JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

Yvonne do Amaral Pereira nasceu em Rio das Flores, RJ, em 24/12/1900. Costureira e uma das mais respeitadas médiuns brasileiras, autora de livros psicografados e atuante no mundo espiritual até o presente com um magnífico trabalho glorificando a vida e dirigido aos necessitados de alento e disposição. Na reencarnação anterior veio ao mundo como Leila Vilares Montalban Guzman, uma espanhola que suicidou-se aos 20 e poucos anos, atirando-se no Rio Tejo.

Certamente Yvonne Pereira reencarnou com este propósito: alertar, jogar luz neste desatino humano: suicídio. Não se pode interromper o curso da vida, incluindo a sua própria. Muita gente acha que morrendo todos os problemas se acabam. Sua obra prima Memórias de um suicida (1955) mostra o que sucede após o desesperado gesto. O livro teve uma segunda edição em 1957 e até o momento já teve mais de 30 edições. Trata-se de uma obra cultuada no meio espírita e respeitada na área da saúde mental, conforme relatado no artigo Suicídio na literatura religiosa: o kardecismo como fonte bibliográfica privilegiada, publicado na revista RECIIS: Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v.4, n.3, set. 2010.

Nascida numa família espírita humilde, com apenas 29 dias foi sufocada por um acesso de tosse e ficou em estado de catalepsia por 6 horas. O médico atestou o óbito e o corpo foi preparado para o velório. Pouco depois, após a despedida dos pais, o bebê acordou chorando. Não obstante os poucos recursos, sua família tinha o hábito de abrigar pessoas carentes em casa, que segundo Yvonne, ficou marcado em sua vida. Ainda criança, aos 4 anos, passou a ver e ouvir “espíritos”, que ela considerava pessoas normais. Entre as aparições, ela distinguia pessoas que seriam seus parentes numa encarnação anterior. Tais visões vinham junto com uma grande saudade desta vivência na Espanha em meados do séc. XIX

Assim, estranhava o pai e irmãos, bem como a casa e cidade onde vivia. Às vezes, após o banho, exigia o vestido bonito e reclamava pela carruagem que deveria levá-la a passeio. Tais fatos geraram conflitos e ela teve que passar boa parte do tempo na casa da avó paterna até os 10 anos. Um novo ataque de catalepsia ocorreu aos 8 anos. Enquanto dormia, seu espírito foi levado até uma imagem do “Senhor dos Passos”, na igreja que frequentava. Sofria muito e pedia socorro. A imagem dirigiu-lhe a palavra: “Vem comigo, minha filha, será o único recurso que terás para suportar os sofrimentos que te esperam”. Aceitou a mão estendida, subiu os degraus e a partir daí não se lembra de mais nada. Esta visão ficou-lhe marcada por toda a vida. Aos 12 anos ganhou de seu pai 2 livros: O Evangelho segundo o Espiritismo e Livro dos Espíritos e no ano seguinte passou a frequentar um centro espírita, vindo a compreender melhor a Doutrina. Em termos de estudo formal, concluiu apenas o antigo curso primário, devido a dificuldades financeiras.

No entanto já escrevia fluentemente sobre literatura, e de forma tão rápida que, mais tarde, veio a identificar como fenômenos de psicografia. Por essa época auxiliava no sustento da família com trabalhos de costura, bordado, artesanato de flores etc. Uma vez aprimorada nestes trabalhos, passou a dar aulas de costura e bordados às moças da favela próxima de sua casa. Aos 16 anos era uma leitora assídua de José de Alencar, Bernardo Guimarães, Alexandre Herculano, Arthur Conan Doyle entre outros. Em seguida passou a se interessar pela linguagem Esperanto e manteve correspondência com outros esperantistas espíritas no Brasil e no exterior. A mediunidade tornou-se um fenômeno comum e ela passou a receber informes, crônicas e contos de espíritos enquanto dormia.

Sua faculdade era diversificada, tendo se dedicado à psicografia, ao receituário homeopático, à psicofonia e, ocasionalmente, aos efeitos físicos de materialização. Com frequência dedicava-se a prática de desobsessão. Tinha uma afeição especial pelos suicidas. Procurava nos jornais e anotava num livro de preces os nomes das pessoas que se mataram e, sabedora dos males que lhe afligiam, orava por eles. Fazia isto como forma de reparação ao seu suicídio na encarnação anterior. Depois de algum tempo, alguns deles vinham agradecer-lhe as preces com abraços e passeios pelo casarão onde morava.

Assim, foi contemplada com amizades no mundo espiritual, incluindo o escritor português Camilo Castelo Branco, que lhe franqueou a psicografia de suas “Memórias de um suicida”. Começou a psicografar desde 1926, mas decidiu publicar somente em meados da década de 1950, segundo ela “após muita insistência dos mentores espirituais”. Deixou mais de 20 obras publicadas e 10 livros infanto-juvenis ainda não publicados. Numa entrevista, em 1972, disse “A formação do meu caráter foi feita pelo Dr. Bezerra de Menezes. Segui sempre os conselhos dele. Mas, houve outros espíritos que me guiaram, como Bittencourt Sampaio e Eurípedes Barsanulpho, com quem trabalhei muito, principalmente em curas de paralíticos”. Pouco depois sofreu um acidente vascular cerebral; ficou impossibilitada de trabalhar e veio a falecer em 9/3/1984, vitimada por uma trombose.

Atualmente é considerada uma das maiores médiuns sob todos os aspectos, dotada de valiosas faculdades sempre postas a serviço dos necessitados. Era uma pessoa exigente e desconfiada quando o fato se relacionava com o mundo espiritual, nunca aceitando nada à primeira vista, sem um exame dentro dos preceitos recomendados pela Doutrina Espirita. Sua vida e legado podem ser melhor conhecidos nas biografias: Yvonne Pereira: uma heroína silenciosa (2003), de Pedro Camilo e Yvonne, a médium iluminada (2007), de Gerson Setini.

Clique aqui e assista a um vídeo com uma entrevista histórica de Yvonne Pereira.

5 pensou em “AS BRASILEIRAS: Yvonne Pereira

  1. Seria interessante ver aqui um parecer do Mestre Fernando Gonçalves sobre a médium Yvonne Pereira e/ou sobre sua obra “Memórias de um suicida”

  2. Muito oportuna a publicação do exemplo de luta e esclarecimento para nós, que a alma bondosa da médium espirita Yvonne do Amaral Pereira nos consola com a sua sabedoria espiritual, guiada pelos espíritos de Luz, bondosos trabalhadores do astral, que conduz e consola com a sua sabedoria e grande conhecimento do mundo do além.

    Poucos sabem que tudo que acontece aqui e agora, terá uma consequência posterior, pois toda a nossa vida material ou mesmo a posterior vivência espiritual é regida pela Lei do Retorno, i.e. toda ação tem uma reação em contrário. Isto também se aplica na vivencia material e sua consequência de todos os atos, no lado espiritual..Como um espirito esclarecido, tendo como exemplo o seu passado numa encarnação espanhola, e o trágico destino que a levou a um suicídio, sabe Deus por qual desespero. A sua alma, padeceu por longo período nas trevas, como todo suicida. Ao reencarnar a sua alma tinha como principal objetivo alertar e aconselhar as pessoas para lutar contra esse desespero com fé em Deus e contar com a ajuda dos espíritos de luz.

    O seu livro “Memórias de um suicida”, o qual já reli por diversas vezes no passado, é um bálsamo para os espíritos transtornados, pois demonstra o abismo em que é jogado o suicida que não teve forças para suportar o sofrimento, seja moral, físico, mental ou simplesmente falta de fé. Poucos sabem que o suicida não é somente aquele que tira a sua vida, i.é, que interrompe o seu destino com violência tentando a procura de alguma paz. Pobres almas desesperadas, que merecem todos as nossas orações e apelos ao altíssimo. Muitas vezes algumas pessoas ao desencarnar normalmente, ao chegar ao outro plano, são consideradas suicidas e vão parar no umbral por algum tempo, Isto aconteceu com o espírito do .hoje muito conhecido e respeitado espiritualista, no astral, o elevado guia espiritual ANDRÉ LUIZ, cujo relato dele mesmo no livro e filme “Nosso Lar”.

    Conta ele que ao desencarnar, foi jogado na escuridão do umbral por algum tempo, Mais tarde, ao sair do umbral, foi-lhe explicado que que ele fora considerado um suicida, pela falta de cuidado da sua saúde, fazendo excessos alimentares e bebidas, principalmente porque na vida encarnada ele foi um grande médico e sabia o que estava fazendo. O que atenuou o seu mal, foi a sua bondade no atendimento as pessoas sem condições financeiras, que sempre foram atendidas por ele gratuitamente.

    O suicídio é o pior gesto que um espirito encarnado pode cometer, isto porque nós vimos a este plano de dimensão terrena para realizar alguma tarefa ou consertar algum erro do passado, além de fazer preciosa aprendizagem. Tudo já programado. Ora, se interrompermos o destino já programado, criamos também algumas consequências que além de afetar a nossa alma, também afeta a terceiros, como também deixamos de pagar ou receber (seja o que for, já determinado ) e portanto teremos que voltar para cumprir o que foi interrompido. Nada no viver, seja material ou espiritual, fica no vermelho. Todo ser paga e recebe aquilo que merece, seja nesta, ou na centésima encarnação.

    Recomendo a todos os meus colegas leitores do JBF, àqueles que desejarem maior esclarecimentos sobre o assunto, que leiam a série de livros escritos pelo médium Chico Xavier, junto com a entidade André Luiz. Esta série tem aproximadamente. 16 livros que tem por finalidade esclarecer com fatos, exemplos e doutrina, tudo sobre o espiritualismo Kardequiano.
    .

Deixe uma resposta para Dirceu Mattos Cancelar resposta