a pelotense mais linda que o planeta terra já conheceu.

    Beijão, véi. Tamu junto e misturado!!!!!!

    • Sancho, seu comentário me transportou para o tempo em que eu era um travesso menino, brincando na rua e qualquer um mexia caminha mãe. Aí a gente fazia o risco no chão e desafiava o outro, dizendo: “xinga minha mãe de novo prumode tu vê”! Arre égua” Xingava era o cacete. Se xingasse, o murro comia!

    • Assuero, amanhã é que é o dia. A véspera não é nada. E, no Dia Internacional da Mulher, com o mais merecido respeito que ela merece, a senhora mãe do Maurino vai dizer: “quem ama o feio, bonito lhe parece”. É isso mesmo: apenas “parece”!

Deixe uma resposta