ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

SAUDADE

Saudade quando chega
Promove melancolia
Um caos nas emoções
Sensação de agonia
Pra encontrar a cura
Vencer toda agrura
Basta fazer poesia.

POESIA DIFERENTE

Goste ou não de poesia
A minha é singular
Economia de tempo
Sentir prazer em rimar
Captar o universo
Lendo um simples verso
Pra o mundo decifrar.

O PAPA PODE ERRAR

O papa se irritou
Com quem puxou seu braço
Achar que ele não erra
É um grande atraso
Líder religioso
Mesmo sendo bondoso
Pecou pelo cansaço.

ZONA DE CONFORTO

Na zona de conforto
Sente-se amparado
Mas ao levar um choque
Pega despreparado
Só sai dessa cilada
Quem está motivado.

CONVIVÊNCIA

Conviver é uma arte
De tratar com carinho
Quem vem lhe atrapalhar
No meio do caminho
Pois só colhe uma rosa
Se tocar em espinho.

O HERDEIRO DOS ASTROS

Foi João Paraibano
Quem sempre plantou poesia
Nos irrigou com versos
Da divina sintonia
Hoje, colhe o apreço
Daqueles que o aplaudia.

8 pensou em “ALGUNS POEMAS BREVES

  1. Os poemas foram bem criativos, entretanto o que chamou minha atenção foi a homenagem feita ao repentista João Paraibano. Você utilizou o título de uma coletânea de versos organizada por Marcos Passos, Santana O Cantador e Ésio Rafael, cujo o título é João Paraibano O Herdeiro dos Astros. Parabéns por esse tributo ao poeta e repentista que soube traduzir em versos toda a beleza do Sertão.

  2. Vitorino,

    Grato por seu comentário com observações importantes. Você está correto quanto ao título do poema que fiz em tributo ao repentista João Paraibano. Possuo o livro e adquiri por ocasião do lançamento na Sala de Reboco no Recife. O livro conta a história do violeiro e repentista através de versos, e ainda reúne fotos e depoimentos de pessoas que conviveram e se inspiraram no cantador. O livro já foi lançado em Afogados da Ingazeira e contou com uma grande participação de poetas e admiradores do talentoso repentista.
    Aproveito a oportunidade para compartilhar uma estrofe sobre a seca de João Paraibano com o prezado leitor fubânico:

    Vi o fantasma da seca
    Ser transportado numa rede
    Vi o açude secando
    Com três rachões na parede
    E as abelhas no velório
    Da flor que morreu de sede.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  3. Marcos Ribeiro,

    Agradeço ao seu valioso comentário. A poesia torna a vida agradável, alegre e saudável. Gosto muito de fazer versos como entretenimento. A inspiração é muito importante, pois muitas vezes o poema já vem com todos os versos prontos. Quando não estou inspirado, os versos se apresentam com uma dificuldade enorme. Compartilho um poema, em versos livres, do meu baú com o prezado amigo:

    O QUE REALMENTE ME PERTENCE

    A casa em que vivo não me pertence.
    O carro que eu ando não me pertence.
    As roupas que eu uso não me pertencem.
    Nem tampouco os calçados que calço.

    A única coisa que eu possuo é o tempo.
    Posso não ter nenhum bem, mas possuo o tempo.
    Usarei esse tempo ao meu livre arbítrio?
    Claro! É a única coisa que realmente me pertence.

    Irei usá-lo para fazer o bem.
    Olha! Fazer o bem dá menos trabalho.
    E usarei para fazer a caridade.
    É bem mais gratificante do que se preocupar comigo.

    Sabe, quando se pensa no próximo, esquece-se de si.
    Não há terapia melhor para nossas neuroses
    Do que amar, um pouquinho, o nosso próximo.
    Afinal, tudo tem a criatura e tudo vem a ser nada.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  4. Aristeu,
    Maravilhoso inicio de semana com poesia, para engrandecer conhecimentos. Sinto-me honrada em fazer parte desta familía JBF!
    Como é impossível não sentir:
    SAUDADE,
    Saudade quando chega
    Promove melancolia
    Um caos nas emoções
    Sensação de agonia
    Pra encontrar a cura
    Vencer toda agrura
    Basta fazer poesia.
    Assim É!
    Fraterno abraço.
    Carmen.

  5. Carmen,

    Muito obrigado por sua generosidade. A maneira de escrever através de versos torna o texto mais leve. Procuro ser simples, objetivo e sintético quando me comunico, entretanto nem sempre consigo. Estes poemas foram um exercício de síntese que me aventurei no admirável reino da poesia. Aproveito a oportunidade nesse espaço democrático do Jornal da Besta Fubana para compartilhar um poema, em versos livres, do meu baú::

    E POR FALAR EM SONHOS

    A vida é feita de sonhos.
    Sonhos que não nos levem
    Para o passado nem nos
    Arremessem para o futuro,
    Mas nos joguem no presente.

    O jogo do presente foi sonhado,
    Ouvindo a voz do coração
    Determinar a tática correta.

    Cada dia é um jogo,
    Cada jogo é um sonho.
    É do seu sonho
    Que se faz a sua realidade.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

  6. Parabéns pela publicação de “ALGUNS POEMAS BREVES”, da sua autoria, prezado poeta Aristeu Bezerra! Gostei de todos os temas. Todos os versos são bonitos e verdadeiros.
    Destaco:

    SAUDADE

    Saudade quando chega
    Promove melancolia
    Um caos nas emoções
    Sensação de agonia
    Pra encontrar a cura
    Vencer toda agrura
    Basta fazer poesia.

    Um grande abraço e uma ótima semana!

    Violante Pimentel Natal (RN)

  7. Violante,

    Agradeço ao seu comentário com excelente incentivo. Gosto de pesquisar a nossa rica cultura popular e procurar fazer alguns versos de vez em quando. Muitas vezes os versos são rimados; outras vezes, não. Aproveito a ocasião para compartilhar um poema, em versos livres, com a estimada amiga:

    COMO SERÁ O SEU AMANHÃ?

    Você poderá sorrir, amanhã. Se souber enfrentar as adversidades da vida, hoje.

    Você poderá ter uma paz duradoura, amanhã. Se dividir sua paz temporária, hoje.

    Você poderá combater, efetivamente, o orgulho e o egoísmo, amanhã. Se você dividir com o próximo como foi o início da luta contra esses nossos inimigos, hoje.

    Você poderá conquistar a definitiva humildade, amanhã. Se você ensinar as pessoas como se começa a ser simples, hoje.

    Você poderá ensinar a solidariedade, amanhã. Se você mostrar como se deve estender à mão ao excluído socialmente, hoje.

    Você poderá ser feliz, amanhã. Se você exercitar o auto-amor, hoje.

    Você poderá amar, amanhã. Se houver o conhecimento de que o amor está em quem dá, e não em quem recebe.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

Deixe uma resposta