AS BRASILEIRAS: Santa Dulce dos Pobres

Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, conhecida como “Irmã Dulce”, está sendo canonizada hoje (13/10/2019) pelo Papa Francisco, em Roma. Mas para o povo de Salvador, ela passou a ser considerada Santa pouco depois de seu falecimento, em 13/3/1992. O processo de beatificação iniciou em 2000 e passou a tramitar na Congregação para as Causas dos Santos do Vaticano. A validação jurídica do virtual milagre presente no processo foi emitida pela Santa Sé em junho de 2003, quando ela recebeu o título de Serva de Deus, outorgado pelo Papa João Paulo II.

Em janeiro de 2009, a Congregação anunciou voto favorável reconhecendo-a como ”Venerável”. Tal votação obteve a unanimidade do colégio de cardeais, bispos e teólogos após a análise da “Positio”, um relato biográfico e resumos dos testemunhos dos milagres relatados no processo. Dois meses depois, o Papa Bento XVI aprovou decreto de reconhecimento de suas virtudes. Em 9/5/2010, foi realizada a exumação e transferência das “relíquias” para sua capela definitiva, na Igreja da Imaculada Conceição, ao lado da OSID-Associação Obras Sociais Irmã Dulce.

Em maio de 2011, foi beatificada pelo mesmo Papa, por intermédio de Dom Geraldo Magella, em Salvador, último passo para a canonização. A partir daí passará a se chamar “Santa Dulce dos Pobres”. Um nome bem apropriado, tendo em vista a vida que levou dedicada aos pobres. No dia seguinte (14) haverá missa da Santíssima Trindade na Igreja de Santo Antônio dos Portugueses (Roma), em agradecimento ao seu dom. Em Salvador a celebração ocorrerá no próximo domingo (20/10/2019), na Arena Fonte Nova. A partir do ano 2020 seu nome será festejado todo dia 13 de agosto.

São dois os milagres que serviram de base para a canonização de Irmã Dulce: o primeiro ocorreu em 2001. Uma paciente, após o parto, apresentava um quadro de hemorragia não controlável e passou por 3 cirurgias num período de 18 horas sem que o sangramento estancasse. Só estancou ao término de uma corrente de orações, proposta por um sacerdote, pedindo a intercessão de Irmã Dulce.

O segundo milagre reconhecido pelo Vaticano refere-se a um homem que passou 14 anos cego e passou a sentir fortes dores, devido a uma conjuntivite. Pouco ante de dormir, pediu a Irmã Dulce para que a dor fosse aliviada. Acordou no dia seguinte não apenas aliviado da dor, mas enxergando normalmente. O milagre intrigou os médicos, devido ao fato de mesmo após voltar a enxergar, os exames apontaram lesões que deveriam impedir o sentido da visão.

São quatro as exigências do Vaticano para reconhecimento do milagre e consequente canonização: (1) o fato tem que ser “preternatural”, ou seja, a ciência não consegue explicar; (2) instantâneo, ocorrer logo após a oração/pedido; (3) duradouro e (4) perfeito. A OSID, através de sua Assessoria de Memória e Cultura, contabilizou o recebimento de cerca de 10 mil relatos de graças alcançadas por intermédio da Irmâ Dulce. Sua canonização é a terceira mais rápida da História (27 anos), atrás apenas de Madre Teresa de Calcutá (19 anos) e do Papa João Paulo II (9 anos).

Veja reportagem da Globo News clicando aqui

3 pensou em “AS BRASILEIRAS: Santa Dulce dos Pobres

  1. Desnecessário tecer elogios a mais essa belíssima postagem, meu caro amigo. Trata-se de uma justíssima homenagem a uma brasileira iluminada, que dedicou a vida aos pobres e aos menos favorecidos.

    Quiséramos nós que muitos outros brasileiros se inspirassem no exemplo da nossa Irmã (a partir de hoje, Santa) Dulce dos Pobres, para semear o bem e o amor ao próximo, pois somente assim teremos o Brasil que desejamos para os nossos filhos e netos. Nação abençoada, cujo povo, em sua grande maioria, ainda não se apercebeu disso !

    Aceite meus cumprimentos pela maravilhosa homenagem. Extensivos ao Luiz Berto e a todos os que fazem o JBF !

  2. Santa Dulce não é só dos pobres, é dos ricos também.

    Tem um terceiro milagre que ela fez e ninguém está reconhecendo. Ela converteu um rico banqueiro:: Ângelo Calmon de Sá, politico, acusado de corrupto, que até foi condenado e não sei se ficou preso mesmo por pouco tempo naquela época. :

    Pois bem, exatamente naquela época (1996), ele foi empossado como presidente vitalício da OSID em 1996 e permanece até agora, aos 84 anos, comandando a prodigiosa e benfazeja instituição. O que sucedeu com este banqueiro? Foi uma boa conversão ou não? .

    Se houver alguém que desminta esta conversão ou desmistifique este milagre, por favor se apresente e conte outra história. . .

    . .

Deixe uma resposta