ARTHUR TAVARES – SÃO PAULO-SP

Prezado Mestre,

Escrever ou não, eis a questão

Como você sempre diz, aparece DE TUDO nesta gazeta.

Sempre achei que você tinha razão, mas e sempre existe um mas, nosso pessoal anda exagerando.

Como nossos companheiros são muito gentis, apareceu uma fubana simpática, Belarmina Maria, apoiada por alguns, (dois para ser mais exato), dos nossos ilustres colunistas, na coluna do Marcelo Bertoluci (Protecionismo), dando pitacos e sugerindo que eu teria a capacidade de escrever uma coluna nesta prestigiosa gazeta.

Uau………. surpresa ..!!!.

Como aprendi aqui a descrever em palavras minhas emoções – fiquei ancho que só a bixiga lixa – com esta sugestão e ao mesmo tempo preocupado com as consequentes implicações.

Como a leitura é um dos meus passatempos favoritos, fico curtindo nossa gazeta praticamente em todas as colunas e quase todos os comentários. 

Quando o tema mexe com minhas emoções e/ou experiências vividas, e se existe tempo, faço algum comentário, as vezes tranquilo e outras vezes bastante “revortado”.

Já tinha pensado anteriormente como deve ser legal escrever e agora em função de algumas chantagens emocionais desses colegas, generosos e altruístas sou obrigado a repensar as questões que tornam esta missão, pra mim, impossível.

Na minha opinião escrever exige que a pessoa tenha alguns pré requisitos, que realmente não tenho, ou pelo menos não tenho em quantidade suficiente para tentar esta empreitada.

Nem sei se é assim, mas vejo que é necessário.

Primeiro, a inspiração e criatividade para definir o tema, seu título (que deve ser interessante e provocar curiosidade) e o roteiro a ser desenvolvido, com inicio, meio e fim coerentes.

Segundo, a paciência e organização para as pesquisas que devem ser profundas, corretas e compromissadas com a verdade dos fatos e/ou com os sentimentos envolvidos e/ou com a credibilidade de tornar o “causo” ou a história minimamente crível ou no mínimo divertida/emocionante, mesmo que seja dado asas a uma imaginação sem limites.

OBS: Não pode ser como o Goiano que inventa números, falseia situações, faz conclusões inconsistentes e pior, apaixona-se pelas pessoas erradas… 

Percebemos sua inteligência e bom humor, mas fica claro que é um mentiroso contumaz… rsrsrsrrs

Terceiro é a articulação e o tratamento minimamente razoável com nossa língua portuguesa, e assim fico desabilitado pois, minhas notas na escola, em português, foram sempre de ruins a imprestáveis.

Quarto é o tempo necessário para a criação, a pesquisa, a escrita e a revisão, onde paciência e atenção são fundamentais. Em função de uma familia estar com quase zero de mobilidade a exigência com os cuidados são praticamente 24 horas/dia, 7 dias/ semana

Quinto é o compromisso, seja ele amador ou profissional, deve ser respeitado além de qualquer ingerência externa, excetuando-se a incapacidade total ou a morte.

Sexto é a capacidade de ensinar, divertir ou emocionar

Portanto mestre e colegas obviamente sinto que não me enquadro em algumas delas, seis para ser mais exato e portanto fico muito feliz pela sugestão e apoio mas absolutamente tranquilo de que serei compreendido por não aceitar esta missão e mais tranquilo ainda por saber que não haverá mortes em minha “capivara”, função desta decisão.

Continuarei me divertindo, me emocionando e desabafando no acompanhamento QUASE diário deste pessoal fantástico, excetuando-se o Goiano que é PTista fanático.

16 pensou em “ARTHUR TAVARES – SÃO PAULO-SP

  1. Prezadíssimo Arthur Tavares:

    Como diria o filósofo Voltaire (ou não foi ele?), e me apropriando da Teoria Inversa do personagem da Família Dinossauro, digo:

    “Eu discordo do que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo.”

    Mesmo assim, direi: há um pouquinho de frustração na sua não vontade de participar com seus comentários interessantes aqui, como colunista. Só iria enriquecer mais ainda essa Gazeta Escrota.

  2. Ufa…!!!

    A compreensão leva a maturidade e ela nos leva ao bom senso…… e isto evita suicidios….. rsrsrsrs…

    De qualquer maneira agradeço de coração a gentileza pela compreensão e das suas palavras….

    Um grande abraço

    • Arthur
      Entendo sua posição, mas (pançudo sanchiano mas, como diria o Sancho), você bem que poderia ENTÃO, sempre que estiver inspirado, mandar texto atraves da seção de cartas. Combinados?

      Li agora um tal Jose Hinacio esculhambando o Sancho, um autor que gosto muito de ler. Creio que o José exagerou em muito…

      • Belíssima Bela,
        Por supuostíssimo que sí,…coloco minha enferrujada colher no seu comentário dirigido ao Arthur, mas (benedicto mas), também toca em meu nome. Agradeço a parte a mim dedicada, “pero” não está tão errado assim o Hinacio, pois Sancho escreve usando o “teorema do macaco infinito”. Com apenas dois neurônios produzindo sinapses, consigo escrever minhas “obritas de arte” aqui no JBF.
        Gracias,

      • “Craro” Belarmina….
        Continuo a me divertir e me emociobar com esta gazeta….
        Obrigado pela gentileza e estaremos sempre juntos por aqui…..

  3. Meu caro xará Tavares, depois de uma explicação irretocável como a sua, é um crime achar que não tem cacife para escrever. Mas eu entendo, tambem prefiro ler. Sofro de preguicite para escrever. Abraço.

    • Com relação ao Zé, nas criticas ácidas ao nosso Sancho penso que é a “maneira carinhosa” de um fubano demonstrar pelo seu modelo……
      Óbvio que há muito sarcasmo mas no fundo, lá no fundo bem fundo Zé Hinácio admira o trabalho incrível do Sancho…….. acho….
      Rsrsrsrs….

  4. oi Beni ….
    Meu Tavares é porparte de pai, de Recife – PE, e Tancredo meu avô …….
    Quem sabe algum parentesco distante ……

    Em relação ao tema, não é preguiça …….. Na realidadeo o maior problem é a falta de tempo e mais todas as outras faltas também ……

    Criatividade, Imaginação, conhecimento, pesquisa, escrita e revisão são fundamentos básicos, fora o talento que torna a escrita mais fantástica …………

    Mais fácil é palpitar…….
    Então fico como você, na leitura e assim, me divertir, aprender ou me emocionar, e aí, quando sobra tempo, dar uns pitacos….

    Um grande abraço

    • Arthur e Beni Tavares o que são? São dois caras insensíveis, que não se importantam e muito menos levam a sério a greve de fome de Sancho, que só terá fim quando todo o trio Tavares estiver colunando aqui no JBF (temos apenas o Cícero, do trio Los Tavares entre os colunistas). O mesmo serve para João Francisco e Joaquimfrancisco. A greve de fome continua. Sei que a morte me espera (que se phodda o retardado do Sancho, dirão vocês), mas (morrístico mas), vida que segue. A de Sancho está em contagem regressiva: tic, tac, tic, tac (ó mundo cruel, deixo-te deixando (“deixo-te deixando” foi phodda. Nem na hora da morte o retardado aprende a escrever) a meus herdeiros apenas dívidas e às amantes a raiva de terem sido mal comidas).

      • Meu Carissímo Sancho, você é um gigante na imaginação, na educação e principalmente no coleguismo, no trato com o seu semelhante. Se tentar melhorar, piora. Agora, me explica uma coisa: já roubaste alguma namorada do Zé Hinácio?

        • Beni, saudações sanchianas,
          Estava Sancho “curtindo” sua greve de fome quando veio o jovem (creio ser jovem, pois todos os seus comentários em minha coluna no JBF assim o indicam) Jose Hinácio e soltou os cachorros pra cima do Sancho, que correu mais do que carteiro atacado por pitbul.
          O mais interessante é que quase toda sexta-feira ele comenta de forma elogiosa (seriam falsos os elogios?) meus textos.
          Juro que não entendi, mas (crticante mas), vida que segue. É um direito do leitor gostar ou nado do que escrevemos.

          Falemos de coisas mais agradáveis: Arthur e Beni Tavares o que são? São dois caras insensíveis, que não se importantam e muito menos levam a sério a greve de fome de Sancho, que só terá fim quando todo o trio Tavares estiver colunando aqui no JBF (temos apenas o Cícero, do trio Los Tavares entre os colunistas). O mesmo serve para João Francisco e Joaquimfrancisco. A greve de fome continua.

          Será que teremos mais um briga de facas no JBF?

          Beijão no vosso doce coração e no do duro coração do JoséHinácio. Até sempre,

      • Claro que me importo Sancho, com esta perda irreparavel para esta gazeta se seus planos forem até o fim….., não só os planos mas o SEU fim….

        Infelizmente o tempo e auto crítica me impedem de atender seu pedido…, portanto, coma uma paella tradicional neste domingão para recuperar estas mais de 24 horas de jejum…..

        Mentiroooso…. !!!!

        Rsrsrsrs

        Um grande abraco e obrigado pelas gentilezas….

  5. Ô Arthur,
    Se o tal Sancho tivesse seguido o mesmo raciosinio que o seu, ele não estaria escrevendo aqui, pois ele é tudo de ruim que você elencou: Vê se concorda:
    Os pré requisitos que o tal Sancho não preenche:
    Primeiro, a inspiração e criatividade para definir o tema, seu título (que deve ser interessante e provocar curiosidade) e o roteiro a ser desenvolvido, com inicio, meio e fim coerentes. O texto do cara não possui COERENCIA NENHUMA.

    Segundo, a paciência e organização para as pesquisas que devem ser profundas, corretas e compromissadas com a verdade dos fatos e/ou com os sentimentos envolvidos e/ou com a credibilidade de tornar o “causo” ou a história minimamente crível ou no mínimo divertida/emocionante, mesmo que seja dado asas a uma imaginação sem limites. NUNCA VI ISSO NOS TEXTOS DELE.

    Terceiro é a articulação e o tratamento minimamente razoável com nossa língua portuguesa, e assim fico desabilitado pois, minhas notas na escola, em português, foram sempre de ruins a imprestáveis. O SANCHO DEVE TER A QUARTA SÉRIE DO FUNDAMENTAL, pois fico corrigindo os textos dele, que são sofríveis;

    Sexto é a capacidade de ensinar, divertir ou emocionar. No texto de Sancho nada disso encontrei.

    Respeito sua opinião, mas se o sancho é colunista, até a xolinha tem chance…
    Pense nisso, Gostaria que você fosse colunista.

    • José Hinacio, meu bom José,

      Gosto de críticos e das críticas…Sancho leu de fio a pavio tudo o que você “sobre ele escreveu”, ao se dirigir a Arthur Tavares tentando convencê-lo a ser colunista.

      Seu argumento foi interessante, pois até a Xolinha pode ser colunista no JBF (creio que Berto não negaria à cadela tal honraria, se fosse desejo da nossa amada mascote).

      “Toda obra tem uma TAREFA a cumprir – tem uma necessidade em si de estar no ‘JBF'” escreveu um dos mestres da literatura fubânica.

      A literatura, caro Hinácio é do que vive minha alma. Certamente agrada a uns poucos, pois comentários favoráveis surgem a cada sexta-feira.

      Sua crítica direcionada a Sancho foi um tanto quanto dura, mas (benedicto mas), respeitada por Sancho. É melhor um crítico feroz do que um lambe-botas de “arte de quinta”.

      A possibilidade da crítica, todavia, apóia-se em uma característica da obra: justo por apresentar uma identidade tão marcante, ela é um artefato que faz o seu observador falar.

      Agradeço, então, por estar atento ao que escrevo.

      A medíocre obra sanchiana, juntamente com sua contundente crítica, constela-se como um medium-de-reflexão muito forte. Faz-se necessario este murro na boca do estômago para termos o termômetro da intensidade com que atingimos o leitor. Fui até os textos que publiquei no JBF e observei que você sempre comenta às sextas-feiras e elogia (eram falsos os elogios?).

      Aproveitarei a consulta mensal com o psiquiatra (12/8 aí estarei, Dr Haffad), para conversar com ele sobre sua crítica.

      Que tenhamos um ótimo final de semana.

      Abraço forte do medíocre Sancho.

      • José, SEU bom José com certeza não o considera medíocre, vide os comentários anteriores ….

        Tenho impressao que foi apenas uma forna de incentivá-lo a melhorar suas colunas mas, e sempre existe um mas, na minha modesta opinião “é quase impossível”……

        Levante a cabeça, se alimente e bola pra frente que atras vem gente

        Abraço fraterno…..

    • Zé…. eu sei que estas palavras contra o Sancho não vem do coração…

      Sei que o corporativismo e a gentileza dos fubanos nos unem para incentivar, nos encher de felicidade e “despiorar” nossos dias….

      De qualquer maneira Sancho agora está inseguro e precisa do seu apoio de forma determinante. ….

      Entendeu i que ele precisa ????

      Pois é……. sei que sim

      Abraços e obrigado pelas palavras….

Deixe uma resposta