CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Meio ambiente: o que quer o Governo?

– Permitir o uso indiscriminado da Amazônia, via desmatamentos, queimadas, exploração mineral, etc ou

– Receber investimentos nacionais e internacionais?

O que a gente vê é a lamúria do Vice Mourão e a passagem da boiada (com o Salles de ponteiro).

Ambos falam o que o Presidente quer.

Mas quem faz do Sebastião Curió (líder de Serra Pelada – hoje um imenso buraco sem a menor finalidade) um herói, não prefere a segunda opção.

Ou estarei errada?

Eu preferiria receber investimentos, e ver a Bolsa subir, com motivos.

O Brasil tem jeito, gente.

O que não quero é a política (apud Tim Maia) que não fuma, não bebe nem cheira, só mente um pouquinho.

Alô, alô WBrasil, Tira as Sete Quedas daí!

Chama o Síndico: Tim Maia!

R. Esta mensagem aí de cima, enviada para publicação aqui no JBF, veio com um PS ao seu final. 

Este aqui:

PS: caso V. Sa. Berto publique, solicito aos nobres comentaristas fubânicos não utilizarem palavrório chulo.

Informo a nossa distinta leitora que esta gazeta escrota publica tudo que os leitores mandam pra cá. Tudo mesmo.

De modo que esta frase “caso V.Sa. Berto publique” é perfeitamente dispensável.

Não existe a opção “caso publique”.

Já está publicado.

Confesso que me senti tão importante com esse “V.Sa.” que chega fiquei com as bochechas inchadas!!!

Pra quem normalmente é chamado de cabra safado, cagão e canalha, ser tratado por “V.Sa.” é uma honraria inexcedível.

Agora, quanto ao “palavrório chulo”, esclareço que num ambiente esgotífero, nojento e asqueroso como o desta gazeta escrota – onde não existe censura ou moderação de comentários -, é muito difícil evitar que a canalha fubânica venha com o seu linguajar rasteiro e fedorento.

É impossível evitar esta baixaria que me mata de vergonha.

Mas uma coisa eu garanto, cara leitora: se algum fubânico fizer comentário com “palavrório chulo”, pode ter certeza que eu vou mandá-lo tomar no…

Ah… Deixa pra lá…

Fecho a postagem afirmando que é um privilégio editar um jornal que conta com a audiência e a participação de leitores como a nossa querida Artemísia!!!

Daqui do Recife para a linda Petrópolis, mando um carinhoso xêro nordestino!!!

85 pensou em “ARTEMÍSIA – PETRÓPOLIS-RJ

  1. Não sei o que anda pelos ares de Petrópolis. Se não me engano o Goiano e de lá e agora vem está Artemísia com as ideias de noia de cracolandia. Com está cabeça que parece crustáceo gostaria que ela abrisse mao de andar de carro feito com o minério de Carajás ou desligasse o PC para não consumir a energia de Itaipu. No caso do PC preservaria 7 quedas e nossos ouvidos de comentários idiotas

    • Sr. Gonzaga, salvo engano acho que o Goiano é de Itaipava, que fica próxima a Petrópolis, região serrana do RJ de lindas paisagens e clima agradável onde a nobreza do Império passava os verões.

      Um Abraço

      • Não, João Francisco, não moro no bairro Itaipava, que é quase como se fosse uma cidade à parte de Petrópolis: moro em Petrópolis mesmo, no Valparaiso, quase Centro. O resto está certo.

        • Obrigado pela correção.

          No tempo de faculdade no RJ estive muitas vezes em Petrópolis e a cidade é adorável, é um privilégio morar aí.

          Um abraço Goiano

          • Isso posso provar. Tenho o endereço do nosso amigo Goiano. Ele cumpriu o prometido e me enviou dois CD’s (um dos quais presenteei o meu cunhado que elogiou as interpretações do Goiano) com músicas maravilhosas, da velha guarda, com sua também maravilhosa interpretação. Goiano reside na linda Petrópolis, cidade sem igual no nosso Bananão. Vizinha da minha querida cidade natal, Paraíba do Sul. Itaipava é um bairro, ou distrito de Petrópolis (que Goiano me corrija), com lindos shoppings de pequeno porte e ótimos restaurantes e que merece uma demorada visita. Lugar para se curtir.
            Abração, amigos João Francisco e Goiano.

  2. Prezada Senhora Artemísia.

    Comecemos por Serra Pelada.

    Realmente fizeram um buraco imenso lá, porém este, em relação à selva que ainda existe não foi nem um arranhão. Foi feito um lago no lugar do buraco, que ainda tem muito ouro, porém este só é viável se retirado com técnicas industriais, que dependem de concessão para o retiro.

    Ocorre que em Curionópolis (veja só o nome) tem uma cooperativa de ex garimpeiros que se acham no direito de explorar o local e o querem fazer de forma artesanal novamente, o que seria muito mais danoso.

    Então a coisa está parada aí, não dão autorização para a exploração industrial, que iria gerar emprego, riqueza e renda, também não autorizam os sindicalistas.

    Quanto a Amazônia

    O Brasil ainda tem 65% de suas matas nativas preservadas, coisa que nenhum, repito, nenhum país do mundo tem. A amazônia representa, salvo alguma incorreção, cerca de 45% do território nacional, quantidade de terra maior que 44 países da Europa juntos.

    Na amazônia já há exploração mineral e garimpos ilegais desde os governos de esquerda, que nada fizeram para impedir isso, pois corre à boca miúda que parte desta exploração iria para os partidos do poder.

    O que Bolsonaro quer fazer é identificar estes pontos de exploração ilegal e quando possível legalizá-los, para que o estado e o povo da região se aproveitem destas riquezas. Lembro, que apesar de estrem sobre uma terra riquíssima, o povo da região é o mais pobre do país, mais até que o do NE, o que leva a uma contradição.

    Quanto À agricultura, a Ministra Teresa Cristina já disse que o Brasil pode dobrar sua produção agrícola sem precisar entrar em um hectare da AM.

    Os países que querem “ajudar a AM” especialmente a Noruega, têm mineradoras na mesma, especialmente na cabeça do cachorro (pesquise), sendo que o cantor do AHA tem 1/3 do empreendimento, não é bacaninha?

    Países não têm amizades e não são bonzinhos, eles têm interesses.

    Vou ficar por qui para não me estender demais. Com todo o respeito, estude mais para falar da amazônia, pois seus argumentos estão parecendo de colegial de cursinho que acabou de ter aulas com aquele professor esquerdista que saiu da Fefelech da USP.

    • Interessante: “ainda tem 65%…coisa que nenhum país do mundo tem”. Não sei se na era moderna algum país teve tanto percentual de florestas nativas preservadas, nem quero saber. O que me interessa é o nosso percentual. Poderíamosfazer uma curva do desmatamento e prever (com margem de erro, claro) quendo não teremos mais matas. O fato é que o desmatamento é contínuo e deve parar. Antigamente existiam à venda móveis feitos de Jacarandá, hoje, quase impossivel comprá-los.

      Deve ter havido algum comentário em algum tempo que “ainda existem 65% dos Jacarandás nativos”, mas ninguém prestou atenão ou deu maior importância.

      Aproveitando o espaço, como sou da melhor idade, cito que as Sete quedas poderiam ter sido preservadas. Na época, um engenheiro, Laudo Natel (governou SP) disse que o tratado com o Paraguai era lesivo ao Brasil (e ainda é) e que se devia constriuir duas usinas menores uma nossa e outra deles e deixar que eles administrassem sozinha a de sua propriedade. Ao vender energia para o Brasil teria que ser a preços aceitáveis para o Brasil (já que o Paraguai não consumiria a totalidade da nergia gerada). Os dois lagos das barragens seriam obviamente menores e as Sete Quedas preservadas., o que responde ao comentário.

      Na época se dizia que esse casamento Brasil-Paraguai o Brasil era a noiva e o noivo estava nú e querio qua a noiva pagasse tudo, até mesmo sua roupa. Vejam só um detalhe: na fase de topografia, a construção precisava de 700 topógrafos e o Parguai só tinha 3. Donde vieram os restantes? Do Brasil, claro. E outros operários especializados? Idem, idem. E para suprir a energia que o Brasil precisava, ainda restavam dezenas de usias identificdas pelo famoso relatório Canambra, que fez o inventário de todos os locais no Brasil onde se poderia fazer hidroelétricas. Laudo Natel tinha razão

      Last, but not least, os automóveis não são feitos somente com ferro de Carajás (que era exportado),, usam aço (obtidos, claro, de ferro), alumínio e plástico.

      • Cara Dona Artemísia,

        A Sra. começou falando de Amazônia e fundos estrangeiros e Serra Pelada; agora desvia para o Jacarandá e depois dá uma guinada para o Rio Paraná. Isso é o verdadeiro Samba do afrodescendente com insanidade mental.

        A árvore do Jacarandá é da Mata Atlântica, esta sim, bastante devastada e que restam apenas 8% de sua cobertura inicial (destes 8 5% estão em SP). O Jacarandá se tornou fornecedor de uma da melhor madeira para a Europa, que cupim não ataca, muito usada em igrejas e instrumentos musicais. Hoje está quase extinto e sua predominância foi no sul da Bahia.

        Vamos agora ao Rio Paraná (eita viagem) e Itaipu, final da década de 70, Governo Militar e Delfim Neto como iminência parda. Só foi feita da maneira como foi para se tornar a maior hidrelétrica do mundo em operação, o que o é até hoje.

        As Sete quedas, segundo quem a conheceu, deixavam as cataratas do Iguaçu no chinelo. Imaguna o volume de águas do Paranazão (chamamos assim aqui em SP), 20 vezes maior que o R. Iguaçu, passando em gargantas de 20 metros de largura, um espetáculo inimaginável que ficou para trás, realmente um crime para as gerações que não conheceram. Porém já foi e não volta mais.

        Foco, d. Artemísia, falta-lhe foco em seus argumentos ginasiais.

      • Ah, D. Artemísia, Laudo Natel, ex governador de SP foi bancário e um dos fundadores do que hoje é o Bradesco e foi seu diregente. Nunca exerceu a engenharia.

        • Dona Artemísia,
          O Dr. Laudo Natel, empresário, capitalista, político honesto, foi presidente do meu querido Tricolor do Morumbi, clube três vezes campeão mundial, o que ainda não foi igualado por nenhum outro clube do Bananão. O Dr. Laudo Natel construiu o estádio do Morumbi, complexo esportivo do São Paulo F. C., sem um tostão de dinheiro público. Tudo com campanhas de arrecadação e contribuição de sócios. Era ou, ainda é, o maior estádio particular do mundo. Diferente do seu ídolo, Lula, o maior corrupto do mundo, autor do maior escândalo de corrupção do mundo, que atuou para que dinheiro de empreiteiras corruptoras e dinheiro público da Caixa Econômica fosse empregado pra construir o estádio do clube pelo qual ele torcia, o Corinthians. Agora, que a senhora parece com a seu ídolo Dilma, ah… isso parece. Os dois neurônios, Tico e Teco, não estão se comunicando direito. A senhora faz uma salada terrível. Nisso o nosso amigo João Francisco tem razão.
          Mas, fique tranquila, não vamos exterminar com a floresta amazônica. Só um pouquinho, tá!?

  3. Esta leitora deve ser como o ecocologistas das Zorópias que comemoram seus feitos num restaurante comendo um bife de um boi que veio da amazonia, numa mesa com cadeiras feitas de jacarandá ou ipê que os madeireiros tiram das nossas matas e que os zeroupeu compram e usam sem o menor sentimento de culpa. Usam casacos de peles raposas, objetos feitos de marfim ou de casco de tartaruga. Alguém aí acha que a matança de animais acabou no mundo. Temos que arrumar a nossa casa sem dúvida, mas eles também devem arumar a deles. Aqueles que fumam a sua ervinha e protestam contra o desmatamento deveriam perguntar como é plantada a sua ervinha querida no meio das florestas.

  4. Senhora de vida fácil que teve um descendente !!!!!! Como pode alguém que diz ter mestrado , doutorado , escrever coisas sem sentido , apenas porque acha bonito ser esquerdista (tipo artistas imbecis ) . Ofende a mente de outros , critica sem examinar os fatos ,e com mente chula pede que os “comentaristas não usem palavrório chulos ” .
    Clava com ponta redonda e reforço de ferro!!!!! Usufruis de tudo e defecas no utensílio côncavo em que te alimentas !!!!!!.
    Enfim ,é possível que com o conhecimento que alegas ter , e que de fato cremos que tenhas , vossa senhoria esteja sendo irônica ou esteja testando até que ponto vai a educação de quem a lê.
    Critique o governo ( qualquer governo ) . É saudável para qualquer governo que quiser se manter honesto .
    Porém examine o teor da crítica , o momento para a crítica , e toda a retrospectiva para formulação da mesma. Há uma máxima popular que talvez conheças : Nem tudo é o que parece ser. Estás usando-a agora ?.

    • João Francisco, meu amigo.
      Essa senhora é petista, com certeza.
      Então… discutir com ela é jogar xadrez com pombo.
      Mas continuemos, afinal, é muito divertido.

  5. Oia Dona Temisia,
    Nois aqui até pensa muito nesta tar de incologia. Respeitemo mesmo. Minha muié vai no incologista duas veiz por ano.
    I aqui no sul nóis gosta muito de bicho, principalmente de vaca, porco i oveia de preferencia assado num brasero.
    Mas nois come otras carne tambem, perdiz i perdigao é bom
    Nóis tamém gosta das arvre ja qui elas dao fruta, sombra i lenha pra queimá.
    O Berto é gente boa mermo publica toda bestera qui nóis escrivinha, até as bosta qui a sinhora escreveu.
    Mais seu pedido é foda, puta merda cumé qui é que o Berto vai segurar este bando de porra loca pra nao dizer merda nem mandá a sinhora tomá no cu. Vai sê dificil viu, puta que pariu, vai sê mermo.
    Mais fique tranquila nois so diz merda da boca pra fora, se alguém lhe mandar se fuder será de coraçao i com carinho.
    Abraço

      • Phodda foi conseguir para de rir. León, meu bom León, ocê é phodda bagarai… Amo essa gente fubânica e artemísica desta gazeta amada.

    • Caríssimos Leitores,
      Gostaria de registrar, antes que V.Sra. Berto (V.Sra. Berto é do caralho!!!) me advirta veementemente pelo uso de vocabulário inculto, de baixo calão, vulgo e chulo, que fui acometido da síndrome de Tourette. Todos sabem que meu linguajar e comportamento é típico de uma Dama (Dama não! Dama é muita viadagem!), é típico de um Lorde Inglês.
      As vezes sou impelido, pelos companheiros, a usar palavrório típico de lupanares e de messalinas do baixo meretrício (linguajar de puta de zona), mas isto é passageiro.
      Peço que V.Sra. Berto (puta que pariu! V.Sra. Berto é demais!) não me dê a famosa mijada, pois chove ao sul do trópico de capricórnio não terei sol para secar-me, restando-me, apenas, a opção de secar-me da mijada a peidos.
      Quanto aos ouvidos e olhos sensíveis feridos ante minha bela e inocente verve, desejo-lhes que vão, mui respeitosamente, tomar no cu.

    • Por último me ocorreu algo. A tal Dona artemísia é da área do Goiano, escreve e pensa parecido com ele.
      E, observem, que ele já se manifestou nos comentários.
      Dona Artemísia é alter ego do Goiano.
      Ou como dizia o Analista de Bagé é a “Noemi”dele (para quem não leu, segundo o analista de Bagé o gaúcho tem quatro componentes de personalidade: a Id, o Ego, o Superego e a Noemi. A Noemi é o lado carioca do gaúcho, trata-se da porção viado do gaúcho).
      Mas raciocinem se a Artemísia não é o Goiano disfarçado.
      O Sponholz poderia até fazer um desenho do Goiano Artemísia.

      • Pô, Sponholz, vê se capricha, heinnnn!!!!!
        Senão, vejamos… cara de gato, bigode de gato, pelo de gato, mia como gato… Hummmmmmmmm, podes cravar! É gato.

  6. Esta senhora deve ser a “instrutora” da Greta Thunberg, só fala merda, não sei mando “pra” ou “para” a ponte que caiu”..Aproveite a floresta e vá pentear o mico leão dourado.! Quanto ao nosso estimado Editor, apenas um aviso: não permita moderação neste espaço esgotífero, nojento e asqueroso, aqui não é “feicibuqui”! Escreveu, não leu, o pau comeu.

  7. De todos os comentários BolsoIconoclastas, Insultuosos ou Ofensivos, APENAS um me chamou a atenção: o de que a Ministra Teresa Cristina acha que o Brasil pode dobrar a sua produção sem entrar em um Hectare da Amazônia. Então, cacilis, por que desmatar?

    Felizmente não deverei ver a Amazonia ficar no estado da Mata Atlântica.

      • Dona Artemísia diz que não verá a Amazônia ficar na situação da Mata Atlântica. Claro , se está na melhor idade !. Espero que ela não esteja no fim da picada .
        Brincadeira ! ……… só para acalmar os ânimos.

    • Artemísia
      Vc merece crédito por mencionar a ministra Cristina. Só não vale meter o pai nela quando ela te explicar que para isto terá que usar mais energia na agricultura, mais defensivo agrícola, mais maquinário feito de ferro, mais ciência genética etc

    • Prezada Sra. D. Artemísia.

      Não sei a idade da Sra. e nem pretendo sabê-la, pois não sou indiscreto nem enxerido. No entanto acho no ritmo de desmatamento atual, nem se a Sra. vivesse mais 200 anos não veria a Selva amazônica chegar ao nível atual da Mata Atlântica.

      Valos ser claros; o solo e o clima da Selva amazônica não são propícios para a agricultura. As queimadas naquela região fazem e sempre farão parte da cultura local, mesmo na época dos índios era assim. A queimada, que é um tipo de manejo da terra é controlada e ajuda o solo, o que é muito diferente incêndio florestal, que devasta tudo e ocorre também com muita frequência nos EUA, Europa, Austrália, etc. Quando há muita cobertura vegetal no solo é ruim para a floresta e a própria natureza restabelece o equilíbrio através do fogo.

      Aconselho que a Sra. veja mais artigos e entrevistas do climatologista Ricardo Felício, Doutor do tema da USP, que esclarece muito bem o assunto, de forma independente da seita do aquecimento global.

    • Desculpem , obedecendo ordens de patente superior , fui almoçar . Voltando , a expressão “aviso” podem dar ( não é o caso ) conotação de ameaça , dizerem que eleitores de Bolsonaro querem mandar no pacífico e aberto jornal.

  8. Artemísia,

    Não ligue para as sacanagens da rapaziada, não! É só molecagem.

    Quanto `às suas opiniões, concordo plenamente que não podemos, e nem devemos, sair destruindo tudo o que a natureza produziu e nos presenteou.

    Só que há um grande porem: (maldito porem, como diria o Sancho) Não se consegue fazer omeletes sem quebrar os ovos.

    Nós tínhamos, à época em que se construiu Itaipu, cerca de 70 milhões de habitantes. Hoje, somos mais de 200 milhões. Esse povo todo quer energia, quer comer, quer um carro, e por aí vai. Se quisermos preservar os recursos naturais, só há uma solução: VAMOS PARAR DE FAZER CRIANÇAS!

    Por mim, faríamos a mesma coisa que a Ucrânia, Romênia, Itália, Alemanha e outros países civilizados estão fazendo. Encolheria aceleradamente a população. Ia sobrar recurso para todo mundo, sem que necessitasse desmatar e destruir mais nada.

      • Mente não que fica feio para um sujeito e sua idade… Faz tempo que ocê nun vai au brejo pegá tal bichinho… Agora ocê só se recorda que patrasmente era bão caçador e degustador de tal iguaria…

    • Só que há um grande porém: (maldito porém, contudo e todavia como disse Adônis que o Sancho diria): não se consegue fazer omeletes sem quebrar ovos, caríssima e amada fubânica. A raça humana se reproduz de forma acelerada (eita gente que gosta de trepar, sô), o que gera necessidade de mais e mais agricultura e solo para plantio, em uma equação alucinada, com total desvantagem para mamacita natureza…

      “Lupus est homo homini lupus” (letteralmente, «l’uomo è un lupo per l’uomo»), como disse meu amigão Tito Maccio Plauto (254-184 a.C.)

    • Conto os dias, minuto a minuto para tão aguardada atração fubânica. A coluna da Artê já possui nome? Talvez a comunidade, sempre muito cooperativa, possa ajudar dando sugestões de nomes. Disse o Berto que a coluna da Artê virá no comecinho de agosto. Contenham a ansiedade. Até lá dobrarei minha dose de maracujina, valeriana e rivotril. Alguém conhece alguma sugestão para a voz número nove parar de gritar em minha cabeça?

  9. Disse Berto ser muito difícil evitar que a canalha fubânica venha com o seu linguajar rasteiro e fedorento.
    Por isso Sancho, possuidor do título mais alto do linguajar rasteiro e fedorento que essa gazeta escrota já produziu, vem dizer à señora Artemísia: vos amo, nobre señora da Petrópilis que muito frequentei na mocidade, exercendo a atividade de charreteiro sangue bom, (charretes lá são chamadas de vitórias – a história das charretes em Petrópolis remete ao período colonial e tem atravessado gerações), pela turística e histórica Petrópolis, tendo certa feita (30 anos atrás) atropelado o Goiano de raspão (o conduzi ao Hospital Municipal Doutor Nelson de Sá Earp), sem maiores consequências na esfera cívil ou criminal.

    Tal observação da digníssima senhora me fez lembrar educativa troca de amabilidades entre dois homens de notável saber, que a belíssima señora Artemísia poderia usar para responder a alguns ataques, tais como:.

    “Me deixe de fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível”, diria Artemísia em reação a críticas feitas por suposto desqualificado fubânico a supostas decisões incorretas suas. “O senhor é a mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia.”

    Poderia dizer em seguida, já bastante exaltada, a nossa amada fubânica Artemísia : “Qual é a sua ideia, a sua proposta? Nenhuma, nenhuma, nenhuma. É bílis, ódio, mau sentimento, mal secreto, é uma coisa horrível”.

    Beijão em Berto, em Artemísia e em toda a comunidade fubânica.

    • Nobre sidekick do lendário Dom Quixote,

      quando comecei a ler a educativa troca de amabilidades entre ₢₢₢₢₢₢₢₢₢₢ dois homens de notável saber ₢₢₢₢₢₢₢₢₢₢ não consegui deixar de ouvir a voz de “V. Urubuscência Abortista, Luizinho Barrento, o supremo pavão de cinquenta tons de penacho preto”.

      Sua voz de carteira de couro oprimida manualmente é muito característica.

  10. Método. Isso se chama método, senhores. Aprendam com a Artê.
    Ela queria postar algo, mas (doloroso mas), seria horrível ninguém comentar. como ficaria sua vaidade literária? O que faz ela, para atrair nossos canibais fubânicos? Malandramente pede a Berto para incluir um PS COM OS DIZERES:
    PS: caso V. Sa. Berto publique, solicito aos nobres comentaristas fubânicos não utilizarem palavrório chulo.

    Efeito de tal magistral PS? Atraiu a macharada, que veio babando escrever de tudo um pouco sobre a inteligentíssima fubânica. Método, senhores; isso se chama método ou, para os que jogam ajedrez, xeque-mate.

  11. Mas mesmo que De Leon esteja certo , ou se a jovem morar no mesmo edifício do qual por usucapião talvez nosso querido seja dono , será um contra ponto interessante as colunas magistrais deste jornal. O problema é que são muitas , e as vezes temos que recorrer a outras fontes para complementar a leitura , fora os afazeres . Mas todas são ótimas e certamente a moça poderá adicionar algo ao jornal onde a dias não aparece uma poesia de Itaerço .

  12. Para quem imaginou que Artemísia, por morar em Petrópolis, possa ser eu, desfaço o engano, eu até poderia sê-la, não fosse essa coisa imensa no meio das minhas pernas, chamada joelho inchado.

  13. independende de , … para como se diz la no nordeste respostar a esta dona artemisia , nao s precisa usar palavras chulas ou de baixo calao ,basta apenas usar uma frase muito comum no interior de sao paulo , la na minha outrora bela ribeirao preto e mesmo n interi or sul de minas gerais , nao podemos nos ofender por um burro nao falar , pois afinal na vida ele so aprendeu a zurrar , simles assim .

  14. Prezada Mestre e Doutora Artemisia….

    Nao acredito no seu mestrado ou doutorado mas, sempre existe um mas, pode ser mestre Cuca e Dra. Frankstein.

    A quantidade de asneiras, desconectada com a realidade e falta de foco é muito grande para ser de um fubano de raiz…….

    Só pode ser de um esquerdopata infiltrado…

  15. Tirando onda, Artemísia em 14 de julho de 2020 às 10:54 comentou:

    De todos os comentários BolsoIconoclastas, Insultuosos ou Ofensivos, APENAS um me chamou a atenção: (…)

    Felizmente não deverei ver a Amazonia ficar no estado da Mata Atlântica.
    ………………………………………….

    Um bolsominion não captou a mensagem e mesmo assim em 14 de julho de 2020 às 11:45 comentou:

    Dona Artemísia diz que não verá a Amazônia ficar na situação da Mata Atlântica. Claro , se está na melhor idade !. Espero que ela não esteja no fim da picada .
    Brincadeira ! ……… só para acalmar os ânimos.

    ………………………………………….

    Outro Bolsominion que também não entendeu nada em 14 de julho de 2020 às 13:20 comentou:

    Prezada Sra. D. Artemísia.

    Não sei a idade da Sra. e nem pretendo sabê-la, pois não sou indiscreto nem enxerido. No entanto acho no ritmo de desmatamento atual, nem se a Sra. vivesse mais 200 anos não veria a Selva amazônica chegar ao nível atual da Mata Atlântica.

    (…)

    Aconselho que a Sra. veja mais artigos e entrevistas do climatologista Ricardo Felício, Doutor do tema da USP, que esclarece muito bem o assunto, de forma independente da seita do aquecimento global.
    ………………………………………….

    Eu gostaria de saber o que estes manés diriam sobre a falta de conhecimento do Fábio Faria, Ministro das Comunicações e genro de Silvio Santos, que afirmou que a Amazônia “tem 87% de Mata Atlântica” durante uma entrevista concedida ao canal CNN Brasil, na quinta-feira da semana passada (9/7), e que, por isso, acabou se tornando motivo de deboche nas redes sociais.

    Do Correio Braziliense:

    Ministro diz que Amazônia é composta por 87% de Mata Atlântica

    Os outros 13%, segundo Fábio Faria, das Comunicações, correspondem às queimadas. Confusão aconteceu durante entrevista à CNN

    O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que a Amazônia “tem 87% de Mata Atlântica” durante uma entrevista concedida ao canal CNN Brasil, nesta quinta-feira (9/7). O genro de Silvio Santos acabou se tornando assunto nas redes sociais.

    Em meio às pressões sobre o governo por causa das altas taxas de desmatamento na Amazônia, o ministro defendia a política ambiental do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgados nesta sexta-feira (10/7), apontam que a degradação na Amazônia Legal aumentou 64% de agosto de 2019 a junho de 2020. Foram 7.540km² de desmatamento ante 4.589km² entre agosto de 2018 e junho de 2019.

    Em entrevista, o ministro afirma que “se você chegar em Manaus e pousar, e se você quiser pedir um avião: ‘Ah, eu quero aqui ver a Mata Atlântica’. Você fica ali três horas sem parar vendo Mata Atlântica atrás de Mata Atlântica”.

    Faria ainda acrescentou que 87% da Floresta Amazônica é formada por Mata Atlântica e, os outros 13%, correspondem às queimadas. “Mas também, se você quiser fazer o que muitos jornalistas fazem no exterior, alguns artistas… ‘Ah, eu quero ver aqui queimadas’, também tem. Ele vai mostrar ali a região onde tem algumas queimadas que, no total da Amazônia, nós temos 87% de Mata Atlântica e 13% de queimadas”, explicou.

    Para ler a materia completa: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/07/10/interna_politica,871185/ministro-diz-que-amazonia-e-composta-por-87-de-mata-atlantica.shtml

    • Artemísia certamente sabia desta confusão do Ministro das Comunicações entre a Amazônia e a mata atlântica e aproveitou-se disso para tirar um onda com os manés aqui na área de comentário.

      Um comentarista até aliviou chamando a atenção para o PS no final do texto da Artemísia e encheu a bola dela sugerindo que aquilo se tratava de método:

      Método. Isso se chama método, senhores. Aprendam com a Artê.
      Ela queria postar algo, mas (doloroso mas), seria horrível ninguém comentar. como ficaria sua vaidade literária? O que faz ela, para atrair nossos canibais fubânicos? Malandramente pede a Berto para incluir um PS COM OS DIZERES:
      PS: caso V. Sa. Berto publique, solicito aos nobres comentaristas fubânicos não utilizarem palavrório chulo.

      Não sei se havia método, mas adorei a zoação dela.

  16. Dona Ametista, digo DONA ARTEMÍSIA, que é a fortalecedora da feminilidade, melhorando sensibilidade espiritual e que abrirá os canais de comunicações espirituais entre os fanáticos fubânicos “Pelo amor dos meus filhinhos!” Não some não, pois fará muita falta aqui ao nosso JBF.

  17. Sábio e incontestável Valter .
    Não tenho teu nível de conhecimento certamente por isto te peço o significado da palavra “cacilis” embutida na frase de dona Artemísia . Vou sair por instantes ,mas volto para saber.

        • Cacilda mesmo. Tem ou teve uma cervejaria incorporada ao Grupo Petrópolis , aquele que teve o dono preso , que fabricou a cerveja Cacilds .
          Petrópolis , Goiano , Artemísia , Itaipava , Brassaria , Vai ter farinha. Cacildis ! .Nada a ver .Nem sei porque estou escrevendo isto. Fico o dia quase todo aqui enchendo o saco dos outros , tentando não ir a geladeira , mas não está adiantando. O corona disgramado que não vai embora sô !.

  18. Ainda estou esperando para melhorar meu aprendizado neste jornal. E para mim a palavra tem tudo a ver com a explicação.

  19. Apesar da palavra ser explicada por Arthur (erro de digitação) o que pareceu-me notório , por isto a brincadeira sobre a frase ; Felizmente não verei a Amazônia ficar no estado da Mata Atlântica
    1 ) Ela ou nós nunca veremos a Floresta Amazônica ficar na situação da Mata Atlântica por não dar tempo .
    2) Ela ou nós nunca veremos a Floresta Amazônica crescer a ponto de ocupar a área da Mata Atlântica.
    3) Na federação não existe tal Estado da Mata Atlântica.
    4) Caso alguém com um egocentrismo exagerado crie tal estado não conseguirá transplantar a floresta
    5) A expressão “estar no fim da picada ” é uma brincadeira com o caminho que abrimos na mata = picada.
    Poderia enumerar um monte de besteiras no mesmo teor das emitidas pelo nobre Valter Ego , porque aqui podemos escolher entre verdades ,mentiras ,hipocrisias. Cada um opta pelo que quer, expõe sua razões , seus acertos e seus erros. Ou então faz como o Professor Dinossauro que foi para a China e as hans o mandar(am)in para o meio (país)do brejo . Mas vou desistir acho que não entendeste nada e não dá para desenhar.

Deixe uma resposta