AS BRASILEIRAS: Irmã Dulce

Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes nasceu em Salvador, BA, em 26/5/1914. Religiosa, adotou o nome de Irmã Dulce. ao se tornar freira, em 1933, em homenagem a sua mãe Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes, falecida quando ela tinha 7 anos. O pai, Dr. Augusto Lopes Pontes, era dentista e professor da UFBA-Universidade Federal da Bahia. Ainda criança manifestou vocação religiosa e pedia orientação a Santo Antônio para saber se deveria casar ou ser freira.

Aos 13 anos, após visitar áreas carentes e ajudar mendigos, enfermos e desvalidos, decidiu pela vida religiosa e procurou o Convento de Santa Clara do Desterro, famoso por ter abrigado as três “Santas do Desterro” em séculos passados. Mas, não foi aceita devido a idade; voltou a estudar e foi transformando a casa dos pais, com o apoio da irmã, num centro de atendimento aos necessitados. A casa passou a ficar conhecida como “Portaria de São Francisco”. Em 1932 formou-se professora do curso primário e no ano seguinte entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição, em São Cristovão, Sergipe.

Em agosto de 1933, fez profissão de fé e recebeu o hábito de freira. Voltou à Salvador, passou a lecionar num colégio da Congregação, na Cidade Baixa, e dar assistência aos pobres. Suas atividades não se restringiam apenas a ajudar as pessoas carentes. O objetivo era criar instituições permanentes de auxílio e cooperação e, junto com o frei Hildebrando Kruthaup, fundou a União Operária São Francisco, em 1936, o primeiro movimento cristão operário da Bahia, que deu origem ao Círculo Operário da Bahia.

A finalidade da União era difundir cooperativas, promover a cultura dos operários e defender seus direitos. Era mantido com o dinheiro arrecadado por três cinemas, que foram construídos a partir de doações. Tal inciativa deu suporte à inauguração do Colégio Santo Antônio, em 1939, para atender os operários e seus filhos. Hoje o Centro Educacional Santo Antônio (CESA) abriga mais de 300 crianças de 3 a 17 anos, com acesso a cursos profissionalizantes. No mesmo ano invadiu umas casas na Ilha dos Ratos para abrigar os doentes recolhidos nas ruas. Mas logo foram despejados e ela passou a perambular por lugares mais distantes na busca de lugar para abrigá-los.

Na dificuldade de encontrar outro espaço, encontrou um local desocupado no Convento, em 1949. Era um galinheiro desativado, que ela transformou em albergue, no qual alojou 70 pessoas. Em apenas 10 anos, esse galinheiro deu origem a Associação Obras Sociais Irmã Dulce-OSID, inaugurada oficialmente em 1959 e no ano seguinte foi inaugurado o Albergue Santo Antônio. A OSID atualmente é um dos maiores complexos hospitalar com atendimento gratuito do Brasil, com 3,5 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano a usuários do SUS-Sistema Único de Saúde. Em 1983 foi ampliado, contando com 400 leitos. Hoje o Hospital Santo Antônio atende mais de cinco mil pessoas por dia. Para conseguir mão-de-obra especializada no atendimento, ela fundou a Associação Filhas de Maria Serva dos Pobres.

Em 1980, na visita do Papa João Paulo II ao Brasil, foi convidada a subir ao altar para receber uma bênção especial. O Papa, que agora há pouco foi canonizado, retirou do bolso um rosário, ofereceu-lhe e impulsionou seu trabalho: “Continue, Irmã Dulce, continue”. Em fins de 1990, passou a sofrer com problemas pulmonares e enfrentou 16 meses de agonia. Foi internada no Hospital Português; em seguida foi transferida para uma UTI do Hospital Aliança, quando ordenou: “Quero morrer ao lado dos pobres”.

Assim, foi para o Hospital Santo Antônio, onde passou toda a vida. Em 20/10/1991, recebeu a segunda visita do Papa João Paulo II, que lhe deu a extrema unção. Em 13/3/1992 veio a falecer aos 77 anos e foi sepultada no alto do Santo Cristo, na Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia. Posteriormente, foi transferida para a Capela do Hospital Santo Antônio, em cumprimento ao seu desejo. Considerada uma das mais importantes e influentes ativistas humanitárias do século XX, foi indicada pelo presidente José Sarney e pela rainha Silvia da Suécia, para receber o Prêmio Nobel da Paz, em 1988.

Em 2001, foi eleita a “Religiosa do Século XX” numa eleição promovida pela revista “Istoé”. Em 2012, ficou entre as 12 maiores personalidades brasileiras de todos os tempos, numa pesquisa feita pelo SBT-Sistema Brasileiro de Televisão para eleger as pessoas que mais contribuíram para o País. Em 2014, o Governo da Bahia instituiu a data de 13 de agosto como o Dia Estadual em Memória à Bem Aventurada Dulce dos Pobres. Em 2018 as “Obras Sociais Irmã Dulce” foi considerada a melhor organização não governamental da Região Nordeste e uma das 100 melhores do Brasil.

No próximo domingo, Irmã Dulce será canonizada numa missa celebrada em Roma e receberá o nome de “Santa Dulce dos Pobres”. Esta biografia concisa continua na próxima semana, revelando os fatos que levaram-na à canonização.

10 pensou em “AS BRASILEIRAS: Irmã Dulce

  1. Uma biografia suscinta, concisa, porém relevante e promete uma continuação no próximo domingo. Agradeço ao nobre colunista em nome do povo soteropolitano.

    • Augusto
      Eu é que agradeço e saúdo o povo soteropolitano da Bahia, por ter propiciado a primeira Santa Brasileira.

      Próximo domingo vamos esclarecer como e porque ela se tornou Santa.
      Até lá e um abraço
      Brito

  2. Caro amigo Brito. Como sempre o seu depoimento é
    perfeito. Demonstra como uma pessoa humilde
    e de grande coração caritativo pode e deve trabalhar em
    favor dos menos privilegiados pela sorte.
    Muito tenho ouvido falar do árduo trabalho dessa
    mulher de grande coração e muita bondade, que
    merece todo nosso respeito e admiração.
    Só não concordo com a tal de beatificação feita
    pela infame igreja católica, pois o papa ou seja lá quem
    for não tem o poder de transformar ninguém em santo,
    além do mais santo não existe, pois todos foram
    santificados pela igreja e pelos papas profanos
    sem qualquer qualificações santificadora. Quem deu
    poder ou autorização para a imoral e desqualificada
    igreja católica para transformar alguém em santo?
    Santos seriam apenas aqueles nomeador por Deus,
    e não preciso citar exemplos de almas Divinas, como Francisco de Assis, Vicente de Paula e tantos outros nomeados por Deus e
    não pelos papas, cujo caráter histórico é igual ou
    pior que os nossos políticos, tantos esquerdistas como
    direitistas, tudo dejeto do mesmo esgoto. Cito como exemplo
    esse dito papa fdp atual. Qual a origem divina do
    seu papado ? Ele é apenas um politico idiota, sem
    qualquer qualificação., Um pulha nojento que se
    mete até na politicagem européia sobre a amazonas ?

    Desculpe o desabafo. Nada tenho contra a nossa irmã Dulce,
    a quem admiro muitíssimo pelo seu grande trabalho em favor
    dos pobres e necessitados e estou certo que Deus
    já elevou a sua alma à patamares tão alto que
    nenhum dos ditos papas poderão alcançar um dia.
    Meus cumprimentos pelo seu ótimo trabalho, como sempre.

  3. Caro D. Matt

    Concordo em grau, nº e gênero com sua declaração de amor à Irmã Dulce e grato pelos cumprimentos.

    Não deixe de ver no próximo domingo porque ela se tornou Santa e os critérios da Igreja Católica para canonizá-la, mesmo discordando de sua autoridade para isto. Sob certa perspectiva, eu também discordo em muitas coisas.

    Mas não vamos prosear agora sobre as falácias da Igreja, que são muitas.
    Me abstenho de “discutir” agora porque isso não se discute; não existe outra “igreja” que possa fazê-la Santa.

    Assim, vamos relaxar um pouco e comemorar a canonização da “Santa Dulce dos Pobres”. Imagino que, com tantas santas no mjundo, deve haver alguma chamada Dulce .Mas, para esta fizeram questão de dar o nome (substantivo) e o adjetivo “dos Pobres”.

    Um adjetivo que o mundo está lhe dando em recompensa pelo seu trabalho substantivo neste mundo enquanto viva

    Um abraço e bom domingo

    Brto .

Deixe uma resposta