ALTAMIR PINHEIRO - SEGUNDA SEM LEI

José Alves Filho que tinha o nome artístico de Adelino Nascimento, nasceu em Maracaçumé, na região de Gurupi, no Maranhão. Foi autor de muitas músicas cantadas por outros intérpretes, como “ADEUS INGRATA”, que fez grande sucesso na voz do também maranhense Cláudio Fontana (que está hoje, com idade de 75 anos). Com mais de 30 discos gravados, Adelino Nascimento estava entre os mais populares da música romântica regional, conhecida popularmente como brega.

Junto com Waldick Soriano, Maurício Reis, Reginaldo Rossi, José Ribeiro, Roberto Muller, Genival Santos e Lindomar Castilho, Adelino era considerado um dos melhores cantores do país em seu gênero. O desmantelado Adelino faleceu em abril de 2008, em Aracaju, por complicações pulmonares com apenas 51 anos de idade, pois bebia uma cachaça da gota serena e fumava maconha até umas “zora”…

Adelino Nascimento Gravou 30 discos de estilo brega nos anos 1980 e 1990 e anos 2000, tendo atingido um alto patamar de popularidade no interiorzão do norte e nordeste. Lançou compacto simples, pelo selo RCA, em 1988. Em 1989, gravou os discos de maior destaque na carreira, “O cantor apaixonado do povão – vol. 1” e “O cantor apaixonado do povão – vol. 2”, que contaram com sucessos como “Coração Arrependido”; “Não Precisa Chorar”; “Flagra do Ricardão” e “De Joelhos na Terra”. Na reta final de sua carreira, entre 2000 e 2006, só subia aos palcos às “queda” de bêbado e sua voz aguda e brilhante já não era a mesma. Eis uma balada de Adelino de arrebentar à boca do balão: Não toque essa música, que eu não posso ouvir/ Porque ela recorda triste um amor que perdi/ Dizem que o homem não chora quando sente saudade/ Mas na verdade esta música fere o meu coração…

Ele teve discos relançados por gravadoras como Unimar Music, que lançou em 2009 o CD “Adelino Nascimento – Não se Vá”, com as músicas: “Não se Vá”; “Eu Hoje Chorei”; “Eu Te Amo Feiticeira”; “Mulher Fingida”; “Te Amo,Te Amo”; “Quando Estou com Você”; “Vou Tentar Te Esquecer”; “Nosso Amor Morreu”,(grande sucesso popular); “O que Será de Mim”; “Adão e Eva”; “Juras”; Coitado de Mim”; “De Pouco a Pouco” e “Mulher Falsa”; e, ainda a Sony Music, que lançou o CD “Adelino Nascimento – 20 Supersucessos”, com as músicas “Menina Faceira”; “Na Pracinha Da Igreja”; “Voa Canarinho”; “Caminhoneiro Apaixonado”; “Ruas Do Mundo”; “Brega Do Amor”; “Viola Velha Companheira”; “De Joelhos Na Terra”; “Vou Voltar Pra São Luiz”; “Momento Infeliz”; “Coração Arrependido”; “Mulher Sem Dono”; “Decidi Ficar Sozinho”; “Bailarina”; “Garota Proibida”; “Nuvem De Chuva”; “Pelo Menos Uma Palavra”; “Secretária Da Beira Do Cais”; “A Surpresa Da Carta” e “A Cruz Que Carrego”.

Eis o verdadeiro hino de Adelino Nascimento que é um melô da dor de cotovelo, na voz de Cláudio Fontana:

Hoje à noite partirei/ Pretendo nunca mais lhe ver/ Desde o dia em que lhe encontrei/ Minha vida é um eterno sofrer/ Adeus ingrata, adeus ingrata, Adeus ingrata/ Não é preciso nem me escrever/ Amanhã estarei longe daqui/ Outras garotas irei conhecer/ Um novo sol há de brilhar pra mim/ Não quero nem lembrar de você/ Adeus ingrata, adeus ingrata, adeus ingrata/ Não é preciso nem me escrever…

3 pensou em “ADELINO NASCIMENTO, O CANTOR APAIXONADO DO POVÃO

  1. Taquipariu!!! Eu residia na cidade do Penedo, sul do Estado de Alagoas, e num sábado, fui com um amigo em comum, professor do curso de Turismo da UFAL, tomar umas cachaças, porque afinal, ninguém é de ferro. Por trás do Teatro Sete de Setembro (construído em 1884), fica um boteco daqueles bem vagabundos, sujos; cheio de teia de aranha; o dono do boteco com uma porra dum cigarro torto na boca, um pano de prato sujo, mais sujo que o boteco; paredes e mesas podres; O nome do boteco: Bar do Galo Velho. Ao lado, começa o pátio da feira.
    Pois bem!! Nunca tinha entrado ali e na hora que ele nos serviu a cachaça, quando eu dei a primeira golada, o infeliz veio com uma bosta dum chocalho e balançou aquela porra perto das orelhas… Não entendei bulufas e depois me explicaram, que todas as vezes que aparece um visitante no bar, assim que bebe, leva uma chacoalhada, pra ficar experto!!!
    Ahh!!! A música de fundo no bar era justamente a desse corno, Adelino Nascimento…
    Pois é… Ficamos ali naquela vagabundagem, naquele boteco sujo, mas, um tira-gosto de primeira, uma cerveja estupidamente gelada e uma cachaça de primeira!!!
    Eu nunca vi em toda a minha vida uma música tão de puta quanto a desse sujeito; Sabe aquelas quenguinhas, bem rastaqueras?? A música desse sujeito lembra justamente delas.

  2. Altamir,

    Desta vez o mestre desbancou o Oeste de John Ford, trazendo para dentro do saloon a dor de cotovelo, o chifre à ponta, o copo vazia da gaia sofrida, o sofrimento do caboclo abandonado…

    O verdadeiro hino da puta (com todo respeito às mulheres de vida dura!)

    Arretada crônica de cabaré!!

  3. Até que provem o contrário, adeus ingrata é composição do saudoso Geraldo Nunes, sucesso absoluto na voz de Claudio Fontana.

Deixe uma resposta