A PALAVRA DO EDITOR

Hoje de manhã, a amostrada Chupicleide, secretária de redação dessa gazeta escrota, veio com uma conversa enviesada de que estava doidinha pra ir numa barraca lá no centro do Recife, no mercado popular do Vuco-Vuco, comprar umas calcinhas.

Calcinhas que estavam em liquidação num preço bem baixo, segundo me disse.

E informou que tinha muito precisão desse artigo íntimo.

Só faltou levantar a saia pra me mostrar como é que estava a situação do tapa-priquito que usava naquele momento.

Desconfiei logo que ela estava soltando indireta pra fazer um vale e me pedir adiantamento do pagamento desse mês de março.

Aconteceu que na mesma hora em que ela estava com sua conversa fiada, entraram na conta bancária do Complexo Midiático JBF depósitos de alguns amigos fubânicos de corações largos e mãos abertas.

Fizeram suas generosas doações os leitores Leonardo Florêncio, Paulo Marques, Paulo Ferreira e Ricardo Lemos.

Além do colunista Rodrigo de Léon, que fez a doação em nome da Mercedita.

Pronto: matei a vontade de Chupicleide comprar suas calcinhas.

Fiz o adiantamento e ela assinou o vale passando recibo.

Encerrou o expediente mais cedo e já foi lá pro centro da cidade embelezar a tabaca com novas calçolas.

Ela me garantiu que todos os doadores receberão de volta muita paz, saúde, tranquilidade e vida longa.

E também muito tesão!

E ainda me disse que estava torcendo pra que o exemplo tocasse os corações dos unhas-de-fome e dos pirangueiros.

Ô sujeitinha cheia de presepadas!!!!

“Muito obrigada, meus queridos. Um xêro no cangote de todos vocês!!!”

1 pensou em “AS CALÇOLAS DE CHUPICLEIDE

Deixe uma resposta para Severino Souto Cancelar resposta